A construção da Refinaria da Petrobrás em Araucária

Este vídeo mostra a história da cidade de  Araucária, e da construção da Refinaria da Petrobrás. Clique aqui para encontrar o grupo de memória da cidade, criado por esta coluna no Facebook. E aqui está o grupo “Memória Paranaense”. Ao abrir as páginas, clique em “participar do grupo”.

 

 

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna

 

Contato com José Wille

 

 

 

Como era Curitiba nos anos 1980

 

Veja um resumo da história de Curitiba nos anos 1980, uma década de grave crise econômica, mas com muitas inovações que deram fama, trouxeram turismo e novas empresas para a capital do Paraná.

Clique aqui para encontrar o grupo “Memória de Curitiba” no Facebook, criado por esta coluna. Ao abrir, clique em “participar do grupo”.  E aqui está o grupo “Memória Paranaense”.

 

 

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Contato com José Wille.

 

orange is the new black série temporada final

Temporada final de ‘Orange Is the New Black’ reforça o pioneirismo do seriado

“Orange Is the New Black”, que estreou há seis anos, sempre teve a ambição de revolucionar o jeito como se faz e como se assiste a uma série de TV. Com base numa história real, contava o drama de Piper Chapman (Taylor Schilling), uma mulher branca, de 30 e poucos anos, classe média alta, que vai parar num presídio por um crime bobo que cometera dez anos antes.

Ela entra na prisão de Litchfield e junto leva o espectador para um mundo de mulheres que raramente estão no centro da narrativa -negras, imigrantes, latinas, transexuais, pobres, velhas, gordas, viciadas, doentes mentais etc.

Obras com mulheres protagonistas não são raridade na TV, mas tanta diversidade num mesmo seriado é inédita num programa americano.

Além disso ainda era novidade o conceito de “binge watching”, assistir tudo de uma vez, ou vários episódios numa só sentada, que a Netflix introduziu, lançando todos os capítulos ao mesmo tempo.

Com a sétima e última temporada no ar desde a semana passada, a série se despede como a pioneira que sempre foi e com alguns dos melhores episódios em anos.

Se as últimas duas temporadas tropeçaram, a nova está à altura das primeiras quatro, as realmente geniais. A quarta mostrou como a privatização da penitenciária tornou a vida das presas ainda mais difícil. A quinta, a mais fraca delas, se passou inteira num período de 72 horas, durante uma revolta no presídio. A sexta lidou com as diferenças entre as cadeias de mínima e de máxima segurança, para a qual algumas presas foram transportadas depois.

E acabou com uma surpresa: Piper saiu da prisão. E, fora dela, volta a ser uma personagem central na trama, enquanto tenta se entender com a vida pós-xadrez e com o relacionamento à distância com sua mulher, Alex Vause (Laura Prepon, de “That ’70s Show”).

Atrás das grades, os 13 episódios vão apresentando os destinos de cada uma das mulheres mais importantes do programa e introduzem dois temas bem atuais, a prisão e deportação de imigrantes ilegais e o MeToo, movimento feminista contra o assédio sexual.

As cenas de flashback continuam a ser alguns dos melhores momentos, mas agora competem com as cenas atuais que se passam fora da prisão. Contrastando com a relativa boa situação de Piper, a série acompanha a nova vida de Black Cindy (Adrienne Moore), que também foi libertada mas não tem para onde ir. Vive na rua e trabalha como voluntária num asilo.

Duas personagens importantes lidam com a mudança de suas penas para prisão perpétua, Taystee (Danielle Brooks) e Daya (Dascha Polanco).

A primeira se revolta, sua sentença é injusta e ela não consegue reverter, apesar do esforço e da ajuda de Joe Caputo (Nick Sandow), o ex-chefão de Litchfield. E Daya mergulha na heroína, que usa sem parar e vende para as outras presas com a ajuda de sua mãe, Aleida (Elizabeth Rodriguez), que também foi libertada e mora com um guarda da prisão.

As vidas de Nicky (Natasha Lyonne), Red (Kate Mulgrew), Lorna (Yael Stone) e Pennsatucky (Taryn Manning) se transformam completamente. Mas os momentos mais dramáticos acontecem na ala das imigrantes, para onde Maritza (Diane Guerrero) acaba voltando depois de ser libertada e onde entra uma nova personagem, Karla (Karina Arroyave). O tratamento que se dá às ilegais que querem entrar nos Estados Unidos parece pior que a prisão.

