Paraná bate recorde histórico em apreensão de cigarros contrabandeados

Quase 37 milhões de carteiras de cigarro foram apreendidas pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) no Paraná, de janeiro a novembro deste ano.

O número é recorde e representa o dobro registrado em todo o ano passado. Em 2018 foram 18,4 milhões de carteiras contrabandeadas. O Paraná é o estado brasileiro onde a Polícia Rodoviária Federal mais apreende cigarros contrabandeados do Paraguai.

O balanço foi divulgado nesta  quinta-feira (5)  e coloca 2019 como o ano em que a PRF mais apreendeu cigarros desde o início da série histórica, em 2010.

Até então, o maior volume havia sido verificado em 2013, quando 31,1 milhões de carteiras foram apreendidas.

 

apreensão cigarros contrabandeados paraná 2019

 

QUASE 1 BILHÃO DE REAIS

Desde 2010 até hoje foram apreendidas  199,3 milhões de carteiras de cigarro no Estado. O total equivale a quase R$ 1 bilhão (R$ 996,5 milhões), levando em consideração o valor de referência de R$ 5 para uma carteira com 20 cigarros.

 

Divulgação/PRF

 

Segundo a PRF, a cada cinco carros ou caminhões apreendidos com cigarro, ao menos um é produto de roubo ou furto. Além de alimentar uma cadeia de crimes associados, o contrabando provoca uma evasão fiscal bilionária, uma vez que cerca de 80% do preço do cigarro comercializado legalmente no país corresponde a tributos.

SAÚDE PÚBLICA

O contrabando afeta ainda a saúde pública, por ofertar à população produtos nocivos a preços inferiores aos de mercado, sem qualquer tipo de controle sanitário e sem as advertências obrigatórias nas embalagens. E acaba por constituir uma atividade rentável para o crime organizado.

Quem tiver qualquer informação sobre veículos suspeitos de transportar cargas ilícitas em rodovias federais pode ligar para o telefone 191 da PRF, inclusive de forma anônima.

O crime de contrabando tem pena prevista de dois a cinco anos de prisão.

horacio cartes, prisão, stj, habeas corpus, ex-presidente, paraguai, dario messer, doleiro, operação patrón, cambio desligo, lava jato

STJ revoga prisão contra ex-presidente do Paraguai

O ex-presidente do Paraguai Horacio Cartes conseguiu um habeas corpus para revogar a ordem de prisão contra ele expedida na Operação Patrón. O político é suspeito de ter disponibilizado US$ 500 mil a Dario Messer, conhecido como “doleiro dos doleiros”, no momento em que ele estava foragido da justiça do Brasil e do Paraguai. O habeas corpus em favor do paraguaio foi concedido pelo ministro do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Rogerio Schietti Cruz. A decisão é liminar, até que o julgamento definitivo seja feito pela Sexta Turma.

De acordo com o magistrado, o decreto de prisão não apresenta indícios suficientes que justifiquem a restrição à liberdade do ex-presidente do Paraguai. Conforme a defesa de Horacio Cartes, a Polícia Federal sequer o indiciou. Além disso, os advogados do paraguaio argumentavam que não há prova de nenhum ato ilícito supostamente praticado por ele.

OPERAÇÃO PATRÓN: HORACIO CARTES

O ex-presidente do Paraguai teve a prisão decretada na Operação Patrón. A investigação é um desdobramento da Operação Câmbio Desligo, que por sua vez decorre da Lava Jato.

Conforme o MPF (Ministério Público Federal), foi encontrado no celular de Dario Messer uma carta que o doleiro supostamente enviou ao político em junho de 2018. No documento, o “doleiro dos doleiros” pedia que Horacio Cartes entregasse US$ 500 mil a um homem chamado Roque. O homem citado seria um amigo de Messer, e o dinheiro seria usado para os gastos jurídicos.

De acordo com os procuradores Horacio Cartes integrava o núcleo operacinal político da quadrilha liderada por Messer.

esportivo, carro, luxo, cosméticos, prf, empreendido

Carro esportivo e de luxo é apreendido pela polícia lotado de cosméticos no PR

PRF (Polícia Rodoviária Federal) no Paraná apreendeu na noite deste sábado (23), na BR 277, um carro esportivo de luxo que transportava centenas de cosméticos de maneira ilegal.

A abordagem foi feita na cidade de Céu Azul, região Oeste do Paraná, quando o carro, um  Nissan 370Z de placas paraguaias, seguia em direção à cidade de cascavel.

carro luxo, cosméticos, paraguai, cascavel, nissaDivulgação/PRF

À polícia, o motorista brasileiro de 41 anos, disse que saiu de Foz do Iguaçu, fronteira com o Paraguai, em direção à cidade de Cascavel, destino final da carga ilícita. A PRF encaminhou o homem e o carro para a unidade da Receita Federal em Cascavel, onde será feita a contabilização dos itens apreendidos.

Ele responderá pelo crime de descaminho (importar produtos sem pagar os respectivos impostos).

