Os 107 anos de história da UFPR

 

Veja neste vídeo, produzido para a TV Band, um resumo dos 107 anos de história da UFPR, Universidade Federal do Paraná.

Se você quer saber mais, clique aqui para conhecer o grupo “UFPR Memória” no Facebook, criado por esta coluna. Ao abrir a página, clique em “participar do grupo”.

E aqui está o grupo Memória de Curitiba.

 

 

 

 

Clique aqui para encontrar outras postagens históricas desta coluna do Paraná Portal.

 

Contato com José Wille

 

 

 

 

jose.wille

alep, assembleia legislativa do paraná, curitiba, centro cívico, greve, servidores, professores, aposentadoria, reforma da previdência, pec da previdência, paraná, alep pr, servidores pr, ocupação, desocupação, protesto, ópera de arame

Professores desocupam Alep e deputados votam reforma da Previdência na Ópera de Arame

Depois de um dia inteiro de ocupação, os servidores estaduais em greve decidiram deixar, na tarde de hoje (4), o prédio da Alep (Assembleia Legislativa do Paraná). A sessão plenária foi transferida para o teatro da Ópera de Arame. Lá, os deputados estaduais analisam a reforma da Previdência enviada ao Legislativo pelo governador Ratinho Junior (PSD). A ocupação foi promovida por servidores públicos, professores e sindicalistas, muitos deles ligados à APP Sindicato, que representa professores e trabalhadores da educação.

Os servidores decidiram encerrar a ocupação porque o a sessão da Alep (Assembleia Legislativa do Paraná) foi transferida para a Ópera de Arame. O teatro fica a cerca de 5 km de distância da sede do Poder Legislativo. Além disso, o TJ-PR (Tribunal de Justiça do Paraná) concedeu, em caráter liminar, uma ordem de reintegração de posse. A decisão previa, inclusive, o uso de força policial, se houvesse resistência.

De acordo com a APP Sindicato, antes da desocupação da Alep, o comando da greve dos professores decidiu realizar uma assembleia geral. Professores e outros servidores públicos do Paraná decidirão os rumos da greve em uma reunião prevista para começar às 17h, no Centro Cívico de Curitiba.

“Desocupamos, mas vamos denunciar o absurdo que ocorre na Ópera de Arame. O governo assumiu um caminho de ataque aos que prestam serviço para a população de conta com o apoio da maioria dos deputados, infelizmente”, afirmou o presidente da APP Sindicato, Hermes Leão.

ALEP VOTA REFORMA DA PREVIDÊNCIA, APP SINDICATO É CONTRA

Os servidores são contra dois projetos de lei e uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Eles foram apresentados pelo Governo do Paraná e alteram as regras da previdência do funcionalismo público estadual. Entre as mudanças previstas está o aumento da contribuição dos servidores de 11% para 14%. Além disso, o estabelecimento de idade mínima de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres se aposentarem.

“É democrático pelo interesse do País. No entanto, a gente tem que ser claro e objetivo: por trás dessa movimentação [App Sindicato] há o cunho ideológico e político. Nós temos que olhar o interesse público. Temos que olhar o interesse de 11 milhões de paranaenses. Além disso, temos que olhar a própria segurança da previdência dos servidores”, ponderou o presidente da Alep, deputado Ademar Traiano (PSDB).

PROTESTOS

Nesta terça-feira (3), servidores ocuparam o prédio da Assembleia Legislativa do Paraná em protesto contra a Reforma da Previdência Estadual. O tumulto começou pouco depois de o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano (PSDB), iniciar a Sessão Plenária. Nas galerias, 250 pessoas estavam autorizadas a acompanhar os trabalhos, mas o número de manifestantes era bem maior.

manifestação-servidores-assembleia
Foto: Francielly Azevedo

Quem ficou fora do prédio, forçou a entrada. A polícia de início recuou e o portão da Assembleia Legislativa foi abaixo. Já dentro do edifício, os servidores tentaram entrar no Plenário, por meio do Comitê de Imprensa. Uma grade de ferro que protegia a porta de vidro foi arrancada.

