universidade positivo, up, vestibular up, vestibular, vestibular de verão, vestibular de verão 2020, curitiba, londrina, paraná, lista de aprovados, resultado

Universidade Positivo divulga aprovados em medicina no vestibular 2020

169 estudantes foram aprovados no Vestibular de Verão 2020 do curso de Medicina da Universidade Positivo, que divulgou nesta segunda-feira (21), a lista de selecionados em festa no Câmpus Ecoville, em Curitiba.

As vagas são para as sedes da universidade em Curitiba e Londrina. Ao todo, mais de 8 mil estudantes serão calouros dos mais de 50 cursos superiores de Bacharelado, Licenciatura e Tecnologia, nas modalidades presencial e semipresencial.

Um desses estudantes aprovados foi Pedro Koltun, que acertou 96 questões de 110 possíveis e foi o primeiro colocado geral do vestibular.

Novamente o curso mais concorrido foi o de Medicina, seguido por Psicologia, Direito, Biomedicina e Medicina Veterinária.

Os candidatos aprovados na primeira chamada de Medicina devem realizar a matrícula a partir das 18h desta terça-feira (22) até domingo (27).

A lista completa dos aprovados está no site www.up.edu.br. Os estudantes que precisam de mais informações podem contatar a universidade pelo pelo telefone (41) 3250-3737 ou na Central de Atendimento da Universidade, localizada no câmpus Ecoville, em Curitiba. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 22h. Aos sábados, das 8h às 12h.

pucpr resultado vestibular aprovados lista banho de lama

PUCPR realiza seu Vestibular de Verão neste sábado

Sete mil vagas para 60 cursos serão disputadas por estudantes no Vestibular de Verão 2020 da PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná), neste sábado (19).

A PUCPR irá realizar o processo seletivo nas cidades de Curitiba, Londrina, Maringá e Toledo. As modalidades ofertadas são presencial, EAD e semipresencial.

Os estudantes terão das 13h às 17h para realizarem a prova, sendo que os portões serão abertos com uma hora de antecedência e fechados 20 minutos antes do início do processo seletivo.

É obrigatório a apresentação do comprovante de inscrição e documento de identificação com foto por parte dos estudantes. Além disso, apenas canetas esferográficas de tinta azul ou preta, lápis e borrachas serão permitidas no ambiente de provas.

Os pais que irão levar seus filhos para o vestibular terão uma programação especial desenvolvida pela PUC, como a exibição de filme na FTD Arena Digital, tour pela Universidade, apresentação do Coral PUCPR e a tradicional missa na Paróquia Universitária Jesus Mestre. As inscrições para as atividades devem ser feitas pelo Sympla.

PROVAS

As questões do vestibular irão abordar temas nas áreas de  Língua Portuguesa, Literatura Brasileira, Biologia, Química, Física, Matemática, História, Geografia, Filosofia e Língua Estrangeira, além de um texto dissertativo-argumentativo,

Para os estudantes que concorrem no curso de Medicina, a prova também irá exigir um resumo, além de adequar o número de questões, redação e tempo de prova, a fim de selecionar ingressos com competências compatíveis com a profissão.

O resultado será divulgado às 11h do dia 1 de novembro no site da PUCPR e entregue em jornal no banho de lama promovido pela Universidade. Em Curitiba, a celebração ocorre no no estacionamento 04 do Câmpus Curitiba, com a presença de trio elétrico, DJ e um festival de cores.

Academias abrem vagas gratuitas para pacientes com câncer de mama

A luta de Maria Aparecida Rodrigues dos Santos, de 54 anos, contra o câncer de mama durou mais de um ano. Após a cura, veio a recomendação médica de manter uma rotina de exercícios diários para evitar o retorno da doença. Mas, a assistente social aposentada não tinha condições de pagar a mensalidade de uma academia. Foi quando ela conheceu um projeto desenvolvido pelo Centro de Doenças da Mama, em parceria com academias, que oportuniza vagas gratuitas para pacientes que travam a batalha contra o câncer de mama.

