tortura preso

Homem suspeito de torturar casal por três dias e matar mulher é preso no PR

Um homem de 37 anos foi preso pela Polícia Civil do Paraná (PCPR) por suspeita de sequestro e tortura de um casal, o que acabou resultando na morte da mulher. O corpo dela foi encontrado no dia 27 de abril, em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba. Já seu namorado, de 19 anos, acabou sobrevivendo mesmo depois de tomar um tiro e ter um dedo da mão cortado.

A vítima, Thainá Regina da Silveira, era uma traficante de drogas na capital paranaense. Ela estava namorando um rapaz de Santa Catarina, que pertence à uma facção criminosa. Os dois estavam em uma lanchonete na região central de Curitiba no dia 24 de abril, quando foram abordados.

As investigações apontam que o crime foi cometido por uma organização rival. Segundo o delegado Thiago Dantas, seis pessoas tiveram envolvimento no crime. Ou seja, cinco ainda estão foragidos, apesar de já terem sido identificados.

“Eles foram arrebatados. Primeiro levaram para um hotel e aí foram transferidos para Araucária. Foram mantidos em cárcere privado por um prazo de três dias, quando foram torturados. Thainá foi executada, mas o homem conseguiu a fuga. No momento que foi levado para a execução, a dupla descuidou e ele pulou de uma ponte. Eles dispararam e ele acabou sofrendo um tiro na coxa, mas foi resgatado pela Polícia Militar”, conta o delegado.

HISTÓRICO

À disposição da Justiça, Rondinelli de Jesus Serafim já tinha um mandado de prisão em aberto. Ele foi detido nesta última segunda-feira (24) e já tinha passagens policiais por ameaça, desobediência, desacato, tráfico de drogas e resistência a prisão. No entanto, agora ele responderá por homicídio e tentativa de homicídio qualificado.

mc kevin detido preso drogas

MC Kevin é detido com drogas e publica vídeo em viatura de polícia

O músico Kevin Nascimento Bueno, mais conhecido como MC Kevin, foi detido na noite do último sábado (29) em um hotel em Belo Horizonte, em MG, por consumo de drogas. Junto a ele estava Hariel Bernardo Ribeiro, o MC Hariel.

As autoridades informaram a reportagem que eles estavam em um quarto de hotel com tabletes de maconha. Hóspedes teriam sentido forte cheiro da erva e acionaram a polícia.

“A polícia bateu na porta, Hariel entregou uma porção de haxixe e falou que os cigarros tinham haxixe e tabaco. A polícia deu voz de prisão e eles foram encaminhados para a delegacia após assinarem o TCO (termo circunstanciado)”, declara o Boletim de Ocorrência.

MC Kevin publicou um vídeo nos stories do Instagram enquanto estava na viatura da polícia a caminho da delegacia, mas apagou de sua conta. Nas imagens, ele aparece ao lado do amigo dando risada da situação. “Um dia vou ver esse vídeo e cascar o bico”, diz.

Após ser liberado, o funkeiro de 21 anos compartilhou uma foto enquanto esperava no aeroporto o voo para São Paulo. “Obrigado, Deus, por tudo nesta vida”, escreveu o cantor.

O paulistano MC Kevin estava na capital mineira para participar do Festival Funk MG. O primeiro sucesso dele no funk foi “Prepara Novinha”, parceria com MC Pedrinho, mas sua colaboração com o MC Davi, em “Pra Inveja é Tchau”, rendeu quase 200 milhões de visualizações.

O maior hit do cantor é “Cavalo de Troia”, que tem mais de 88 milhões de visualizações no YouTube. Seu trabalho mais recente é “Ressaca”, cujo clipe foi produzido por KondZilla e acumula 8 milhões de visualizações em menos de dois meses.

lula stf lava jato

STF rejeita proposta de Gilmar Mendes e decide manter Lula preso

A 2.ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) definiu que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seguirá preso em Curitiba. Dois pedidos de liberdade do petista foram analisados nesta terça-feira (25) e nenhuma das decisões foi favorável ao petista. Porém, o Supremo deve voltar a julgar a liberdade de Lula em agosto.

Os cinco ministros que participaram do julgamento foram: Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello, Edson Fachin e Cármen Lúcia.

