enem 2019

Inep convoca participantes do Enem 2019 a cadastrarem informações em novo site

Candidatos que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) do ano passado estão sendo chamados para cadastrarem os seus dados na plataforma on-line do governo federal: gov.br. De acordo com Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pela prova, a ação visa unificar os dados dos usuários em todos os serviços digitais dos órgãos federais.

A unificação dos registros na página será feita de forma gradativa, com previsão de reunir todos os serviços digitais dos órgãos federais, informa o Inep. Criando um único usuário e senha é possível utilizar todos os serviços públicos digitais que estejam integrados com a plataforma.

Embora a convocação dos estudantes esteja sendo feita neste mês, a plataforma unificada gov.br foi instituída pelo Decreto n° 8.936, de 19 de dezembro de 2016, sob criação do Ministério da Economia (ME), em parceria com o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

Para se cadastrar no gov.br, o estudante deve seguir os seguintes passos:

1. Acessar a Página do Participante, no endereço enem.inep.gov.br.

2. No canto superior esquerdo da página, clicar no botão GOV.BR que levará ao portal de serviços digital do Governo Federal.

3. No site, clicar no botão “Acesso GOV.BR”

4. Informar CPF, nome completo, e-mail e telefone e registrar login e senha para criar sua conta no portal.

5. Após seguir os passos acima, o participante terá acesso liberado para os canais digitais do governo federal.

Espelho da redação do Enem 2019

Ainda sobre o Enem 2019, conforme edital, o espelho individual da redação deverá ficar disponível para consulta a partir do dia 17 de março. Com ele, o participante poderá conferir a pontuação recebida em cada uma das cinco competências avaliadas pelos corretores, no Sistema Enem. No mesmo dia deverá ser disponibilizada a nota dos “treineiros”, participantes que fizeram o exame e avisaram, durante a inscrição, que não terminariam o ensino médio até dezembro passado.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

weintraub educação deputados impeachment

Abraham Weintraub vai ao Senado “esclarecer mentiras” sobre o Enem 2019

O Ministro da Educação, Abraham Weintraub, vai ao Senado para explicar à Comissão de Educação, Cultura e Esporte sobre os erros do Enem 2019 nesta terça-feira (10). A audiência está prevista para acontecer a partir das 11h e será transmitida ao vivo pela TV Senado (assista abaixo).

Na noite de ontem, Weintraub disse que estava à disposição para esclarecer mentiras propagadas envolvendo o Exame Nacional do Ensino Médico. Veja abaixo!

Em resposta ao tweet, alguns estudantes argumentaram que o site do Sisu não estava funcionando. Outros, apoiaram o discurso do ministro e desejaram boa sorte.

Polêmicas envolvendo Enem 2019

Ainda no início de 2019, em abril, a primeira polêmica envolvendo o Enem 2019 aconteceu quando a gráfica que faria a prova entrou com um pedido de falência. Em seguida, no primeiro dia de provas, uma foto com a proposta de redação foi vazada minutos após o início do exame. No dia, o Ministro da Educação afirmou que a foto tirada e postada era verdadeira, mas que tudo estava dentro da normalidade.

Já em 2020, a polêmica da vez foi o erro na correção da prova. No dia 18 de janeiro, um dia após a divulgação do resultado, foram encontrados quatro casos de inconsistências na correção da segunda prova do exame. Devido ao erro, alguns alunos relataram nas redes sociais terem sido surpreendidos com notas baixas.

Segundo o Inep, foram constatados erros na identificação dos candidatos e da respectiva cor de sua prova do Enem 2019. O candidato fez a prova de uma cor, mas a nota foi corrigida como se fosse de outra. Além da falha inicial ocorrida na gráfica, também foram encontradas notas erradas provocadas por outras falhas, como na aplicação.

No dia 21 de janeiro, o Ministério da Educação afirmou que candidatos do Sisu (Sistema de Seleção Unificada) enfrentavam lentidão. Segundo a assessoria de imprensa do MEC, a “instabilidade ocorreu devido ao grande número de acessos”.