O Batalhão de Choque da Polícia Militar usou spray de pimenta e cassetetes. Do outro lado, os manifestantes jogaram contra os policiais pedaços de concreto arrancados de um vaso de planta.

De acordo com a APP Sindicato, duas pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas ao hospital. Além disso, quatro servidores que entraram no Plenário foram detidos pela Polícia Militar.

Por fim, diante do cenário, o presidente da Assembleia, Ademar Traiano, encerrou a sessão plenária.

 

previdência assembleia paraná

“Governo não vive de popularidade”, diz chefe da Casa Civil do Paraná sobre Previdência

governo paraná assembleia
Governador do Paraná, Ratinho Junior (esq.), ao lado de Guto Silva. (AEN)

Guto Silva, chefe da Casa Civil do Paraná e vice-presidente da Assembleia Legislativa (Alep), disse que o governo não vive de atos populares. O deputado estadual (PSD) está presente na sessão da reforma da Previdência Estadual. A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) foi encaminhada pelo governador Ratinho Junior para “estancar o crescimento do deficit já existente para o pagamento de aposentadorias e pensões” no Estado.

A votação da reforma da Previdência era para ter sido iniciada na sessão de ontem (4), mas foi suspensa pela ocupação dos servidores estaduais. Com isso, a sessão legislativa mudou para a Ópera de Arame, ponto turístico de Curitiba.

“É uma medida impopular para o servidor, mas um governo não vive de popularidade. É preciso de um compromisso com as contas públicas e nós temos legitimidade para fazer essa avaliação. O governo está confortável com a posição. Grande parte dos estados já fizeram. Não há espaço fiscal para maluquice”, disse.

“Temos uma conta a pagar, que é o déficit previdenciário. Viemos acumulando e é preciso resolver. Às vezes não é um ato simpático, é um ato que desagrada alguns setores da sociedade. Mas é necessário para que o Estado se mantenha de pé”, completou ele.

SESSÃO NA ÓPERA DE ARAME JÁ COMEÇOU

Sessão da Alep está sendo realizada na Ópera de Arame. (Orlando Kissner / Alep)

A sessão começou às 14h35 e conta com a presença de 53 deputados – Gilberto Ribeiro é o único ausente.

A primeira votação do dia foi um requerimento, apresentado pelo líder do governo, Hussein Bakri (PSD), para derrubar o interstício de cinco sessões.

Pela Legislação, deveria existir um intervalo entre as votações de primeiro e segundo turno. Contudo, o deputado Adamir Traiano, presidente da Alep, já adiantou que o desejo é fazer as duas votações e a redação final da Previdência ainda hoje.

Contudo, por 42 votos a 10, o requerimento derrubou o interstício.

Mais cedo, o deputado Tadeu Veneri (PT), líder da oposição, criticou a tentativa. “Os prazos são muito claros, não se pode antecipar sessões. Isso é extremamente grave. É lamentável e espero que exista juízo na mesa diretora”, disse ele, antes de falar especificamente sobre Traiano. “O presidente está fazendo aquilo que é uma loucura. É da cabeça dele e da mesa diretora. Eu repudio. Tenho o maior respeito pelo Traiano, mas se ele resolve jogar toda sua história no lixo, é problema dele”, completou.

PROTESTOS E OCUPAÇÃO DOS SERVIDORES NO PARANÁ

paraná assembleia transito greve servidores curitiba
Manifestantes quebraram uma das portas da Alep, mas a PM impediu a entrada pela porta. (Francielly Azevedo)

Os servidores do Paraná ocuparam Assembleia Legislativa do Paraná, em Curitiba, na tarde desta terça-feira (3). A ação teve tumulto: a PMPR (Polícia Militar do Paraná) usou bombas de gás de pimenta, enquanto os funcionários públicos, em greve desde ontem (2), arremessaram pedras e algumas grades. A sessão da Alep acabou suspensa após os confrontos.

Os servidores protestam contra as mudanças da Previdência Estadual propostas pelo governador Ratinho Junior. Entre as alterações, estão o aumento da contribuição dos servidores de 11% para 14% e o estabelecimento de idade mínima para aposentadoria de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres.

