Presidente do Paraná Clube revela o fracasso da negociação de Jhonny Lucas

Na apresentação do técnico Matheus Costa, na última sexta-feira (5), o presidente do Paraná Clube, Leonardo Oliveira, revelou o motivo de o meia Jhonny Lucas não ter sua saída do clube concretizada. O atleta, de 19 anos, recebeu várias propostas, mas voltou a estar à disposição do Tricolor e vai disputar a Série B – pelo menos até o meio do ano.

“O que aconteceu de errado é algo que não tenho a condição de te dar a resposta. Tivemos algumas propostas, que foram trabalhadas e até aceitas, mas não foram levadas adiante pelos clubes que fizeram as propostas. Os motivos eu não sei”, disse.

Oliveira explicou que os contratos foram afinados, mas, na hora de bater o martelo, os times interessados recuaram. “Nas duas situações onde trocamos minutas de contrato, a situação não evoluiu e a operação não aconteceu. Eles deixaram de fazer um investimento em um jogador promissor e nós deixamos de ter uma operação que nós sempre colocamos como prioridade do Paraná”, revelou.

O dirigente paranista ainda destacou as qualidades do jogador e afirmou que as negociações continuam.  “Para nós, é comemorar que temos um atleta no nível do Jhonny Lucas e temos a possibilidade de usá-lo. Essa operação vai acontecer? Espero que sim, pelo bem do Jhonyny, que tem um potencial muito grande, e para o clube, que temos um dos objetivos da gestão. Agora é dar sequência nos contatos que estão sendo feitos”, apontou.

RETORNO DE MATHEUS COSTA

Oliveira também comentou em relação ao retorno de Matheus Costa, após o treinador ter sido preterido após conseguir o acesso com o Paraná Clube em 2017. “Acho que corrige um pouco o que a gente fez no passado. É algo que acreditamos muito e desejo ao Matheus reconquiste tudo que ele já conquistou. O caminho ele já conhece e já provou ter a capacidade de nos levar à Série A”, ressaltou.

APRESENTAÇÃO DO TÉCNICO

Foto: Geraldo Bubniak / AGB

Matheus Costa, confirmado como o técnico do Tricolor para a disputa da Série B neste ano após a demissão de Dado Cavalcanti, foi apresentado nesta sexta-feira (5), no CT do Ninho da Gralha. Além de elogiar a estrutura do clube, ele agradeceu o convite da diretoria e ressaltou a dificuldade de disputar a Segundona.

“Estou muito confiante e esperava muito por essa oportunidade. A Série B é uma das competições mais difíceis do mundo. Você realmente não sabe quais equipes têm condição de disputar as primeiras colocações. No ano passado, duas equipes que tinham vindo da Série C acabaram subindo para a Série A”, analisou Matheus, que ainda revelou que aguarda pela contratação de quatro ou cinco jogadores para o torneio nacional.

Paraná estreia na competição no dia 27 de abril (sábado), às 19h, contra o Vila Nova, em Goiânia.

Paraná Clube anuncia retorno de Matheus Costa como treinador

O Paraná Clube anunciou, nesta quarta-feira (3), o retorno de Matheus Costa como técnico da equipe. Ontem, o clube demitiu o treinador Dado Cavalcanti, após a derrota para o Coritiba no Campeonato Paranaense.

O retorno de Matheus Costa acontece um ano e quatro meses após o técnico conduzir o clube ao acesso à Série A do Campeonato Brasileiro. Depois da conquista, Costa foi preterido porque o clube buscava um treinador mais experiente.  Naquele momento, a ideia seria que ele voltasse a ser auxiliar, com a chegada de Wagner Lopes. Costa então optou por seguir a carreira de treinador e acertou com o Joinville. No clube catarinense, foram apenas dez jogos. Logo depois, fechou com o Coritiba, na condição de auxiliar de Tcheco, com quem trabalhara no Paraná.

“Procuramos um profissional que conhecesse o clube, que tivesse empatia com a torcida. O Matheus tem tudo isso e uma grande capacidade de comando, como vimos na vitoriosa temporada de 2017”, comentou o presidente Leonardo de Oliveira.

