Obras na Linha Verde alteram horários de ônibus em Curitiba

As obras para troca de asfalto entre os quilômetros 120 e 143 da BR-476, a Linha Verde, em Curitiba, começaram na manhã desta segunda-feira (6). A reforma será feita nos dois sentidos da rodovia e deve ter a duração de 60 dias.

Serão recuperados 3.680 metros entre a alça de acesso do Contorno Leste, no bairro Pinheirinho e a rua Izaac Ferreira da Cruz. De acordo com a prefeitura de Curitiba, o investimento é de R$ 1,4 milhão.

Somente uma faixa da BR-476, sentido Curitiba, ficará liberada para o tráfego durante as obras de fresagem na segunda. As obras serão feitas das 9h às 16h, sem interrupção para o almoço.

Esta será a 59ª via a ser recuperada com asfalto novo neste ano, contando obras de implantação de pavimento, fresagem e recape, além de grandes revitalizações de pavimentos.

Foto: Divulgação/PRF
Foto: Divulgação/PRF

Trânsito

O trânsito deve ficar lento na região durante o período das obras. Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Secretaria Municipal de Trânsito (Setran) orientam os motoristas no local.

Por volta do meio dia, a fila na pista sentido Atuba era de dois quilômetros, segundo a PRF.

Segundo a prefeitura, os horários de 13 linhas de ônibus de Curitiba e 7 da Região Metropolitana devem ser afetados:

Curitiba

Jardim Ludovica, Pompéia/Janaína, Jardim da Ordem, Caximba/Olaria, Rurbana, Dalagassa, Vila Juliana, Rio Bonito, Interbairros VI, Trabalhador, Vitória Régia, Kamyr e Boqueirão/Mondalez.

RMC

Fazenda, Fazenda/Pinheirinho, Curitiba/Fazenda, Fazenda/CIC, Curitiba/Mandirituba, Curitiba/Areia Branca e Quitandinha/Pinheirinho.

Polícia identifica motorista que fugiu de acidente com cinco mortos

A Polícia Civil identificou o motorista que fugiu após o acidente que deixou cinco pessoas mortas e uma ferida, na BR-476, conhecida como Linha Verde, no bairro Pinheirinho, em Curitiba.

Dois carros bateram depois de um deles – um Citroen Picasso, que seguia no sentido Fazenda Rio Grande – cruzar a pista, ‘rampar’ e capotar várias vezes até atingir o outro veículo – um Ford Corcel – que seguia no sentido contrário. O Citroen parou em cima do Corcel.

Os dois carros pegaram fogo, matando cinco ocupantes carbonizados. O motorista do Citroen fugiu do local.

Segundo a polícia, o advogado do suspeito entrou em contato com a Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) e afirmou que ele vai se apresentar à polícia nesta segunda-feira (6).

 

Acidente deixa cinco mortos e um ferido em Curitiba; motorista fugiu

A Polícia procura por um dos motoristas envolvidos em um acidente que deixou cinco pessoa mortas e uma ferida neste domingo (5), por volta das 6h, no trecho urbano da BR-476, no fim da Linha Verde, no bairro Pinheirinho, em Curitiba.

Dois carros bateram depois de um deles – um Citroen Picasso, que seguia no sentido Fazenda Rio Grande – cruzar a pista, ‘rampar’ e capotar várias vezes até atingir o outro veículo – um Ford Corcel – que seguia no sentido contrário. O Citroen parou em cima do Corcel.

Os dois carros pegaram fogo, matando cinco ocupantes carbonizados. O motorista do Citroen fugiu do local.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), entre os mortos, dois eram ocupantes do Picasso e três do Corcel.

A vítima ferida estava no Citroen e foi encaminhada ao Hospital Evangélico, segundo o Corpo de Bombeiros. A pista foi liberada por volta das 11h15.

O limite de velocidade no local do acidente na Linha Verde é de 70 km/h. A polícia acredita que o condutor do Citroen estava bem acima do limite de velocidade.

Foto: Ricardo Pereira / BandNews FM Curitiba
Foto: Ricardo Pereira / BandNews FM Curitiba
Foto: Ricardo Pereira / BandNews FM Curitiba
Foto: Ricardo Pereira / BandNews FM Curitiba

União autoriza licitação do lote 4 da Linha Verde

Repórter Brunno Brugnollo do Metro Curitiba

A prefeitura de Curitiba recebeu na terça-feira (18) a autorização do governo federal para licitar as obras do lote 4 da Linha Verde Norte, que começa no Rio Bacacheri (nas proximidades da Rua Fagundes Varela) e segue até o trevo do Atuba, na divisa com Colombo.