Ministro da Educação conturbou sessão na Câmara

Em dezembro, Abraham Weintraub esteve em uma audiência na Comissão de Educação, da Câmara dos Deputados. O objetivo era explicar os ataques feitos às universidades federais. Em uma entrevista, por exemplo, o ministro disse que as instituições têm “plantações extensivas de maconha”.

Durante a sessão, Weintraub manteve o discurso e gerou diversas discussões com os parlamentares. “Pode ensinar o que quiser, falar de Karl Marx, não tem problema. Agora, a Polícia Militar tem que entrar nos campi”, disse o ministro.

Idilvan Alencar (PDT), deputado federal pelo Ceará, foi um dos que retrucaram o ministro. Para ele, Weintraub deveria “aproveitar o Natal e pegar o beco”, ditado nordestino que significa ir embora. “Acho que você tem que usar de bom senso, humildade e auto-crítica. Você foi nomeado e criou um Twitter somente para disseminar ódio. O senhor não tem condição técnica e política para estar nessa função”, opinou o parlamentar.

Weintraub diz que “fetiche da esquerda” é vê-lo preso e torturado

No dia 19 de dezembro, Abraham Weintraubministro da Educação, publicou uma foto em que aparece com sua cabeça em uma berlinda, um instrumento de tortura similar a uma guilhotina. O post, feito para ironizar seus críticos, foi feito em sua conta no Twitter.

“Fetiche da esquerda neste Natal: ver Weintraub preso, torturado e obrigado a usar um suéter vermelho como humilhação. Será que estou na Venezuela ou em Cuba?”, postou o ministro.

Assista aqui a audiência de Weintraub no Senado!

Sisu - Enem - estudantes - matrículas - universidades

Sisu: Prazo para matrícula nas universidades encerra nesta terça-feira (4)

Todos os estudantes classificados pela nota no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) pelo Sisu (Sistema de Seleção Unificada) têm até esta terça-feira (4) para finalizarem suas matriculas em suas respectivas universidades.

Cada instituição de ensino tem suas próprias regras para a entrega da documentação necessária para finalizar a matrícula. Por isso é fundamental que os estudantes não deixem para a última hora esse procedimento.

As vagas pelo Sisu respeitam a Lei de Cotas e de políticas de ações afirmativas e englobam cursos de universidades federais de todo o Brasil.

sisu, prouni, educa mais brasil, bolsa de estudo, bolsas de estudo, prazo, inscrição, inscrições, enem, enem 2019, mec, exame nacional do ensino médio, ensino superior, vagas, como se inscrever, diferenças

SISU, Prouni e Educa Mais Brasil; confira as diferenças entre os programas

Uma dúvida comum, mas que é facilmente esclarecida para estudantes que vão cursar uma graduação pela primeira vez, é sobre o que diferencia o SISU, Prouni e Educa Mais Brasil. Os dois primeiros são programas do governo e usam a nota do Enem. Já o Educa Mais Brasil é uma iniciativa privada. Contudo, todos facilitam o ingresso no ensino superior.

O Sistema de Seleção Unificado (Sisu) é um programa criado pelo Ministério da Educação (MEC), em 2010, e seleciona estudantes que realizaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para estudar em universidades e institutos federais.

Já o Programa Universidade Para Todos (Prouni) foi criado em 2004, com o objetivo de disponibilizar bolsas de estudo integrais e parciais em universidades e faculdades privadas em todo o Brasil.

O Educa Mais Brasil disponibiliza bolsas de estudo para diversos cursos de graduação, pós-graduação, técnicos, idiomas, dentre outros. Pioneiro nesse segmento no Brasil, o Educa tem parceria com milhares de instituições em todo o país. O acesso à bolsa é disponibilizado sem precisar da nota do Enem.

Agora que você já sabe qual é a diferença entre SISU, Prouni e Educa Mais Brasil, aprenda a fazer a inscrição nos respectivos programas.

Como fazer inscrição no SISU?

