pets natal

Pets poderão fazer foto com Papai Noel neste domingo em Curitiba

Que tal uma foto do seu pet com o Papai Noel para fazer parte do álbum da família? É o que propõe um evento, neste domingo (1º), que terá a presença do Papai Noel dos pets, na Casa do Produtor, em Curitiba. A ideia é doar, em troca da foto, algum item para ajudar instituições que atendem animais resgatados e crianças carentes.

O bom velhinho estará no local a partir das 12h para saber qual presente o animalzinho quer ganhar e tirar uma foto. Para ajudar pets e crianças carentes do Instituto São Zygmunt Felinski II, a Casa do Produtor pede que cada cliente doe um produto (ração, acessório ou medicamento) ou roupas e brinquedos para crianças, em troca de uma foto profissional feita pela fotógrafa especialista em pets, Fernanda Simões da Fontoura.

“Quem quiser comprar os produtos na Casa do Produtor ajudará duas vezes, pois parte do valor arrecadado será revertido para protetores independentes e orfanatos”, explica a diretora-executiva da Casa do Produtor, Vanessa Melo.

O evento acontece no estacionamento do petshop no bairro Rebouças. Mas, antes disso, uma carreata do Papai Noel sairá da unidade da Casa do Produtor no bairro Seminário até o local. Na ocasião, a Magnus (empresa parceira da Casa do Produtor) irá realizar a entrega oficial de 200kg de ração para a Delegacia do Meio Ambiente (DPMA) no encerramento da campanha lançada na internet pelo delegado Matheus Laiola para ajudar cães e gatos.

cães e gatos - avaliações clínicas gratuitas - curitiba - famílias carentes

Famílias carentes podem levar pets para avaliação clínica gratuita em Curitiba

Famílias carentes que morem na Regional Pinheirinho, em Curitiba, terão a oportunidade de levarem seus cães e gatos para avaliações clínicas gratuitas a partir da próxima terça-feira (3).

A Regional Pinheirinho engloba os bairros do Capão Raso, Fanny, Lindóia, Novo Mundo e Pinheirinho. O atendimento será realizado em uma unidade móvel na Rua da Cidadania Pinheirinho, localizada na Avenida Winston Churchill, 2033, no Capão Raso.

Os atendimentos serão realizados até a próxima sexta-feira (6), sempre a partir das 9h30. Os interessados não precisam realizar um cadastro prévio, mas devem levar um comprovante de residência. Serão distribuídas 100 senhas por dia aos donos de pets.

ONG’s (Organizações não Governamentais) e grupos de protetores de animais também podem participar dos atendimentos, mas precisam se cadastrar previamente no site protecaoanimal.curitiba.pr.gov.br.

A ação é fruto de uma parceria entre a Prefeitura de Curitiba e a UFPR (Universidade Federal do Paraná). Médicos veterinários da Universidade, além de professores e outros profissionais da Rede de Proteção Animal da Secretaria Municipal do Meio Ambiente serão os responsáveis por realizarem as avaliações nos pets.

Entre os exames disponibilizados estão vacinação, administração de vermífugos, antipulgas e sarnicidas. Ainda é possível realizar o cadastro dos animais no Programa Municipal de Castração Gratuita da Prefeitura de Curitiba.

SERVIÇO

Avaliações clínicas gratuitas de cães e gatos

Data: de terça (3/12) a sexta (6/12)
Horário: 9h30
Local: Rua da Cidadania Pinheirinho (Avenida Winston Churchill, 2033, Capão Raso)

*Atendimento por ordem de chegada e com distribuição de senhas

Cachorros - maus-tratos - Pinhais - Curitiba

18 cachorros são resgatados em situação de maus-tratos no Paraná

Um canil no município de Pinhais, região metropolitana de Curitiba (RMC), abrigava 18 cachorros das raças Shitzu e Yorkshire em condições insalubres e de maus-tratos.