ORANGE IS THE NEW BLACK
Avaliação: Excelente
Onde: Netflix

canal off série paranaense

Paranaense participa de série do Canal OFF sobre a Patagônia

O fotógrafo paranaense Braian Baldrati é um dos participantes da série “Patagônia: O Próximo Passo”. Com quatro episódios, o resultado de uma imersão de 10 dias pelo território argentino e será exibida no Canal OFF. O primeiro deles vai ao ar nesta sexta-feira (12), às 21h30.

No entanto, já nesta quinta-feira (11), às 19h, o Refúgio Patagônia Itupava, em Curitiba, vai exibir o teaser do programa com a presença do paranaense Braian Baldrati. O bar fica localizado na Rua Itupava, número 1498, no bairro Alto da Glória.

Braian esteve ao lado de Diogo Guerreiro, de Florianópolis, para desbravar a região de Bariloche. Diogo é atleta de windsurf que possui dois recordes no Guiness Book. Primeiro ele registrou a maior viagem da modalidade, percorrendo 8.120 km do Oiapoque, no Amapá, ao Chuí, no Rio Grande do Sul. Depois disso, protagonizou a maior jordana oceânica: foi de Fernando de Noronha à Natal. Ou seja, viajou por 400 km de maneira ininterrupta. 

Assim, a dupla trabalhou para desbravar os rios, as montanhas e termas vulcânicas. Os dois tiveram que aliar suas habilidades e interesses para criar a série tão esperada.

A SÉRIE

“Patagônia: O Próximo Passo” mostra que é possível explorar em qualquer lugar. Seja uma paisagem, um sabor, uma aventura e uma nova amizade. Em meio a paisagem montanhosa e com clima severo, Braian e Diogo mostram os arredores de São Carlos de Bariloche, justamente o berço da cervejaria Patagônia.

O programa é resultado de um trabalho inédito entre a Cerveza Patagonia e o Canal OFF. “O instinto do wanderlust, nosso consumidor, é sempre descobrir novos rumos e sair do lugar comum. Essa parceria proporcionou a oportunidade de mostrar um lugar tão especial que é Bariloche, nosso ponto de origem e fonte de inspiração”, disse o brand manager da Cerveza Patagonia, Guilherme Almeida.

A história da formação de Vila Velha no Paraná

 

Veja neste vídeo como foi a formação geológica de Vila Velha, em Ponta Grossa. E conheça o grupo “Ponta Grossa Memória“, criado por esta coluna, no Facebook.  Veja também o grupo “Memória Paranaense“.  Clique nos títulos para abrir as páginas. E depois clique em “participar do grupo”. E ajude a escrever esta histórias.

 

 

 

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui  para abrir a nossa outra coluna, “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

 

 

Criadora de ‘Friends’ diz ser contra o retorno da série

Criadora de uma das séries mais comentadas até hoje, Marta Kauffman reforçou em entrevista à revista americana Rolling Stones que não existe nenhuma intenção de escrever novos episódios para “Friends”.

“A série é sobre uma época da vida em que os seus amigos são a sua família. [Hoje] Não é mais essa época. Tudo que nós estaríamos fazendo seria reunir esses seis atores, mais uma vez, mas o coração da série teria ido embora”, explica Kauffman.

“Também não sei que bem faria. A série está indo muito bem, as pessoas a amam. Uma reunião poderia desapontar”, continuou.

“Friends” encerrou sua história em 2004, e atualmente pode ser vista na plataforma de streaming Netflix. A roteirista acredita que a série faz sucesso até os dias de hoje por ser positiva. “É acolhedora, os personagens amam uns aos outros. O que há para não amar à respeito da série?”.

Série paranaense sobre jornalismo investigativo e corrupção estreia na TV

Uma produção paranaense teve sua pré-estreia transmitida em rede nacional na noite desta segunda-feira (21). A série Contracapa vai ser exibida a partir do dia 28, sempre à 00h45, com dois episódios seguidos, nos canais TV Brasil e É-Paraná. O seriado, com 13 episódios de 52 minutos cada, conta a história de uma equipe de jornalistas que enfrenta situações de perigo ao investigar um grande esquema de corrupção no Brasil. A crise financeira enfrentada por jornais impressos e os desafios da profissão de jornalista – tanto para os mais experientes quanto para os iniciantes também são retratados na história.

As filmagens foram feitas em Curitiba, entre agosto e novembro de 2017, destacando diversos locais da capital paranaense. Pasko destaca a visibilidade da produção curitibana em nível nacional.

“A gente coloca Curitiba como personagem na série. A gente vê no dia a dia da produção audiovisual brasileira muita paisagem do eixo Rio-São Paulo e esporádicamente o Nordeste. A série inclusive se passa no inverno. É o nosso jeito de ser”, explica o diretor-geral do programa, Guto Pasko.