A inscrição no SISU é feita pela internet, sem custo ao candidato, no site do programa. Para se candidatar, siga o passo a passo do SISU:

⦁ Acesse o site de inscrição do Sisu 2020;
⦁ Informe o seu número de inscrição e a sua senha do Enem 2019;
⦁ Confirme os seus dados na plataforma;
⦁ Escolha duas opções diferentes de cursos que você quer estudar;
⦁ Indique a sua modalidade de concorrência: vagas de ampla concorrência, vagas referentes à Lei de Cotas ou vagas destinadas às demais políticas afirmativas das instituições.
⦁ Acompanhe a sua inscrição e fique de olho na nota de corte do SISU 2020.
⦁ Com o resultado em mãos, os aprovados deverão se matricular entre os dias 29 de janeiro e 4 de fevereiro na instituição que foi aprovado. Antes da matrícula é necessário conferir todos os documentos exigidos.

Como fazer inscrição no Prouni?

A inscrição no Prouni é gratuita e feita pela internet. Para isso, o interessado deve seguir o passo a passo do Prouni:

⦁ Informar o número de inscrição no Enem de 2019 e a senha mais recente usada no Enem;
⦁ Escolher, em ordem de preferência, até duas opções de instituição, curso e turno dentre as bolsas disponíveis. O candidato com deficiência ou que se autodeclarar indígena, preto ou pardo pode optar por concorrer a bolsas destinadas a políticas de ações afirmativas.

Fique atento! O resultado da primeira chamada do Prouni será divulgado em 04 de fevereiro de 2020. Se você for pré-selecionado deverá comparecer à instituição de ensino e apresentar os documentos que comprovem as informações prestadas na ficha de inscrição.

A diferença entre SISU e Prouni está nos pequenos detalhes. No entanto, também apresentam semelhança. Tanto o SISU quanto o Prouni selecionam os candidatos pela nota de corte.

Como fazer inscrição no Educa Mais Brasil?

Para conseguir uma bolsa pelo Educa Mais Brasil é fácil e, ao finalizar o curso, você não precisa pagar nada ao Educa nem à faculdade. Para isso, basta seguir o passo a passo:

⦁ Acesse o site do Educa Mais Brasil;
⦁ Escolha a modalidade que você deseja, se: Faculdades; Pós-Graduação; Escolas; Cursos Técnicos; Idiomas; Preparatório para Concursos; Cursos Profissionalizantes; EJA – Educação para Jovens e Adultos ou Pré-Vestibular / ENEM.
⦁ Digite a cidade onde deseja fazer o curso;
⦁ Após visualizar as bolsas disponíveis e decidir qual é a melhor opção para você, clique em “Quero esta bolsa”;
⦁ Preencha o cadastro e avance para a pré-matrícula;
⦁ Após a pré-matrícula, vá à instituição escolhida para finalizar o cadastro;
⦁ Pronto! Vaga garantida e sonho realizado. Boa sorte!

prouni, bolsas de estudo, universidade para todos, enem, enem 2019, mec, prazo, inscrições

Inscrições para o Prouni encerram no sábado

As inscrições para o Prouni (Programa Universidade para Todos) estão abertas e encerram na segunda-feira (1º). O programa concede bolsas integrais e parciais em universidades privadas. As inscrições devem ser feitas pela internet, por meio do site: siteprouni.mec.gov.br. Para concorrer às bolsas, é preciso ter feito o ENEM 2019.

Em 2020, o Prouni oferece mais de 251 mil bolsas parciais e integrais para faculdades privadas. A consulta é feita por meio site do programa com base em três critérios. Assim, o estudante pode filtras pelas categorias: curso, instituição e município.

Para concorrer às bolsas do Prouni, o estudante deve usar a nota obtida no ENEM 2019. Além disso, é preciso se enquadras nas faixas de rendimento do programa.

O prazo de inscrições foi estendido pelo Ministério da Educação (MEC) porque o Sisu (Sistema de Seleção Unificada) foi suspenso pela Justiça, após erro na correção do ENEM 2019.

enem 2019

Estudantes temem perder vagas nas universidades após inconsistências no Enem 2019

Com a inconsistência gerada na correção dos gabaritos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), participantes demonstram preocupações com as notas e a possibilidade de que os erros afetem o ingresso na graduação.

Após a polêmica e uma série de reclamações geradas nas redes sociais, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep) reconheceu a falha e afirmou que as irregularidades foram verificadas nos dois dias de aplicação das provas, 3 e 10 de novembro de 2019.