Em 2017, Matheus Costa comandou o Paraná Clube em praticamente todo o returno da Série B. Foram 16 jogos, com 9 vitórias, 3 empates e 4 derrotas. Campanha que valeu ao Tricolor o acesso à Primeira Divisão Nacional.

Comissão

Matheus Costa terá como seu auxiliar-técnico Lúcio Flávio, que já estava no clube desde o ano passado. O Paraná Clube definiu ainda a contratação de outros dois profissionais, que irão compor a nova comissão técnica do clube. Allan Aal, que comandou o Cascavel CR no Campeonato Paranaense, será um dos auxiliares-técnicos.

Para a preparação física, quem chega é Rodolfo Mehl. Com passagens por grandes clubes do Brasil e também do exterior, ele esteve por muito tempo integrado à comissão técnica de Levir Culpi.

*Com informações da assessoria*

À procura de técnico, Coritiba confirma Matheus Costa para decisão

O auxiliar-técnico Matheus Costa é quem vai orientar o Coritiba na decisão do primeiro turno do Campeonato Paranaense, domingo (24), às 17h, no estádio Couto Pereira. Um novo treinador, para a vaga que foi de Argel Fucks, demitido sexta-feira passada (15), pode ser anunciado antes. Porém, só vai assumir a equipe na próxima semana.

Matheus Costa e o diretor de futebol Rodrigo Pastana repetem uma parceria que aconteceu em 2017, quando ambos trabalharam no Paraná Clube e ajudaram o tricolor a obter o acesso à Série A do Campeonato Brasileiro. Matheus foi o treinador principal em 17 dos 19 jogos do segundo turno da Série B, com 64% de aproveitamento.

Com a chegada de um novo técnico ao Coritiba, é certo que Matheus volta à função de auxiliar. Um dos cotados para o cargo de treinador é Thiago Larghi, que orientou o Atlético Mineiro durante oito meses no ano passado.

 

Paraná anuncia saída de Matheus Costa

O Paraná Clube anunciou oficialmente a saída de Matheus Costa do comando técnico da equipe. O treinador recusou a proposta da diretoria Tricolor para seguir como auxiliar e deve comandar outro time em 2018. O comunicado foi feito por meio das redes sociais paranista nesta terça-feira (5).

No post, o clube agradeceu o comandante pelo acesso. “Obrigado, Matheus. Seu nome está gravado na minha história! Nesta terça-feira, Matheus Costa deixou o comando técnico do Tricolor. Pensando no projeto criado para 2018, não chegamos a um acordo e Matheus segue sua carreira de treinador em outro clube. Eu e toda nação Tricolor desejamos sucesso a você!”, diz.

Trajetória

Matheus chegou ao Paraná no início do ano na função de auxiliar técnico de Wagner Lopes. Além disso, trabalhou com Cristian de Souza e Lisca, antes de ser efetivado como treinador. Tido como pivô da confusão com Lisca, assumiu o Tricolor na semifinal da Primeira Liga, contra o Atlético-MG.

Na Série B, o treinador comandou o time em 17 partidas (10 vitórias, três empates e quatro derrotas) e ajudou na conquista pelo acesso.

Por meio da assessoria de imprensa, Matheus agradeceu a oportunidade no Tricolor.

“Agradeço ao Paraná Clube pela oportunidade de iniciar minha carreira de treinador profissional. Foram 17 jogos com 61% de aproveitamento e 33 pontos dos 64 que o Paraná conquistou na série B (mais da metade da pontuação em menos de um turno). Muito obrigado a torcida pelo apoio incondicional, à diretoria pela confiança, à comissão técnica pela parceria, aos jogadores por acreditarem no meu trabalho e se entregarem para garantirmos o acesso a série A e a todos aqueles que torceram por nós.  Continuarei torcendo para que o Clube conquiste novos objetivos”, disse.

Quem assume?

A diretoria paranista já está estudando o possível técnico para 2018 e estaria negociando com Wagner Lopes. Segundo informações de bastidores, faltam apenas ajustes para o retorno do treinador.

