operação centro histórico sem drogas, tráfico de drogas, guarda municipal, gm, polícia civil, pcpr

Operação “Centro Histórico sem Drogas” mira traficantes e criminosos na Capital

Uma operação conjunta da PCPR (Polícia Civil do PR), juntamente com a GM (Guarda Municipal de Curitiba) prendeu temporariamente 15 pessoas  ligadas ao tráfico de drogas no centro da cidade, além de cumprir 16 mandados de busca e apreensão.

A primeira fase da “Operação Centro Histórico” tem o objetivo de coibir o tráfico de entorpecentes nas ruas de Curitiba e outros crimes ligados ao tráfico.

Imagens Polícia Civil/PR

Segundo a delegada Maritza Maira Haisi, do 1º Distrito da Capital, a operação teve por objetivo tirar de circulação criminosos de todos os tipos, principalmente os envolvidos com o tráfico de drogas. “O Departamento da Polícia, através do 1º Distrito Policial, que é quem cobre a região central, orientou a operação tendo em vista os problemas da área central de Curitiba, com relação ao microtráfico e os crimes de pequenos furtos, que incomodam comerciantes, estudantes e transeuntes no centro da cidade”, afirmou a delegada.

DROGAS AUMENTAM HOMICÍDIOS 

O Secretário de Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel, disse que a operação visa limpar o centro da cidade dos criminosos ligados ao tráfico e assim diminuir também outros delitos. “A gente tá tentando limpar o centro de Curitiba do tráfico de drogas e dos delitos que acabam tendo relação com o tráfico como os pequenos furtos, roubos, estelionatos, crimes sexuais e crime de violência contra a pessoa – especialmente crimes contra a vida. Combatendo o tráfico de drogas, se combate também os crimes de homicídios”, explicou Rangel.

Três suspeitos estão foragidos e outras duas pessoas com mandados de prisão em aberto foram presos pela GM.

As abordagens foram feitas nas praças Tiradentes, Santos Andrade, Carlos Gomes, Rui Barbosa, Afonso Botelho, Nossa Senhora de Salete, Largo da Ordem, Passeio Público, Rua XV de Novembro e outras ruas próximas a esses pontos.

As investigações começaram há três meses e foram analisadas diversas câmeras de segurança para a identificação de pessoas envolvidas com o tráfico de drogas ou em crimes oriundos ligados ao comércio de entorpecentes.

 

Preso homem suspeito de comandar quadrilha de roubo de cargas no Paraná

Foi preso, na manhã desta segunda-feira (28), um homem que é suspeito de comandar uma quadrilha especializada em roubo de cargas em Curitiba e Região Metropolitana.

O homem, de 44 anos, foi preso em um condomínio particular, em Fazenda Rio Grande, na RMC. Contra ele constavam dois mandados de prisão em aberto.

A PCPR (Polícia Civil do Paraná investigava roubos a agências bancárias quando chegaram até o suspeito.

Segundo o Delegado Rodrigo Brown do COPE (Centro de Operações Policiais Especiais), o preso é tido como um dos mais perigosos do Paraná. “Segundo a Delegacia de Furtos e Roubos de Cargas, ele seria responsável por um grande número de roubos de cargas aqui na nossa região, aonde os motoristas eram mantidos como reféns no mato, geralmente ficavam aí até 48 de posse do motorista para que conseguisse fazer o encaminhamento da carga”, afirmou o delegado.

Conforme apurado pela polícia, o homem tem uma extensa ficha criminal desde o ano de 2006, com antecedentes por crimes de roubo, furto, porte ilegal de arma de fogo, lesão corporal e ameaça.

Em maio, a PCPR prendeu a esposa do suspeito em uma chácara situada em Araucária, também na RMC. Na ocasião, foram recuperadas três carretas roubadas.

 

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) está nas ruas, desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (10), para deflagrar segunda fase da operação “Proteção Integral II”, em combate a crimes de abuso sexual de crianças e adolescentes. Cinco mandados de busca e apreensão devem ser cumpridos em Curitiba, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) e no Interior do Estado até o final desta manhã.

