Publicar bobagens em redes sociais prejudica a sua imagem profissional

Postar bobagens no Facebook e em outras redes sociais prejudica a sua imagem pessoal, carreira ou negócios. Confira, no vídeo, algumas dicas para construir e manter uma boa imagem profissional.

 

 

 

 

Clique aqui para abrir todas as postagens da coluna “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Clique aqui para ver todos os vídeos de nossa outra coluna, Memória Paranaense, neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

 

O grande problema do Brasil é a classe política, diz Bolsonaro

Às vésperas de manifestação de seus apoiadores pela aprovação de medidas no Congresso, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira (20) que “o grande problema do Brasil é a classe política”.

Em discurso na Firjan (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro), ele repetiu conceitos da carta que divulgou na sexta (17), acusando “corporações” de boicotar seu governo.

“O Brasil é um país maravilhoso, que tem tudo para dar certo. Mas o grande problema é a nossa classe política”, disse ele, pedindo apoio do governador e do prefeito do Rio, Wilson Witzel (PSC) e Marcelo Crivell (PRB). “Nós temos que mudar isso “, completou.

Na sexta, Bolsonaro havia compartilhado texto que dizia que o Brasil é “ingovernável”, já que o Congresso está a serviço de corporações que se opõem a mudanças.

“Cada vez que eu toco o dedo numa ferida, um exército de pessoas influentes vira contra mim”, afirmou, conclamando os presentes a pressionar seus parlamentares a votar propostas to governo.

“Nós temos uma oportunidade ímpar de mudar o Brasil. Mas não vou ser eu sozinho -apesar de meu nome ser Messias- que vou conseguir.”

O texto compartilhado pelo presidente vem sendo usado para incentivar a convocação de apoiadores para manifestações no próximo domingo (26).

Os protestos pedem a aprovação de decretos do governo, como a da reestruturação do Executivo, e da reforma da Previdência.

Em seu discurso, Bolsonaro afirmou que não há crise entre poderes e voltou a criticar a imprensa. “O que há é uma grande fofoca. E parece que lamentavelmente, grande parte da nossa mídia se preocupa mais com isso do que com a realidade e o futuro do Brasil”, disse.

Ele criticou, porém, o ritmo das votações no Congresso, dizendo que a convocação das manifestações de domingo foi mais ágil. “O que mais quero é conversar [com o Congresso]. Mas eu sei que tem gente que não quer apenas conversar”, continuou, sem especificar quem seriam e quais os interesses desses últimos.

Bolsonaro recebeu a Medalha do Mérito Industrial concedida pela Firjan –segundo o presidente da federação, Eduardo Eugenio Gouvea Vieira, por ter editado a MP da liberdade econômica, com medidas para desburocratizar os investimentos.

Em entrevista após a cerimônia, o porta voz da presidência, Otávio do Rego Barros, disse que Bolsonaro ainda não decidiu se participará de manifestações no domingo.

LEIA TAMBÉM:

Ônibus lotados são principal queixa de usuários das redes sociais, segundo pesquisa

Os ônibus superlotados são a principal queixa de quase 60% dos internautas brasileiros que falam sobre mobilidade urbana nas redes sociais. Do total de mensagens sobre ônibus postadas nestes canais, 72% faziam uma avaliação negativa desse meio de transporte, de acordo com estudo feito no fim de 2016, pelo projeto Comunica que Muda, iniciativa da agência de propaganda Nova/SB.

A pesquisa analisou, por dois meses, o tema mobilidade urbana na internet para entender como as pessoas noticiam e opinam sobre o assunto.

Mais de 40% dos internautas demonstraram desejo de comprar um carro ou moto para fugir do transporte coletivo. A cada quatro comentários que citavam moto/carro, um deles era alguém mencionando a intenção de comprar um veículo. De acordo com coordenadora do estudo, Stephanie Jorge, os comentários refletem a forte cultura na sociedade do uso do transporte individual.

“As palavras que mais apareciam nos comentários sobre o tema foram carro e quero. Existe a precariedade dos serviços, mas o problema não é uma questão individual. Você pode cobrar das autoridades para melhorar o transporte público, buscar alternativas, pois o uso do carro leva a congestionamentos, poluição, acidentes”, disse. “Sair do pensamento individual para o coletivo é uma barreira cultural que temos que ultrapassar”, acrescentou.

Elogios à prestação do transporte coletivo e outras alternativas corresponderam a 29,5% dos comentários e as menções sem opinião sobre o assunto, 26,8%. Onde mais se falou sobre transporte individual foi no Rio de Janeiro, com 32,4% das menções. São Paulo ficou em segundo, com 16,8%. Na terceira posição, aparece Minas Gerais, com 7,6%.

A equipe colheu e analisou palavras ou expressões referentes ao tema em posts do Facebook, do Twitter, do Instagram, de algum blog ou um comentário em sites da internet, com ajuda de um software de monitoramento digital. Foram quase 400 mil menções nas principais redes sociais do país.

Entre os temas mais falados sobre a cultura do transporte individual estão acidentes (60%), congestionamentos (14%) e indústria da multa (9%). Cerca de 60% das pessoas consideram a multa algo positivo e 21%, negativo. Nas menções sobre acidentes, 72,7% citaram carros e 27,3%, motos. As vias urbanas foram os locais de acidentes mais citados (61,2%), seguidas das rodovias (38,8%).

Bicicleta

A bicicleta é a queridinha das redes com 83% de comentários positivos, mas poucos a veem como meio de transporte. Somente 16,7% dos comentários falavam do veículo como alternativa de mobilidade. Lazer e saúde estão no topo das menções (58,8%). Um dos motivos para esse visão sobre a bicileta, apontou Stephanie, pode ser o fato de o Brasil ter menos de 2 mil quilômetros de ciclovia.

“Esse número representa 1% de toda a malha viária de nossas capitais, o que prejudica o uso da bicicleta como meio de transporte. Em Amsterdã, na Holanda, 30% da forma de locomoção é feita por bicicleta. Mas lá são 500 quilômetros de ciclovia”, disse. Em toda a Holanda, são cerca de 32 mil km de ciclovia.

O tema ciclovia aparece em 12,7% das menções. As ciclovias tiveram 46,3% de menções positivas, contra 40,3% de negativas e 13,4% de neutras. Cerca de 56% dos usuários elogiaram o uso da carona, contra 3,4% que mencionaram o tema de forma negativa. Cerca de 41% falaram de carona de forma neutra, sem exaltar nem criticar.