No entanto, em virtude das inconsistências, estudantes continuam apreensivos e, mesmo com a autorização do Superior Tribunal de Justiça (STJ) para a divulgação do resultado do SISU, na terça-feira (28), alguns inscritos temem ser prejudicados.

A estudante Ana Caroline, 17, fez o Enem pela primeira vez no ano passado. Na tentativa de conquistar uma vaga para o curso de Ciências Biológicas, acessou o resultado com insegurança. “Independentemente de terem autorizado a divulgação das notas eu não consigo acreditar que as provas de milhares de pessoas foram corrigidas. O prazo foi curto e ninguém tem garantia da segurança desse sistema”, desabafa a estudante.

Assim como Ana, milhares de estudantes continuam na expectativa pelos programas do governo. Mas para quem deseja garantir uma vaga e iniciar o ensino superior, ainda neste ano, há possibilidade de contar o apoio do Educa Mais Brasil, que disponibiliza bolsas de estudo em todo o país, com descontos que podem chegar a 70%. Tudo isso sem precisar da nota do Enem. Basta acessar o site e fazer a inscrição.

Erros no Enem

As falhas na aplicação das provas do Enem não são inéditas. Seja durante a divulgação dos resultados ou posterior, o Exame Nacional do Ensino Médio tem um histórico de polêmicas desde a sua criação.

1998 – Criação do Enem

O Exame foi criado na gestão de Paulo Renato Souza, estando à frente Ministério da Educação, no governo de Fernando Henrique Cardoso.

1999

As Instituições de ensino superior começaram a utilizar o Enem como forma de ingresso ao nível superior.

2000

Neste ano, o processo passou a ofertar provas em braile e também a opção ampliada, com o auxílio de leitores.

2001

Marcou o início da política de inscrição gratuita para concluintes do ensino médio no ano da edição.

2004

Os resultados passaram a ser utilizados como critério para inscrição no Prouni.

2005 – Popularização do Enem

Com a adesão do Prouni, o Enem registrou uma marca história de inscritos em 2005: 3 milhões de inscrições e 2,2 milhões de participantes.

2009

Ocorreu um furto do caderno de questões dentro da gráfica responsável pela impressão e o grupo de acusados tentou vendê-lo para veículos de comunicação. Também nesse ano o exame começou a ser aplicado para pessoas privadas de liberdade (Enem PPL).

2010

Dados pessoais de participantes das edições de 2007, 2008 e 2009 do Enem vazaram e ficaram disponíveis na internet.

2011

Nesse ano, mais de mil estudantes do Rio de Janeiro descobriram que o local da prova indicada no cartão de confirmação estava incorreto, causando transtornos aos inscritos.

2012

Em 2012, cerca de 129 redações do Enem 2011 tiveram “erro material” na sua correção e parte delas teve sua pontuação alterada.

2013

A nota do Enem passou a ser utilizada na concessão de bolsas de estudos do programa Ciência sem Fronteiras.

2014

Foi assinado um acordo interinstitucional com uma Instituição de Educação Superior Portuguesa, a Universidade de Coimbra, como forma de ingresso dos estudantes através das notas obtidas.

2015

Início da política de atendimento por nome social.

2016

Estreia da coleta de dado biométrico e o uso de detectores de metal na entrada e saída dos banheiros.

2017

Após Consulta Pública, o exame passou a ser aplicado em dois domingos consecutivos, evitando o “confinamento” de participantes que “guardam o sábado” por motivos religiosos.

2018

Foi implantada a etapa de justificativa de ausência e solicitação de isenção em período anterior à inscrição.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

resultado do Sisu, educação. MEC, STJ, Sisu

Resultado do Sisu é liberado pelo MEC após decisão do STJ

O Ministério da Educação (MEC) liberou nesta segunda-feira (28) o resultado do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que estava com divulgação suspensa por ordem judicial. As informações foram liberadas depois de decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), também despachada nesta segunda.