Lopes esteve no Paraná entre janeiro e maio deste ano. Somou 12 vitórias, seis empates e apenas duas derrotas.

 

Matheus Costa é convidado para voltar a ser auxiliar-técnico do Paraná Clube

Um dos responsáveis pelo retorno do Paraná Clube à primeira divisão, o técnico Matheus Costa teria sido convidado para voltar a função de auxiliar do Tricolor na temporada do ano que vem. Sem interesse, Costa fez uma contraproposta, mas, ao que tudo indica, não deve permanecer no clube em 2018.

Matheus tem 30 anos e é o treinador mais jovem das Séries A e B. Ele chegou ao Paraná em janeiro como auxiliar técnico  e foi efetivado após a saída turbulenta de Lisca e, inclusive, teria sido o pivô da confusão no hotel antes da partida com Atlético-MG, pela Primeira Liga.

A diretoria tricolor trabalha com a possibilidade de um novo treinador. O nome mais cotado é o do técnico Wagner Lopes, que esteve no clube no início da temporada e saiu após o Campeonato Paranaense para comandar o Albirex Niigata, do Japão.

 

 

Exclusivo: Matheus Costa fala sobre acesso do Paraná, Lisca e até Corinthians

Reportagem: Francielly Azevedo | Imagens e edição: Fernando Garcel

O técnico Matheus Costa vive um momento ímpar na carreira após conquistar o acesso à Série A do Campeonato Brasileiro com o Paraná Clube. O tricolor retornou à primeira divisão após 10 anos disputando a Série B e o comandante viveu boa parte deste sofrimento da torcida das arquibancadas. O Paraná Portal foi até o Ninho da Gralha bater um papo com o treinador que falou, entre outros assuntos, da trajetória até a conquista, do episódio Lisca e comentou algumas semelhanças com Fábio Carille, técnico do Corinthians.

Torcedor paranista, Matheus não esconde a paixão pelo clube que o revelou como treinador profissional. “Eu sempre costumo falar que todo apaixonado por futebol teve um time de infância e eu não escondo qual foi o meu. Mas a partir do momento que decidi levar isso como profissão eu tive que separar a emoção da razão”, destacou.

A trajetória de Matheus é bastante semelhante a do técnico do Corinthians, Fábio Carille (treinador jovem, estreando na função, promovido de auxiliar a técnico e que nunca foi jogador profissional). “Esses profissionais não têm nome, mas têm uma carreira no futebol, que as vezes muitos não conhecem. O Carille teve um histórico muito parecido com o meu, esteve um bom tempo nas categorias de base, foi auxiliar técnico também e nós citamos ele, mas temos também o Jair Ventura, no Botafogo, o Zé Ricardo, que teve uma história no Flamengo e agora tem uma nova oportunidade no Vasco. Eu acredito que é um paradigma que está sendo quebrado, esses profissionais estão mostrando os seus valores, com todo respeito aqueles profissionais que tem um histórico maravilhoso e vitorioso”, analisou Matheus.

Matheus também comentou sobre o episódio com o Lisca antes do duelo com o Atlético-MG na Copa do Brasil. O atual treinador do Paraná teria sido o pivô da discussão com Lisca no hotel em Belo Horizonte. Questionado, o comandante preferiu não descrever o que houve naquele dia, mas disse que levou tudo como aprendizado.

“O futebol é muito complexo então a todo momento você está aprendendo com alguma situação e isso faz com que você tenha mais força para continuar. Ali foi um momento muito conturbado, todo mundo sabe, mas eu procurei sempre dar o meu melhor, me concentrar e focar nos meus objetivos”, afirmou.

Confira a entrevista completa:

[insertmedia id=”mWvEdy8awZE”]

“Só depende de nós”, garante Matheus Costa sobre permanência do Paraná no G4

O Paraná Clube tem um desafio importante nesta terça-feira (7), diante do Brasil de Pelotas, às 20h30 (horário de Brasília), pela 34ª rodada da Série B. Em entrevista coletiva, o técnico Matheus Costa destacou o trabalho que o Tricolor vem fazendo para não sair do G4. Após a derrota para o Oeste, um revés contra o time gaúcho pode custar caro para os paranistas.

