Legado

Certa vez, numa palestra, me perguntaram se ainda era válido deixar imóveis para os filhos, para que pudessem deles viver no futuro.
Aí eu complementei: o senhor, obvio, pensou em deixar coisas sólidas, palpáveis, firmemente assentadas, e não vento?
Ele respondeu que sim.
Aí eu disse: isso me faz lembrar de raízes, mas, infelizmente, lamento desapontá-lo, nos dias atuais, devemos deixar a nossos filhos asas e não raízes.
Asas para poder voar para novos desafios, novos horizontes e novas conquistas num mundo que muda diária e rapidamente.
Numa época em que propriedade era sinal de prosperidade- como no tempo de nossos avós- isso podia ser válido, mas, hoje, a prosperidade, a competitividade, está no que se sabe e não no que se tem.
Ademais, deixar coisas e não formação para nossos filhos é deixar de prepará-los para o competitivo mundo que se estabeleceu com a globalização e com a evolução tecnológica.
Minhas duas filhas tiveram que me dar, para livrar-se de minha tutela, uma formação universitária e uma experiência estudando e morando no exterior, sem brasileiros ao lado, por um ano. Paguei com prazer.
Foram meninas e voltaram mulheres.
Me agradecem até hoje, porque aprenderam que não precisam depender de ninguém para sobreviver.
Aprendi com meus pais que se ensina pelo exemplo mais que pela palavra e que se quisermos deixar algo para os filhos deixemos legado e nunca herança.

Consultas sobre finanças e previdência: (41) 3013-1483

Estamos ficando velhos!

Queridos amigos ouvintes, depois de mais de uma década falando aqui que devemos pensar numa previdência privada, que devemos nos preparar para viver mais, tem gente que ainda trata isso com descaso.
Então vamos à notícia divulgada pelo IBGE ontem: um em cada quatro brasileiros terá 65 anos ou mais em 2060, o correspondente a 58,2 milhões de pessoas ou 25,5% do total da população.
A expectativa de vida ao nascer chegou em 2018 a 72,7 anos para homens e 79,8 anos para as mulheres, mas continuará crescendo para 77,9 anos e 84,2 anos, respectivamente, em 2060.
Agora, um dado importantíssimo para enaltecer a gravidade da situação: como a nossa taxa de mortalidade infantil ainda é muito alta, bem como a taxa de mortalidade na juventude- devido aos acidentes de trânsito e à insegurança- isso afeta muito a expectativa de vida ao nascer.
Agora, passadas essas duas fases críticas, temos expectativa de sobrevida na idade de aposentadoria próxima a países europeus e aumentando ano a ano. Exemplo: hoje, quem chega aos 60 anos pode ter esperança de viver, em média, até os 84 anos. Vinte e quatro anos como idoso. Imaginem quanto será em 2060!
Perceberam, o que importa para o INSS é a sobrevida de quem chegou na idade de aposentadoria.
Cada ano que passa, aumenta o número de aposentados e pensionistas e estes vivem, felizmente, cada vez mais, o que, infelizmente, afunda a previdência social.
 
Consultas sobre finanças e previdência: (41) 3013-1483

Regras da Portabilidade

Me perguntam ainda o que é portabilidade na previdência privada.
Vamos lá: ela é a possibilidade de você migrar de um plano de previdência privada para outro, mesmo para outro banco ou fundo de pensão, sem pagar nenhum imposto, nem taxa de transferência.

O governo quis flexibilizar a mudança sempre que você estiver descontente com a performance do teu plano- seja porque tem um custo alto ou porque rende pouco-, seja porque o pessoal que te atende não entende de previdência e não consegue responder tua segunda pergunta, ou até porque a instituição já não é mais confiável.
Agora, há duas regras:

• Só há portabilidade para planos com o mesmo tratamento tributário. De um PGBL para outro PGBL, pode. Como também pode de um PGBL para um Fundo de Pensão e vice-versa. Mas não dá para portar de VGBL para PGBL ou Fundo de Pensão e vice -versa;

• Segundo, se, no plano original, você escolheu a tabela regressiva de imposto de renda a ser aplicada na aposentadoria, não dá para mudar para a progressiva. Mas conta o prazo desde a assinatura do primeiro plano;

Por fim, não hesite em mudar. Seja racional. Não se deixe levar pelo cafezinho gostoso e o gerente gentil. O que importa mesmo é a poupança previdenciária que a instituição vai te ajudar a construir e o conhecimento técnico para isso.

Consultas sobre finanças e previdência: (41) 3013-1483