Por meio de uma denúncia, a PCPR (Polícia Civil do Paraná) realizou na última quinta-feira (31), o resgate dos cães e autuou em flagrante pelo crime de maus-tratos aos animais uma mulher de 46 anos, responsável pelo local.

Os animais resgatados estavam com pouco peso e problemas na pele e dentários, sendo que o ambiente do canil não registrava proteção para os raios solares e também para a chuva. Os cães foram encaminhados para lares temporários, para que recebam os cuidados necessários para se recuperarem antes de serem destinados a adoção.

MUDANÇAS NA LEGISLAÇÃO

A Prefeitura de Curitiba sancionou em 2018, a Lei nº 15.282, que proibiu a criação comercial de animais na cidade. Com isso, a DPMA (Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente) da PCPR tem registrado aumento na recuperação de pets no município.

“Aconteceu que os canis foram afastados para a RMC e a Prefeitura de Pinhais verificou a possibilidade de fazer uma legislação igual e por isso foi firmada uma parceria com a Delegacia do Meio Ambiente. Foi dessa forma que recebemos a denúncia para o canil irregular e conseguimos recuperar os animais”, explicou Matheus Laiola, delegado da DPMA.

A parceria entre a Prefeitura de Pinhais e a Delegacia do Meio Ambiente também foi comemorada por Daniele Guimarães, uma das responsável pela Rede de Proteção Ambiental no município da região metropolitana de Curitiba.

“Temos uma equipe de fiscalização que recebe em média cinco denúncias por dia e vai a esses locais constatando os maus-tratos e realizando a autuação. Ter o apoio da DPMA é importante para dar respaldo ao trabalho dos fiscais”, analisou Guimarães.

Pets ganham vagão de luxo em viagem de trem na Serra do Mar no PR

Pets agora poderão viajar com seus donos confortavelmente em lugares especiais criados para eles num vagão de passageiros na rota ferroviária entre as cidades paranaenses de Curitiba e Morretes. O primeiro vagão pet friendly do país foi inaugurado nesta quinta-feira (24) nas viagens na Serra do Mar. Criado pela Serra Verde Express, que opera a rota turística entre a capital e Morretes, o vagão teve obra executada em 60 dias e reuniu cerca de 30 profissionais.

O projeto envolveu a criação de uma estrutura que permite que os animais fiquem fora das caixas de transporte durante a viagem e conta também com poltronas exclusivas para eles.
O vagão de primeira classe comporta 28 pessoas e tem 8 poltronas pets. Os animais de pequeno e médio porte podem viajar no colo dos passageiros e têm circulação livre pelo vagão, além de terem serviço de bordo, com um kit lanche especial.

Os assentos para os pets foram desenvolvidos com tecido impermeável e têm cinto de segurança, enquanto o piso é emborrachado e poroso -para se movimentarem com segurança. No centro do vagão há uma varanda com tapetes higiênicos e potes de água.

Assinado pela arquiteta Lucille Amaral, a mesma que criou o vagão panorâmico Barão do Serro Azul, em operação desde fevereiro na rota ferroviária, o novo carro recebeu investimento de R$ 205 mil.

O valor é semelhante ao investido pela ABPF (Associação Brasileira de Preservação Ferroviária) para restaurar um vagão parado há 42 anos e que voltou aos trilhos na última semana no interior paulista.

Cada pet pagará R$ 35 para viajar com seus donos e, para embarcar, terá de apresentar carteira de vacinação em dia, autorização do veterinário para a viagem e o dono terá de levar caixa de transporte do animal caso opte pelo retorno via rodovia.

Crianças pagam R$ 145 neste vagão e adultos, R$ 235 (tarifas incluem café da manhã e bebidas à vontade). Até novembro, o trem terá partidas de quinta-feira a domingo, às 8h30. Em dezembro e janeiro, os passeios serão diários, no mesmo horário.