“A preocupação é nossa, temos que manter o nosso trabalho, manter o que a gente vem fazendo, brigando, buscando o jogo ponto a ponto, brigando a cada minuto. Precisamos ter um equilíbrio muito forte do início ao fim do jogo. Sabemos da dificuldade que é enfrentar o Brasil em Pelotas, lá é sempre muito competitivo e nós temos que levar essa competitividade para buscar esse resultado a nosso favor”, avaliou Matheus.

O treinador comentou sobre a fase difícil que o Tricolor enfrentou ao encarar concorrentes diretos na briga pelo acesso. Além disso, Matheus salientou a complexidade dessa reta final, mesmo sendo contra times que brigam na parte debaixo da tabela.

“Agora nós viramos essa página e temos outros cinco jogos decisivos para manter nossa permanência no G4. Então é como a gente sempre vem falando, é trabalhar jogo a jogo. É muito difícil conquistar tantas vitórias em casa, nós fizemos história esse ano, só uma vez o Paraná Clube tinha feito 10 vitórias consecutivas em casa”, analisou.

Apesar de figurar entre os quatro primeiros, a equipe paranista não ocupa posição confortável na tabela, já que tem adversários bem próximos e uma derrota pode custar a saída do G4. Oeste e Vila Nova estão respectivamente na 5ª e 6ª colocação, com 55 e 52 pontos. O Paraná Clube é o quarto colocado, com 56 pontos. De acordo com o site Chance de Gol do UOL, o Tricolor tem 79% de probabilidade de conquistar o acesso.

“Observar adversário, torcer contra, torcer a favor, faz parte. Mas a gente sabe que quem está no G4 somos nós e para permanecer no G4 temos que fazer nossos resultados. […] Em qualquer situação de empate hoje, os números estão ao nosso favor: Em uma briga futuramente pelo G4, nós temos o maior número de vitórias que os concorrentes, podendo a gente permanecer na frente do adversário; Caso o número de vitórias seja igual, nós temos o melhor saldo, que é o segundo critério de desempate. Então é manter a cabeça no lugar e continuar o nosso trabalho”, ressaltou.

 

 

 

“O empate não era ruim”

O técnico do Paraná Clube, Matheus Costa lamentou a derrota, de virada, para o Oeste, na noite desta terça-feira, na Vila Capanema e disse que o time estava preparado para, dependendo da circunstância do jogo, administrar um resultado de empate. “Lógico que tem todo o histórico da Vila (1o vitórias seguidas) e a possibildiade de abrir sete pontos se ganhássemos, mas conversamos durante a semana que, o empate não seria um mal resultado, pois nos manteria com quatro pontos de vnatagem e, dependendo de como se desenrolasse o jogo, poderíamos jogar pelo empate”, disse o técnico, ao ser questionado se o time não foi muito afoito ao ataque, abrindo espaço para o adversário.

Costa, no entanto, disse não ter visto tal postura no lance que originou o gol da virada do Oeste. “Tomamos o segundo gol numa transição de rebote de escanteio. Quem não arrisca em um escanteio? Não vou deixar de atacar num escanteio para nós. Mérito deles que conseguiram afastar a bola, ganahr o rebote e encaixar a jogada”, avaliou.

A derrota e a quebra da sequência em casa não abala o time para a sequência do campeonato, garante o treinador. “A gente está bem preparado para a competição. Claro que o clima de tristeza pelo resultado é natural, até por tudo o que a gnete tem feito aqui na Vila. É jogo a jogo, hoje era uma decisão, porque a gente poderia abrir sete pontos. Agora, a próxima decisão é em Pelotas, em que uma vitória nos mantém no G4”, avaliou.

O jogo contra o Oeste encerra uma sequência do Paraná Clube contra seis adversários diretos na briga pelo acesso. Foram três vitórias, duas derrotas e um empate, o que o trenaidor avalia como um retrospecto positivo. Agora, o Tricolor tem, pela frente, uma sequência de confrontos com clubes que lutam contra o rebaixamento. “Eram jogos decisivos, resolvidos no detalhe. Fomos bem. Agora a gente começa a brigar com equipes que estão na parte de baixo da tabela e também precisam do resultado. Também serão jogos difíceis”, prevê.