“Foi muito difícil receber um diagnóstico de câncer e ainda dizer pra mim que era invasivo e que eu teria que entrar logo com quimioterapia, a gente já pensa que está morrendo. Os médicos sempre falando: tem que fazer exercício físico. Mas eu sou aposentada, então é muito difícil eu pagar o valor, que muitas vezes é alto”, conta Maria.

Em Curitiba, uma rede com 19 academias aderiu ao projeto. Ao todo, são 50 vagas gratuitas para pacientes que tratam a doença ou que estão no período de recidiva, quando já encerraram o tratamento, porém o câncer ainda pode voltar. Maria é uma dessas alunas, ela começou a treinar nesta segunda-feira (12).

“Uma vez que você fez a retirada dos linfonodos da axila, esse braço precisa de mais cuidado, é preciso acompanhamento, porque não é qualquer peso que se pode erguer com esse braço, qualquer exercício que se pode fazer”, afirma Maria.

PESQUISA

De acordo com uma pesquisa apresentada no Congresso de Oncologia Clínica, Asco 2019, as mudanças de hábitos alimentares simples – como cortar 20% das calorias diárias – são capazes de resultar em redução de mortalidade por câncer de mama em 21%. Além disso, a prática de 30 minutos de exercícios físicos diários, cinco vezes por semana, é capaz de afastar os riscos de recidiva de câncer em 60%.

“O câncer de mama tem uma clara associação com o ganho de peso, com obesidade e principalmente com uma dieta rica em gordura. Se mudar os hábitos de vida, essa mulheres vão ter uma melhora com redução do risco de recorrência para aquelas que já tiveram câncer e redução do risco de desenvolvimento do câncer de mama”, explica o médico Cleverton Cesar Spautz, do Centro de Doenças da Mama.

Com isso, surgiu a ideia de buscar academias parceiras que pudessem ajudar mulheres que não têm condições financeiras. Os idealizadores do projeto acreditam que a iniciativa poderá atrair outras outras redes de academias e, quem sabe, ultrapasse os limites de Curitiba. “A ideia é fazer com que qualquer pessoa que fez o tratamento do câncer de mama tenha acesso a essas aulas”, disse o médico.

As academias interessadas em aderir ao projeto podem procurar o Centro de Doenças da Mama pelo telefone (41) 3335-3300. Mesmo telefone em que as pacientes podem entrar em contato para mais informações.

Entidades médicas questionam práticas de telemedicina

Entidades médicas nacionais questionam os serviços de telemedicina, como consulta à distância utilizando aplicativos. Segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Médica Brasileira (ABM), os serviços violam normas do setor e não asseguram uma prática correta para garantir aos pacientes um tratamento adequado. Notícias veiculadas na imprensa indicaram que até mesmo planos de saúde estariam recorrendo às consultas à distância.

A AMB apresentou uma denúncia à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) sobre “a utilização temerária, sem o devido amparo legal, de aplicativos de comunicação para a realização de consultas a distância”. Segundo a entidade, tais procedimentos abrem espaço para uma burla à Lei do Ato Médico (Lei 12.482 de 2013).

Na avaliação da AMB, a incorporação de novas tecnologias “pode ser positiva”, mas desde que com “diretrizes responsáveis”. A associação considerou “arriscada e irresponsável a utilização de ineficientes mecanismos artificiais para substituir a relação médico/paciente, “principalmente nas fases iniciais de diagnóstico”.

Segundo a AMB, o procedimento colocaria os pacientes “em situação de vulnerabilidade” no momento dos primeiros exames, etapa importante do diagnóstico de pacientes. O uso desse expediente por planos de saúde é, conforme o comunicado da entidade, “um movimento de redução de custos das operadoras com atendimento presencial, escamoteando todos os riscos envolvidos”.

CFM

Em nota, o CFM ressalta que o atendimento presencial e direto do médico é “regra para boa prática médica” e avalia que a modalidade configura “a forma eficaz e segura e realizar diagnóstico e tratamento de doenças”. A entidade informou que notificará planos de saúde e hospitais que estejam atuando em desacordo com as normas do conselho profissional.