O trecho de 2,84 km é último da Linha Verde, que terá ao todo – quando pronta – 22 km e a possibilidade de receber o transporte coletivo em toda sua extensão. Para a finalização completa da Linha, ainda restaria o lote 2, da reformulação do viaduto da Victor Ferreira do Amaral.

A liberação dos R$ 74,9 milhões para a execução da obra aconteceu em reunião do prefeito Rafael Greca (PMN) e do governador Beto Richa (PSDB) com o ministro das Cidades, Bruno Araújo, e o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, em Brasília.

Segundo o secretário de Governo Municipal, Luiz Fernando Jamur, a licitação deverá ser lançada no mês que vem e a previsão para início efetivo das obras é o começo de 2018.

Outras obras

Além do último trecho da Linha Verde, a prefeitura obteve a liberação de R$ 23,7 milhões para outras três obras de grande porte. São R$ 9,2 milhões para construção do terminal do Tatuquara (leia mais ao lado) e a reforma do terminal da Vila Oficinas (no Cajuru). Já R$ 14,5 milhões serão destinados para uma trincheira na Avenida Nossa Senhora Aparecida com a Gen. Mário Tourinho (no Seminário), que estava há alguns anos parada no papel.

Confira como estão as atuais obras na Linha Verde Norte

• Lote 3.1 – da Avenida Victor Ferreira do Amaral até o Rio Bacacheri: as obras em 3,4 km do Tarumã ao Bacacheri já haviam passado dos 61% de execução até o início deste mês. A drenagem e terraplanagem da obra estão quase prontas e a pavimentação já atingiu mais de 80%. O investimento neste trecho é de R$ 51,2 milhões.

• Lote 3.2 –  Trincheira Fulvio José Alice: a nova trincheira que fará a ligação do Bacacheri ao Bairro Alto estava com 38% de execução há duas semanas. São 420 metros de extensão por baixo da Linha Verde. A escavação já foi feita na Rua Amazonas de Souza Azevedo (Bacacheri) e agora é realizada na Fulvio José Alice. O investimento é de R$ 27 milhões.

Homem é preso na Linha Verde após roubar celular

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu na manhã desta sexta-feira (16) um homem que horas antes havia roubado um aparelho de telefonia de celular de uma pedestre que caminhava pela Linha Verde, em Curitiba.

Reconhecido pela vítima, ele estava nas imediações do semáforo da rua Salgado Filho, quando foi abordado por uma equipe da PRF.

A abordagem foi realizada graças à descrição detalhada das roupas e da aparência física do suspeito.

Com 50 anos de idade e várias passagens anteriores pela polícia, o homem, que portava uma faca, ameaçou a vítima e roubou o celular e dinheiro. Os bens ainda não foram encontrados.

O crime ocorreu por volta de 7h30, nas imediações do Colégio Medianeira, a cerca de 150 metros da sede da Superintendência da PRF em Curitiba. A prisão foi realizada por volta das 10 horas da manhã.

A PRF encaminhou a ocorrência para o 8º Distrito da Polícia Civil, em Curitiba.

Obras de trincheira na Linha Verde geram bloqueio de ruas

Os motoristas que circulam pela Linha Verde Norte, na altura do Bairro Alto e do Bacacheri, terão que redobrar a atenção, reduzir a velocidade e ficar atentos aos desvios. Desde o começo de janeiro, começaram as escavações para construção das paredes da trincheira que ligará a Rua Amazonas de Souza Azevedo, no Bacacheri, à Rua Fulvio José Alice, no Bairro Alto.

Quando a trincheira estiver concluída, os motoristas poderão cruzar a Linha Verde de um bairro para o outro sem interrupções. A nova trincheira formará um binário com a trincheira que já existe nas ruas José Zogda e Gustavo Rattman. Ambas vão ligar o Bairro Alto ao Bacacheri.

O investimento na obra é de R$ 27 milhões, recursos vindos de financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) emitidos pela Prefeitura. A promessa é de que a obra fiquei pronta até o final de 2017.