TREM DE CURITIBA A MORRETES

Duração: quatro horas e 15 minutos
Trecho percorrido: 70 km
Preços: a partir de R$ 169
Atrações: trecho de mata atlântica e cachoeiras

veterinário

Dia do Veterinário: história do cachorro Cartucho une tutores e veterinários

Seja de pedigree ou sem raça definida, os cãozinhos estão sempre prontos para mostrar o tamanho do seu amor e transformar a vida de quem está por perto. É assim com o cachorro Cartucho, que após ser abandonado ainda filhote, passou a ser cuidado pelo delegado Artur Guimarães, alegrando a vida de todos em uma delegacia localizada na ilha de Itaparica, na Bahia.

Há menos de dez dias, foi o tutor Artur que precisou reforçar o seu companheirismo com o animal fazendo de tudo para preservar a vida do bichinho. Nas últimas semanas, ele deu entrada na clínica veterinária Planeta Animal, localizada em Salvador, sem conseguir andar, com quadro neurológico e insuficiência renal grave. Uma série de exames apontou o diagnóstico de leptospirose. Para complicar a situação de Cartucho, os veterinários Gabriela Azevedo e Diogo Azevedo ainda notaram que existe a possibilidade do cão ter sido picado por uma cobra.

veterinário
Cachorro Cartucho. Foto: Arthur Guimarães

Os cuidados veterinários são fundamentais para a sobrevivência de animais em estado grave, como o de Cartucho. De acordo com a veterinária, cerca de 15% dos atendimentos realizados nas três unidades da clínica Planeta Animal na capital baiana, em 2018, foram de casos de emergências. “Quanto mais rápido for o atendimento, maiores as chances de manter o animal vivo. A recomendação é que os tutores encaminhem seu pet para o hospital veterinário imediatamente em situações como essa”, afirma Gabriela.

Segundo Gabriela, Cartucho chegou bem debilitado, vomitando, com diarreia e sem conseguir andar, mas felizmente tem apresentado melhoras significativas. Os sintomas cessaram e ele está começando a se movimentar novamente. “Ele está resistindo a esse desafio e tem grandes chances de voltar a vida normal. Conhecer a história de Cartucho nos move. Somos 10 veterinários aqui na clínica e todo mundo cuida dele. Essa melhora é validada a todos”, assegura Azevedo.

veterinário
Foto: Tatiany Carvalho

A união faz a força

Os tutores de Cartucho, Artur Guimarães e Camila Guimarães, afirmam que o cão é muito bem cuidado. As vacinas estavam em dia, o animal tomava banho semanalmente e só comia ração. “Ele é um cachorro muito inteligente, companheiro e já atendia a alguns comandos como o de sentar. É o nosso mascote da

Delegacia de Itaparica. Ele é um verdadeiro guerreiro”, disse Artur. A torcida pela saúde de Cartucho é grande – a equipe da 19ª DP fez até mesmo uma vaquinha para ajudar no tratamento do mascote que só tem oito meses de vida. A equipe da clínica Planeta Animal também está colaborando com os custos do tratamento.

Dia do Veterinário: profissionalismo e amor pelos animais

O Dia do Médico Veterinário é comemorado anualmente no dia 9 de setembro. Esta data celebra a ação dos profissionais responsáveis por cuidar da saúde dos animais. Uma curiosidade: o dia é comemorado hoje, porque foi exatamente nessa data, em 1933, que o presidente do Brasil, Getúlio Vargas, assinava o Decreto Lei nº 23.133, que regulariza a profissão e o ensino da medicina veterinária no país. Mesmo sendo oficializado apenas em 1933, os cursos de formação em veterinária já existiam no Brasil desde 1910.

Fonte: Agência Educa Mais Brasil

Veja dicas para manter seu pet saudável no inverno

As temperaturas baixas não afetam apenas as pessoas. Embora existam espécies mais “preparadas” para o frio – como o Husky e São Bernardo ou os gatos Persa e Sagrado -, até mesmo elas podem sofrer no inverno, segundo a médica veterinária da Casa do Produtor, Dra Consuelo Martin Ferreira.