Confira o vídeo que mostra o momento que os servidores ocupam a Assembleia.

Assembleia Legislativa procura Justiça para punir servidores por estragos

O presidente da Alep (Assembleia Legislativa do Paraná), Ademar Traiano (PSDB), afirmou que vai entrar na Justiça para punir servidores que causaram estragos nas dependências na Casa de Leis. Nesta terça-feira (3), manifestantes entraram em confronto com a Polícia Militar quando tentavam adentrar o Plenário. Grades de ferro foram arrancadas e a porta de vidro que dá acesso ao Comitê de Imprensa foi destruída.

Os servidores protestavam contra a proposta do Poder Executivo que prevê mudanças na Previdência Estadual e tramita em regime de urgência na Assembleia. “Infelizmente um dos pilares da democracia, que é o parlamento, foi mais uma vez invadido, por vândalos, que se manifestam como se fossem servidores públicos, que na minha visão não são. Todos encapuzados, a grande maioria, afrontando a Polícia Militar, destruindo o patrimônio público, jogando pedras nos policiais, arrebentaram os vidros que dão proteção a chegada ao Plenário”, disse.

Durante o tumulto, quatro pessoas foram detidas. Elas assinaram um termo circunstanciado e foram liberadas. “Já qualificamos quatro deles, que aliás foram detidos. Vamos tomar as providência jurídicas, como vamos tomar também em relação aos sindicalistas, aqueles que individualmente insuflaram o movimento. A propositura da medida é neste sentido, aplicando multa. Até porque se não houver a liberação do Plenário, as multas com certeza serão aplicadas”, afirmou Traiano.

DECISÃO DO TJ

O presidente do Legislativo entrou com um mandado de segurança para conseguir retirar os servidores do prédio. O pedido foi acatado pela juíza Rafaela Mari Turra, do Tribunal de Justiça do Paraná. A magistrada determinou a desocupação do prédio sob pena de multa de R$ 2 mil por dia para a APP-Sindicato (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná) e ao Sindarspen (Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná), responsáveis pela convocação dos servidores.

A magistrada justifica sua decisão apontando que os manifestantes impediram a sessão plenária, depredaram o patrimônio público e permanecem de forma ilegítima na Assembleia. Por isso, Turra solicita o auxílio de força policial, caso os servidores não saiam de forma voluntária e pacífica.

O QUE DIZ A APP-SINDICATO

Cerca de 200 pessoas ocupam o prédio da Alep. A APP-Sindicato informou que foi notificada na noite desta terça-feira (3) sobre a decisão e que os advogados dos sindicatos dos servidores e as direções sindicais estariam analisando os efeitos da decisão.

“Infelizmente vemos o autoritarismo do governador Ratinho, do legislativo e também do judiciário que demora anos para julgar ações dos trabalhadores, mas corrobora com as arbitrariedades do governo”, afirmou Hermes Leão, presidente da APP-Sindicato.

O objetivo dos servidores é que o governador Ratinho retire os projetos que alteram a previdência estadual e dialogue com as categorias. “O governo quer reduzir salários, aumentar descontos e tempo de serviço dos servidores sem qualquer diálogo e debate. Não podemos aceitar isso pacificamente”, finaliza Hermes.

Servidores passam a noite na Assembleia Legislativa do Paraná

Depois de ocuparem a Alep (Assembleia Legislativa do Paraná), os servidores estaduais passaram a noite no edifício. Barracas, água e alimentos já estão sendo levados para o local. Os funcionários públicos entraram em greve desde segunda-feira (2), mas intensificaram os protestos contra as mudanças da Previdência Estadual propostas pelo governador Ratinho Junior nesta terça-feira (3).

Durante a manhã de ontem, foi realizada uma marcha a partir da Praça 19 de Dezembro. Eles percorreram toda Avenida Cândido de Abreu até ficar em frente da Alep e do Palácio Iguaçu, sede do governo estadual.

No período da tarde, cerca de 5 mil manifestantes – de acordo com a APP Sindicato – se reuniram no local. Conforme o FES (Fórum das Entidades Sindicais), são servidores de todas as regiões do estado.