A produção da empresa paranaense GP7 foi selecionada na segunda edição da Chamada Pública para a Produção de Conteúdo para TVs Públicas em 2015, dentro do programa Brasil de Todas as Telas. A série contou com investimentos do Fundo Setorial do Audiovisual, é a primeira ficcional de grande porte produzida no Paraná. Todo o elenco, de 107 atores, é formado por paranaenses.

A equipe técnica também é local. A exceção é o argentino Franco Verdoia, que assina a codireção do projeto. A presença dele na equipe vem de forma estratégica, com a intenção de expandir o alcance da produção.

“Um codiretor estrangeiro ajuda a trajetória da série no mercado internacional. A gente está bastante otimista e estamos trabalhando na segunda temporada dela. Esperamos que ela tenha repercussão suficiente para desenvolvermos a segunda temporada que está com o projeto desenvolvido”, diz Pasko.

As exibições começam a partir do dia 28, sempre à meia-noite e quarenta e cinco, com dois episódios seguidos. Confira o trailer:

Série CONTRACAPA from GP7 Cinema on Vimeo.

Última temporada de ‘Game of Thrones’ estreia em abril de 2019 e ganha teaser

A HBO divulgou nesta terça-feira (13) o mês de estreia da oitava e última temporada de “Game of Thrones”. A série, que se passa em cenário medieval e é recordista de Emmy, será lançada em abril de 2019 e terá seis episódios.
O anúncio foi feito através de uma publicação no perfil oficial da série no Twitter, junto a um teaser que reúne cenas das últimas temporadas.

A sétima temporada da série foi exibida em 2017 e sua história deve ser continuada nos novos episódios  inspirados livremente nos seis livros que já existem da saga.

Na TV, a trama de GoT já ultrapassou o tempo da ação de seus livros. A última temporada enfrentou vários problemas de vazamento e a crítica da trama, já sem o suporte dos livros, ficou dividida. Mesmo assim, a série foi mais uma vez a recordista de indicações no Emmy.

Apesar de ter avançado no tempo, os livros não pararam de ser escritos e publicados. A editora Companhia das Letras anunciou no início deste ano que adquiriu o direito de “Fire & Blood”, o mais novo livro da saga de George R.R. Martin, que no Brasil terá o título literal de “Fogo & Sangue”. Na ocasião, a editora confirmou o lançamento para novembro de 2018, junto com a publicação americana.

Enquanto isso, uma série piloto com trama que se passa no universo de “Game of Thrones” está sendo produzida. A série se passará anos antes das temporadas de GoT e já tem Naomi Watts como atriz confirmada no elenco.

A HBO ainda estuda lançar mais quatro séries que se passarão no universo de Got, mas o escritor da obra, George R.R. Martin, já garantiu que nenhum personagem da série atual estará nas novas produções.

História do Centro Cívico do Paraná

 

Veja neste vídeo a história do Centro Cívico de Curitiba, construído na gestão do governador Bento Munhoz da Rocha, nos anos 1950.

Clique aqui para conhecer o grupo “Memória Paranaense”, criado por esta coluna para preservar a memória. Ao abrir a página, clique em “participar do grupo”.  E aqui está o grupo “Memória de Curitiba”.

 

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna.

Contato com José Wille.

 

Série Lucifer terá quarta temporada na Netflix após ser cancelada pelo canal Fox

A declaração de Tom Ellis dada no final de maio de que a série não ficaria muito tempo cancelada se confirmou nesta sexta-feira (15), quando a Netflix anunciou que produzirá a quarta temporada da atração.

Em maio passado, a série foi cancelada pela Fox e, desde então, os fãs se uniram para fazer campanha e pedir o retorno de “Lucifer”. “Obrigado a todos os fãs de #Lucifer. Vocês nos trouxeram de volta. Vocês fizeram isso.

elaxem, respirem fundo, coloquem um pouco de gelo nos dedos que vocês estão provocando uma tempestade e prepare-se para mais ‘deviltime'”, disse o showrunner da série, Joe Henderson, em seu perfil no Twitter.

Lucifer, interpretado por Tom Ellis,  bdica do seu trono e se muda para Los Angeles onde se torna o dono de um dos bares mais badalados da cidade. Após um encontro com a detetive Chloe Decker (Lauren German), Lucy começa a trabalhar como consultor para o Departamento de Polícia de Los Angeles.

Essa foi a segunda série cancelada pela Fox neste semestre. A primeira foi Brooklyn Nine-Nine, que já resgatada pela rival NBC. No Brasil, o seriado era transmitido pelo canal Universal.