Por isso, é preciso ficar atento a sinais como orelhas e patas muito geladas, tremedeiras ou alterações no comportamento. Se o pet estiver muito encolhido ou dormindo demais, também pode ser por conta do frio. Se eles permanecerem por muito tempo sem proteção, o risco de problemas relacionados às temperaturas baixas aumenta.

Segundo a veterinária, as doenças mais comuns entre cães e gatos são traqueobronquite e pneumonia. Os gatos ainda tem a possibilidade de desenvolver asma.

“A aplicação da vacina da gripe nos cães pode evitar esses problemas. De uma forma geral, o mais importante é agasalhar os animais e deixar caminhas quentes longe de lugares úmidos e com muito vento”, resume.

Veja algumas dicas para mentar seu pet saudável no inverno:

1. Se o tempo está muito frio para você, também estará para o seu pet. Mantenha-o em um lugar aquecido e quentinho durante o inverno.

2. Não deixe que o bichinho saia do banho morno direto para o ar gelado para não sentir choque térmico. O ideal é secá-lo com secador e esperar um pouco para deixá-lo ao ar livre. Nos dias mais frios é melhor evitar o banho ou levar em um pet shop.

3. Mantenha seu pet agasalhado com roupinhas apropriadas ao clima. Principalmente os cães de pelo curto necessitam de agasalho para combater o frio.

4. Se o seu pet estiver inquieto, tremendo, parecer ansioso, mais lento ou parar de se mover, fraco ou procurar lugares quentes para cavar, leve-o para dentro de casa imediatamente. Esses podem ser sinais de hipotermia. Se os sintomas persistirem, leve-o ao veterinário.

5. As aves devem ficar em locais mais quentes, longe de correntes de ar, e a gaiola deve ser coberta com um cobertor. Outra alternativa é aquecer o ambiente com um aquecedor elétrico.

6. Animais filhotes e idosos, ou com alguma condição física preexistente são mais sensíveis e devem receber atenção redobrada no frio.

7. Não deixe seu cachorro molhado. Na volta de passeios, sempre utilize uma toalha ou secador para deixá-lo sequinho.

8. Não descuide da alimentação, nem da água. Seu pet deve ser hidratado em todas as época do ano.

Previstos em lei, pets nos hospitais geram polêmica

Aprovada e sancionada na Alep (Assembleia Legislativa do Paraná) no fim de 2016, a lei que permite a visita de animais domésticos e de estimação em hospitais públicos e privados segue sem uma decisão final. Ainda no primeiro semestre de 2017, a eficácia da lei foi suspensa pelo TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná), que concedeu liminar a Fehospar (Federação dos Hospitais e
Estabelecimentos de Serviço de Saúde no Estado do Paraná) em ação direta de inconstitucionalidade.

O texto aprovado pelos deputados estabelecia restrições de locais, condições básicas de pacientes e animais e também permitia que cada estabelecimento criasse suas próprias regras de visitação, mas a Fehospar argumenta que a questão vai muito além disso, criando riscos e aumentando custos para as instituições.

No último dia 10, o TJPR realizou a 1ª audiência pública para debater o tema com representantes do executivo, legislativo, além conselhos e órgãos de classe da área médica e de psicologia.

Somos contra a entrada indiscriminada de animais. O que se viu na audiência é que não é possível ter um controle sanitário rígido, uma assepsia com segurança para os pacientes e também os próprios animais”, diz o assessor jurídico da Fehospar, Phillipe Fabrício de Mello.

Segundo ele, um estudo feito por um médico infectologista da UFPR estimou entre R$ 2 e 3 mil o custo para a entrada segura de cada animal. “Nenhuma instituição está preparada”, resume.

Além da questão de saúde e higiene, outro ponto questionado é quanto ao temperamento dos animais – ponto não abordado especificamente na lei. Quando feita, a proposta da liberação dos pets se deu a partir do reconhecimento de terapias feitas com a participação deles, que estariam apresentando bons resultados na recuperação de pacientes, mais conhecida como TAA (Terapia Assistida por Animais). Há mais de uma década nos hospitais curitibanos, a prática tem uma série de controles e treinamentos bancados por uma ONG.

