Caminhão tenta cruzar rodovia e causa acidente na BR-116

Uma mulher ficou presa nas ferragens de um carro após bater contra um caminhão, na manhã desta quarta-feira (12), no KM 126, da BR-116, em Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o automóvel seguia na pista sentido Curitiba quando foi atingido pelo caminhão que tentava cruzar a rodovia.

No automóvel estavam a mulher, uma adolescente e uma criança. Ambas sofreram ferimentos leves.

cunhada

Rapaz que atropelou cunhada por ciúmes é preso

Um rapaz que 20 anos, suspeito de atropelar intencionalmente três adolescentes de 12, 13 e 16 anos no bairro Umbará, em Curitiba, foi preso pela Polícia Civil do Paraná (PCPR) nesta quinta-feira (30).

Jackson Jean Dulski foi detido em sua própria residência, em Fazenda Rio Grande, região metropolitana da capital paranaense, onde também foi encontrada uma arma de fogo.

Segundo a PC, Jackson Jean Dulski acertou sua própria cunhada por ciúmes. Ele estaria em processo de separação e a adolescente teria apresentado outra pessoa à irmã. Por destino, as outras duas meninas estavam juntas, a caminho da escola, e também acabaram sendo vítimas do atropelamento.

Depois disso, Dulski acabou escondeu a Parati usada na casa dos pais. Durante a madrugada seguinte, levou o veículo para uma área rural de Fazenda Rio Grande e o incendiou.

Ele responderá por tentativa de homicídio qualificado e, caso seja condenado, pode pegar até 30 anos de prisão.

LEIA TAMBÉM:

Justiça determina indisponibilidade de bens de prefeito e funcionários de Fazenda Rio Grande

A justiça determinou nesta terça-feira (7) a indisponibilidade de bens do prefeito, do chefe de gabinete, dos secretários municipais de Habitação e de Urbanismo, de dois ex-prefeitos e de outros 16 servidores municipais, ex-agentes políticos e empresários do município de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba.  A decisão foi motivada pela ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Paraná, julgada na  2ª Promotoria de Justiça da comarca, que trata de irregularidades relacionadas à contratação e manutenção de empresa que presta serviços de fisioterapia e gerontologia ao município.  As ilegalidades estariam sendo praticadas há 15 anos e teriam causado um prejuízo de quase R$ 1,5 milhão aos cofres municipais.

De acordo com as informações divulgadas pelo Ministério Público do Paraná, desde 2005  existe um vínculo entre a prefeitura e uma determinada clínica,  onde trabalham parentes e indicados de políticos, o que configura improbidade administrativa.  No processo, são apontados pela Promotoria de Justiça três procedimentos licitatórios e um procedimento de dispensa de licitação com  ilegalidades que vão contra os princípios da administração pública. Além do grau de parentesco, são denunciadas situações como cotações fraudadas com outras empresas, falsificação de documentos e uso de “laranjas”.

A liminar que autorizou a indisponibilidade de bens dos réus foi deferida pelo Juízo da Vara da Fazenda Pública de Fazenda Rio Grande. Para definição dos valores, foram considerados pela Justiça os prejuízos causados aos cofres públicos em cada situação, conforme relatado pelo Ministério Público do Paraná na ação civil pública.

Como resultado, o atual prefeito Márcio Wozniack teve os bens bloqueados em R$ 588.234,12. O ex-prefeito Antônio Wandscheer (gestão 2005-2008) em R$ 474.689,38, e o ex-prefeito Francisco Luís dos Santos (gestão 2009-2012)  em R$ 963.019,83.  Os demais réus, em valores que variam de R$ 374.785,71 a R$ 1.465.533,38.

Além de pedir a condenação de todos por ato de improbidade, o que pode levar a sanções como perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, proibição de contratar com o poder público, na ação é exigida a devolução dos valores recebidos indevidamente.

Professores de Fazenda Rio Grande protestam contra promoções em atraso com ‘Operação Tartaruga’

Depois de protestos, professores de Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba, vão se reunir amanhã com a Secretaria da Educação do município para discutir as reivindicações da categoria. Os docentes começaram uma Operação Tartaruga hoje, contra o atraso no pagamento de promoções e auxílios pelo município.

Eles também pedem a implementação da hora-atividade nas escolas. Alguns professores dizem que estão com promoções e progressões de carreira em atraso há até cinco anos, como conta a presidente da APP Sindicato no Núcleo Metrosul, Simone Barbosa. “Estamos propondo uma mesa de negociação. O que a gente quer é conversar, um diálogo. As professoras e funcionários estão desanimados por conta dessas pautas que não estão sendo cumpridas. Isso mostra descaso”, disse.