DIA AGITADO NA ASSEMBLEIA

Nesta terça-feira, a sessão plenária foi suspensa por Ademar Traiano, presidente da Alep, após a reforma da Previdência receber mais de 60 emendas. Além disso, uma reunião da CCJ (Comissão de Constituição, Cidadania e Justiça), que tinha temas relacionados à Previdência Estadual, também foi cancelada pela invasão.

A Comissão Especial formada por cinco deputados acatou 35 emendas, das 65 protocoladas. Regimentalmente, a votação da Alep pode acontecer na sessão desta quarta-feira (4), a partir das 14h30. Entretanto, a sessão plenária ainda não foi confirmada.

O portão principal, usado para a entrada de veículos esteve fechado. Além disso, a Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel) fez um cordão de isolamento. Contudo, os servidores de greve conseguiram entrar por uma entrada lateral.

Depois disso, a PMPR usou gás de pimenta e uso da força, mas não evitou a ocupação. Os funcionários públicos entraram nos balcões e quebraram grades e vasos de plantas para usarem no duelo. Além disso, pedras também foram utilizadas.

Portas da Alep também foram quebradas, mas ainda não há nenhuma informação de quanto foi o prejuízo pelos equipamentos arrombados.

Policiais fizeram bloqueio para os manifestantes não invadirem o plenário. (Orlando Kissner / Alep)

MUDANÇAS NA PREVIDÊNCIA NO PARANÁ

O pacote que propõe alterações na Previdência estadual tramita em regime de urgência na Assembleia Legislativa do Paraná.

As propostas seguem os mesmos moldes da reforma da previdência já aprovada no Congresso Federal, com aumento da idade mínima e do tempo de serviço para aposentadoria do funcionalismo estadual. A emenda altera os artigos 35 e 129 da Constituição do Estado.

Entre as mudanças previstas estão o aumento da contribuição dos servidores de 11% para 14% e o estabelecimento de idade mínima para aposentadoria de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres.

De acordo com o Governo, em 2019, a despesa com a previdência do funcionalismo soma R$ 10,1 bilhões, com um deficit de R$ 6,3 bilhões para cobrir os gastos com aposentados e pensionistas. Se não ocorrer a reforma, o Executivo afirma que essa despesa deve ultrapassar R$ 9 bilhões por ano.

Alep - manifestantes - TJPR - servidores - reforma da previdência

TJPR autoriza reintegração de posse da ALEP após invasão de servidores

Com a ocupação da Alep (Assembleia Legislativa do Paraná), em Curitiba, por servidores estaduais, o TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná) autorizou a reintegração de posse e a desocupação do prédio na noite desta terça-feira (3).

A sentença foi proferida pela juíza substituta Rafaela Mari Turra e prevê multa de R$ 2 mil por dia para a APP-Sindicato (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná) e ao Sindarspen (Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná), responsáveis pela convocação dos servidores.

A magistrada justifica sua decisão apontando que os manifestantes impediram a sessão plenária, depredaram o patrimônio público e permanecem de forma ilegítima na Assembleia. Por isso, Turra solicita o auxílio de força policial, caso os servidores não saiam de forma voluntária e pacífica.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA É O ALVO

Desde a manhã desta terça-feira, quando cerca de cinco mil manifestantes realizaram uma marcha no Centro Cívico, o clima entre servidores, policiais e deputados era tenso. O protesto tem como foco as mudanças da Previdência Estadual propostas pelo governador Ratinho Junior.

Isso culminou na invasão da Alep por alguns manifestantes às 14h30, o que motivou a decisão do presidente da casa, Ademar Traiano (PSDB), em suspender a sessão. Mesmo com a utilização de gás de pimenta, a Polícia Militar não conseguiu impedir a ação dos servidores, que utilizaram uma entrada lateral para ingressar no prédio.

Até o momento, diversos servidores continuam dentro da Assembleia. Os manifestantes levaram para dentro do prédio barracas, água e alimentos para passar a noite.