Neste semestre, são 237.128 vagas em 128 instituições de ensino superior públicas de todo o país pelo Sisu. Segundo a pasta, mais de 3,4 milhões de inscrições foram realizadas este ano. Quem não for contemplado agora, poderá participar da lista de espera da segunda chamada, entre 29 de janeiro e 4 de fevereiro.

O ministério informou também que estarão abertas hoje à noite as inscrições para o Programa Universidade para Todos (ProUni). No cronograma inicial, o término para concorrer às bolsas seria na próxima sexta-feira (31). O MEC decidiu prorrogar o prazo por mais um dia, sábado,1º de fevereiro, para que os candidatos tenham tempo suficiente de se inscreverem.

Por meio de nota, a pasta acrescentou que o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) permanece com o cronograma atual, com inscrições de 5 a 12 de fevereiro.

Enem - Fies - redação - redação do Enem - notas

MPF defende manutenção do prazo de inscrição no Sisu com as notas do Enem

Após reunião nesta sexta-feira (24) da 1CCR/MPF (Câmara de Direitos Sociais e Atos Administrativos do Ministério Público Federal), o órgão decidiu reconhecer a regularidade do Sisu (Sistema de Seleção Unificada), mantendo dessa forma o prazo de inscrição para o processo seletivo.

Dessa forma, o calendário de inscrições do Sisu segue até este domingo (26). Haviam dúvidas da manutenção desse prazo, após 250 representações na Justiça de estudantes insatisfeitos com a forma de correção do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

A Câmara emitiu comunicado com o reconhecimento da regularidade na apuração das notas do Enem ao ministro da Educação, Abraham Weintraub, e também para o secretário de Educação Superior do MEC, Arnaldo Barbosa de Lima Jr, e ao presidente do Inep, Alexandre Lopes.

De acordo com Lopes, nenhum candidato que prestou o Enem foi prejudicado, porque o problema com as notas foi solucionado antes da abertura das inscrições do processo seletivo.

“A questão foi imediatamente resolvida pela equipe técnica do Inep, não se vislumbrando, no momento, prejuízos concretos aos alunos que se submeteram ao Enem, restando agora ao Instituto apurar administrativamente as causas e as responsabilidades pela ocorrência, o que já vem sendo feito pela Procuradoria Federal junto ao Inep”, declarou a subprocuradora-geral da República Célia Regina Souza Delgado.

enem, enem 2019, erros, correção enem, bolsonaro, weintraub, jair bolsonaro, abraham weintraub, exame nacional, ensino superior, processo, processos, ações, ação, ações judiciais, estudantes, mec, governo federal prouni sisu mec

Após erros no ENEM 2019, governo responde a pelo menos 10 processos

O governo do presidente Jair Bolsonaro já responde a 10 ações judiciais após a divulgação de notas do Enem 2019 com erros. Ações pedem revisão da correção da prova e também suspensão do Sisu, sistema que seleciona alunos para universidades públicas a partir do desempenho no exame.

Após comemorar o que seria o melhor exame da história, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, confirmou no sábado (18) que milhares de participantes haviam recebidos notas com erros.

Com a divulgação do problema, a pasta recebeu 172 mil mensagens com reclamações sobre seus desempenhos. O Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) diz que a falha atingiu 5.974 candidatos, que tiveram os resultados alterados.

Até o fim da manhã desta quinta-feira (23), havia nove ações ajuizadas em cinco unidades da federação, segundo a a Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU (Advocacia-Geral da União), que atua nesses casos. O órgão identificou nesta tarde uma nova ação, individual, no Rio de Janeiro, com pedido de alteração de notas.

No Distrito Federal, há três ações. Dois mandados de segurança pedem a suspensão do Sisu e a revisão do processo de correção das notas. Também há uma ação popular com pedido de reabertura dos prazos para que estudantes possam pedir revisão de notas, além da prorrogação do prazo de inscrições do sistema.

APESAR DE ERROS NO ENEM, GOVERNO MANTEVE SISU

O governo manteve a abertura do Sisu nesta terça-feira (21), mas estendeu o prazo de inscrições até domingo (26), dois dias além da previsão inicial. O site, que reúne vagas de instituições públicas com acesso a partir do Enem, já recebeu 1,4 milhão de inscritos.

