Explosão de dinamite provocou tragédia em Curitiba no ano de 1976

 

Em setembro de 1976, o estrondo de uma explosão foi ouvido em toda a cidade. Um caminhão, que transportava uma tonelada e meia de dinamite,  pegou fogo e explodiu, deixando dois mortos e dezenas de feridos no bairro Cabral.

 

Vídeo produzido para a TV Band Paraná sobre o caso.

 

O jornalista Ney Hamilton foi um dos primeiros a chegar. Ele trabalhava no Instituto de Biologia (Depois Tecpar) , que ficava na Rua dos Funcionários, a uma dez quadras.  Com o estrondo os vidros do laboratório cairam no chão.

Ele foi ver o que tinha acontecido, pensando ser uma queda de avião. Mais perto, pela coluna de fumaça, imaginou ser a explosão de um posto na Avenida Munhoz da Rocha. Ficou impressionado pelo numero pássaros mortos ao longo do caminho. E com os vidros de casas que quebraram, a quase um quilometro, em ondas de maior ou menor intensidade.

No local o caminhão em pedaços não era mais identificado, havia uma cratera e um pedestre morto, atingido por parte do motor do caminhão. Ao redor as casas de madeira estavam destruídas ou destelhadas, e os fios de luz estavam no chão.

Parte do motor do caminhão foi parar em cima da marquise da Fábrica de Biscoitos Lucinda, que ficava a mais de 100 metros do local da explosão. A tragédia só não teve mais vítimas porque o motorista e o ajudante do caminhão viram o fogo,  e sairam gritando para alertar os moradores. Veja mais detalhes no vídeo abaixo.

.

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui para encontrar o grupo Memória de Curitiba, criado por esta coluna no Facebook.

 

Contato com José Wille.

.

.

.

jose.wille

O afundamento em Guaratuba no ano de 1968

A história sobre “o afundamento da cidade de Guaratuba no Mar” se espalhou rapidamente no ano de 1968. Na verdade o afundamento foi só de uma parte da região mais antiga, atingida pela erosão marítma. Veja neste vídeo abaixo.

E clique aqui para conhecer o grupo “Memória Paranaense”, criado por esta coluna no Facebook. Ao abrir clique em “participar do grupo”.

E aqui está o grupo “Memória de Guaratuba”.

 

 

 

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Contato com José Wille.

 

 

Explosão de dinamite provocou tragédia em Curitiba no ano de 1976

 

Em setembro de 1976, o estrondo de uma explosão foi ouvido em toda a cidade. Um caminhão, que transportava uma tonelada e meia de dinamite,  pegou fogo e depois explodiu, deixando dois mortos e dezenas de feridos no bairro Cabral.

O jornalista Ney Hamilton foi um dos primeiros a chegar. Ele trabalhava no Instituto de Biologia (Depois Tecpar) , que ficava na Rua dos Funcionários, a uma dez quadras.  Com o estrondo os vidros do laboratório cairam no chão.

Ele foi ver o que tinha acontecido, pensando ser uma queda de avião. Mais perto, pela coluna de fumaça, imaginou ser a explosão de um posto na Avenida Munhoz da Rocha. Ficou impressionado pelo numero pássaros mortos ao longo do caminho. E com os vidros de casas que quebraram, a quase um quilometro, em ondas de maior ou menor intensidade.

No local o caminhão em pedaços não era mais identificado, havia uma cratera e um pedestre morto, atingido por parte do motor do caminhão. Ao redor as casas de madeira estavam destruídas ou destelhadas, e os fios de luz estavam no chão. Parte do motor do caminhão foi parar em cima da marquise da Fábrica de Biscoitos Lucinda, que ficava a mais de 100 metros do local da explosão. A tragédia só não teve mais vítimas porque o motorista e o ajudante do caminhão viram o fogo,  e sairam gritando para alertar os moradores. Veja mais detalhes no vídeo abaixo.

Clique aqui para conhecer o grupo “Memória de Curitiba” no Facebook. Ao abrir clique em “participar do grupo”.

 

Vídeo da Band Paraná sobre o caso.

.

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui  para abrir a nossa coluna “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille.

.

.

.

jose.wille