Por isso, a votação da Reforma da Previdência que seria realizada nesta quarta-feira (4), a partir das 14h30, ainda não foi confirmada pela mesa diretora.

Liderança: o eterno desafio

Em palestra para a equipe do Paraná Portal, nesta quarta-feira (12), onde o foco principal foi a “Ética nas Relações do Trabalho”, o consultor de empresas e diretor da Soul Gestão de Essência, Altair Turbay Junior, alinhou código de conduta e reflexões sobre o ser humano no século 21.

Ele pautou o tema aliando ao momento polarizado como agora, quando assistimos, ao vivo, jornalistas trocando socos e tapas e as enxurradas de notícias falsas derramadas sobre as redações e colocando nos ombros dos jornalistas – editores e repórteres – o peso da responsabilidade na comunicação com a sociedade.

Palestra de Altair Turbay Jr, da Soul Gestão de Essência

Turbay Junior resumiu sua palestra sobre a ética, como coletivo quando os nossos valores (cultural e moral) são aplicados a favor do coletivo em que estamos inseridos.

Humildade e harmonia são peças chaves dentro do contexto de desenvolvimento profissional e pessoal em uma organização. Falou em sociedade líquida, defendida pelo filósofo Zigmount Baumman, adaptação, conformidade, angústia, dilemas e propósitos de valor.

Chegando na redação do jornal, abro os e-mails e vejo artigo do professor e reitor da Universidade Positivo, José Pio Martins, falando sobre liderança, o que, de certa forma, se relaciona com a palestra de Turbay Junior aos jornalistas do Paraná Portal. Aproveitamos, também, os ensinamentos do Pio, um estudioso de filosofia e economia.

LIDERANÇA: O ETERNO DESAFIO

José Pio Martins

A definição mais divulgada de liderança diz que liderar é a capacidade de influenciar e convencer pessoas. Eu gosto da seguinte definição: “Liderança é a capacidade de influenciar e convencer pessoas, levá-las a acreditar na causa e despertar nelas a vontade de agir em favor de objetivos comuns, sobretudo quando elas são livres para seguir outro caminho.” Em resumo, liderança é o jeito de dirigir pessoas. Independentemente da definição, o líder é alguém que tem certos atributos úteis para atingir fins por meio de pessoas.

O líder é reconhecido segundo sua capacidade real de ter estratégia, deixar claro qual é o propósito, escolher as pessoas certas, comunicar-se com eficiência, dar orientações claras, apoiar o trabalho de seus liderados, valorizar os colaboradores, dividir resultados etc. Um dos atributos fundamentais do líder é o princípio da justiça, o que implica saber ouvir, analisar com isenção e, apenas depois, julgar e decidir.

O que resta claro é que os atributos do líder são úteis em todos os campos da vida: na família, no trabalho, nas atividades sociais e na interação com seres humanos em geral. Na política e na direção das nações, a capacidade de liderar é decisiva para o destino dos povos. Aprender e incorporar os princípios e atributos da liderança é útil não só para o trabalho, para a carreira ou para ganhar dinheiro. É útil, também, para o autodesenvolvimento, o autoconhecimento e a conquista de uma vida bem-sucedida.

O mundo nos oferece exemplos de bons líderes e de maus líderes. O bom líder detém os atributos relativos à liderança e, ademais, tem uma boa causa, uma causa nobre. O mau líder até pode demonstrar os atributos instrumentais da liderança, mas os usa para uma causa ruim, negativa. É grande o número de líderes que usaram sua capacidade de convencer, influenciar e liderar multidões direcionada para uma causa destrutiva.

Alguns exemplos interessantes são Hitler, Stalin, Mussolini, na política, Al Capone, Lucky Luciano, Pablo Escobar, no mundo crime, que demonstraram enorme capacidade de conduzir pessoas e levá-las a realizar coisas. Mas suas causas eram ruins, produtoras do mal. Mesmo assim, ainda hoje eles têm defensores e admiradores, a despeito do rastro de destruição que deixaram atrás de suas ações.