O CFM ressalta ainda que o Código de Ética Médica estabelece em seu artigo 37, que “é vedado ao médico prescrever tratamento ou outros procedimentos sem exame direto do paciente, salvo em casos de urgência ou emergência e impossibilidade comprovada de realizá-lo, devendo, nesse caso, fazê-lo imediatamente após cessar o impedimento, assim como consultar, diagnosticar ou prescrever por qualquer meio de comunicação de massa”.

Pela Resolução 1.643 de 2002, consultas e procedimentos só podem ocorrer com, pelo menos, um médico “em cada ponta” da comunicação. O conselho chegou a editar uma nova norma sobre o tema no início do ano, mas recuou e abriu uma consulta pública para discutir a atualização das regras para essa prática. A sondagem está aberta até o dia 31 de julho.

ANS

Em nota, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) disse que “a regulação da saúde suplementar não impede a prática do teleatendimento no setor, respeitadas as atribuições dos conselhos profissionais. A agência destaca ainda que a realização desse tipo de atendimento na saúde suplementar não poderá comprometer o atendimento a que os beneficiários de planos de saúde têm direito, dentro dos prazos máximos estabelecidos.

MEC quer aperfeiçoar processo de revalidação do diploma de medicina

Um Grupo de trabalho com a finalidade de estudar e propor medidas para o aperfeiçoamento do processo de revalidação dos diplomas de graduação de medicina foi instituído pelo Ministério da Educação (MEC), de acordo com portaria publicada na edição desta quinta-feira (16) do Diário Oficial da União.

O grupo será formado representantes da Secretaria de Educação Superior do MEC, do Instituto Nacional de Educação e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e Conselho Federal de Medicina (CFM).

Os integrantes do grupo de trabalho terão um prazo de 60 dias, a contar  partir da publicação da portaria, para a conclusão de suas atividades e apresentar ao ministro da Educação uma proposta para aperfeiçoar o atual processo de revalidação do diploma de medicina.

O grupo poderá convidar para participarem de suas atividades representantes de órgãos e entidades públicas e privadas, além de pesquisadores e especialistas, que possam contribuir para o trabalho.

Comer carboidrato a noite engorda? Mito! Dr. Caetano Marchesini explica:

Você é daqueles que evita ao máximo comer carboidratos à noite com medo de engordar? Pode parar de se preocupar. Não há comprovação científica de que o consumo do nutriente no final do dia está associado a um maior acúmulo de gordura corporal. Além disso, o que gera o ganho de peso, entre outros motivos, é a ingestão exagerada de calorias durante o dia todo, e não apenas em um momento.

Mas o metabolismo não fica mais lento à noite? A ideia de que consumir carboidratos no fim do dia “engorda mais” provavelmente surgiu da hipótese de que nosso organismo queima muito menos calorias no período noturno (já que vamos dormir), e com isso a maior parte do nutriente ingerido seria estocada como gordura. Mas essa teoria não se justifica e diversos estudos apontam que o gasto energético basal à noite é muito similar ao do dia.

Quanto carboidrato posso comer por dia? De modo geral, em uma dieta equilibrada, a quantidade de carboidrato deve representar de 50% a 65% das calorias ingeridas diariamente, distribuídas ao longo das refeições –as porções exatas devem ser definidas por um nutricionista, pois variam conforme nível de atividade física, objetivos, metabolismo entre outras coisas. E para não ter problemas com a balança é muito importante escolher as fontes certas do nutriente.

Confira na coluna do Dr. Caetano Marchesini desta semana:

Exercícios físicos podem prevenir o Mal de Alzheimer

Um estudo brasileiro publicado na revista científica Nature Medicine mostra que a prática de exercícios físicos libera uma proteína chamada irisina, que é encontrada em menores níveis em pessoas com Mal de Alzheimer.

