O Coritiba foi campeão brasileiro há 34 anos

.

Veja no vídeo abaixo um fato histórico do futebol paranaense. Em 1985 o Coritiba foi campeão brasileiro. Foi a primeira vez que um time do estado conquistou o título. E se você se interessa pelo tema,  clique aqui para abrir o grupo “Memória do Futebol no Brasil”. E aqui está o grupo “Futebol Paranaense Memória”. Ao abrir a página clique em “participar do grupo”.

 

.

.

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui  para abrir a nossa outra coluna, “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

O primeiro comício por eleições diretas foi no Paraná em 1984

Veja no vídeo abaixo como foi o primeiro comício por eleições diretas no Brasil, no dia 12 de janeiro de 1984, em Curitiba. O comício serviu como um teste de adesão,  organizado pelo PMDB paranaense. Animados pela grande participação popular, os políticos oposicionistas dos demais estados fizeram outros comícios  a seguir.

 

 

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui  para abrir a nossa coluna “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

jose.wille

A história da primeira rua exclusiva para pedestres do Brasil em Curitiba

 

Este vídeo traz a história da primeira rua exclusiva para pedestres do Brasil. O prefeito de Curitiba na época, Jaime Lerner, conta como foi a construção do Calçadão da Rua XV, em maio de 1972.

E clique aqui para conhecer o grupo “Memória de Curitiba” no Facebook. O grupo foi criado por esta coluna para preservar a história da cidade. Ao abrir a página, clique em “participar do grupo”.

 

 

 

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui  para abrir a nossa coluna “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

 

História da imigração holandesa no Paraná

 

Este vídeo traz um resumo histórico sobre a colonização holandesa no Paraná, que construiu  cooperativas de alta produção e qualidade.

Clique aqui para conhecer o grupo Memória Paranaense, criado por este portal no Facebook. Ao abrir a página, clique em “participar do grupo”. E ajude a preservar esta história.

 

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui para abrir a nossa coluna “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

 

A visita do Papa João Paulo ao Paraná em 1980

 

Um dos dias mais importantes da história do Paraná foi a visita do Papa João Paulo II em 1980. Ele esteve por dois dias em Curitiba, e levou uma concentração popular gigante ao Centro Cívico. Um bosque na cidade foi criado em homenagem ao Papa, e também à grande colônia polonesa do Paraná. Veja como foi no vídeo desta página.      * A foto de capa é do site “Curitiba Antiga”.

E se você se interessa pela nossa história, clique aqui para conhecer o grupo “Memória Paranaense” no Facebook, criado por esta coluna. Ao abrir a página, clique em “participar do grupo”.

 

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Contato com José Wille.

 

 

Defesa de Lula repudia “campanha difamatória” de revista

Em reportagem divulgada neste sábado (14) a revista Veja aponta que a Procuradoria Geral da República (PGR) tem provas de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Siva, seria o comandante de todo o esquema de corrupção e lavagem de dinheiro  que envolve a Operação Lava Jato.

A revista alega ter tido acesso as provas colhidas pelos procuradores, como mensagens de texto, extratos bancários e telefônicos que estaria tentando impedir depoimentos à Operação Lava Jato, para evitar o envolvimento dele, cometendo o crime de obstrução da justiça, que prevê até oito anos de prisão.

A matéria aponta que existem diversas investigações contra o ex-presidente, como por tráfico de influências, corrupção e lavagem, entre outros.

A defesa do ex-presidente negou a acusação por meio de nota na noite deste sábado e afirmou que o material produzido pela revista é irresponsável e foi feito com provas infundadas.

Veja a nota na íntegra: 

“É inaceitável e absolutamente fantasiosa a reportagem de Veja, em circulação (edição14.05.2016 – “PGR não tem mais dúvidas de que Lula comandou trama contra a Lava Jato”). A defesa do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva repudia a campanha difamatória a que seu cliente está submetido e identifica essa matéria como mais um capítulo da campanha urdida e alimentada por alguns agentes públicos e setores da imprensa descomprometidos com a realidade dos fatos e com o Direito.

Veja afirma que teve acesso a peça processual elaborada pelo Procurador Geral da República anexada a processo que tramita sob segredo de justiça no Supremo Tribunal Federal. O ilegal vazamento desse documento mostra a tentativa  de superar a sua evidente fragilidade jurídica. Põe-se em movimento uma mecânica perniciosa: a fantasiosa versão ganha ares de veracidade simplesmente porque estampada na imprensa!

O ex-Presidente Lula já esclareceu em depoimento prestado à Procuradoria Geral da República, em 08.04.2016, que jamais conversou com o ex-Senador Delcídio do Amaral ou qualquer  outra pessoa, objetivando interferir na conduta do condenado Nestor Cerveró ou em qualquer outro assunto relativo à operação Lava Jato.

O acordo de delação premiada negociado entre o Ministério Público Federal e Delcídio do Amaral com a finalidade de permitir que este último saísse da prisão e tivesse as penas abrandadas não tem o condão de alterar essa realidade. Primeiro, porque delação premiada não é meio de prova, mas “meio de obtenção de prova”, como já decidiu o Supremo Tribunal Federal (IQ 4.130-QO). Segundo, porque a narrativa apresentada por Delcídio como parte desse acordo em relação a Lula é mentirosa e incompatível  com afirmações anteriores, emitidas de forma espontânea. Exemplo disso é a gravação feita por Bernardo Cerveró, divulgada pela imprensa, em que Delcídio não menciona qualquer atuação  do ex-Presidente em relação a Nestor Cerveró ou à Lava Jato.

Os depoimentos prestados por Nestor Cerveró nos processos da Lava Jato deixam claro que quem de fato tinha temor das revelações era Delcídio, pois a ele vieram ser imputadas graves acusações.

O Procurador Geral da República também fez referência a chamadas telefônicas entre um número atribuído a José Carlos Bumlai e a outro que seria utilizado por Lula. No entanto, os extratos anexados na peça processual revelam apenas a existência de chamadas entre dois terminais. Não permitem concluir que as pessoas referidas efetivamente conversaram e muito menos saber o assunto tratado.

Também é citado um e-mail do Instituto Lula no qual é citada uma reunião agendada entre o ex-Presidente e Delcídio do Amaral. O documento apenas demonstra que Delcídio pediu uma reunião com Lula e nada mais. Lula já esclareceu em depoimento que seus contatos se restringiam à função de Delcídio como líder do governo. 

O ex-Presidente já foi submetido a condução coercitiva que o privou da liberdade sem previsão legal, além de ter sofrido reprovável devassa em sua vida, na de seus familiares e até mesmo na relação com seus advogados. Nem mesmo esse abuso de autoridade permitiu a identificação de qualquer elemento que pudesse indicar a prática de um ato ilícito, como não poderia deixar de ser.

Não há, assim, justa causa para qualquer ação penal contra o ex-Presidente Lula, sendo reprovável essa iniciativa do Procurador Geral da República e o vazamento do documento embalado por tese mentirosa, como a divulgada por Veja.”