A primeira votação, que incluía a suspeição do ministro Félix Fischer, acabou pelo placar de 3 a 1 contra Lula. Mendes, Fachin e Carmen Lúcia votaram contra a soltura do ex-presidente, enquanto Lewandowski votou a favor da liberdade.

Já a segunda votação foi encerrada após a maioria dos ministros recusarem a proposta de Gilmar Mendes. O ministro propôs conceder liberdade provisória a Lula enquanto o julgamento do habeas corpus não é finalizado.

Vale destacar que o processo abrange a suspeição do ministro da Justiça, Sergio Moro. No entanto, o Judiciário entrou em recesso hoje. Ou seja, a retomada da discussão só acontecerá a partir de agosto.

Sai da pauta, entra na pauta…

O julgamento dos habeas corpus em favor de Lula havia sido retirado da pauta desta terça-feira (25) a pedido do ministro Gilmar Mendes. O magistrado entendia que não haveria tempo para discutir o assunto. Isso porque, segundo o próprio ministro, apenas o voto dele tinha 40 páginas.

O advogado de defesa, Cristiano Zanin Martins, pediu a palavra na tribuna da Segunda Turma. Ele alegou que o assunto era urgente, pois o réu é idoso e está preso há mais de 400 dias.

O pedido foi atendido pela presidente da Segunda Turma, ministra Cármen Lúcia, que antecipou a discussão dos dois habeas corpus.

Antes, os ministros já haviam rejeitado o habeas corpus que pedia a suspeição do ministro Félixo Fischer, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Nesta peça, era questionado o fato de o magistrado ter negado monocraticamente um recurso especial contra uma decisão do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4).

Lula

O ex-presidente está preso há 444 dias, desde 7 de abril de 2018. Ele se entregou à Polícia Federal depois de ser condenado, em segunda instância, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo relacionado ao triplex do Guarujá.

Lula também já foi condenado em primeira instância em uma ação penal que tratava sobre propinas pagas por meio de reformas de melhoria em um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo.

Médico é preso após bater ponto em hospital público e seguir para consultório particular

Um médico foi preso em flagrante em Astorga, no Norte do Paraná, fazendo atendimento particular em horário que deveria dar expediente na rede municipal. A prisão foi efetuada por um agente do Ministério Público do Paraná nesta segunda-feira (24).

Segundo o MPPR, a promotoria recebeu notícia que era hábito do médico bater ponto na unidade de saúde e depois seguir para outro local para realizar as consultas particulares.

A promotoria apura a prática dos crimes de estelionato, falsidade ideológica e prevaricação por parte do servidor.

Homem é preso com quase 12 kg de crack escondidos no painel de carro

Um homem, de 29 anos, foi preso em flagrante na BR-369, na noite desta quarta-feira (12), em Cascavel, no oeste do Paraná, com 11,8 quilos de crack no carro que ele conduzia. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, a droga estava escondida no painel do automóvel.

Ao realizar a abordagem, a equipe policial percebeu a existência de equipamentos eletrônicos no porta-malas do veículo. Os agentes desconfiaram do nervosismo do motorista e decidiram fazer uma verificação mais minuciosa. Foi quando encontraram a droga em um compartimento oculto, atrás do painel.

Também foi encontrado um equipamento ilegal de radiocomunicação. Dentro do carro foram apreendidos ainda 15 aparelhos celulares e 60 litros de uísque, entre outras mercadorias.

O homem disse que pegou o carro em um posto de combustíveis de Foz do Iguaçu, também no oeste, e que o levaria até Uberlândia, em Minas Gerais.

O rapaz foi encaminhado para delegacia da Polícia Civil e fica à disposição da Justiça. Se condenado, pode pegar de cinco a 15 anos de prisão pelo crime de tráfico de drogas.

 

furto_capanema_sinaldecelular

Homem deixa cidade inteira sem sinal de celular por mais de um dia e é preso

Um homem deixou uma cidade inteira sem sinal de celular e de internet por quase dois dias e acabou preso em flagrante pela Polícia Civil (PC) nesta terça-feira (28). O caso foi registrado em Capanema, na região sudoeste do Paraná, e deixou o município no apagão por quase dois dias inteiros, entre 22 e 23 de maio.

O delegado Rodrigo Colombelli, responsável pelas investigações, afirma que o homem de 31 anos estava furtando cabos da antena da operadora TIM. Segundo estimativa da PC, mais de 20 mil pessoas foram afetadas pelos danos ao equipamento.