Sempre surge a clássica pergunta: liderança pode ser aprendida? Há atributos da liderança que são inatos, ou seja, já vêm com a pessoa em sua estrutura genética e de personalidade. Mas há atributos que podem ser aprendidos, treinados e melhorados. O filósofo Ortega y Gasset dizia que “a vida nos é dada, mas não nos é dada pronta”, ou seja, o ser humano se faz e se constrói em sua própria existência.

Hoje, há escassez de líderes. A cada eleição vemos chegarem ao poder pessoas sem brilho intelectual, de poucos conhecimentos e até mesmo sem os atributos da liderança. E isso só ocorre porque, muitas vezes, os homens e mulheres do bem não vão para a vida pública. Infelizmente, a política tem afugentado os melhores cérebros, em parte pelo que ela se tornou: uma espécie de valhacouto (abrigo) para incompetentes e corruptos.

Vale dizer que seria injusto não reconhecer que há pessoas brilhantes e honestas atuando na política. Mas, sejamos francos, o número de pessoas desonestas e de parcos conhecimentos em cargos relevantes é bastante grande. É bem verdade que parte dessa realidade se deve ao fato de que a política, sobretudo em cargos eletivos, não é o regime dos melhores, mas o regime dos mais numerosos. Ganha quem tem mais votos, não quem é mais honesto e mais capaz. A técnica de conquistar votos tem sua lógica própria.

Os atributos da liderança são úteis não apenas para uso na atividade profissional, na política ou para ganhar dinheiro; são úteis também como um meio para melhorar a si mesmo e fazer o bem aos outros e à sociedade. É algo que vale desenvolver, estudar e aprender. O Brasil e o mundo precisam de mais líderes, sem os quais o progresso fica difícil.

*José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.

Operação Mustela - fura fila SUS

Médica é afastada no PR por cobrar até R$ 9 mil de pacientes para furar fila do SUS

Uma médica que atuava no Hospital Angelina Caron, no município de Campina Grande do Sul, na Grande Curitiba, foi afasta depois de uma denúncia criminal, oferecida pelo MPPR (Ministério Público do Paraná).

Segundo a denúncia, a médica cobrava até R$ 9 mil reais dos pacientes para priorizar atendimento e procedimentos realizados pelo  SUS (Sistema Único de Saúde).  Pelos menos 7 pessoas foram vítimas da médica, todas elas idosas.

A decisão da Justiça é da última sexta ( 11) e resulta de investigações da Operação Mustela, deflagrada pelo MPPR em dezembro de 2018 , que trata da prática criminosa no SUS em diversas cidades paranaenses.

Segundo a denúncia, a médica fazia a mediação das cobranças aos pacientes com a ajuda de uma ex-servidora comissionada da Prefeitura de Francisco Beltrão e de um ex-assessor comissionado da Assembleia Legislativa do Paraná.

O político José Carlos Martins, o Zé Mano, é vereador pelo PPS no município de Bandeirantes (PR) e também participava do esquema de fraude.

Eles usavam  de sua posição política para obter aprovação pública e furar a na fila do SUS favorecendo pacientes que pagavam pelos procedimentos, entre os anos de 2016 e 2018.

Além dos agentes públicos, foi denunciada também uma outra mulher que fornecia dados da sua conta corrente para as transferências bancárias.

OPERAÇÃO MUSTELA

No Paraná, fraude para furar fila do SUS envolveu mais de R$ 100 mil até agosto. A operação, batizada de Operação Mustela, é  uma alusão aos mamíferos que inclui animais conhecidos como furões.

O esquema criminoso começou a ser investigado pelo Ministério Público em 2017. A partir de depoimentos de vítimas e informações obtidas por meio de interceptação telefônica e quebra de dados, a Operação Mustela foi deflagrada em dezembro de 2018, com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado.

“A situação que ocorre é que as pessoas que vão até o SUS são atendidas em uma certa ordem e, eventualmente, essa ordem é alterada de acordo com a urgência desse atendimento. As pessoas que normalmente seriam atendidas acabam procurando ou procuradas por intermediários e conseguem, com seus contatos com médicos, furarem a fila em prejuízo de todos os demais. Como eles furam a fila? Eles furam a fila pagando”, explica coordenador do GaecoGrupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado)  no Paraná, Leonir Batisti.

