A China e o Ocidente

Os sindicatos odeiam a palavra flexibilização.

Não perceberam que o mundo, o mercado e as relações mudam diariamente graças ao furacão tecnológico.

Quando se fala em emprego temporário, trabalho nos fins de semana, trabalho sob demanda, tratam de se agarrar às cláusulas pétreas da Constituição. Aliás, pétreas porque os constituintes de 1988 jamais poderiam imaginar a realidade de hoje.

Dificultar e encarecer mais o emprego é não perceber que não existe mais emprego, mas trabalho.

Enquanto dificultamos as contratações, quem trabalha sem parar, sem exigências laborais, são os chineses.

Um determinado produto que o Brasil fabrica um milhão de unidades, uma só fábrica chinesa produz quarenta milhões, com preços que são uma fração dos praticados aqui.

Um chinês ganha de salário mínimo 100 dólares. Um operário brasileiro equivalente 300 dólares que, acrescidos de impostos e benefícios, representam quase 600 dólares.

Benefícios e horas extraordinárias na China? Esqueça. O pessoal por lá é tão agradecido por ter um emprego que trabalha horas extras de graça. Perceberam que tudo hoje é Made in China.

Os chineses estão tirando proveito da visão curta dos sindicatos e de curto prazo dos produtores ocidentais, que preferem terceirizar a produção, ficando apenas com o que ela “agrega de valor”: a marca, a grife. Resultado: os parques industriais do Ocidente estão desmoronando.

Há 200 anos, Napoleão Bonnaparte fez uma profecia: “deixem a China dormir porque, quando ela acordar, o mundo vai estremecer”.

Pois, acordou. E quem tem o monopólio da produção, dita as leis de mercado.

Sonhar não custa nada

Tem gente que sonha adormecendo, tem gente que sonha adormecido, tem gente que sonha acordado.

Um amigo meu espanhol diz que a maioria dos sonhos se roncam. Ou seja, não se tornam realidade, pois não somos perseverantes e sequer lembramos deles no dia seguinte. São os sonhos de quem sonha adormecendo ou adormecido.

Agora, cuidado com os sonhos de quem sonha acordado! Estes são fonte das grandes descobertas científicas, dos avanços gerais da humanidade e das maiores conquistas pessoais.

A verdade é que antes de toda grande realização há um sonho. Tudo que mais admiramos nos outros e no mundo nasceu de um sonho.

A liberdade e a democracia, a chegada do homem à Lua, as Pirâmides, qualquer idéia, obra ou feito, em qualquer época, teve como embrião um sonho.

Por isso, amigo ouvinte, dedique-se um pouco a sonhar. A construir mentalmente as metas que deseja alcançar. Não custa nada. E nunca é perda de tempo mas, sim, economia de tempo para atingir nossos objetivos.

Sonhos são bens que todos podemos possuir e ótimos companheiros de viagem nessa estrada chamada vida.

E nunca se afaste de seus sonhos, pois se eles se forem, você continua vivo, mas terá deixado de existir.

Por fim, se quiser ser grande sonhe com a mesma intensidade.

O homem tem a exata estatura dos seus sonhos.

A performance do Fundo Paraná no 1º semestre de 2019

O Fundo Paraná de Previdência divulgou hoje as cotas de fechamento do 1º semestre de 2019.

Merecem destaque as rentabilidades alcançadas em seus 3 Perfis de Investimentos: 11,5% no Perfil Agressivo, 9,4% no Moderado e 7,8% no Conservador.

Em agosto, o Fundo Paraná completa 15 anos, o que permite fazer uma análise de longo prazo de seus resultados.

Diferentemente da maioria dos Fundos de Pensão, que ao longo dos anos têm mantido uma média de apenas 20% dos investimentos em Renda Variável, a estratégia adotada pela Instituição incluiu, desde o início, alocações não especulativas na Bolsa de Valores. Seus Perfis Agressivo, Moderado e Conservador possuem, respectivamente, 40%, 20% e 5% de suas carteiras, aplicadas em Fundos Dividendos e Small Caps.

Os resultados estão refletidos nas rentabilidades acumuladas desde o início, de 377,2%, 414,6% e 375,8%, nos 3 Perfis. Bem acima da meta atuarial de 354,4%, no mesmo período (INPC + 4,5% a.a.)

Ótima notícia para seus participantes, que vão receber uma aposentadoria melhor do que a projetada na adesão ao Plano de Previdência.