MP emite recomendação administrativa a organizador de rodeio no Paraná

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) emitiu, nesta terça-feira (7), uma recomendação administrativa ao organizador de um rodeio que vai acontecer em Campina da Lagoa, região central do Paraná, a partir desta quinta-feira (9) até domingo (12) deste mês. O evento ainda não atende os requisitos legais para ser realizado, sem ter nem sequer um alvará da prefeitura do município.

Segundo a Lei 10.519/2002, cabe ao organizador prover “infraestrutura completa para atendimento médico, com ambulância de plantão e equipe de primeiros socorros, com presença obrigatória de clínico geral”, “médico veterinário habilitado, responsável pela garantia da boa condição física e sanitária dos animais e pelo cumprimento das normas disciplinadoras, impedindo maus tratos e injúrias de qualquer ordem”, ” transporte dos animais em veículos apropriados e instalação de infraestrutura que garanta a integridade física deles durante sua chegada, acomodação e alimentação” e “rena das competições e bretes cercados com material resistente e com piso de areia ou outro material acolchoador, próprio para o amortecimento do impacto de eventual queda do peão de boiadeiro ou do animal montado”.

Foi estabelecido um prazo de 24 horas para que o responsável atenda todas as recomendações do MP-PR, sob pena das medidas judiciais cabíveis – responsabilização cível, administrativa e criminal).

LEIA TAMBÉM:

Peão morre após ser pisoteado por touro em rodeio

O peão de rodeios Uéliton Flávio de Oliveira, 24, morreu na noite deste domingo (8) ao ser pisoteado por um touro enquanto participava de uma exposição agropecuária em Paranaíba (MS). É a segunda morte de peões na atual temporada de rodeios no país. Oliveira disputava a semifinal da montaria em touros da 56ª edição da Expopar (Exposição Agropecuária de Paranaíba) e, ao cair do touro, foi atingido na nuca pelas patas do animal e ficou imóvel no chão.

Nas arquibancadas, a tensão tomou conta do público presente. Imediatamente após ser pisoteado, o locutor de rodeios pediu que a assistência médica entrasse na pista para atender Oliveira.
Ele foi socorrido e encaminhado a um hospital, mas não resistiu à gravidade do ferimento e morreu, segundo o organizador do rodeio, Bruno Cicuto.

O acidente encerrou as competições e a Polícia Civil foi chamada. “Estamos muito tristes, foi uma fatalidade. O que ocorreu pode acontecer em todos os rodeios, é um esporte muito perigoso”, disse o organizador.

Na montaria, Oliveira utilizava itens de segurança, como colete e capacete. O peão estava em 11º lugar na classificação geral e precisava de uma boa montaria para ter chance de título no rodeio. O vencedor do evento levou um prêmio de R$ 15 mil.

Ainda de acordo com Cicuto, a empresa amparou o trabalhador pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Nacional) e também com seguros de vida.

Por meio de um comunicado, a Expopar informou “não ter palavras para descrever” a tristeza com a morte do peão. “A noite de domingo foi muito triste para Paranaíba, perdemos um herói que representava nossa cidade nos rodeios do Brasil e será esta imagem que vamos guardar dele.”

O peão era de Santa Fé do Sul (SP), mas morava em Paranaíba e era muito conhecido na cidade. O corpo do competidor foi enterrado nesta segunda-feira (9) na cidade sul-mato-grossense.
Antes de Oliveira, em maio um outro peão morreu em arenas de rodeios no país. Giliard Antônio, 24, também foi pisoteado por um touro e morreu ao competir na 46ª Expoingá (Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Maringá).

O evento na cidade paranaense foi promovido pela PBR (Professional Bull Riders), que informou que todos os procedimentos necessários foram tomados pela equipe médica ainda no local.

REGRAS DA MONTARIA EM TOURO
Objetivo
Peão precisa ficar oito segundos montado no touro para pontuar; se cair antes, a nota é zero
Pontuação
São avaliados os desempenhos do peão e do animal, com no máximo 50 pontos para cada um; a soma deles é a nota do participante. Montarias consideradas boas recebem acima de 85 pontos
O que não pode
Peão deve usar só uma mão na montaria; se encostar a outra no touro, é desclassificado. Também não é permitido “enroscar” a espora na corda para buscar firmeza
Segurança do touro
Espora pontiaguda é proibida, para não machucar o animal
Segurança do peão
Competidor pode optar por usar capacete e/ou colete

Peão morre ao ser pisoteado durante rodeio em Maringá

O peão Giliard Antônio da Silva, de 24 anos, morreu ao ser pisoteado por um touro durante o rodeio da Expoingá, em Maringá, noroeste do Paraná. O caso ocorreu na noite de domingo (13) durante a montaria no touro Cineasta, de 1 tonelada. Giliard caiu e foi pisoteado pelo animal. Em seguida ele levantou e tentou correr, mas caiu desmaiado.

Médicos constataram uma fratura na cervical. Socorristas tentaram a reanimação, mas, o peão não demonstrou reação. Na última sexta-feira, em entrevista à Rede Massa, Giliard admitiu que nunca deixou de sentir medo, mas a confiança ainda era maior.

“Da um pouquinho, mas a fé é maior que o medo e isso supera tudo. A expectativa é grande, mas eu estou confiante”, afirmou.

Giliard da Silva era considerado um dos melhores competidores do Brasil. Em 2016 sofreu uma contusão e ficou afastado das arenas. A prova de ontem (13) era a segunda competição após o retorno aos rodeios. Nos próximos meses, ele embarcaria para os Estados Unidos onde iria competir.

Natural de Minas Gerais, o homem deixa uma esposa e uma filha de um ano. Por meio de nota, a PBR (Professional Bull Riders) diz lamentar o ocorrido e, ainda, que presta todo suporte à família do competidor.

Começou a etapa de rodeios da 45ª Expoingá

Pela primeira vez em Maringá, a Professional Bull Riders (PBR) abre a etapa de rodeios da Expoingá. O evento aconteceu nesta sexta-feira (12), na Arena do Parque de Exposições Francisco Feio Ribeiro.

O rodeio, que vai até domingo (14), fecha os eventos da 45ª Exposição Feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Maringá.

Durante três dias, a arena de shows e rodeio receberá 25 competidores, para as disputas do Monster Energy PBR. Os rounds ocorrem até domingo, quando também é realizada a final, com os oito mais bem colocados. Os pontos conquistados em Maringá são válidos para os rankings nacional e internacional.

A PBR chega com grande expectativa para a 5ª maior feira agropecuário do país. “Estamos felizes em trazer um evento deste nível para a Maringá. Temos muitos fãs deste esporte por aqui e tenho certeza que será uma das etapas mais disputadas”, diz Adriano Moraes, tricampeão mundial da modalidade e diretor de competições da PBR no Brasil.

Os ingressos podem ser adquiridospelo site www.totalacesso.com/evento/expoinga_2017ou nas bilheterias do Parque.

Os atletas

Tanto os homens quanto os touros são considerados atletas e suas apresentações valem notas, que podem chegar aos 100 pontos máximos. A somatória deste total é feita de 50% dos competidores e 50% dos animais.

Entre os destaques está o paranaense Márcio Roberto, de São Carlos do Ivaí, os irmãos Romário Leite, Wilton Leite e William Leite (Brotas), além do atual líder do campeonato, José Vitor Leme, de Ribas do Rio Pardo (MS). Os touros são das companhias F. Bulls, Império, Paulo Emílio, PH, Rancho 3 Irmãos/Floreal e Tércio Miranda.

A PBR

Criada em 1994, a PBR é a maior organização mundial de montaria em touros e um fenômeno desportivo global, presente nos Estados Unidos, Brasil, Canadá, México e Austrália, e foi constituída pela união de 20 competidores, que acreditaram que o sonho em comum se tornaria realidade.

Hoje, as transmissões da PBR atingem mais de meio bilhão de domicílios em 40 nações e territórios pelo mundo e levam milhões de pessoas nas 250 etapas por onde passa no mundo, como em Las Vegas, nos Estados Unidos, e Barretos, no Brasil.

O mundial da categoria é o Built Ford Tough Series, responsável por reunir 35 dos melhores atletas da modalidade, de diferentes nacionalidades, que viajam pelos Estados Unidos disputando etapas em busca de pontos para o tão sonhado título e do milionário prêmio de US$ 1 milhão de dólares.

A empresa também tem revelado grandes nomes do esporte, como os brasileiros Adriano Moraes e Silvano Alves, ambos os únicos tricampeões da modalidade. Eles se unem a outros atletas brasileiros e, juntos, deixa o Brasil com nove títulos mundiais nessas 23 finais realizades até hoje.

No Brasil, a PBR está presente desde 2006, promovendo campeonatos nas arenas dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná. Suas principais etapas são realizadas dentro dos maiores eventos agropecuários e rodeios nessas regiões.

Manejo dos touros

A PBR possui diretrizes globais de atenção e cuidados com os animais que participam de suas competições, os quais são tratados com todo respeito.

A empresa está inteiramente comprometida em assegurar a saúde, a integridade e o respeito a cada animal que entra em suas arenas. Todos os eventos estão amparados pelas leis federais, que regulamentam a montaria em touros.

Prefeito tem bens bloqueados por permitir rodeio sem autorização da Justiça

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) determinou que R$ 80 mil dos bens do prefeito de Itaipulândia, Miguel Bayerle, fossem bloqueados. Além dele, o MP-PR determinou que a procuradora jurídica e a secretária municipal de administração também fossem incluídas na ação.

A Promotoria de Justiça da Comarca de São Miguel do Iguaçu, que inclui Itaipulândia, ajuizou a ação pelo fato do gestor municipal, da secretária e da procuradora terem descumprido ordem judicial que determinava a proibição de um rodeio na cidade.  Os três foram intimados pouco antes do evento, mas mesmo assim não acataram a determinação da Justiça.

Além de solicitar liminarmente a indisponibilidade de bens dos agentes públicos, no mérito da ação, o MP-PR requer a condenação dos três ao ressarcimento integral do dano causado ao erário, no montante de R$ 80 mil, e às sanções previstas pela Lei de Improbidade Administrativa (8.429/92), o que pode levar à perda da função pública, suspensão dos direitos políticos e multa.

A liminar que proibiu a realização do rodeio atendeu ação da Promotoria de Justiça de São Miguel do Iguaçu, que buscava, com o cancelamento do evento, evitar a prática de maus-tratos contra animais. A liminar descumprida impunha multa diária de R$ 80 mil, caso o rodeio fosse efetivado.