“A lei não conversa. Ninguém discorda da TAA, mas sim da entrada indiscriminada. A TAA, embora subjetiva quanto a grau de melhora e evidências clínicas, é muito respeitada”, diz Mello.

Para o vice-diretor clínico e coordenador de Residência Médica em Pediatria do Hospital Pequeno Príncipe, Victor Horacio Costa Junior, a entrada de animais com segurança é bem-vinda. “O cão e outros animais de maneira geral são os melhores amigos do homem na saúde e na doença. Observamos benefícios muito grandes na socialização e na auto-estima do paciente, na melhora da criança”, afirma.

O hospital, um dos que recebe o programa de TAA com uma série de regras e cuidados, também tem um local especial para proporcionar o encontro de animais e pacientes, no setor de recreação. Com relação a visitas particulares, Costa Junior diz que o pedido não é frequente. “Lembro de dois nos últimos anos. O mais recente foi de uma menina que estava há um bom tempo internada. Ela pediu para ver o animal de estimação e acabamos fazendo um esquema para realizar esse reencontro”, conta.

Não há prazo para que o órgão especial do TJPR julgue a causa em definitivo, mas a expectativa é de que isso possa acontecer ainda neste ano.

‘Até quem não quer, depois pede e tira foto’

Há 14 anos o projeto Amigo Bicho visita hospitais da capital com o objetivo de levar alegria e melhorar a auto-estima de pacientes. Depois de certa resistência no início, os cães foram conquistando seu espaço e hoje tem até fila de espera para recebê-los. Locais como os hospitais Cajuru, Pequeno Príncipe, Evangélico, Trabalhador, Zilda Arns (do Idoso), HC (das Clínicas), Santa Casa e a Associação Parkinson recebem visitas frequentes do grupo, cerca de três por semana ao todo, com pouco mais de uma hora de duração cada.

“Nunca tivemos problemas. Temos um procedimento que descreve tudo o que vamos fazer desde a entrada até a hora que saímos, tudo registrado. O setor de infectologia aprova, a diretoria aprova, e os animais passam por uma limpeza final nas patas”, diz a veterinária e coordenadora do projeto, Letícia Sera Castanho. Os cerca de 60 cães terapeutas ativos no projeto atualmente passaram por quatro etapas até estarem aptos a visitação: um check up veterinário com três médicos; outro comportamental com quatro profissionais – sendo testados em situações de stress em grupo; contato com os voluntários (que passam por entrevista e orientações) que os acompanham; e visita experimental.

“Tudo mundo se alegra muito, alguns ficam super felizes e lembram do seu próprio animal. Tem alguns que têm medo e não querem, mas quando avistam o animal acabam pedindo para ver, é bem interessante, pedem até pra tirar foto foto depois”, diz Castanho.

Segundo a veterinária, para a visita de animais particulares funcionar, seria necessário fazer ajustes na lei para que não se coloque em risco a vida de todos. “Sou super a favor, entendo os hospitais
que precisariam de um espaço, dispor de um pessoal, mas ajustando só traria benefícios”.

Prefeitura e UFPR oferecem avaliações clínicas gratuitas de pets

Começaram nesta terça-feira (7) as avaliações clínicas gratuitas para cães e gatos Liceu de Ofícios do Cajuru (Rua Leonardo Novicki, 983). O serviço é ofertado pela Prefeitura em parceria com a residência em Medicina Veterinária da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e vai até sexta-feira (10/5), das 9h às 15h.

Os moradores das proximidades podem levar seus animais sem a necessidade de cadastro prévio. Os atendimentos estão sendo realizados por ordem de chegada, com distribuição de senhas.

