operação oeste paraná

Prefeito e vice de cidade no norte do PR são presos em operação contra corrupção

João Ricardo de Mello, prefeito de São Jerônimo da Serra, no norte do Paraná, teve seu mandato suspenso nesta quarta-feira (16) após ser preso no âmbito da Operação Déjà-vu. A ação, deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), investiga crimes como fraude em licitações, corrupção e falsidade ideológica.

Além dele, o vice-prefeito Laercio Correia também foi detido. Ele teria sido “apenas” afastado do cargo, mas acabou sendo preso em flagrante por posse ilegal de armas. Além dele, a secretária municipal de Saúde e um servidor da administração do município foram afastados das suas funções.

Eles cumprem medidas cautelares a partir de agora. Entre as restrições impostas pelo MPPR (Ministério Público do Paraná), eles não podem frequentar a prefeitura e nem mesmo manter contato com outros servidores.

OPERAÇÃO DÉJÀ-VU: MANDADOS EM SETE CIDADES

As investigações do MPPR apuram a existência de um esquema para fraudar licitações em diversas secretarias de São Jerônimo da Serra. A fraude que mais chama a atenção é a compra de peças e manutenção da frota de veículos municipais.

A operação ainda prendeu presos outros seis empresários e uma pessoa que intermediava as negociações.

Ao todo, foram cumpridos os oito mandados de prisão e mais 43 de busca e apreensão. Eles foram cumpridos em seis cidades: Curitiba, Londrina, Cambé, Cornélio Procópio, Assaí, Cruzmaltina e Nova Santa Bárbara.

Todos os mandados foram expedidos pelo TJ-PR (Tribunal de Justiça do Paraná).

Prefeito de Pato Branco e esposa sofrem acidente de carro

O prefeito de Pato Branco, Augustinho Zucchi, e a esposa dele, Andreia Nierotka, sofreram um acidente de carro, na tarde deste domingo (15), na PR-493, em Itapejara d’Oeste, no sudoeste do Paraná. Conforme a prefeitura da cidade, o veículo capotou quando o político retornava para Pato Branco.

Na nota, a prefeitura informa que os dois foram socorridos por terceiros e levados até a Policlínica, onde chegaram conscientes e andando. Em seguida realizaram todos os exames e, de acordo com o médico Marcelo Fim, os resultados não apresentaram nenhuma gravidade.

Foto: Divulgação Prefeitura de Pato Branco

O prefeito e sua esposa devem permanecer em observação por 24 horas para nova avaliação. Ambos passam bem.

 

curitiba

Após explosão em prédio, prefeito de Curitiba proíbe químicos inflamáveis em ambientes fechados

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM) assinou um decreto, na tarde desta sexta-feira (5), que proíbe a aplicação de produtos químicos impermeabilizantes inflamáveis em ambientes internos. A regra começa a valer em Curitiba daqui 90 dias.

A medida é tomada seis dias após a explosão de um apartamento no bairro Água Verde, que resultou na morte de Mateus Henrique Lamb. A criança, de apenas 11 anos, foi arremessada do sexto andar e acabou falecendo no hospital.

Além dele, outras três pessoas ficaram feridas. Duas delas seguem na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Universitário Evangélico Mackenzie.

A principal suspeita da causa da tragédia é o serviço de impermeabilização.

DECRETO

O prefeito Rafael Greca lamentou que não agiu há tempo suficiente para evitar a morte da criança. Além disso, o gestor municipal dedicou o decreto em memória à criança, que classificou como vítima da “ganancia comercial”.

“Como eu tenho o poder de legislar sobre o uso do solo urbano, decidi proibir a aplicação de produtos inflamáveis e de impermeabilização à domicílio, seja nos condomínios ou imóveis comerciais. Se tivéssemos feito isso há um ou dois anos atrás, não teríamos perdido o curitibinha do Água Verde”, disse Rafael Greca.

Já Guilherme Rangel, secretario municipal da Defesa Social e Trânsito, afirmou que as 600 empresas habilitadas à fazer esse tipo de serviço serão visitadas para verificação do alvará.