 

 

cigarro, cigarros contrabandeados, paraguai, paraná, santa terezinha do itaipu, foz do iguaçu, prf, polícia rodoviária federal

Polícia apreende carro abarrotado com cigarros contrabandeados do Paraguai

Um carro abarrotado com cigarros contrabandeados do Paraguai foi apreendido pela polícia nesta sexta-feira (15), em Santa Terezinha de Itaipu, na região oeste do Paraná. De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), a ação aconteceu no km 714 da BR-277. O motorista suspeito está foragido.

Conforme os agentes federais, o contrabandista desobedeceu a uma ordem de parada em um posto policial e fugiu.

Os policiais usaram um dispositivo para dilacerar os pneus do carro do fugitivo e continuou o acompanhamento. Em dado momento, o homem desceu do carro, e fugiu a pé por um matagal.

Buscas foram realizadas na região, mas o suspeito não foi encontrado.

O carro usado para o contrabando e as caixas de cigarros contrabandeados do Paraguai foram encaminhados pela PRF à unidade da Receita Federal em Foz do Iguaçu, na região oeste do Paraná.

paraná, celulares, smartphones, sem nota fiscal, celulares contrabandeados, contrabando, prf, receita federal, bpfrom, apreensão, paraná, fronteira, paraguai, ônibus

Ônibus é apreendido no Paraná com R$ 4 milhões em celulares contrabandeados

Três homens foram presos em Santa Terezinha de Itaipu, na região oeste do Paraná, suspeitos de operarem o contrabando de celulares. A carga ilícita estava escondida em fundos falsos de um ônibus. De acordo com a Receita Federal, os equipamentos eletrônicos sem nota fiscal estão avaliados em R$ 4 milhões.

De acordo com a Receita Federal, a apreensão aconteceu durante uma fiscalização de rotina na BR-277. A ação teve o apoio da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e do BPFron (Batalhão de Polícia de Fronteira da PM do Paraná).

O ônibus foi abordado na noite desta sexta-feira (8). O veículo suspeito foi levado até Porto Seco, em Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai. Lá, o ônibus passou pelo scanner, que acusou vários fundos falsos espalhados pelo automóvel.

Foram presos dois motoristas e um guia de viagens, mas os passageiros do ônibus foram liberados. Um dos motoristas era, também, o dono do veículo. Ele afirmou aos agentes que sabia da existência dos fundos falsos e assumiu ser o dono da carga de celulares contrabandeados.

De acordo com a Receita Federal no Paraná, uma inspeção minuciosa encontrou centenas de smartphones escondidos entre os eixos dianteiros e traseiros. Além disso, outros celulares estavam guardados atrás da cabine do motorista. Todos os equipamentos eletrônicos estavam embalados e guardados em caixas.

Os suspeitos devem ser indiciados por contrabando.

PRF - agrotóxicos - ilegais - Paraná

6,1 toneladas de agrotóxicos ilegais são recuperados pela PRF no Paraná

A utilização e armazenamento de agrotóxicos ilegais foi foco da Operação “Westicida” da PRF (Polícia Rodoviária Federal). Entre os dias 4 e 8 de novembro, foram apreendidos 6,1 toneladas desses produtos e aplicados R$ 1 milhão em multas.

Ao todo foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e fiscalização de 60 denunciados por uso e comércio de agrotóxicos ilegais, sendo que nove pessoas foram presas em flagrante. A operação mobilizou 180 agentes, divididas em 24 equipes.

Foram fiscalizados 440 propriedades rurais, 17 comerciantes e 1.193 veículos. O foco da operação foram as regiões Oeste e Sudoeste, onde seis ações de fiscalizações resultaram na aplicação de 35 autuações. Dessas, 34 para produtores rurais por uso, armazenamento e importação de agrotóxico ilegal. Um comerciante foi autuado por armazenamento e comércio de agrotóxico ilegal.

Também foi feita a fiscalização em 27 barreiras fixas e móveis em rodovias em todo o estado, fiscalização nos pontos de ingresso e na fronteira com o Paraguai.

A operação teve o auxílio do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), RFB (Receita Federal), PF (Polícia Federal), Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), IAP (Instituto Ambiental do Paraná), o BPAmb (Batalhão de Polícia Ambiental), o BPFron (Batalhão de Polícia de Fronteira), o MPPR (Ministério Público do Paraná), inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), a Apasem (Associação Paranaense dos Produtores de Sementes e Mudas) e a Areac (Associação dos Engenheiros Agrônomos de Cascavel).

Por não serem registrados no Brasil, os defensivos agrícolas ilegais não seguem as diretrizes e exigências do Mapa, do Ibama, da Anvisa e dos órgãos estaduais de defesa agropecuária. Por isso, representam prejuízos ao agricultor pela baixa eficácia, além de causar danos ao meio ambiente, à saúde do aplicador e também ao consumidor.

Cigarros - PRF - PMPR - Guaíra - Paraná

Homem é preso com R$ 3 milhões em cigarros ilícitos no oeste do Paraná

Um homem que transportava uma carga de 600 mil cigarros contrabandeados do Paraguai, avaliados em R$ 3 milhões, foi preso nesta terça-feira (29), em Guaíra, na região oeste do Paraná.