Desvios e bloqueios de ruas

Em razão da obra da trincheira, alguns desvios de trânsito foram feitos na região. A Rua Xaverianos, entre a Rua José Zogda e a marginal da Linha Verde, está bloqueada. O bloqueio deve durar 30 dias.

Além da construção da trincheira, estão sendo feitas obras na canaleta central da Linha Verde Norte, que formará o novo corredor de transporte coletivo com linhas do Ligeirão. As obras seguem desde a altura da Victor Ferreira do Amaral, no Tarumã, até o Conjunto Solar, no Bacacheri.

Todos os desvios de trânsito estão sinalizados na região e foram definidos para gerar o mínimo de transtorno para os motoristas que se deslocam pela Linha Verde, de acordo com a prefeitura.

Homem agride mulher, se corta e causa acidente na BR-476

Uma equipe da Polícia Rodoviária Federal (PRF) testemunhou um acidente na BR-476 em Curitiba, conhecida como Linha Verde. O homem de 29 anos teria esfaqueado a esposa e, depois, desferido 15 facadas contra o próprio peito antes do acidente.

Após bater o carro contra um poste, o motorista fugiu do local e foi perseguido pelos policiais. Ele foi encaminhado ao pronto-socorro do Hospital Cajuru e está sob custódia da PRF, o motorista perfurou o pulmão e precisou passar por procedimento cirúrgico. A mulher foi encaminhada ao Hospital do Trabalhador e não há informações sobre o estado de saúde dela.

PRF flagra carro a 132 km/h na Linha Verde, quase o dobro da velocidade máxima

Um motorista foi flagrado dirigindo a 132 km/h na Linha Verde, em Curitiba, pela Polícia Rodoviária Federal. A velocidade é quase o dobro dos 70 km/h permitido no local.  A imagem, registrada no último dia 10 no bairro Tarumã, foi divulgada nesta quarta-feira (24) pela PRF.

A infração é gravíssima e gera multa de R$ 574, sete pontos na carteira de habilitação e – por ter superado em mais de 50% o limite máximo da via – vai responder processo administrativo de suspensão do direito de dirigir, que pode durar entre dois e seis meses.  Em casos de reincidência, o prazo máximo sobe para 18 meses.

Na última segunda-feira (22), em apenas uma hora de fiscalização com radar móvel, a PRF flagrou 120 veículos acima da velocidade máxima –o equivalente a dois por minuto. Vários deles transitavam acima de 100 km/h.

De janeiro a julho deste ano, a PRF registrou 4,3 mil flagrantes de excesso de velocidade na Linha Verde. O total abrange os radares móveis, operados por policiais rodoviários federais. Os radares d2ac552a-f08a-4826-87c1-f7f57d9c2dbafixos, instalados pela Prefeitura de Curitiba mediante convênio com a PRF, não fazem parte dessa conta.

Acidentes

Entre os meses de janeiro e julho, sete pessoas morreram em acidentes nos cerca de 20 quilômetros da Linha Verde; outras 222 saíram feridas. Dos sete mortos, três eram pedestres. Outros três estavam em motocicletas e um, em automóvel.

No mesmo período do ano passado, houve cinco mortes e 189 feridos.

Todas as sete mortes registradas este ano pela PRF aconteceram com pista seca, quatro delas em trechos de reta, duas em curvas e uma em área de cruzamento.

De acordo com a PRF, o excesso de velocidade está entre as principais causas de acidentes graves em perímetros urbanos de rodovias federais. Outros fatores importantes são a desatenção, o desrespeito à sinalização e a ingestão de bebidas alcoólicas.

Quando o motorista dobra a velocidade desenvolvida, o tempo necessário para que ele consiga parar seu veículo em uma situação de emergência mais do que triplica.

Prefeitura promove novo leilão para captar recursos para Linha Verde

A Prefeitura de Curitiba realizará no próximo dia 30 de junho um novo leilão de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepac) referentes à Operação Urbana Consorciada Linha Verde. Serão ofertados 34.277 títulos no valor unitário inicial de R$ 336.00, totalizando R$ 11,5 milhões. A Operação, já autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), será realizada na Bolsa de Valores de São Paulo (BM&F Bovespa) sob a coordenação do BB – Banco de Investimento S.A.