Segundo os pesquisadores, ao aumentar a presença da irisina em camundongos com a doença, os problemas com a memória diminuíram, o que mostra uma relação entre a proteína e as sinapses cerebrais.

O estudo ainda é preliminar e é necessário um aprofundamento para compreender a relação da irisina no cérebro e o alzheimer, mas os pesquisadores acreditam que esse pode ser começo de um novo tratamento para prevenir a doença ou atenuar os sintomas e melhorar a qualidade de vida de pacientes do mundo todo.

Confira na coluna desta semana do Dr. Caetano Marchesini:

Estresse engorda! Entenda o motivo na coluna do Dr. Caetano Marchesini

Você sabia que quando estamos estressados, ansiosos ou até tristes, há uma série de alterações hormonais, como o aumento do cortisol. Seu excesso no corpo pode aumentar o risco de doenças cardíacas, mas também tem impacto no emagrecimento, justamente porque o organismo entende que alimentos calóricos, principalmente doce e gordura, são a forma mais fácil de equilibrar novamente neurotransmissores, como dopamina e serotonina.

Ainda faltam muitos estudos para chegarmos a algo mais concreto, mas várias pesquisas já relacionaram o desequilíbrio de neurotransmissores com a maior vontade de consumir certos tipos de alimentos. Como esses alimentos dão prazer, por ativarem mecanismos de recompensa, o corpo libera serotonina

Como os mecanismos de recompensa agem? O consumo de alimentos ricos em açúcar, gordura e sal nos traz uma sensação de prazer e conforto no momento de estresse, ansiedade e tristeza. Porém essa sensação de prazer é muito rápida e, para que ela seja contínua, o cérebro faz você buscar uma quantidade muito grande desses alimentos densamente calóricos.

Veja na coluna desta semana do Dr. Caetano Marchesini:

Caetano Marchesini alerta sobre os perigos de alimentos inflamatórios

Você já ouviu falar de alimentos inflamatórios? Uma alimentação inadequada pode levar a um quadro chamado de “inflamação de baixo grau”, é um quadro silencioso, que pode durar anos, e começou a ser estudado há 10 anos. Esse fenômeno contribui para o surgimento de doenças metabólicas e crônicas, como o diabetes, por exemplo.

Na lista de alimentos inflamatórios estão as frituras, ricas em gordura trans e saturada; os alimentos ultraprocessados, como salgadinhos, enlatados e biscoitos, excesso de açúcar refinado; excesso de carne vermelha.

Quando o corpo está inflamado:

  • o fígado passa a metabolizar mal as substâncias do nosso organismo e produzir mais gordura;
  • os músculos deixam de captar a glicose e esse excesso pode favorecer a ocorrência da diabetes tipo 2;
  • o tecido adiposo passa a liberar a gordura para a corrente sanguínea, o que aumenta o colesterol;
  • o hipotálamo, responsável pelo metabolismo e pela sensação de fome, passa a perder o controle e causa o aumento patológico do apetite;

Tudo isso vai contribuir para um ciclo vicioso de ganho de peso e pró-inflamatório.

Lembre-se que uma alimentação equilibrada baseada em alimentos in natura e minimamente processados e a prática regular de exercício físico podem melhorar o metabolismo e o perfil inflamatório, ficando mais perto de um equilíbrio nutricional e metabólico.

Cirurgia metabólica traz resultados na remissão do diabetes

Na cirurgia metabólica ocorre o mesmo procedimento da cirurgia bariátrica. A diferença entre as duas é que a cirurgia metabólica visa o controle da doença. Já a cirurgia bariátrica tem como objetivo a perda de peso, com as metas para contenção das doenças, como o diabetes e hipertensão, em segundo plano.

De acordo com os estudos analisados, a cirurgia metabólica é segura e apresenta resultados positivos de curto, médio e longo prazos, diminuindo a mortalidade de origem cardiovascular, conforme demonstram estudos prospectivos pareados com mais de 20 anos de seguimento, séries de casos controlados, além de estudos randomizados e controlados.

Confira na coluna desta semana do Dr. Caetano Marchesini: