Estudantes - Curitiba - Região Metropolitana de Curitiba - Redação

Estudantes de Curitiba podem se inscrever em curso de redação gratuito

Estudantes de Curitiba e região metropolitana tem até este sábado (12), para se inscreverem no concurso Redação Nota 1000. A iniciativa da Escola SEB Dom Bosco tem como objetivo preparar os jovens para a prova de redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

O processo é gratuito e exclusivo para alunos matriculados no segundo e terceiro ano do ensino médio de escolas públicas e privadas de Curitiba e região metropolitana.

A data do envio da redação será no dia 13 de outubro, entre 8h e 20h. Os alunos terão a sua disponibilidade o uso do aplicativo AZ para fazer o upload da redação escrita em uma folha A4 ou folha de caderno universitário.

“Ao fazer a inscrição, o aluno receberá login e senha e terá acesso ao tema da redação. Durante o dia do concurso, o candidato terá até 3 horas para fazer o upload do arquivo na plataforma digital”, afirma Gil Vicente Moraes, diretor da da Escola SEB Dom Bosco – Unidade Mueller.

REGULAMENTO

A redação deve ser feita no gênero dissertativo-argumentativa seguindo o padrão do Enem 2019. A avaliação e as notas serão atribuídas por uma comissão julgadora seguindo os critérios do exame nacional.

“Todos os participantes receberão um feedback da redação que enviarem com dicas personalizadas para o ENEM”, explica Gil.

Os dez mais bem colocados no concurso receberão bolsas de estudo com 50% de desconto no curso da Escola SEB Dom Bosco, além disso os três primeiros serão premiados com um aparelho celular.

O regulamento completo e as inscrições estão disponíveis neste link.

Publicar bobagens em redes sociais prejudica a sua imagem profissional

Postar bobagens no Facebook e em outras redes sociais prejudica a sua imagem pessoal, carreira ou negócios. Confira, no vídeo, algumas dicas para construir e manter uma boa imagem profissional.

 

 

 

 

Clique aqui para abrir todas as postagens da coluna “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Clique aqui para ver todos os vídeos de nossa outra coluna, Memória Paranaense, neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

 

Evite mensagens agressivas na internet

 

Mensagens agressivas nas redes sociais prejudicam relacionamentos, a empresa ou a carreira. Um simples comentário em texto pode provocar uma grande confusão. Confira algumas dicas para evitar este tipo de problema:

 

 

 

Veja outros vídeos da coluna “Sua Comunicação”

 

Contato com José Wille

 

Clique aqui para conhecer nossa outra coluna neste portal: “Memória Paranaense”

 

 

 

 

jose.wille

 

.

 

Mulheres são autoras de 42 das 55 melhores redações do Enem

Mulheres são maioria entre os candidatos “nota mil” na redação do Exame Nacional do Ensino Médio *(Enem). Das 55 redações que tiraram a nota máxima na prova, 42, ou seja, 76%, foram escritas por mulheres, informou o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), responsável pelo exame.

O Enem foi aplicado nos dias 4 e 11 de novembro a mais de 4,1 milhões de estudantes em todo o país. O tema da redação foi Manipulação do Comportamento do Usuário pelo Controle de Dados na Internet.

A maior parte dos estudantes com a nota máxima é da Região Sudeste, que concentrou 33 dos melhores textos – 14 eram do Rio de Janeiro e 14 de Minas Gerais. A Região Nordeste aparece em segundo lugar, com 14 textos nota mil. Em relação aos municípios, o Rio de Janeiro lidera com cinco redações, seguido por Fortaleza, com quatro.

Estudante nota mil

A estudante Aimée Utuni foi a única nota mil de Franca, São Paulo. Aimée conta que, para treinar escrevia quatro redações por semana. Com a proxmidade do exame, a estudante chegou a fazer 30. “Na hora que eu vi a minha nota, não acreditei. Sabia que seria alta, mas não mil”.