INVESTIGAÇÃO

A médica e outros quatro agentes públicos foram denunciados pelo crime de concussão (exigir vantagem em razão da função que exerce). Além do afastamento da médica, a decisão, proferida pela Vara Criminal de Campo Largo, impôs a proibição de os réus em manter qualquer contato com as vítimas.

À época, foram cumpridos mandados de buscas e apreensão e de prisão temporária contra alguns dos envolvidos. Médicos de outro hospital, de Campo Largo, já foram afastados das funções no SUS em decorrência de várias denúncias oferecidas pelo MPPR.

DEFESA

O Hospital Angelina Caron emitiu uma nota informando que ainda não foi notificado formalmente sobre a decisão do Ministério Público de afastar das atividades a médica acusada de efetuar cobranças indevidas de pacientes. A nota diz ainda que após consulta ao processo, suspendeu os atendimentos realizados pela médica, de acordo com a decisão judicial. O Hospital tomará as providências necessárias para o cumprimento da decisão.

Até o fechamento desta matéria não conseguimos contato com o vereador José Carlos Martins (PPS), o Zé Mano, do município de Bandeirantes, norte Paraná. O vereador foi preso temporariamente no início da Operação Mustela, em dezembro de 2018.

Nota: O Vereador José Carlos Martins foi expulso do então PPS (Partido Popular Socialista), hoje Partido Cidadania, em 16 de setembro de 2019. O ofício foi recebido pelo TRE no dia 24 do mesmo mês.

A visita do Papa João Paulo ao Paraná em 1980

 

Um dos momentos mais importantes da história do Paraná foi a visita do Papa João Paulo II em 1980. Ele esteve por dois dias em Curitiba, e levou uma concentração popular gigante ao Centro Cívico. Um bosque na cidade foi criado em homenagem ao Papa, e também à grande colônia polonesa do Paraná. Veja como foi no vídeo desta página.      * A foto de capa é do site “Curitiba Antiga”.

E se você se interessa pela nossa história, clique aqui para conhecer o grupo “Memória Paranaense” no Facebook, criado por esta coluna. Ao abrir a página, clique em “participar do grupo”.

 

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Contato com José Wille.

 

 

Cidade submersa por Itaipú reaparece no Facebook. E os ex-moradores se reencontram em Foz

Alvorada do Iguaçu , que desapareceu com a formação do Lago de Itaipú, reapareceu agora nas redes sociais. Antigos moradores criaram um grupo no Facebook, com apoio desta coluna, para reunir fotos, histórias e publicações sobre o passado. E os participantes já marcaram para este sábado, sete de setembro de 2019, um evento de reencontro. A iniciativa foi de Nara Regina Spada, que é a administradora do grupo. Logo que as fotos chegarem vamos publicar aqui nesta página

E veja abaixo o vídeo produzido pela Band Paraná sobre o desaparecimento de Alvorada do Iguaçu:

 

 

Veja também nesta página algumas fotos já reunidas pelo grupo.

A vila começou a ser esvaziada em 1978 quando o Rio Paraná foi desviado para a formação do Lago de Itaipú. As obras eram para a construção da Hidrelétrica de Itaipú, que começou a funcionar em 1982.

Os quatro mil moradores buscaram outras cidades. As casas, que na maioria eram de madeira, foram desmontadas para a reconstrução em outros locais. Muitos foram para a vila próxima, onde hoje é Santa Terezinha de Itaipu.

Pela praia artificial desta cidade, ainda é possível avistar as ruínas de Alvorada do Iguaçu, em épocas em que o lago está baixo.

 

 

 

 

 

 

 

Imagem do Google Maps.

Foto da Gazeta do Povo.

O grupo está no link: https://www.facebook.com/groups/alvoradadoiguacu/

 

 

 

 

 

 

 

Para ajudar na identificação destas fotos, escreva no espaço de comentários do leitor logo abaixo.

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna.

Clique aqui para encontrar um grupo sobre a Memória Paranaense no Facebook. E depois clique em “participar do grupo”.

Contato com José Wille