Polícia faz operação contra crimes de abuso sexual de crianças e adolescentes no PR

Desde as primeiras horas da manhã a PCPR (Polícia Civil do Paraná) está nas ruas cumprindo mandados de busca e apreensão em Curitiba, RMC e no interior do Estado.

É a segunda fase da operação “Proteção Integral II” que combate a crimes de abuso sexual de crianças e adolescentes.

Em Curitiba as buscas estão sendo realizadas nos bairros Centro Cívico e Novo Mundo. Na RMC, as buscas acontecem no município de São José dos Pinhais, no bairro São Marcos. Já no Interior, os mandados devem ser cumpridos em Maringá, no Norte do Paraná, e em Foz do Iguaçu, no Oeste.

Divulgação PCPR

Durante a ação, a PCPR verificará a existência de materiais ilegais, como fotos e vídeos de crianças e adolescentes em situação de exploração sexual. Pessoas que estiverem em posse desse tipo de conteúdo serão autuadas em flagrante no Artigo 241-B do Estatuto da Criança e do Adolescente.

CAPACITAÇÃO

Dos 40 policiais civis que trabalham nesta operação, mais de 20 realizaram o Curso de Enfrentamento à Exploração Sexual Infantil ofertado pela PCPR nos últimos dias 7, 8 e 9 de outubro.

Divulgação PCPR

Os agentes aprimoraram conhecimento e aprenderam a operar com ferramentas para atuação técnica e específica nas investigações de abuso sexual envolvendo crianças e adolescentes.

O curso foi ministrado por agentes de segurança pública do Brasil autorizados pela Embaixada dos Estados Unidos da América no país.

Mãe e filhas usam adolescente para matar o próprio pai

A Polícia Civil do Paraná prendeu preventivamente na quarta-feira (02), três mulheres da mesma família, mãe e filhas, de 19, 33 e 50 anos, suspeitas de serem coautoras na morte de Gilmar de Lima, de 40 anos.

Ele foi morto no dia 27 de setembro de 2018 com dois tiros dentro de casa, localizada no bairro Cidade Industrial de Curitiba.

Um adolescente de 17 anos, filho da vítima com uma das mulheres, encontra-se foragido. Ele é suspeito de ser o autor dos disparos.

Na época do crime,  as três – então esposa, cunhada e sogra da vítima – disseram à polícia que um indivíduo usando bala clava teria arrombado a porta, entrado na casa e desferido disparos de arma de fogo contra vítima, que estava deitada em um colchão na sala. Logo em seguida o indivíduo teria fugido.

Elas ainda relataram que um dos filhos, que tinha 16 anos, não morava na mesma casa e só havia tomado conhecimento da morte do pai no dia seguinte.

Porém, durante as investigações, a polícia descobriu que, as três mulheres, junto com o adolescente, arquitetaram o plano que resultou no homicídio. Ainda de acordo com a investigação, a motivação seria por problemas familiares.

Para embasar esse entendimento, a PCPR contou com o auxílio de câmeras de monitoramento da região, que captaram o adolescente, momentos antes do crime, na posse de um revólver, calibre 38. Testemunhas presenciais do homicídio também forneceram detalhes da empreitada criminosa. A quebra do sigilo telefônico foi fundamental para derrubar a tese apresentada pelas suspeitas.

As três encontram-se à disposição da Justiça e deverão responder por homicídio duplamente qualificado. O adolescente é considerado foragido.

VÍDEO: Animais silvestres são apreendidos no Paraná

Alguns animais silvestres vinham sendo mantidos em cativeiro, numa chácara em Balsa Nova, na Região Metropolitana da de Curitiba.

Dez papagaios e duas tartarugas foram apreendidos na última quarta-feira (18), durante uma operação da polícia.

A  PCPR (Polícia Civil do Paraná) informou que dos papagaios apreendidos,  dois são da espécie “baitaca” e oito da “peito-roxo“, animais que estão ameaçados de extinção.

Primavera começa com tempo mais seco no Paraná; veja a previsão

As tartarugas são da espécie “tartarugas tigre-d’água” e são consideradas animais silvestres.