Serão ofertados exames clínicos básicos, vacinação, administração de vermífugos, antipulgas e sarnicidas. As equipes fazem também o cadastro para o Programa Municipal de Castração Gratuita da Prefeitura de Curitiba, já que as avaliações são uma etapa prévia às castrações. É necessário apresentar um comprovante de residência com endereço de Curitiba.

Clube Puppyfi promove evento sobre pets em Curitiba

No dia 14 de abril, das 10h às 16h30, o Clube Puppyfi promove evento gratuito com atividades, palestras sobre saúde, alimentação e adestramento de pets, na Casa do Produtor, no bairro Rebouças em Curitiba. A ação marca o lançamento do Clube Puppyfi – programa de benefícios e descontos que vão desde pet shops até restaurantes e, ainda, destina 20% do valor da assinatura de cada membro para um fundo de apoio à causa animal.

Para celebração também está marcada a primeira entrega social do Clube: aproximadamente 500 kg de ração. Paralelamente ao evento, também vai ser realizada uma feira de adoção de animais, microchipagem com condições exclusivas. O evento ainda conta com a presença de Pets Famosos; Food Truck para almoço e bebidas e sorteio de brindes.

Clube Puppyfi – Os interessados poderão se associar ao clube no dia do evento. A valor da taxa mensal será de R$ 14,90. Os cadastrados terão até 30% de redução no valor de produtos e serviços para pets e ainda benefícios no cardápio e refeições em restaurantes associados. Sendo que 20% do valor da assinatura de cada membro será destinado para um fundo que apoia à causa animal contribuindo com a compra de vacinas, rações, castrações e outras necessidades de animais carentes.

Programação das Palestras:
10h – Palestra Como Educar Seu Cão – Amigo Fiel Adestramento;
11h – Palestra Cuidados Com Alimentação – Limites entre cães saudáveis e obesos – Royal Canin;
13h – Pelo e Pele – Cuidados e atenções no dia a dia – Virbac;
14h – Castração – Benefícios para os cães – Vet Produtor;
15h – Prevenção e Longevidade na Vida dos Pets – VetSan.

Serviço: Clube Puppy faz lançamento na Casa do Produtor
Data: 14/04/19
Horário: das 10h às 16h30
Local: Casa do Produtor (unidade Rebouças)
Entrada e estacionamento: Rua Rockefeller n° 553 para 30 carros

Universidades estaduais têm hospitais veterinários em quatro regiões

As universidades estaduais do Paraná oferecem uma série de serviços à comunidade, entre eles o atendimento veterinário a animais de diversos portes. São quatro hospitais localizados em polos de quatro regiões do Paraná: Londrina, no Norte; Guarapuava, no Centro-Oeste; Bandeirantes, no Norte Pioneiro, e Umuarama, no Noroeste.

Cada um tem sua característica de atendimento, desde cães e gatos até animais de grande porte e silvestres. As consultas têm preço social e variam entre R$ 40 e R$ 100 dependendo do animal e localidade.

Com 18.201 consultas e retornos realizados em 2018, o Hospital Veterinário da Universidade Estadual de Londrina (UEL) é um dos mais procurados. Nove entre dez pacientes são cachorros e gatos. De acordo com a direção da unidade, no ano passado foram feitos 5.641 prontuários novos.

“Pessoas em um raio de 50 quilômetros de distância trazem seus animais para receber atendimento na UEL. Orientamos que o proprietário venha cedo para pegar senhas”, recomenda a médica veterinária e diretora da instituição, Regina Mitsuka Bregano. Senhas são distribuídas às 7 horas e 13 horas, de segunda a sexta-feira.

O hospital atende emergências 24 horas em todos os dias da semana. Casos de atropelamento, infecções agudas e tumores, por exemplo, são emergenciais e têm atendimento prioritário.

O Hospital Veterinário da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), de Guarapuava, oferece atendimento de plantão aos animais internados. Atende também especialidades, como oftalmologia e reprodução animal. Além das consultas, os demais serviços necessários ao tratamento, como exames e radiografias, são cobrados.