Ele ressalta que o decreto ajuda na fiscalização preventiva. “Para a emissão do alvará, a empresa terá que passar por uma série de órgãos. Secretaria de Urbanismo, da Defesa Social, do Meio Ambiente, Corpo de Bombeiros, Polícia Civil… A punição para a empresa será a cassação do alvará e para o condomínio, uma multa”, completou.

VÍTIMAS

Irmã de Mateus, Raquel Lamb, de 23 anos, e o marido dela, Gabriel Araújo, de 30 anos, eram os moradores do apartamento explodido.

Raquel teve queimaduras em 80% da superfície do corpo. Nesta sexta-feira (5), o boletim médico apresentou que ela está em quadro estável, respirando sem ajuda de aparelho e que ainda tem 55% do corpo queimado.

Já Gabriel encontra-se no quarto estável, sem necessidade de internação na UTI. O corpo dele teve 30% da superfície corporal queimada.

Por fim, Caio Santos está com 65 % do corpo queimado e também está na UTI, respirando normalmente. Ele é o técnico responsável, de empresa especializada, pela impermeabilização de estofados do apartamento.

Todos eles passam, diariamente, por uma cirurgia de troca dos curativos.

INTERDITADO

O edifício permanece interditado pela Prefeitura de Curitiba até que um laudo ateste a estabilidade do local. O documento deve ser providenciado pelo próprio condomínio.

Por isso, os moradores estão alojados em casas de familiares. A Guarda Municipal faz a segurança do edifício, e os moradores podem entrar no local apenas se estiverem acompanhados de bombeiros.

Câmara de Foz aprova reajuste no salário do prefeito, vice e vereadores; procurador e secretários ganham aumento

A Câmara de Vereadores de Foz do Iguaçu, na região oeste do Paraná, aprovou o reajuste de 5,49% nos salários dos próprios vereadores e de 3,43% nos vencimentos do prefeito e do vice. Além disso, também foi determinado o aumento de 45% nos salários dos secretários e do procurador-geral do município.

O vereador Edson Narizão (PTB) foi o único a votar contra os projetos.

Com as decisões, o prefeito passará a receber R$ 22.745,13. O mesmo reajuste foi aplicado ao salário do vice-prefeito, que vai ganhar agora R$ 15.247,65 por mês.

O maior reajuste aprovado foi de 45%, ao procurador-geral e aos secretários municipais. Os vencimentos atingem o teto permitido, passaram dos atuais R$ 10 mil para R$ 14.632,12.

Já o salário dos vereadores vai passar de R$ 9.082,13 para R$ 9.587,15. O texto esclarece que o reajuste de 5,49% equivale a parte das perdas com a inflação em 2017 e em 2018.

REPERCUSSÃO

A vice-presidente da Comissão de Economia, Finanças e Orçamento da casa, vereadora Rosane Bonho, argumentou que, constitucionalmente, todo o trabalhador, inclusive os servidores públicos, têm direito a reajuste salarial referente as perdas inflacionárias.

A parlamentar afirmou ainda que os salários dos vereadores de Foz estavam congelados há praticamente cinco anos.

“Há muito tempo, o salário dos vereadores vem defasado. Lembrando que várias cidades do Paraná se encontra muito além do que recebemos em Foz do Iguaçu. E lembrando também que é um reajuste, data-base dos vereadores, não é aumento”, comenta.

O presidente da câmara, Beni Rodrigues, afirma que se o reajuste levasse em conta a inflação acumulada de julho de 2014 a maio de 2019 seria bem maior.

“Hoje o salário do vereador, se está congelado de 7.000 mil é devido as reposições salarias que não eram aprovadas desde 2014. Se nós fossemos requerer de 2014 até hoje, seria um percentual de 30,5. Estamos solicitando só a devida inflação deste ano”, completou.

Com o reajuste, o salário do presidente será de R$ 14.383,50.

Serranópolis do Iguaçu terá eleição suplementar no próximo domingo

O município de Serranópolis do Iguaçu, na região oeste do Paraná, terá eleições suplementares para definir o novo prefeito e vice-prefeito neste domingo (7). A nova disputa eleitoral é resultado da cassação de Luiz Carlos Ferri (MDB), e o vice-prefeito Diogo Achtenberg (PSC), eleitos em 2016 e condenados por captação ilícita de sufrágio.