“Jogo mais importante dos últimos 10 anos”, destaca Matheus Costa sobre duelo com Oeste

Um sonho que pode se tornar realidade em poucas rodadas. O Paraná Clube vê a chance do acesso cada vez mais palpável nessa reta final de Série B e para garantir mais um degrau rumo à elite do Brasileirão enfrenta o Oeste, nesta terça-feira (31), na Vila Capanema. Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (30), o técnico Matheus Costa disse que esse será o jogo mais importante dos últimos 10 anos da história Tricolor.

O site “Chance de Gol” do UOL aponta que a equipe paranista tem 95,4% de probabilidade de acesso. O Paraná ocupa a quarta posição, com 56 pontos. Se vencer o confronto direto com o Oeste (quinto na tabela), pode abrir sete pontos de vantagem do time de Barueri, faltando apenas cinco rodadas para o fim da competição. Com o placar positivo para o Tricolor, mesmo que o Vila Nova vença o jogo com o Paysandu, o time comandado por Matheus Costa fica com a vantagem de cinco pontos para o quinto colocado.

“É mais uma partida que não foge daquilo que nós sempre estamos falando, mas talvez dentro disso seja o jogo mais importante dos últimos 10 anos da história do clube. Sabemos dessa decisão, enfrentamos mais uma vez uma equipe que também briga pelo G4, sabemos da nossa responsabilidade, da força que nós temos dentro de casa perante o nosso torcedor. Vale ressaltar, mais uma vez, e convocar a torcida para esse jogo, porque a presença dos torcedores aqui na Vila está sendo de fundamental importância. Tivemos uma semana cheia, com todos os jogadores à disposição e a gente vem trabalhando muito forte para conquistar esses três pontos”, disse Matheus.

Restando apenas seis partidas para o fim da competição, o treinador revela a receita para manter a produtividade em alta neste fim de Série B. “A receita é manter os pés no chão e tratar cada jogo como se fosse uma decisão, sabemos da importância desse jogo, em função do adversário, que é o quinto colocado. […] Então estamos muito bem preparados para buscar essa vitória. Temos que manter o nível de concentração”, avaliou.

O treinador também ressaltou a possibilidade de garantir sete pontos de distância do quinto colocado. “A gente sabe que tem uma grande gordura atingindo essa vitória amanhã, mas matematicamente ainda não estaremos classificados, não encerra a competição no G4. Mas é um jogo muito importante, fundamental”, destacou.

 

 

Matheus Costa é efetivado como técnico do Paraná Clube

A diretoria do Paraná Clube confirmou a efetivação de Matheus Costa como técnico do Paraná Clube. O comunicado foi feito na tarde desta segunda-feira (25), quando o presidente, Leonardo Oliveira, e o executivo de futebol, Rodrigo Pastana, anunciaram a contratação do auxiliar técnico Ademir Fesan, que estava no Tubarão de Santa Catarina.

“Ele faz parte do processo desde o início. Sabemos que ele tem grande influência no sucesso que aconteceu no clube até então […] A aceitação do grupo, o conhecimento do Matheus sobre metodologia e performance é fundamental para nós nesse processo”, disse Pastana.

Matheus Costa chegou ao tricolor como auxiliar técnico no dia 2 de janeiro e assumiu o comando interino da equipe desde o dia 2 de setembro, quando houve a saída conturbada do técnico Lisca. Matheus conquistou três vitórias seguidas e colocou o Paraná no G4.

“Eu vejo isso de uma forma natural, em função dos resultados que ocorreram nas últimas rodadas. Eu acredito que o trabalho precisa permanecer o mesmo, eu nunca me senti pressionada por estar de forma interina e agora de maneira efetivada. Tem que pensar acima de tudo no Paraná Clube e fazer o melhor pelo Paraná Clube, assim é que tem que permanecer o trabalho”, ressaltou Costa.