Os recursos captados serão destinados exclusivamente à continuidade das obras da Linha Verde, onde, no momento, há dois lotes em andamento: o 3.1, que está em obras (3,4 mil metros, da Victor Ferreira do Amaral até o Hospital Vita, no valor total de R$ 48 milhões), e o 3.2 (em fase de licitação e que inclui a trincheira da Rua Fúlvio José Alice, orçado em R$ 27,4 milhões).

“Com base na experiência dos leilões anteriores, promovemos pequenos ajustes na legislação e também nos parâmetros estabelecidos para tornar a operação mais acessível e atrativa ao investidor”, observou o secretário municipal de Planejamento e Administração, Fábio Scatolin, lembrando que se trata de uma operação em bolsa de valores, com todos os riscos inerentes.

A Operação Urbana Consorciada Linha Verde (OUC-LV) foi montada com o objetivo de requalificar a área de influência da antiga BR-116 (entre o bairro do Atuba, ao norte, e a região dos bairros Pinheirinho e Tatuquara, ao sul, compreendendo um total de 22 bairros). Na região estão sendo realizadas uma série de melhorias, sob coordenação da Prefeitura de Curitiba, por meio do Grupo de Gestão da OUC-LV, coordenado pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), e com participação de proprietários, moradores, usuários e investidores privados.

Os Cepac são títulos vinculados à OUC-LV, ou seja, os recursos captados no pregão são destinados, por lei, única e exclusivamente às obras previstas na Operação. Com a compra desses títulos, o empreendedor adquire o direito de expandir a área construída do imóvel além dos limites básicos permitidos para o terreno, conforme os parâmetros estabelecidos pela Lei da Operação Urbana (Lei 13.909/11 com a redação dada pela Lei 14.773/15).

Por se tratar de um título, o Cepac pode ser utilizado diretamente no momento de solicitar a licença para construir – como forma de pagamento pela metragem adicional de construção – , ou ser negociado livremente no mercado.

Esta é a segunda distribuição pública autorizada pela CVM para a Operação Urbana Consorciada Linha Verde. A primeira ocorreu em 2012 e foi seguida de dois leilões, realizados em 2012 e 2014. A nova autorização envolve um total de 1.675.585 Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepac), no valor de R$ 562.996.407,25. A decisão de realizar ou não novos pregões até o final do prazo da autorização – que é de dois anos – fica a critério da Prefeitura.

Linha Verde

O desenvolvimento urbano da Linha Verde é o pano de fundo de toda a Operação. Ao longo do seu traçado, que compreende 22 bairros, estão previstas e sendo executadas obras que a consolidam como um novo eixo estruturante para Curitiba e região metropolitana. Ao todo, a Prefeitura de Curitiba possui registrado junto à CVM um conjunto de intervenções nesta OUC-LV no valor global de R$ 1,6 bilhão, para implantação no prazo de 30 anos. O pacote de investimentos inclui, além dos leilões de Cepac, recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal, próprios da Prefeitura e também financiamentos por instituições financeiras internacionais, como Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Agência Francesa de Investimentos (AFD).

Nos dois leilões já realizados, foram captados R$ 34,8 milhões – R$ 28,3 milhões no primeiro e R$ 6,5 milhões no segundo leilão. A maior parte destes recursos foi utilizada até o momento na desapropriação de áreas e obras da Linha Verde.

Potencial adicional

A área de abrangência da OUC-LV foi dividida em três setores (norte, central e sul), com um potencial adicional de construção equivalente a 4,47 milhões de metros quadrados, compreendendo áreas para residências, comércio e serviços.

A chamada Área Adicional de Construção (ACA) para os terrenos possíveis de renovação prevista na OUC-LV está dividida da seguinte forma: ao norte, são 1,28 milhão de metros quadrados, dos quais 75% (960 mil metros quadrados) para empreendimentos residenciais e 25% (320 mil metros quadrados) para não residenciais (comércio e serviços).

Na área central são 1,27 milhão de metros quadrados dos quais 60% (765 mil metros quadrados) para residências e 40% (510 mil metros quadrados) para edificações não residenciais. Ao sul são 1,92 milhão de metros quadrados de área adicional de construção, sendo 80% (1.535 mil metros quadrados) para habitações e 20% (385 mil metros quadrados) para empreendimentos comerciais.

Os três setores somam 4.475.000 metros quadrados de área adicional, sendo 73% (3,26 mil metros quadrados) para habitações e 27% (1,21 mil metros quadrados) para o comércio e serviços.