A cidade pertence à  114.ª Zona Eleitoral do Paraná, sediada em Medianeira, e , segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), os eleitores constantes do Cadastro Eleitoral em situação regular e com domicílio eleitoral na cidade até 7 de novembro de 2018 (151 dias antes do pleito) estarão aptos a votar.

Além disso, até a diplomação dos eleitos, o Cartório Eleitoral envolvido e a Secretaria do Tribunal funcionarão em regime de plantão, aos sábados, domingos e feriados, das 13 às 17 horas.

*** com informações do TRE-PR

Prefeito, mãe, servidores e empresários têm bens bloqueados em Antonina

O prefeito de Antonina, José Paulo Vieira Azim, conhecido como Zé Paulo (PSB), a mãe, servidores e dois empresários tiveram bens bloqueados pela Justiça em valores que variam de R$ 40 a R$ 341 mil. Todos são réus em ação civil pública por ato de improbidade administrativa ajuizada pela 1ª Promotoria de Justiça da comarca, que solicitou liminarmente o bloqueio de bens.

Segundo o Ministério Público do Paraná (MPPR), o prefeito teria recebido de um empresário cerca de R$ 20 mil como doação de campanha não contabilizada – o caixa 2 – e em troca, se eleito, iria favorecer à empresa do doador.

Após a eleição, o prefeito, com a participação de servidores, direcionou um processo licitatório para contratação da empresa, num contrato de R$ 313 mil, para reforma do reservatório da estação de água do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto de Antonina (Samae).

De acordo com a promotoria, as investigações também apuraram que o prefeito também teria recebido propina após a assinatura do contrato.

Para que a empresa doadora vencesse a licitação, o processo contou com a participação de um segundo empresário que apresentou uma proposta simulada com orçamentos falsificados, segundo o Ministério Público do Paraná.

Já a mãe do prefeito teria recebido depósitos das doações de campanha em sua conta corrente, como forma de esconder as doações não contabilizadas.

Na ação, os promotores querem a nulidade do contrato resultante do processo licitatório fraudado e a condenação dos réus às sanções previstas na Lei de Improbidade, como perda da função pública, suspensão dos direitos políticos, ressarcimento dos danos ao erário e pagamento de multa civil.

O prefeito Zé Paulo foi procurado, mas ainda não retornou o contato com seu posicionamento.

Outro bloqueio

Em junho de 2017, Zé Paulo, o então secretário municipal de Educação de Antonina, três empresas e cinco empresários foram alvos de bloqueios de bens de R$ 665 mil em um processo que investiga fraude em procedimento de dispensa de licitação para contratação emergencial do serviço de transporte escolar

> Bens de prefeito, secretário e empresários de Antonina são bloqueados

TJPR aumenta pena do ex-prefeito de Araucária, alvo da Operação Fim de Feira

Rui Alves de Souza (PTC), ex-prefeito de Araucária, Região Metropolitana de Curitiba, teve a condenação confirmada pela Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR). A pena de 5 anos, 2 meses e 20 dias ainda aumentou para 7 anos, 5 meses e 18 dias, pelos crimes de peculato e concussão. Ele ainda tem outra condenação, com pena de 50 anos de prisão, pelos crimes de concussão, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

A filha e o genro de Rui também tiveram suas penas fixadas na mesma sessão do TJPR. Ela teve a pena definida em 12 anos, 9 meses e 16 dias de reclusão. Já o genro do ex-prefeito foi condenado por 3 anos, 2 meses e 12 dias de reclusão em regime aberto, com substituição da pena de prisão por pena restritiva de direitos.

Ele havia sido preso pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) no dia 20 de dezembro de 2016, determinando o afastamento do cargo público pelo envolvimento na Operação Fim de Feira.

O Ministério Público do Paraná (MPPR) tomou conhecimento e apurou que o ex-prefeito nomeou o genro, por pedido da sua filha, como “assessor de secretário municipal I” na prefeitura de Araucária para que o casal pudesse financiar um apartamento e colocar suas rendas em dia. Além disso, o ex-prefeito também nomeou a amiga de sua filha a um cargo similar, recebendo salário de R$ 9.175,14, sendo que 70% do valor eram repassados ao ex-prefeito e sua filha.