O destaque da unidade em Guarapuava é o atendimento a animais silvestres da região. O coordenador do serviço, Rodrigo Antônio Martins de Souza, explica que os valores pagos por proprietários na clínica de pequenos animais ajuda a garantir financeiramente os serviços prestados aos silvestres.

“Recebemos com frequência animais de tutela do Estado apreendidos pela Polícia Ambiental – Força Verde, do Ibama e do Instituto Ambiental do Paraná. São corujas, macacos-prego, bugios, veados e ouriços, que chegam para nós com ferimentos ou debilitados”, conta Rodrigo.

Em 2018 foram atendidos 115 animais encaminhados por autoridades ambientais e pela própria comunidade. Rodrigo conta que na região existem casos de animais em situação de vulnerabilidade, flagrados em rodovias ou no ambiente urbano.

“Isso é comum porque estamos em uma região de Floresta Ombrófila Mista. Em qualquer caso orientamos as pessoas a chamarem uma autoridade ambiental para que os técnicos façam a abordagem correta. O animal pode ter raiva e apresentar comportamento que coloque a pessoa em risco”, recomenda.

O diretor da unidade em Guarapuava, Adriano Carrasco, reforça que todos os atendimentos são de responsabilidade de professores ou graduados, que são os residentes. “Existe uma ideia muito equivocada da população de que são os estudantes que realizam os atendimentos. Mas, na verdade, eles fazem o acompanhamento do trabalho prestado pelos médicos veterinários”.

No Hospital Veterinário da Universidade Estadual do Norte do Paraná, localizado em Bandeirantes, além dos serviços prestados à comunidade, existe uma fazenda escola para a prática universitária. São equinos, caprinos, suínos e bovinos, que recebem tratamento dos alunos de medicina veterinária e agronomia.

O diretor Ademir Zacarias Júnior informa que a unidade está aberta a todos os animais, inclusive os silvestres, com serviços de dermatologia, cardiologia, oftalmologia, oncologia e cirúrgicos.

O hospital veterinário de Umuarama pertence à Universidade Estadual de Maringá. A unidade oferece atendimento a animais de pequeno a grande porte, incluindo exames diversos, clínica geral, cirurgia e especialidades. O destaque entre os serviços é o projeto social da castração por R$ 120. O valor cobre o custo de avaliação laboratorial e anestesia. O diretor Max Gimenez Ribeiro contabiliza cerca de 1,5 mil consultas e cirurgias realizadas em 2018 em animais de pequeno porte e outros 500 procedimentos em animais grandes.

Hospital Veterinário da Universidade Estadual de Londrina
Endereço: rodovia Celso Garcia Cid, BR 445 km 380- Campus Universitário de Londrina
Telefone: (43) 3371-4269
Atendimento: para emergência o atendimento é 24 horas. Para consultas o hospital funciona de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 17h
Valor da Consulta: R$ 60 para agendamento e R$ 90 para atendimento em plantão

Hospital Veterinário da Universidade Estadual de Maringá
Endereço: Estrada da Paca s/n, área rural próxima ao Jardim Cristóvão em Umuarama
Telefone: (44) 3621-9437
Atendimento: para emergências o atendimento é 24 horas. Para consultas o hospital funciona de segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h30 às 17h30
Valor da Consulta: R$ 50 para animais de pequeno porte e R$ 100 para animais de grande porte
Castração social: R$ 120

Universidade Estadual do Centro-Oeste
Endereço: Rua Simeão Camargo Varela de Sá, 3, Vila Carli em Guarapuava
Telefone (42) 3629-8229
Atendimentos: segunda à sexta-feira das 8h às 12h e das 13h às 18h.
Valor da consulta: R$ 40

Universidade Estadual do Norte do Paraná
Endereço: BR 369, Km 54, Campus Universitário de Bandeirantes.
Telefone: (43) 3542-8036
Atendimentos: segunda à sexta-feira das 7h30 às 12h e das 13h30 às 17h.
Valor da consulta: R$ 52.