A ação da PRF (Polícia Rodoviária Federal) e da PMPR (Polícia Militar do Paraná) foi realizada às 6 horas da manhã, com os agentes revistando uma carreta bitrem, que estava parada às margens da BR-163, já no perímetro urbano de Guaíra.

Ao avistar os policiais, o homem fugiu do veículo, mas foi localizado e preso pelos agentes nas imediações. O rapaz é morador do município de Mundo Novo, que faz divisa com Guaíra e também é fronteiriço ao Paraguai.

Além dos cigarros, os agentes encontraram na cabine do caminhão uma embalagem de aparelho celular, que foi apreendido com o motorista do caminhão. O homem confessou que estava na direção do veículo e afirmou “fiz burrada” aos policiais.

O caminhão e os dois semirreboques estavam com placas clonadas e por isso o motorista irá responder pelos crimes de contrabando e também de adulteração de sinal identificador de veículo.

A ocorrência está sob jurisdição da Delegacia de Polícia Federal em Guaíra.

caminhão cigarros paraná

Caminhão tomba e 500 mil carteiras de cigarro são apreendidas no Paraná

Um caminhão tombou na BR-369, em Jataizinho, na Região Metropolitana de Londrina, no norte do Paraná, na manhã desta quinta-feira (24).

O acidente aconteceu por volta das 6h40, na alça de acesso à cidade de Assaí. A PRF (Polícia Rodoviária Federal) chegou ao local pouco tempo depois e se deparou com 500 mil carteiras de cigarro contrabandeadas do Paraguai.

Segundo a PRF, a carga tem um valor estimado em R$ 2,5 milhões.

Carteiras de cigarro ficaram espalhadas na BR-369. (Divulgação / PRF)

Apesar da apreensão, os policiais rodoviários não conseguiram prender o motorista do caminhão.

O condutor fugiu antes da chegada da PRF e não foi encontrado nas buscas feitas no resto desta manhã.

Por fim, o cigarro acabaram sendo encaminhados à Receita Federal de Londrina.

contrabandistas, presos, paraná, guaíra, marechal cândido rondon, oeste, paraguai, cigarros, cigarros paraguaios, prf, polícia rodoviária federal

Dois contrabandistas são presos no Paraná com R$ 4,5 milhões em cigarros paraguaios

Dois contrabandistas foram presos no Paraná com cargas de cigarros paraguaios. As apreensões aconteceram na BR-163, na região oeste, próxima à fronteira com o Paraguai. As cargas ilegais foram avaliadas em R$ 4,5 milhões.

De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), uma das carretas foi apreendida no final da noite. Um homem foi preso com 450 mil cigarros. O contrabandista aparentemente transportava milho, mas a carga ilícita estava escondida sob os grãos.

Mais cedo, também na BR-163, mas no município de Marechal Cândido  Rondon, outro homem havia sido preso com 450 mil cigarros paraguaios. De acordo com a PRF, o contrabandista tentou enganar os agentes da mesma forma: os cigarros paraguaios estavam escondidos sob uma carga de grãos de milho.

Somadas as apreensões, a Polícia Rodoviária Federal tirou de circulação 900 mil carteiras de cigarros, cujo valor mercado foi estimado em R$ 4,5 milhões.

Ainda de acordo com a PRF, o caminhão e o semirreboque utilizados pelos contrabandistas tinham placas adulteradas. A origem do segundo veículo não foi identificada, mas o caminhão havia sido roubado em janeiro, em Cuiabá (MT).

Na cabine deste caminhão, R$ 4 mil em dinheiro foram apreendidos. O motorista preso por contrabando informou que havia partido de Dourados (MS), mas não revelou o destino da carga. O caso foi repassado à Delegacia da Polícia Federal de Guaíra, no oeste do Paraná. Os cigarros paraguaios foram levados à Receita Federal no mesmo município.

quadrilha cigarros paraguai paraná

Operação no Paraná mira quadrilha que alugava carros para contrabando de cigarros

A PF (Polícia Federal) deflagrou, no Paraná, a Operação Smoke Rent para desmantelar uma quadrilha que contrabandeava cigarros do Paraguai com veículos alugados.

A suspeita é que o grupo, com oito integrantes, usaram 20 veículos para, ao menos, 25 viagens ao país vizinho entre os meses março e outubro de 2019.

Cerca de 45 policiais federais vão cumprindo 10 mandados de busca e apreensão em Curitiba e na Região Metropolitana nesta sexta-feira (11).

A estimativa é que a organização tenha transportado cerca de 200 mil maços de cigarro, com evasão de mais de R$ 1 milhão em tributos e multas à Receita Federal.

Conforme a PF, a identificação da associação se deu a partir de uma sequência de prisões em flagrante. A partir disso, a PF passou a cruzar dados com a Delegacia de Repressão a Crimes contra o Patrimônio e levantou como funcionava o modus operandi da quadrilha para realizar a operação nesta manhã.

Por fim, vale lembrar que as penas de contrabando e organização criminosa podem chegar a 8 anos de prisão.

Cigarros encontrados na Operação Smoke Rent, no Paraná. (Divulgação / PF)