Em outubro de 2017, também foram condenados quatro ex-secretários (de Finanças, Governo, Meio Ambiente e Obras Públicas e Transportes), o então procurador-geral do Município e o responsável por articular os crimes. O ex-secretário de Finanças fez o acordo de delação premiada com o MP e atuou como colaborador das investigações.

Prefeito de Curitiba, Rafael Greca, deixa o hospital

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN) deixou, no início da tarde desta segunda-feira, o hospital Marcelino Champagnat. Ele recebeu alta médica após 11 dias internado por conta de uma hérnia intestinal. Agora, o prefeito, passará mais uma semana em casa, para concluir o processo de recuperação da cirurgia a que foi submetido na madrugada do dia 29 de dezembro.

Internado às pressas na noite de 28 de dezembro com queixas de indisposição alimentar, Rafael Greca foi diagnosticado com uma hérnia intestinal que causou a perfuração do intestino delgado. Diante deste quadro, o prefeito foi submetido a uma cirurgia de emergência em que foi retirada a parte ferida de seu intestino (aproximadamente 30 cm).

Desde então, Greca passou seis dias na Unidade de Terapia Intensiva do hospital, e mais cinco (contando com a manhã desta segunda-feira) em um apartamento. De acordo com a equipe médica, Greca apresentou boa evolução pós-operatória durante toda a internação.

Agora, a recomendação dos médicos é de repouso domiciliar por mais sete dias, com alimentação leve e curativos na área do corte. Segundo eles, a volta às atividades na Prefeitura pode ocorrer a partir do dia 14/01.

“Neste momento, completamente recuperado, deixo o Hospital Marcelino Champagnat onde fui internado desde dia 28. Agradeço à brilhante equipe médica integrada pelos doutores Marco De George, Anna Flávia, Marlon Rangel e Carlos Eduardo Henze”, postou Greca, nas redes sociais, em legenda de fotos que fez com todos vários funcionários do hospital.

Ao chegar em casa, o prefeito gravou uma mensagem em vídeo. Confira:

Novo boletim médico indica que Greca se recupera bem

Sem grandes novidades, boletim médico divulgado nesta quarta-feira pelo Hospital Marcelino Champagnat aponta que o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN) continua com boa recuperação da cirurgia realizada na noite do dia 28 de dezembro.

De acordo com a equipe médica, o quadro de Greca nesta quarta-feira (2/1) segue estável e com boa evolução do procedimento cirúrgico; os exames de controle apresentaram bons resultados.

O prefeito segue internado, sem previsão de alta.

Na terça-feira, o prefeito chegou a gravar um vídeo desejando sorte ao governador Ratinho Junior (PSD), por ocasião de sua posse. Nesta quarta-feira, o prefeito publicou, nas redes sociais, uma foto de seu almoço no hospital e outra ao lado dos médicos do Marcelino Champagnat. “Satisfação na comemoração da plena recuperação, infeção debelada. Após almoço com creme de milho , suco de laranjas e gelatina de uvas e de morangos sinto a Vida em plenitude.Comigo os médicos Doutor Marlon Rangel (cirurgião) e Felipe Bueno da Silva (clínico)”, escreveu.

Greca é internado às pressas e passa por cirurgia

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN) está internado desde a noite de sexta-feira, no Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba, após ter apresentado sintomas de febre e indisposição alimentar. De acordo com boletim médico divulgado por sua assessoria na manhã deste sábado, o prefeito foi submetido a uma cirurgia de emergência para a restauração do intestino delgado e a retirada de uma hérnia.

Segundo o boletim, parte do intestino delgado do prefeito havia sido perfurada e um hérnia estava inflamada. A cirurgia, que durou 3 horas, foi bem sucedida, mas não há previsão de alta.

É a segunda vez, em dois anos de mandato, que Greca precisa ser internado. Em 2017, logo após tomar posse, o prefeito precisou ficar hospitalizado por uma semana por conta de uma tromboembolia pulmonar.