Aimée, que pretende usar a nota do Enem para concorrer a uma vaga em curso de medicina, diz que sempre gostou muito de ler e escrever, mas o diferencial, segundo ela, foram os estudos de filosofia. “Com a filosofia, aprende-se a enxergar o mundo ao redor de uma maneira que não seja superficial. Entende-se além e não se fica no senso comum.”

Para a estudante, o tema deste ano é algo que faz parte do cotidiano. “Hoje você faz uma pesquisa do Google sobre sapato, vai ao Facebook e, de repente, aparece oferta de sapato. É o que está acontecendo, e tem muita gente sendo enganada com isso.”

Como proposta de intervenção social, uma das exigências da redação do Enem, Aimée menciona a população e diz que é preciso desconfiar mais da internet: “[É preciso] buscar fontes seguras de conhecimento e formular a própria opinião. Não ler algo na internet já achando que é verdade.”

A mentora de Aimée é também mulher, a professora de redação e filosofia Regiane Pedigone Segatini, que recebeu uma homenagem pelo Facebook da estudante: “Como diria Isaac Newton, se eu vi mais longe, foi por estar apoiada nos ombros de gigantes. Re, vc é a minha gigante, minha protetora!”

Filosofia, filmes e ioga

A professora Regiane ressalta que os dados divulgados pelo Inep reforçam algo que ela observa no dia a dia. “As meninas são mais estudiosas, mas comprometidas com o estudo de forma geral”, diz a professora. Elas são também maioria entre os que ingressaram na faculdade, 54%, de acordo com o último Censo da Educação Superior, e as que mais concluíram os estudos, cerca de 60% do total.

À Agência Brasil, Regiane, que é dona do 100% Redação, curso de língua portuguesa em Franca e Ribeirão Preto, em São Paulo, deu também algumas dicas para um bom texto. O preparo para fazer uma boa redação no Enem vai além de simples técnica, diz a professora. O cursinho que Aimée frequentou nos últimos três anos oferece também aulas de humanidades, sessões de filmes, aulas de ioga e técnicas de respiração. “O aluno tem que saber interpretar texto e, para isso, precisa saber o contexto histórico e o contexto filosófico.”

A professora destaca também a necessidade de despertar o interesse dos estudantes para que eles mesmos tenham a iniciativa de se informar e estudar. Filmes e documentários são usados como porta de entrada para obras clássicas da literatura e para a leitura de pensadores. Um dos programas recomendados por Regiane é o Café Filosófico, do Instituto CPFL – Companhia Paulista de Força e Luz.

“Não obrigamos os estudantes a nada, colocamos tudo nas mãos deles, até a escrita. O jogo é muito aberto. Explicamos que, se o aluno faz, vai ter resultado. Se não fez, vai colher também [as consequências]”, acrescenta.

Ganhador de concurso de redação na Copa Verde visita usina de Itaipu

A água foi tema da redação de Werlysson Mathias, e trouxe uma maré nova para sua vida. O amapaense foi o grande vencedor do concurso de redação realizado durante a Copa Verde de 2018. Premiado em uma disputa que envolveu mais de nove mil escolas, Werlysson ganhou uma camisa da Seleção Brasileira autografada e uma viagem à Usina de Itaipu, na tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. Lá, pôde conhecer ainda os projetos ambientais que envolvem a represa e os municípios próximos à usina.

-Estou muito alegre, é a primeira vez que conheço a Usina de Itaipu, a cidade de Foz do Iguaçu. Também vi as cataratas. Minha redação falava sobre o desperdício da água, porque é a principal fonte de vida para nós, e tem tudo a ver com essa visita. – destacou.

Acompanhado por dona Maria Mônica, sua mãe, Werlysson foi guiado por Patrícia Fernandes, analista do Ministério do Meio Ambiente. Durante o almoço, o jovem encontrou Walter Feldman, secretário-geral da CBF, e Carlos Painel, consultor de sustentabilidade da CBF.

**Da CBF**

Apenas 77 pessoas tiraram nota máxima na redação do Enem

Apenas 77 pessoas tiveram nota mil, a nota máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), conforme balanço divulgado nesta quarta-feira (18) pelo Ministério da Educação (MEC). O número de notas máximas foi bem abaixo das 104 registradas em 2015. De acordo com o MEC, 6,1 milhões de estudantes fizeram o exame em 2016.