Os protestos devem se estender ao longo de toda a semana. Eles ocorrem sempre no início do horário letivo, de manhã e à tarde, durante cerca de uma hora e meia.

Durante as manifestações, as aulas nas escolas e creches municipais estão suspensas. O secretário de Educação de Fazenda Rio Grande, Ednelson Queiroz Sobral, diz que a prefeitura quer abrir o diálogo na reunião desta terça. Segundo ele, parte das reivindicações da categoria, como a implementação da hora-atividade, já está sendo atendida.

“Tudo é possível negociar. A secretaria e a gestão de Fazenda Rio Grande não são autoritárias, a gente é bastante democrático”, disse. “Das quatro pautas, duas delas estão praticamente satisfeitas. A gente tem que ver o que exatamente eles querem, com base em números, para a gente fazer uma análise dentro do orçamento municipal para ver o que é possível”.

O secretário reconhece, porém, que dificuldades financeiras impediram o município de cumprir promoções e progressões dos professores. “Os limites impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal impediram que o município pagasse as progressões. Quando o município atinge 95% de gastos com pessoal, já existem vedações”, explica.

A categoria irá se reunir com o secretário às 10 horas da manhã desta terça-feira. O município promete repor as horas de aula perdidas com a manifestação. Cerca de 15 mil alunos estudam no sistema municipal de Fazenda Rio Grande.

Dois homens são presos suspeitos de assalto a praça de pedágio

A Guarda Municipal de Fazenda Rio Grande (FRG), na Região Metropolitana de Curitiba, prendeu dois homens, na noite desta quarta-feira (1º), suspeitos de participação em um assalto a praça de pedágio da BR-116, entre FRG e Mandirituba. Além disso, um adolescente foi apreendido.

Conforme a GM, o trio levou todo o dinheiro que estava nas cabines da praça de pedágio. Armados, eles ameaçaram os funcionários e chegaram a efetuar disparos para assustar as vítimas.

Após recolherem as cédulas, os suspeitos roubaram o carro de um casal que estava no pedágio e fugiram. Percorreram dois quilômetros, sentido Curitiba, e abandonaram o veículo.

A GM iniciou as buscas e encontrou os três no bairro Jardim Veneza. O trio estava com o dinheiro, armas e munições. Por questões de segurança, o valor recuperado não foi divulgado para a reportagem.

Caso Daniela: Justiça marca interrogatório de acusado de matar esposa a facadas

O interrogatório de Emerson Bezerra da Silva, acusado de assassinar a esposa Daniela Eduarda Alves a facadas na madrugada de 14 de janeiro, está marcado para o dia 4 de abril. A morte de Daniela ganhou repercussão depois que uma série de gravações de ligações de vizinhos que alertaram a Polícia Militar (PM) sobre agressões, gritos e pedidos de socorro foram anexadas ao processo.

Vizinhos chamaram polícia oito vezes antes de mulher ser morta por marido no PR; OUÇA
PM nega erro no caso de mulher assassinada após demora da polícia para atender ligações de vizinhos

Segundo a investigação, as agressões teriam começado por volta das 23 horas mas a viatura da PM chegou ao local somente às 2h20. A vítima já estava morta há 20 minutos. Emerson foi preso horas depois.

Suspeito de matar companheira a facadas será indiciado por feminicídio

O advogado que representa a família da vítima, Ygor Nasser, disse que a PM errou ao tratar a ocorrência como uma situação particular e ressaltou que a alteração de protocolo de identificação de ocorrências já deveria ter sido implementada pela corporação. Ygor Nasser reforçou ainda que Daniela foi vítima de um serviço público precário. Depois da repercussão do caso, a PM afirmou que vai mudar os procedimentos para identificar quais chamadas são consideradas prioritárias nas ligações feitas para os atendentes da Central de Operações Policiais Militares

“Uma mudança que vem a calhar para que outras pessoas não passem o que Daniela passou. Infelizmente, a Daniela foi vítima de um serviço público precário que deixou de priorizar o atendimento dela por circunstâncias alheias que não sabemos. Quem sabe esse caso seja um exemplo para mudar”, diz o advogado.

Mesmo com a mudança, a PM entende que não houve erro no procedimento aplicado no caso. Logo após a divulgação das gravações, o tenente coronel da PM, Manoel Jorge dos Santos Neto, afirmou que a chamada “grade de prioridades” das ligações vai ser alterada. Segundo o tenente coronel, a quantidade de telefonemas para um mesmo caso vai ser um dos fatores que agora vai ser analisado.

O advogado Luis Gustavo Janiszewski, que representa o marido acusado de matar a mulher, lembra que o processo está em segredo de justiça e as gravações foram vazadas para atender algum interesse. Ele avalia que os áudios reforçam a tese de que não houve um crime premeditado. O advogado também defende que as pessoas que entraram em contato com a polícia naquela noite sejam identificadas e submetidas ao contraditório.

De acordo com o advogado Ygor Nasser, o réu tinha histórico de violência e já havia agredido a vítima anteriormente. No entanto, Daniela não chegou a fazer boletim de ocorrência por acreditar que se tratava de um episódio isolado.

Uma das linhas centrais da defesa é a de desqualificar a tese de feminicídio. O advogado Luis Gustavo Janiszewski sustenta que deve ser esclarecido se o homicídio foi consequência de uma ‘violenta emoção’, após uma discussão entre o marido e a mulher. Para a defesa do réu, houve um desentendimento, que se acalorou e acabou com a morte da esposa. O advogado nega que o marido já tivesse agredido a esposa em outras oportunidades.

“Não existia essa antecedência de violência doméstica. Emerson nunca foi um ‘machão’ ou algo desse gênero. Ele respeitava e coabitava com a Daniela. Lógico, ela é vítima, e ninguém quer isentar a responsabilidade de Emerson, ele vai ser processado e condenado na medida de sua culpabilidade. O que a defesa não pode permitir é que fofocas, sem contraditório, sem documento e sem elementos”, diz Janiszewski

Durante a audiência de instrução, no dia 04 de abril, antes do réu, devem ser ouvidas as testemunhas de defesa e de acusação, entre elas, a mãe, o padrasto e a irmã da vítima e dois policias militares que atenderam a ocorrência no dia do crime. Emerson Bezerra está preso preventivamente por homicídio triplamente qualificado.

De acordo com o Ministério Público do Paraná (MP-PR), o crime foi por motivo torpe, através de meio cruel e dificultou a reação da vítima.

Vizinhos chamaram polícia oito vezes antes de mulher ser morta por marido no PR

Na madrugada de 14 de janeiro, Daniela Eduarda Alves foi morta a facadas pelo marido Emerson Bezerra, 34 anos, em Fazenda Rio Grande, município da Região Metropolitana de Curitiba. Gravações telefônicas revelam que vizinhos acionaram a Polícia Militar (PM) diversas vezes para denunciar as agressões e os pedidos de socorro da vítima.

Segundo a investigação, as agressões teriam começado por volta das 23 horas mas a viatura da PM chegou ao local somente às 2h20. A vítima já estava morta há 20 minutos. Emerson foi preso horas depois.

Suspeito de matar companheira a facadas será indiciado por feminicídio

Nas gravações, solicitadas e anexadas ao processo pelo Ministério Público do Paraná (MPPR), moradores relatam que ouvem os gritos de socorro.

As ligações para a Polícia Militar continuam. Os vizinhos relatam que vão dormir com os gritos de socorro. “Já pedimos umas três vezes, o cara está matando a mulher aqui e ninguém veio até agora”, diz uma moradora. “Tem que aguardar, senhora. A ocorrência está aberta”, responde o atendente da Central de Operações Policiais Militares (Copom). Os carros estariam em atendimento em outras ocorrências na região.

Algumas horas depois, a polícia foi acionada, no bairro Sítio Cercado, em Curitiba. Emerson foi para a casa da mãe e ao ser questionado sobre o sangue em suas roupas, teria confessado o crime. O padrasto não concordou com a situação e acionou a polícia.  “Ele está todo ensanguentado. Falei com os parentes dela que vão lá ver”, diz.

O secretário de Segurança Pública do Paraná, general Luiz Felipe Carbonell, falou sobre o caso nesta sexta-feira (15). Ele lamentou a morte de Daniela e admitiu as falhas na estrutura policial. “Ficou bem claro que todas as nossas viaturas estavam empenhadas em outras ocorrências. Não podemos interromper uma ocorrência para atender outra. Nós temos que atender o protocolo estabelecido. Foi uma tragédia, uma fatalidade. Nós temos falta de efetivo, falta de viaturas”, diz Carbonell.

O governador do Paraná, Ratinho Júnior, lembrou que assumiu o governo com grande parte da frota parada em oficinas, o que reflete no atendimento à população. E afirmou que existe um estudo para trabalhar com viaturas locadas, com o objetivo de substituir veículos baixados para conserto.

“Temos que melhorar a estrutura para que a Polícia Militar possa atender o máximo de ocorrências da maneira mais rápida possível. Pedi um estudo para alugar viaturas, a viatura anda em média, por mês, de vinte a trinta mil quilômetros. É uma falha grave e o que podemos fazer é amenizar levando mais eficiência para o serviço da policia”, destacou o governador.

A Secretaria de Segurança Pública investiga o caso internamente, para saber se houve algum tipo de erro no atendimento. A Polícia Militar, no entanto, não informou que tipo de ocorrência as viaturas atendiam no momento das chamadas. Emerson bezerra, o assassino, está preso por homicídio triplamente qualificado: feminicídio, motivo torpe e meio cruel.

Inquérito

Segundo a delegada Gislaine Ortega Pineda, Emerson Bezzera da Silva confessou o crime e teria declarado que tudo começou com uma briga de casal.

Foto: Reprodução

“Na data dos fatos, ele teria pedido o celular da esposa para despertar e ela teria se recusado. Ele teria se exaltado e a empurrado sobre uma mesa de vidro. Ele alega que quando ela levantou, pegou um dos estilhaços e o atingido nas coxas e no pescoço. Ele alega que diante dessa agressão foi até a cozinha e pegou uma faca e ao retornar ela teria o provocado, ele teria perdido a cabeça e desferido os golpes que levaram a vítima a óbito”, relatou a delegada à Rádio Banda B na época.

Durante o depoimento, o homem alega que não havia nenhuma crise conjugal, mas familiares teriam relatado informalmente sobre um pedido de separação por parte da vítima. Outras pessoas ainda serão ouvidas para conclusão do inquérito.

Leia também:

Três assassinatos em 12 horas marcam Fazenda Rio Grande; veja vídeo

Três homicídios em 12 horas marcaram a quarta-feira (14) em Fazenda Rio Grande, região metropolitana de Curitiba. Todos estão sendo investigados  pela Delegacia de Fazenda Rio Grande.

A primeira ocorrência aconteceu no bairro Eucaliptos, por volta das 16h. O vídeo (abaixo) mostra o momento que um homem de 24 anos foi alvejado por mais de 30 disparos de armas de fogo. Já a segunda aconteceu no bairro Iguaçu, quando a vítima, identificada como um ex-presidiário, sofreu cinco tiros na cabeça. Não há testemunhas e nem imagens do crime. Por fim, o terceiro caso foi na zona rural, localizada no Passo Amarelo. Um rapaz de 25 anos que estava voltando do futebol foi morto com dois tiros no rosto.

 

MP oferece denúncia criminal contra ex-prefeito de Fazenda Rio Grande

O Ministério Público do Paraná ofereceu, nesta terça-feira (28), denúncia criminal contra ex-prefeito de Fazenda Rio Grande (gestão 2009-2012), na Região Metropolitana de Curitiba, por crime de responsabilidade. De acordo com investigação da 2ª Promotoria de Justiça do Município, o denunciado fez uso indevido da máquina administrativa e de servidores públicos visando autopromoção.

A apuração demonstrou que, entre os anos de 2011 e 2012, dois jornais do município, que estavam em nome de “laranjas”, passaram a ser produzidos e distribuídos com recursos do Município. As publicações, que veiculavam somente matérias favoráveis à sua administração e contrárias a seus adversários políticos, eram produzidas por servidores públicos da prefeitura, ocupantes de cargos em comissão, que, embora estivessem lotados na Secretaria de Habitação e Urbanismo, exerciam suas funções no Setor de Comunicação. De acordo com a denúncia apresentada, “além de fazer o uso indevido de dinheiro e bens públicos (equipamentos de fotografia e computadores, por exemplo) para autopromoção, o denunciado usou o seu poder, como prefeito municipal, para nomear agentes públicos e usar suas forças de trabalho para a confecção do conteúdo de dois jornais particulares”.

Os fatos investigados também motivaram a proposição de ação de investigação judicial eleitoral e o ajuizamento de ação civil pública, em trâmite na Vara da Fazenda Pública de Fazenda Rio Grande.

Jovem de 22 anos desaparece em Fazenda Rio Grande

A polícia investiga o desaparecimento da jovem Milena Mariane de Moraes, de 22 anos. Ela sumiu no dia 3 de agosto.

A jovem saiu de casa à noite e disse que iria dar uma volta. Segundo os familiares, ela não tinha motivo para desaparecer.

Ela está desempregada e mora em Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba.

Um Boletim de Ocorrência sobre o desaparecimento foi registrado na Polícia Civil.

Quem tiver informações pode entrar em contato no número (41) 3608-7200.