Divulgação/PCPR

Uma mulher foi presa em flagrante. Ela era responsável pelos animais, mas não possuía qualquer documento que a autorizasse a tutela dos bichos.

Se condenada, poderá pegar até 1 ano de prisão.

Todos os  animais foram recolhidos e encaminhados ao IAP (Instituto Ambiental do Paraná).

ratinho junior concurso polícia civil militar do paraná

Governo do Paraná autoriza concurso para Polícia Civil, Militar e Depen

O governo do Paraná autorizou o concurso para a Polícia Militar, Civil e Depen (Departamento Penitenciário) nesta quarta-feira (4). Ao todo, são 3.038 vagas ofertadas. O edital ainda está sendo elaborado, mas a expectativa é que o concurso seja realizado ainda neste ano.

Serão 2 mil policiais militares e 400 bombeiros. Já na Polícia Civil, serão 50 delegados, 300 investigadores e 50 papiloscopistas. Por fim, 238 agentes penitenciários vão fechar essa ampliação da segurança pública do estado.

“Segurança é prioridade número 1 e para isso precisamos de novos contingentes e equipamentos. Também passamos a prender mais, o que obriga a abertura de mais espaço no sistema prisional. O planejamento de contratações é nesse sentido, aliado a construção de novas casas de custódia para atender toda essa demanda”, avaliou o governador Ratinho Junior.

Além do pessoal, também são esperados novos investimentos nas viaturas e em helicópteros. Por fim, Ratinho Junior também assinou um decreto que autoriza as progressões de 143 policiais militares. Em julho, foram outros 1.582 policiais, civis e militares, que foram beneficiados com os avanços de carreiras.

OUTRO CONCURSO

Em agosto, foram abertas as inscrições de outro concurso público, mas o período de inscrição vai até às 17h da próxima terça-feira (10). Para se inscrever, é preciso acessar o site do Núcleo de Concursos da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e pagar a taxa de R$ 155.

O Curso de Formação de Oficiais da Polícia Militar oferta 90 vagas para cadete da Polícia Militar e 20 para bombeiros, com subsídios entre e R$ 3.213,61 e R$ 4.139,14. Com a conclusão do curso e promoção ao posto de segundo tenente, o valor pode chegar a R$ 9.544,44.

AGENTES PENITENCIÁRIOS

Em nota, o SINDARSPEN (Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná) destaca a importância do reforço dos 238 agentes de cadeia para atuar no estado. Entretanto, o sindicato revela que a quantidade está aquém da necessidade para suprir a falta de servidores no sistema penitenciário do Paraná.

O sindicato ainda revela que não existe um concurso público para agente penitenciário no estado há seis anos. Segundo o SINDARSPEN, desde 2010, o número de agentes caiu. Por outro lado, o número de presos no Paraná subiu de 14 mil para 22 mil. Dessa forma, o SINDARSPEN diz que há necessidade de contratação imediata de 4.300 agentes e de mais 2.100 para trabalharem nas unidades previstas para serem inauguradas pelo governo.

Para fechar, o sindicato disse que continuará lutando pela implantação de um Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS). “Esperamos que a mesma atenção dispensada pelo governador às Polícias Civil e Militar seja dada também aos servidores penitenciários”, diz o texto.

ELOGIOS A RATINHO JUNIOR

A abertura do concurso caiu bem no Paraná. Para o deputado Hussein Bakri, líder do Governo na Assembleia Legislativa, os concursos públicos vão na contramão do que acontece nos outros estados.

“Vivemos um cenário nacional incerto. Recai sempre na caneta do administrador qualquer sobressalto na folha de pagamento, mas o governador Ratinho Junior tem feito esse esforço”, disse.

Já o coronel Péricles de Matos, comandante-geral da Polícia Militar, também elogiou a ação. “É um momento restaurador para a segurança pública. Isso demonstra o interesse do Estado em fazer com que as ações sejam práticas”, completou.

Por fim, o delegado-geral Silvio Rochemback, da Polícia Civil, também entoou o discurso. “É o compromisso do governador em ter a melhor segurança pública do País. Não adianta ter a melhor tecnologia sem recursos humanos bem qualificados e capacitados”.