Os temas das redações do Enem foram “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”, nos dias 5 e 6 de novembro, quando a maior parte dos candidatos fez a prova; e “Caminhos para combater o racismo no Brasil”, nos dias 3 e 4 de dezembro. Em 2016, devido às ocupações de escolas e universidades por grupos contrários a mudanças educacionais no Brasil, o Enem foi adiado para alguns participantes.

“Acho que é algo absolutamente esperado. Como tem populações diferentes todos os anos fazendo o Enem, essa comparabilidade de medias tem que ser cuidadosa porque as populações são diferenciadas”, ponderou em coletiva de imprensa a presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Maria Inês Fini.

Para a secretária executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, o desempenho na redação está também ligado ao desempenho em linguagens. A prova de linguagens, no Último Enem, registrou a menor nota mínima (287,5) e a menor nota máxima (846,4). “Há, claramente, um desempenho mais insuficiente em linguagens do que nas outras áreas, o que reforça o que as avaliações nacionais já indicam, que é a enorme dificuldade de leitura e escrita dos nossos alunos”, segundo a secretária.

A prova de redação é a única de caráter subjetivo no Enem. Os estudantes são avaliados, entre outros critérios, quanto ao domínio da escrita formal da língua portuguesa, à compreensão e aplicação de conceitos nas áreas de conhecimento, à organização e interpretação de informações e à elaboração de proposta de intervenção.

Menos redações nota mil

A queda no número de redações nota mil vem sendo constatada ano a ano. De acordo com dados do ministério, o número de redações nota mil equivale a 0,001% dos que fizeram a prova. Em 2015, as 104 redações com nota mil representaram 0,002% do total de participantes do exame. Em 2014, foram 250 candidatos com nota mil, equivalentes a 0,004% dos participantes da prova. Em 2013, o número foi ainda maior: 481 candidatos obtiveram nota mil na redação, ou 0,009% do total.

Mesmo com queda na quantidade de notas máximas, o grupo que tirou entre 901 e 999 aumentou em relação ao ano anterior. Foram 55.869 provas nessa faixa de notas, ante 47.770 em 2015 e 35.719 eno Enem de 2014.

Na outra ponta, segundo o MEC, 291.806 candidatos tiraram nota zero ou tiveram a redação anulada no ano passado. Eles não poderão participar dos programas de seleção para vagas no ensino superior da pasta este ano.

Provas do Enem

O MEC divulgou os desempenhos máximos e mínimos em cada prova do Enem. Na avaliação do Inep, o desempenho dos participantes, especialmente dos concluintes do ensino médio, mantém-se constante desde 2008. “O desempenho em todas as áreas está absolutamente estagnado. Não estamos conseguindo fazer com que nossos estudantes do ensino médio aprendam”, afirmou Maria Inês.

Em ciências humanas, a maior nota foi 859,1 e a menor 317,4; em linguagens, as notas variaram entre 287,5 e 846,4; em matemática, a variação foi entre 309,7 e 991,5; e em ciências da natureza, entre 316,5 e 871,3.

Considerando a média total, os participantes obtiveram as maiores médias em ciências humanas (533,5), seguindo-se linguagens (520,5), matemática (489,5) e, por último, ciências da natureza (477,1).

Dos 8.630.306 inscritos no Enem-2016, 2.494.294 (28,90%) faltaram ao exame. Além disso, 3.942 (0,05%) foram eliminados no primeiro dia e 4.780 (0,06%), no segundo dia, por desrespeitar as regras do exame, seja por preencher incorretamente o cartão de respostas ou portar materiais indevidos.

Combate ao racismo é o tema da redação do segundo dia do Enem

O tema da redação da segunda aplicação do Enem 2016 é: “Caminhos para combater o racismo no Brasil”. A informação foi divulgada pelo Twitter do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep).

São 277.624 candidatos inscritos para a segunda aplicação do Enem. A maior parte desses alunos teve as provas adiadas por causa das ocupações em escolas e universidades públicas do país no mês de novembro.

