raio atinge árvore em Curitiba

Raio atinge árvore em Curitiba e assusta moradores; veja as fotos

Moradores de um bairro residencial em Curitiba levaram um susto na manhã desta sexta-feira (06), ao ouvirem um estrondo muito alto na região.

Um raio atingiu uma araucária, árvore nativa do Paraná, e com o impacto o tronco da árvore foi partido ao meio. Ainda assim a araucária se manteve em pé!

Felizmente a descarga elétrica não atingiu a rede de eletricidade e o fornecimento não foi comprometido na região.

Técnicos da COPEL (Companhia Paranaense de Energia) isolaram o local e estão acompanhando a situação no momento.

Não há prejuízo às casas do bairro e ninguém ficou ferido.

Veja as fotos:

            raio atinge árvore no juveve

Fotos: Divulgação Copel
apartamento que explodiu prédio explosão curitiba água verde raquel lamb matheus lamb gabriel arajúo caio santos impeseg

Moradores do prédio que explodiu em Curitiba começam a retornar para casa

21 dias depois da explosão de um prédio em Curitiba, os moradores que foram obrigados a deixar a edificação começaram a voltar para casa. Após um laudo apontar que não houve danos estruturais, os primeiros residentes foram autorizados a retornar em definitivo neste sábado (20). O incidente atingiu um apartamento do último andar do edifício de seis andares; foram liberados a voltar os ocupantes de unidades do 1º ao 5º andar.

A explosão aconteceu no dia 29 de junho. O acidente matou uma criança de 11 anos. A irmã e o cunhado do menino ficaram gravemente feridos, assim como o técnico que impermeabilizava o sofá da família no momento que ocorreu a detonação seguida de incêndio. O caso ainda é investigado pela Polícia Civil, que deve indiciar os donos da empresa de impermeabilização por homicídio.

A Cosedi (Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis), órgão ligado à Prefeitura de Curitiba, acompanha a situação desde o dia da explosão. Além dos quatro apartamentos do 6º andar do prédio, a comissão também manteve interditadas áreas que ficam na lateral e nos fundos do edifício. Assim como duas vagas da garagem onde riscos ainda foram identificados pelos técnicos.

A rede de energia elétrica que abastece o condomínio já havia sido religada no decorrer da semana. Neste sábado (20), com o retorno gradual dos moradores, a rede de gás também está sendo liberada. Uma empresa privada foi contratada para fazer a vistoria final da tubulação acompanhada dos residentes.

Moradores se impressionam

Moradora do edifício desde a inauguração, há 12 anos, Luciana Galarda disse ter ficado impressionada com os estragos causados pela explosão em um dos apartamentos. Segundo ela, eram muitos detritos espalhados. Literalmente, pedaços do edifício espalhados pelo chão.

“Tive que passar pelo hall e eu já via pedaços do prédio no chão. Uma máquina de lavar, tijolos e muito entulho. Parecia que uma caçamba de restos de construção tinha sido jogada no hall do prédio”, relatou à época das primeiras inspeções.

Investigações continuam

O caso é apurado pela Deam, a Delegacia de Explosivos, Armas e Munições. No decorrer da última semana, o delegado Adriano Chohfi ouviu as vítimas sobreviventes: dois moradores e o técnico que fazia a impermeabilização do sofá. O produto químico usado para o serviço é altamente inflamável e foi apontado pela Polícia Civil como o causador da explosão.

Os donos da Impeseg – Impermeabilização e Higienização já prestaram depoimentos. A defesa do casal trata o caso como uma “fatalidade”, embora a empresa não tivesse os alvarás necessários para manusear os produtos químicos. Um dos donos da Impeseg confessou em depoimento que manipulava os químicos por conta própria, misturando e envazando os insumos que formavam o produto final aplicado nos estofados dos clientes.

Funcionários da empresa também foram ouvidos no curso da investigação. Um deles disse que não havia equipamentos de proteção individual (EPIs) e que não passou por treinamentos técnicos. Ele também informou que não sabia sobre os riscos da aplicação, nem que os produtos usados eram altamente inflamáveis.

“As investigações em andamento ainda apuram se a empresa assumiu os riscos”, explicou o delegado Adriano Chohfi. O inquérito deve ser concluído até agosto.