“Chegamos até o suspeito a partir de uma ligação anônima. Um cidadão afirmou que o homem que furtava cabos tinha retornado ao local. Nós o encontramos nas imediações com uma ‘machadinha’ usada para quebrar os equipamentos”, contou o delegado.

A polícia começou a investigar o caso depois de uma parcela significativa da população começar a reclamar da ausência de sinal de celular e internet. “A própria operadora nos ligou informando que o problema havia sido o furto dos equipamentos”, relatou.

A antena da operadora – que segundo a delegacia de Capanema é a mais popular da região – afetou não apenas Capanema, mas também moradores dos municípios do entorno, que se valiam da mesma distribuição de sinal.

O delegado Rodrigo Colombelli cita esta prisão como um dos casos mais inusitados desde que assumiu o posto, há cinco anos. “Chega a ser irônico uma pessoa roubar um equipamento tão insignificante, para revender por R$ 20 ou R$ 40, e acabar afetando mais de 20 mil pessoas”, ponderou.

O homem preso em flagrante foi levado à carceragem da Polícia Civil e segue à disposição da Justiça. Ele deve responder por furto e dano qualificado e pode ser condenado a até 11 anos de prisão.

LEIA TAMBÉM

Transferido para penitenciária, Carli Filho aguarda por tornozeleira eletrônica

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) tem cinco dias para se manifestar sobre a possibilidade de harmonização da pena do ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho.

O político se apresentou nesta terça-feira (28) à Vara de Execuções Penais de Guarapuava, na região central do Paraná, por determinação do Tribunal de Justiça (TJ-PR). Ele foi transferido para a Penitenciária Industrial do município, onde aguardará por uma tornozeleira eletrônica.

O Tribunal do Júri condenou Carli Filho a nove anos e quatro meses de prisão por duplo homicídio culposo. O ex-deputado causou um acidente de trânsito em 2009 e vitimou Gilmar Rafael Yared e Carlos Murilo de Almeida, de 26 e 20 anos. Carli Filho dirigia alcoolizado, em alta velocidade, e com a habilitação suspensa por excesso de pontos.

A pena imposta pelo júri popular, no entanto, foi reformada pelo TJ-PR. Com a decisão dos desembargadores, que reduziram a pena para sete anos, quatro meses e 20 dias, o político teve o direito de progredir para o regime semiaberto antes mesmo de ser preso.

Luiz Fernando Ribas Carli Filho se entregou à Justiça na tarde desta terça-feira (28) e logo foi encaminhado para uma audiência de custódia. A juíza Liliane Graciele Breitwisser, da Vara de Execuções Penais e Medidas Alternativas, manteve o ex-deputado detido em Guarapuava, como determinou o TJ-PR.

A juíza determinou que Carli Filho fosse “imediatamente conduzido à Penitenciária Industrial de Guarapuava”. No local, por ser portador de diploma de curso superior, o condenado será mantido em uma cela especial.

No entanto, “se tratando de condenado em regime semiaberto e da inexistência de estabelecimento penitenciário destinado ao cumprimento da pena em tal regime nesta comarca”, a juíza determinou que o MP-PR se manifeste em relação à harmonização da pena.

Na audiência de custódia, Breitwisser reconheceu que o estado não tem condições de atender a todos os requisitos da prisão. Isso abre um precedente para que Carli Filho troque o regime semiaberto na Penitenciária Industrial de Guarapuava por uma tornozeleira eletrônica e outras medidas cautelares.

O MP-PR tem prazo até o final da semana para se manifestar sobre o caso. A defesa de Carli Filho também deverá se manifestar neste mesmo prazo sobre a possibilidade de harmonização.

LEIA TAMBÉM:

> “Sou culpado, mas nunca tive a intenção de matar”, diz Carli Filho a júri
> Carli Filho pede para deixar sala de audiência após ouvir sobre vítima decapitada

Temer ganha cela com banheiro e frigobar após volta à prisão

O ex-presidente Michel Temer, preso desde quinta-feira (9) na sede da Polícia Federal de São Paulo, foi transferido para uma sala, dentro do próprio prédio, que dispõe de banheiro.
Por ter exercido a chefia de Estado, Temer tem direito a uma sala de Estado-maior, que significa um espaço individual e com banheiro, sem contato com outros prisioneiros.