As provas são diferentes daquelas aplicadas dias 5 e 6 de novembro, mas mantêm o mesmo nível de dificuldade, o que, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), garantirá a isonomia entre os candidatos.

Redação do Enem segue tendência de anos anteriores ao abordar tema social

A redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016 segue tendência das provas dos últimos anos de tratar temas sociais, na avaliação de professores de redação entrevistados pela Agência Brasil.

O tema deste ano é “Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil”. Aproximadamente 8,4 milhões de candidatos deverão fazer a prova hoje (6). Os professores elogiaram a temática, mas criticaram a forma como o tema foi redigido. Segundo eles, o comando da questão poderá levar os estudantes a focarem mais nas proposições do que na dicussão da questão.

“Sou radicalmente a favor do tema, acho que foram muito felizes por uma questão muito simples: intolerância religiosa é um preconceito que não é tratado regularmente pela sociedade brasileira. Existe, é forte, mas para mim, é muito velada ainda, não é algo discutido abertamente”, diz o coordenador de Redação do Colégio Sigma, de Brasília, Eli Guimarães.

Guimarães diz que esperava que esse fosse o tema. “Acertei o tema da redação, foi o tema da avaliação do Sigma, do quarto perído do 3º ano do ensino médio, intolerância religiosa em questão no Brasil”, conta. “Esse tipo de discussão é fundamental, como foi no ano passado o tema da violência contra a mulher. São situações que geram debates público relevantes”, defende.

Segundo Zaira Dirani, professora de português, literatura e redação do Colégio Sagrado Coração de Maria, em Brasília, o Enem segue a tendência dos últimos anos de trazer temas sociais para serem discutidos pelos estudantes. Em 2015, o tema da redação foi “A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira”; em 2014, “Publicidade infantil em questão no Brasil”.

“O Enem tem seguido uma linha, nos últimos anos, tem optado por temas que valorizam as minorias. Começou pelas crianças, depois mulheres, agora religiões. Quem sabe ano que vem não pode ser abordada a questão racial?”, diz.

Segundo a professora, o estudante poderá citar na redação casos recentes de intolerância religiosa. “Para um estudante se sair bem poderá citar o que é preconceito religioso, citar casos de intolerância religiosa, que podem ser de qualquer religião, católicos, muçulmanos. Deve explicar que diferença religiosa está relacionada à diferença cultural e não ser preconceituoso, se tiver abordagem preconceituosa, a prova poderá ser zerada”, diz.

Proposta

O professor de redação do colégio Mopi e Escola Parque, do Rio de Janeiro, Diogo Comba, alerta para o risco de estudantes focarem mais nas proposições do que na discussão do tema. Um dos critério de avaliação da redação do Enem, de acordo com o edital da prova, é a elaboração de proposta de intervenção ao problema abordado, respeitando os direitos humanos.

“Poderia ser um tema mais rico se pedisse para o aluno discutir o caso e, no final e ao longo do texto, fizesse pequenas propostas. Esse ano, colocaram como se o tema fosse inteiro proposta. Achei complicado. Corre o risco de que alguns estudantes deixem para problematizar no final e de que levem uma fuga ao tema caso não foquem nas proposições”, diz.

Além disso, o professor acredita que o foco nas propostas dos estudantes pode beneficiar aqueles que têm menos conhecimento sobre a questão. “Acaba beneficiando o aluno que não se preparou tão bem, que não tem tanto conhecimento do mundo e do assunto”.

Veja a lista dos dez últimos temas da redação do Enem:

2007: O desafio de se conviver com as diferenças
2008: Como preservar a floresta Amazônica: suspender imediatamente o desmatamento; dar incentivo financeiros a proprietários que deixarem de desmatar; ou aumentar a fiscalização e aplicar multas a quem desmatar
2009: O indivíduo frente à ética nacional
2010: O trabalho na construção da dignidade humana
2011: Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado
2012: Movimento imigratório para o Brasil no século 21
2013: Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil
2014: Publicidade infantil em questão no Brasil
2015: A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira
2016: Caminhos para combater a intolerância religiosa no Brasil