prefeitura de curitiba, curitiba, convênio, dnit, R$ 80 milhões, obras, linha verde, linha verde norte, obras, obra, obras atrasadas, projeto, cmc, câmara municipal de curitiba

Câmara aprova, em 1º turno, recurso de R$ 79 milhões para finalizar obras na Linha Verde

Os vereadores de Curitiba aprovaram, em primeiro turno, o convênio de R$ 79,5 milhões com o DNIT (Departamento Nacioanl de Infraestruturas de Transporte) para a conclusão da Linha Verde nesta terça-feira (18). Foram 25 votos ‘sim’ contra uma abstenção.

Com 25 votos ‘sim’ e uma abstenção, o projeto será votado em segundo turno em uma sessão extraordinária nesta quinta-feira (19), às 9h, no plenário da Câmara Municipal de Curitiba. O motivo é que a proposição, protocolada no dia 12 de fevereiro, tramita em regime de urgência.

CONVÊNIO PARA CONCLUIR OBRAS NA LINHA VERDE ESTÁ EM VOTAÇÃO

As obras previstas no convênio compreendem a implantação de canaleta exclusiva para o transporte coletivo tipo BRT, para o tráfego de ônibus articulados e biarticulados; das vias marginais, que são as duas vias laterais à canaleta exclusiva, destinadas à circulação de veículos em geral; e das vias locais, esquerda e direita, para acessos e atendimento às atividades lindeiras.

Também é prevista a implantação de uma trincheira com seis faixas de circulação e de uma estação de embarque e desembarque similar às já existentes ao longo da Linha Verde (Estação Atuba), com a integração com ônibus alimentadores.

prefeitura de curitiba, curitiba, convênio, dnit, R$ 80 milhões, obras, linha verde, linha verde norte, obras, obra, obras atrasadas, projeto, cmc, câmara municipal de curitiba

Linha Verde: Prefeitura de Curitiba quer R$ 80 milhões para terminar obras

A Prefeitura de Curitiba enviou à CMC (Câmara Municipal de Curitiba) um projeto de lei que prevê a assinatura de um convênio de R$ 80 milhões para terminar obras da Linha Verde Norte. Conforme a proposta, os recursos viriam do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes).

O projeto tramita em regime urgência. Assim, deve ser levado ao plenário dentro de 30 dias. Caberá aos vereadores aprovar ou rejeitar a proposta.

As obras da Linha Verde Norte tiveram início em novembro de 2018. De acordo com o projeto inicial, o trabalho deveria terminar até o final de 2020. No entanto, a empresa que iniciou os trabalhos entregou apenas 4,16% do que foi projetado. Por isso, a empresa foi dispensada e uma manobra permitiu que a Prefeitura de Curitiba entregasse as obras para a empresa que ficou em segundo lugar na concorrência da licitação.

Assim, a obra será executada pelo consórcio Estação Solar, formado pela TCE Engenharia Ltda. e a Construtora Triunfo S.A. As empresas são as mesmas que atuam na construção da trincheira no cruzamento da Avenida Nossa Senhora Aparecida com a General Mário Tourinho.

Investigadas na Lava Jato, TCE Engnharia e Triunfo S.A. vencem licitação milionária em Curitiba

LINHA VERDE NORTE: OBRAS ATRASADAS

O trecho final das obras da Linha Verde compreende um trecho de 22 km, nos limites entre Curitiba e Colombo. São 12 pistas que cortam a cidade de norte a sul, ligando as estações de ônibus Solar e Atuba. O projeto da Prefeitura de Curitiba que prevê o convênio de R$ 80 milhões foi protocolado no último dia 12.

As obras previstas no convênio compreendem a implantação de canaleta exclusiva para o transporte coletivo tipo BRT, para o tráfego de ônibus articulados e biarticulados; das vias marginais, que são as duas vias laterais à canaleta exclusiva, destinadas à circulação de veículos em geral; e das vias locais, esquerda e direita, para acessos e atendimento às atividades lindeiras.

Além disso, é prevista a implantação de uma trincheira com seis faixas de circulação e de uma estação de embarque e desembarque similar às já existentes ao longo da Linha Verde (Estação Atuba), com a integração com ônibus alimentadores.

*Com informações da CMC

Acidente mata uma pessoa e deixa dois feridos na Linha Verde de Curitiba

Uma pessoa morreu e duas ficaram gravemente feridas em um acidente na Linha Verde, no bairro Pinheirinho, em Curitiba, no final da tarde deste domingo (16). Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), um automóvel Chevrolet/Classic colidiu em um poste, capotou e caiu em uma ribanceira.

O motorista, de 38 anos, morreu no barranco, que fica às margens da Linha Verde. Uma criança, de dez anos, e uma adolescente, de 15 anos, que estavam no carro, foram socorridas com lesões graves. As vítimas graves foram encaminhadas ao Hospital Evangélico.

A vítima fatal foi encaminhada ao IML (Instituto Médico Legal) e foi identificada como Paulo José Alves.

Tatuquara - terminal - Curitiba - Linha Verde

Terminal do Tatuquara irá ligar diretamente a região até o Centro de Curitiba

Os moradores dos bairros do Campo Santana, Tatuquara e Caximba terão uma rota direta até o Centro de Curitiba. Por meio da Linha Verde, o Terminal do Tatuquara irá disponibilizar linhas de ônibus para esse trajeto, possibilitando que não haja mais baldeação até o Terminal do Pinheirinho.

O local está em fase final de construção e ficará ao lado da Rua da Cidadania da região, integrando também uma área de lazer. A obra está sendo realizada com recursos próprios da Prefeitura de Curitiba e está orçada em R$ 8,2 milhões.

A entrada do 24º terminal da Rede Integrada de Transporte de Curitiba será feita pela Rua Presidente João Goulart, com os ônibus entrando também pela canaleta da Linha Verde.

O terminal irá receber dez linhas alimentadoras, como os ônibus Rio Bonito, Dalagassa, Pompeia, Janaína, Santa Rita, Rurbana e Tatuquara, que anteriormente faziam integração no Pinheirinho. O local também vai contar com linhas troncais com trajeto até a Linha Verde para o caminho direto até o Centro e também a outros municípios da região metropolitana.

“O Terminal Tatuquara começa a consolidar a região mais nova da cidade como parte integrante da estrutura urbana de Curitiba. Até então isolado, dividido, sem malha viária, com acesso muito difícil, o Tatuquara merece um terminal de transporte”, explicou o prefeito de Curitiba, Rafael Greca.

Linha Verde sem semáfaros para o trânsito fluir

 

 

Por entender que existe uma grande falha na área da mobilidade urbana de Curitiba, em especial a Linha Verde, o MDB começou o ano colocando em debate este que é um dos temas que certamente vai polarizar  as eleições de outubro.

Para o arquiteto e urbanista, Luiz Forte Netto, coordenador do plano de governo do pré-candidato  a prefeito da capital,  ex-deputado federal, João Arruda, “é preciso reunificar Curitiba, dividida artificialmente pela Linha Verde”.

A intenção é eliminar os semáforos e fazer nove intervenções, entre trincheiras e viadutos, reduzindo o tempo de tráfego na via de uma hora para 25 minutos.

“A Linha Verde acabou se transformando num gargalo: um pesadelo urbano em que pedestre, ciclista e motorista disputam cada palmo de asfalto, em evidente prejuízo maior para os dois primeiros, mas com danos gerais para toda a população”, diz Forte Netto em artigo publicado na imprensa.

SOLUÇÃO

Segundo o arquiteto, milhares de motoristas ficam parados nos sinaleiros mesmo fora do pico de trânsito, provocando congestionamentos em praticamente toda a sua extensão de 22 quilômetros da via, do Atuba ao Pinheirinho. “A verdade é que a Linha Verde agravou ainda mais o apartheid urbano antes decorrente da BR-116”.

O MDB defende a eliminação de todos os semáforos dessa via, de ponta a ponta, e a construção de trincheiras e viadutos em nove cruzamentos de localização estratégica para que o tráfego flua mais rapidamente. “Obras que podem ser realizadas num cronograma de quatro anos”.

“A substituição dos semáforos permitirá que a travessia desta área da cidade, hoje feita em cerca de uma hora, seja reduzida para uns 25 minutos. Um ganho que virá em benefício não apenas dos motoristas e pedestres que cruzam as pistas da via, mas também dos moradores dos mais de 20 bairros abrangidos, para não falar de toda a população da capital”, adianta.

O urbanista diz que a prefeitura de Curitiba dispõe de uma reserva de R$ 600 milhões anuais destinados a investimento e com 10% desta soma é possível realizar as intervenções propostas e transformar a Linha Verde “numa via expressa que cumprirá sua função social de fomentar o desenvolvimento urbano e econômico de amplas regiões da cidade”.

Forte Netto diz ainda que sem os irritantes gargalos que se repetem a cada cruzamento, os motoristas terão mais tempo livre para dedicar às suas famílias, ao lazer e ao trabalho – e os pedestres e ciclistas terão maior segurança.

“Repensar Curitiba e trazer para o século 21 a cidade que já foi a mais inovadora do país, conciliando planejamento urbano com uma estética genuinamente ligada aos curitibanos, é o desafio que nos propomos”, completa.

 

preso, detento, suspeito, assalto, roubo, saidinha de natal, linha verde, prf, mulher, refém, pistola, polícia rodoviária federal, curitiba, paraná, linha verde

Durante ‘saidinha de Ano Novo’, detento rouba carro, faz mulher refém e é preso em Curitiba

Um detento beneficiado pela saidinha de Natal e Ano Novo foi preso em flagrante neste sábado (28), em Curitiba, suspeito de roubar um carro. Durante o assalto, o suspeito fez uma mulher refém por cerca de uma hora.

A prisão foi efetuada pela PRF (Polícia Rodoviária Federal), no trecho urbano da BR-116 (Linha Verde).

De acordo com as informações oficiais, um motorista de aplicativo denunciou o roubo.

Quando os agentes identificaram o carro, ordenaram a parada do veículo. O detento tentou fugir, mas acabou batendo o carro e sendo preso na sequência.

Dentro do veículo estavam pertences da dona do automóvel, que foi feita refém, além de uma réplica de pistola.

Conforme os policiais rodoviários federais, o homem cumpre pena no regime semiaberto pelo crime de roubo. Antes de ser beneficiado pela “saidinha de Natal e Ano Novo”, o detento estava preso na Colônia Penal Agrícola de Piraquara, região metropolitana.

O homem, de 24 anos, foi encaminhado à Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos de Curitiba.

preso, assalto, saidinha de natal, linha verde, prf, mulher, refém, pistola, polícia rodoviária federal 2
Réplica de pistola foi encontrada dentro do carro roubado. (Divulgação/PRF)

* Com informações da rádio BandNews FM

Motorista, de 25 anos, morre em acidente na Linha Verde, em Curitiba

Um motorista, de 25 anos, morreu em um acidente, na noite desta segunda-feira (16), na BR-476, conhecida como Linha Verde, em Curitiba. O rapaz transitava pela rodovia, quando o carro em que ele estava, um Fiat Uno, foi atingido lateralmente por outro veículo. Com isso, o automóvel da vítima atravessou a pista e bateu de frente com um terceiro carro, um Citroen C3.

Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), o veículo que atingiu o Uno ainda não foi identificado. No local do acidente, nenhuma testemunha se apresentou à polícia para passar detalhes sobre o ocorrido. Os policiais acreditam que, pelas marcas na lateral do Uno, seja um caminhão ou um veículo de maior porte, de cor vermelha.

No local do acidente não há mureta para dividir as pistas, apenas uma espécie de meio-fio. O limite de velicidade é 70 km/h e o asfalto estava molhado.

A PRF informa ainda que o rapaz morto provavelmente não utilizava cinto de segurança. A motorista do Citroen, de 34 anos, foi encaminhada para o Hospital do Trabalhador em estado grave.

Quem eventualmente tiver informações sobre o fato pode usar o telefone de emergência da PRF, o 191.

Arruda e Forte Neto buscam solução à Linha Verde

 

As constantes reclamações de usuários e moradores ao longo da Linha Verde, principalmente na região norte da cidade, levaram o pré-candidato a prefeito de Curitiba, João Arruda (MDB), a defender mudanças urgentes no traçado.  O ex-deputado federal quer o “destravamento” dos 22 quilômetros da Linha Verde para agilizar o tráfego e trânsito em pelo menos 25 minutos.

Para que isso aconteça, João Arruda adiantou que o arquiteto Forte Neto, ex-secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, está elaborando um estudo para a Fundação Ulisses Guimarães para diminuir “o transtorno do tempo de percurso”.

“A proposta em execução é fazer nove obras nas transposições, trincheiras e viadutos, que vão substituir os semáforos e com reduzir o tempo de percurso do Pinheirinho ao Atuba. Vai diminuir também o tempo de espera das transversais, tempo de espera e mais segurança de motoristas que atravessam por essas vias”, disse João Arruda.

A redução do tempo no tráfego na Linha Verde, segundo João Arruda, além de agilizar o trânsito e assegurar mais conforto, segurança e comodidade aos moradores, vai diminuir a emissão de poluentes em todo trecho de sul ao norte de Curitiba. “O carro produz mais poluentes quando está parado. Essas obras também vão ajudar a economia como um todo, vai dinamizar o consumo de bens e serviços na linha verde”.

“Essas intervenções são fundamentais no plano de mobilidade de Curitiba .Todo estudo, vamos apresentar de forma mais detalhada nos próximos dias”, adianta o pré-candidato a prefeito.

Nos últimos três anos, reafirma João Arruda, as obras na Linha Verde estavam praticamente paradas e somente agora, às vésperas da eleição, foram reiniciadas, mas ainda não devem ficar prontas em 2020. O pré-candidato tem se reunido semanalmente com Forte Neto para avaliar detalhes da obra e os custos de novas intervenções. “A Linha Verde vai estar no plano de governo e a prioridade será a conclusão, incluindo as trincheiras e viadutos para aliviar os engarrafamentos constantes”.

A Linha Verde é o 6º eixo de transporte e de integração viária de Curitiba. São 22 quilômetros de extensão ligando Curitiba do Sul ao Norte desde o Pinheirinho ao Atuba, passando por 22 bairros numa área de abrangência de 287 mil moradores. A Linha Verde começou a ser construída em janeiro de 2007, no trecho sul, e desde então as obras vão de trecho em trecho.

empréstimo, curitiba, câmara, obras, infraestrutura

Câmara aprova empréstimo de R$ 250 milhões para obras em Curitiba

A Câmara Municipal de Curitiba aprovou nesta terça-feira (3), em segundo turno, o pedido de autorização para que a Prefeitura de Curitiba contrate um empréstimo de até R$ 250 milhões junto a Caixa Econômica Federal. O texto foi aprovado com 18 votos favoráveis e cinco contrários. Conforme o projeto, os recursos serão usados para obras de infraestrutura.

Além disso, a discussão e votação foram feitas em regime de urgência. De acordo com a prefeitura, o dinheiro será captado por meio do programa Finisa (Financiamento para Infraestrutura e Saneamento), do governo federal, para a realização de diversas obras na cidade.

Na descrição do projeto, os recursos devem ser usados para implantação de 50 quilômetros de asfalto sobre saibro, recuperação de 168 quilômetros de asfalto danificado e a construção de viaduto e alças de acesso na estação Tarumã na Linha Verde. Além disso, estão previstas a requalificação do Moinho Rebouças e a construção da Rua da Cidadania da CIC. Bem como obras de drenagem e contenção de cheias.

Para viabilizar o empréstimo, a prefeitura deu garantias. Entre elas, repasses federais e a expectativa de receita própria, conforme legislação federal.

obras paradas linha verde curitiba prefeitura construtora empreiteira suspensa contrato rompido Luiz CostaSMCS

Greca anuncia a retoma das obras na Linha Verde

O prefeito Rafael Greca anunciou na rede social a retomada das obras da Linha Verde Norte, nesta segunda-feira (2), paralisadas em agosto deste ano.

Para retomada das obras foram necessárias a realização de perícia por uma comissão formada por engenheiros da Secretaria Municipal de Obras Públicas e do Instituto Falcão Bauer, foram feitas também análises de procedimentos e de documentos.

Este é o trecho final da via de 22 km e 12 pistas que corta a cidade de norte a sul, ligando as estações de ônibus Solar e Atuba, nos limites entre Curitiba e Colombo.

A obra será executada pelo consórcio Estação Solar, formado pela TCE Engenharia Ltda. e a Construtora Triunfo S.A., segundo colocado no processo licitatório realizado para a eleger a empresa que executaria a obra. O consórcio Estação Solar aceitou assumir a obra após o contrato com a primeira colocada na licitação ter sido rescindido, em agosto deste ano.

A rescisão ocorreu por falhas no atendimento ao cronograma de execução da obra e a lentidão dos serviços. Somente neste Lote 4.1, a Secretaria Municipal de Obras Públicas aplicou 31 notificações na empresa que estava responsável pelo trecho.

O Lote 4.1 foi licitado em 24 de julho de 2018. As propostas foram abertas em 16 de agosto de 2018 e a homologação da vencedora ocorreu em 30 de outubro de 2018. A ordem de serviço para a execução dos trabalhos foi assinada em 7 de novembro do ano passado.

As obras tiveram início em novembro de 2018 e a previsão era que fossem entregues até o final de 2020. Apenas 4,16% da obra foi feito pela empresa que iniciou os trabalhos. Por isso foi dispensada.