Temer passou a noite de quinta para a sexta numa sala de reunião do nono andar, ao lado do gabinete do diretor-executivo da PF paulista, Luiz Roberto Ungaretti de Godoy, o segundo na hierarquia no estado. Lá teve que se deslocar pelo prédio para ir ao toalete.

Segundo o advogado de Temer, Eduardo Carnelós, além do banheiro, o novo espaço vai garantir mais privacidade, já que tem menor circulação de pessoas.

Policiais levaram cama e um frigobar para a nova cela adaptada.

Carnelós disse que ainda não há informações sobe a possibilidade da visita de familiares.

Nos finais de semana o prédio da Superintendência da Polícia Federal paulista fica fechado, com poucos funcionários em regime de plantão.

Temer também não tem garantido o banho de sol. “Como vocês podem ver o prédio da PF é fechado” diz Carnelós.

Há um espaço de banho de sol na carceragem da PF paulista, no terceiro andar. Mas Temer não foi levado ao local, onde teria contato com outros presos.

Na quinta (9) a defesa de Temer pediu à Justiça Federal a transferência dele para uma sala de Estado-maior da Polícia Militar.

Os advogados entraram na quinta com um pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça, que deverá ser julgado na próxima terça-feira (14).

Casal é preso em flagrante tentando empréstimo de R$ 30 mil

Um casal, acusado de estelionato e falsificação de documentos foi preso pela Polícia Civil do Paraná (PC), em Curitiba, nesta terça-feira (16).

Clodoaldo Sobral da Silva, de 52 anos e Adriana Santana Sobral, de 45 anos, foram presos em flagrante tentando aplicar um golpe dentro de uma agência de empréstimo consignado, no bairro Novo Mundo.

>>> Veja o que abre e o que fecha no feriado da páscoa em Curitiba

Os dois já tinham aberto uma conta em nome de um terceiro e estavam tentando conseguir um empréstimo de R$ 30 mil através de uma conta do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)

Tanto o homem quanto a mulher já tem passagens na polícia, sendo que ela tinha um mandado de prisão em aberto por falsificação de documento e organização criminosa. Junto com eles, foi apreendido um kit com documentos falsos.

Ambos estão à disposição da Justiça.

>>> Rodoviária de Curitiba vai ter 46 mil embarques no feriado de Páscoa

>>> 83 mil passageiros devem passar pelo Aeroporto Afonso Pena na Páscoa

Projeto pretende proibir visitas íntimas nas penitenciárias do Paraná

 

De autoria do deputado Soldado Adriano José (PV), o projeto especifica que não há previsão legal garantindo as visitas íntimas aos detentos do sistema carcerário nacional. Além disso, frisa que ele não é apenas pelo descontentamento da sociedade com essa situação, mas, principalmente, como medida de segurança.

O deputado afirma que os momentos das visitas intimas podem ser utilizados pelas facções criminosas para troca de informações, planejar e realizar rebeliões. “O cara rouba, ele destrói famílias, e quando ele vai preso, ele quer ter benefício. E ele tem benefício hoje, porque de dentro da cadeia ele continua tendo domínio e comando o crime. Por isso eu penso que o estado precisa retomar o controle de dentro das cadeias e das penitenciárias”, defende ele.

Em 2017, uma portaria do Ministério da Justiça regulamentou as visitas íntimas nas quatro penitenciárias federais, sendo que uma delas fica em Catanduvas, no Paraná.

A portaria estabelece que a visita íntima será concedida, uma vez por mês, aos presos declarados como réu colaborador ou delator premiado. Ela é vedada aos presos considerados de alta periculosidade que façam parte de lideranças de organizações criminosas ou que sejam membros de quadrilhas ou bandos ou estejam envolvidos em incidentes de fuga, violência ou grave indisciplina, além de outras situações definidas pelo Ministério da Justiça.

Mesmo nos casos permitidos, a visita íntima poderá ser suspensa ou restringida devido à falta grave ou por problemas causados pelo cônjuge ou risco para a segurança e disciplina. Ela pode ainda ser suspensa a título de sanção disciplinar.

O projeto de lei será analisado pelas Comissões Permanentes e só depois deverá ser discutido e votado em Plenário.