Mandados de segurança impetrados em Minas Gerais e no Pará pedem revisão da correção da prova. Com relação a essa ação do Pará, a Justiça Federal concedeu liminar em que pede alteração de nota de uma participante.

Uma ação individual em Goiás demanda a divulgação dos espelhos dos gabaritos preenchidos. No mesmo estado, outro mandado de segurança exige a retificação das notas e que seja aceita inscrição no Sisu após isso.

Ainda há uma ação popular no Maranhão em que também se pede a suspensão da abertura do Sisu.

As ações foram ajuizadas desde a última sexta-feira (17), data em que o governo liberou o acesso aos resultados. Desde aquele dia participantes relatam nas redes sociais estranhamento com as notas.

ESTUDANTES RECORREM AO MINISTÉRIO PÚBLICO

Estudantes descontentes registraram ao menos 250 representações nas procuradorias da República pelo país.

O MPF (Ministério Público Federal) recomendou ao governo Bolsonaro na quarta (22) a suspensão das inscrições do Sisu (Sistema de Seleção Unificada). O órgão pede conferência dos gabaritos de todos os candidatos.

O prazo para acatar a recomendação do MPF é de 24 horas. O descumprimento pode implicar a adoção de providências administrativas e judiciais cabíveis, segundo a procuradoria.

O Inep argumenta que, a partir dos erros identificados, revisou o resultado de todos os participantes.

Contra a judicialização do Enem, o instituto organizou uma força-tarefa para lidar com processos e informou estar preparado para ações. O MEC informou que encaminhará os esclarecimentos solicitados pelo MPF. Essas ações, no entanto, estão sendo tratadas pela Procuradoria-Geral Federal.

Por causa do modelo matemático adotado no Enem, as notas dos participantes dependem não apenas da quantidade de acertos mas também de quais foram eles -quem erra questões fáceis e acerta difíceis pode, por exemplo, ter uma nota menor.

O cálculo das notas leva em conta uma série de informações estatísticas. Dessa forma, o candidato não tem como calcular sua pontuação nem ter certeza se ela está correta.

No caso dos estudantes que o Inep já reconheceu terem recebido a nota errada, falhas na gráfica não identificaram a dissociação entre o candidato e a respectiva cor de sua prova. Assim, participantes que fizeram a prova de uma cor tiveram o gabarito corrigido como se fosse de outra.

A gráfica Valid passou a imprimir a prova desde o ano passado, mesmo sem ter experiência nesse tipo de serviço.

enem bolsa de estudo

Programa educacional oferta bolsa de estudo sem exigir nota do Enem

Os resultados individuais do Enem 2019 foram liberados na última sexta-feira, 17. Com isso, muitos estudantes estão na expectativa de iniciar uma graduação ainda em 2020. De acordo com os resultados obtidos, é possível garantir uma vaga fazendo uso das notas do Enem.

Caso ainda tenha dúvidas se a nota do Enem será suficiente para pleitear uma vaga por meio dos programas do governo Sisu, Prouni ou Fies, é possível utilizar o simulador de nota de corte do Educa Mais Brasil e continuar o sonho de ingressar no ensino superior.

Confira abaixo algumas faculdades que aceitam a nota do Enem 2019

Fui mal no Enem 2019, e agora?

Se com o resultado do Enem não vai dar para participar dos processos seletivos dos programas do governo, ainda é possível conseguir uma bolsa de estudo do Educa Mais Brasil e cursar uma graduação com descontos de até 70% nas mensalidades, sem precisar apresentar a nota do Enem para realizar a candidatura. As inscrições são gratuitas e já há vagas para 2020.1.

Como conseguir bolsa de estudo sem a nota do Enem 2019

  • Acesse o site www.educamaisbrasil.com.br;
  • Escolha a modalidade “Faculdade”;
  • Preencha os dados solicitados (cidade, curso ou faculdade)
  • Pesquise as bolsas, modalidades e turnos disponíveis;
  • Clique em “quero esta bolsa”;
  • Faça o cadastro gratuito;
  • Pague o valor referente à pré-matrícula;
  • Compareça na instituição para realizar a matrícula.

Pronto! Você já será um bolsista do Educa Mais Brasil.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil