Mulher se joga de altura de 30 metros para não ser atropelada por trem

Para não ser atropelada por trem, mulher se joga de viaduto durante trilha no PR

Uma mulher ficou ferida após se jogar de uma altura de 30 metros para não ser atropelada por um trem, na Serra do Mar do Paraná, no último sábado (8). A vítima, de 24 anos, estava com outras 15 pessoas fazendo uma trilha quando o acidente aconteceu.

De acordo com o COSMO (Corpo de Socorro em Montanha), o grupo caminhava sobre os trilhos do trem quando avistou uma locomotiva. Em seguida, as pessoas se deslocaram para a lateral do trilho, porém, a mulher não encontrou lugar e, para não ser atropelada pelo trem, se atirou do trilho sobre o Viaduto do Carvalho.

Mulher se jogou de altura de 30 metros para não ser atropelada por trem

“Quando eles estavam no viaduto, que é o ponto mais turístico da estrada de ferro, eles encontraram com o trem e estavam no meio da ponte, não deu tempo de saírem da ponte. Ela pulou e caiu em uma encosta. Desceu nessa encosta se machucando…alguns amigos desceram até ela e outros foram até o parque, onde tem dois plantonistas, que acabaram ajudaram”, detalhou Ronaldo Franzen, montanhista que participou do resgate.

O acidente aconteceu por volta das 18h, quando parte do grupo pediu socorro na base do COSMO, no Parque Marumbi. Em seguida, dois montanhistas voluntários desceram até o local indicado e encontraram a vítima caída sobre os escombros de algumas dormentes e às fundações do viaduto.

“O que mais demorou foi estabilizar ela, fazer curativos…ela estava com o punho quebrado e cortes na face. Depois, conseguimos puxar ela para a linha do trem e o Corpo de Bombeiros (CB) levou ela para o hospital”, finalizou Franzen. A mulher foi encaminhada para o Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá, e não corre risco de morte.

mulher-se-joga-trilho-trem-parana-
A mulher caiu de uma altura de 30 metros (Foto: Divulgação/COSMO)

Ainda segundo o COSMO, em 2019 foram atendidas 33 ocorrências, sendo oito de alta gravidade e quatro de visitantes que faziam o Caminho do Itupava pelo trilho. “A recomendação é que o pessoal faça o caminho integral e não ande pelo trilho. O trilho não é o caminho, é proibido inclusive”, alertou o montanhista voluntário.

caminhão pega fogo br 376 sentido santa catarina

Caminhão pega fogo na BR 376, em Guaratuba; pista está interditada

Um caminhão pegou fogo na manhã desta quarta-feira (18), na BR 376, sentido Santa Catarina.

Segundo informações da PRF (Polícia Rodoviária Federal), a pista da BR 376, na altura do km 679, está totalmente interditada por conta do incêndio.

A PRF informou que não há vítimas no local.

O motorista disse que  foi avisado de um princípio de incêndio em um dos eixos do semirreboque. Ele parou no acostamento e conseguiu desatrelar o caminhão. O veículo transportava fios de cobre.

Ocorrência foi atendida pelo Corpo de Bombeiros de Garuva (SC). Bombeiros estão aguardando a chegada de mais água, em um caminhão-pipa da concessionária Litoral Sul.

A fila de carros já passa dos 5 km.

A pista está fechada já em frente à unidade operacional da PRF, no quilômetro 662 da BR-376, para evitar o final de fila no trecho mais sinuoso da Serra do Mar.

O motorista que está na BR deve ficar atento à sinalização.

 

Bombeiros e voluntários fazem resgate de adolescente na Serra do Mar

Uma adolescente de 15 anos foi encaminhada pelo helicóptero Falcão 4, do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA) , na manhã deste domingo (17), após sofrer uma queda e se ferir na trilha do Parque Estadual Pico do Marumbi, no litoral do estado.

Equipes do Grupo de Operações de Socorro Tático (GOST), do Corpo de Bombeiros, e do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA) trabalharam por quase 20 horas para socorrer a vítima.

A adolescente fazia a trilha com um grupo de 4o pessoas, na tarde deste sábado (16), quando sofreu uma queda e ficou ferida. Segundo informações do tenente Luiz Henrique Vojciechovski, do GOST, a jovem caiu de uma altura de cinco a seis metros e teve escoriações, além de ter batido a cabeça. Ela chegou a ficar inconsciente.

Houve suspeita inicial de fratura na região do quadril. No entanto, as equipes que fazem este atendimento não conseguiram determinar qual a lesão que a adolescente tem.

Ela foi socorrida ainda na tarde deste sábado por dois voluntários do COSMO, o Corpo de Socorro em Montanha, que atua no Parque Estadual do Pico do Marumbi, além de bombeiros e da equipe do BPMOA. Quando tudo estava pronto para o resgate por helicóptero, as condições climáticas não permitiram o transporte aéreo.

De acordo com Vojciechovski, sete pessoas permaneceram com a jovem no local do acidente: dois voluntários, um tripulante do BPMOA e quatro bombeiros do GOST. O grupo que a acompanhava desceu até a base da trilha por questões de segurança.

Com a melhora das condições, por volta das 10h da manhã de hoje, a aeronave regressou ao local para dar continuidade à operação de salvamento. A vítima foi embarcada e transportada até o Hospital do Trabalhador, em Curitiba.  O estado de saúde dela é estável.

*matéria atualizada às 12h44

acidente, motociclista, moto, br-376, guaratuba, paraná, santa catarina, garuva, serra do mar, queda, atropelado, atropelamento, rodovia, prf, polícia rodoviária federal

Motociclista morre após cair e ser atropelado na BR-376

Um motociclista de 53 anos morreu após cair na BR-376, em Guaratuba, no litoral do Paraná. Conforme a PRF (Polícia Rodoviária Federal), a vítima foi atropelada depois da queda.

O motorista do outro veículo envolvido no acidente fugiu sem prestar socorro e ainda não foi localizado.

O acidente aconteceu na tarde desta segunda-feira (7), na altura do km 667, na pista sentido Santa Catarina. A faixa que liga o Paraná ao estado vizinho precisou ser interditada.

Por volta das 15h30, a PRF ainda aguardava a chegada do IML (Instituto Médico-Legal) para a realização do exames de perícia.

Até a publicação da reportagem não havia previsão de liberação do trecho. As filas na BR-376 já ultrapassavam os seis quilômetros em Guaratuba.

Cidades turísticas pedem a volta dos trens de passageiros no Paraná

 

A cidade da Lapa lidera o movimento que pede a volta dos trens de passageiros nas cidades turísticas. Veja no vídeo abaixo.

Se você se interessa pelo tema, clique aqui para encontrar um grupo criado por esta coluna. Ao abrir a página no Facebook, clique em “participar do grupo”.

 

 

Clique aqui para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Contato com José Wille.

 

 

Litoral, Serra do Mar

Serra do Mar será mapeada para prevenir desastres naturais

Foi apresentada na Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil, no Palácio das Araucárias, nesta quinta-feira (29), a Carta Geotécnica Síntese, que trata da adequabilidade da ocupação na Região Leste da Serra do Mar.

Elaborada pelo Núcleo de Geologia da Defesa Civil Estadual, a Carta engloba as áreas suscetíveis em Morretes e Paranaguá, focando prevenção de ocorrências de desastres naturais nestes municípios que foram fortemente afetados no desastre de 2011.

A Carta foi desenvolvida com base em mapeamentos geológicos e geotécnicos realizados, inicialmente, pelo geólogo Rogério da Silva Felipe, do Núcleo de Especialistas em Geologia da Defesa Civil. Ele começou o trabalho enquanto atuou na antiga Mineropar, hoje Diretoria de Geologia do Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná-ITCG, vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo.

Há cinco anos, Rogério Felipe começou a trabalhar diretamente na Defesa Civil, dando continuidade ao trabalho junto com a equipe de geólogos da instituição, que conta com mais dois profissionais da área.

O resultado foi a Carta Geotécnica Síntese, que tem foco nessas áreas com maiores possibilidades de acontecer novos episódios semelhantes aos de 2011.

FERRAMENTA

Felipe explica que o trabalho objetiva, a partir da identificação e mapeamento das áreas de riscos e deslizamentos, fluxos de detritos, inundações e alagamentos, ser uma ferramenta aos municípios para possam utilizar essa informação a fim de orientar e disciplinar o planejamento e a ocupação do seu meio físico.

Empresas como Transpetro e Ecovia, também podem utilizar esse mapeamento no planejamento estratégico de obras, identificando por exemplo, locais em que o traçado do oleoduto Olapa ou da BR-277, duas vias muito importantes de escoamento da produção e de transporte, que interceptam áreas suscetíveis aos riscos mapeados.

O coronel Ricardo Silva, coordenador Estadual da Defesa Civil, lembra que desde 2011, o Estado do Paraná vem se empenhando para que as situações vividas em março daquele ano não se repitam. “O trabalho apresentado tem esse objetivo e o sentido primordial do mapeamento é o de melhorar o planejamento urbano dessas áreas”, reforça o cel. Silva.

HISTÓRICO 

Em 2011 já havia uma parceria entre a Defesa Civil e a então Mineropar, quando em 11 de março daquele ano houve o grande desastre natural, após chuvas intensas que causaram deslizamentos de solo da Serra do Mar, principalmente nas localidades de Floresta e do Rio Sagrado.

Todos os municípios do Litoral foram atingidos pelo episódio, sendo que Antonina, Morretes e Paranaguá foram os mais afetados.

A partir deste episódio, a Mineropar desenvolveu um trabalho extensivo de mapeamento a fim de avaliar as questões de uso e ocupação do solo e, consequentemente, os riscos geológicos para a ocupação de determinadas áreas.

EVOLUÇÃO

O coronel Ricardo destaca que a Defesa Civil do Paraná evoluiu muito desde 2011, tanto na tecnologia quanto na produção técnica de relatórios e pesquisas, emissão de alertas, análise de dados espaciais, elaboração de planos de contingência e realização de simulados. “Tudo isso com o objetivo de diminuir o risco, aumentando a resiliência da população”.

Participaram da apresentação, representantes das Prefeituras de Antonina, Morretes e Paranaguá e dos respectivos Núcleos da Defesa Civil locais, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, do Instituto das Águas do Paraná, do ITCG, do Corpo de Bombeiros, da Petrobras Transporte e Ecovia. A Carta será entregue a cada um desses órgãos pela Defesa Civil.

dobro da velocidade br-376 guaratuba prf foto prf

Motorista é flagrado dirigindo com o dobro da velocidade permitida em trecho de serra da BR-376

Um motorista foi flagrado nesta quarta-feira (19), na BR-376, dirigindo a 156 km/h em um trecho de serra. O valor é praticamente o dobro da velocidade máxima permitida neste trecho: 80 km/h. O registro aconteceu em Guaratuba, no litoral do Paraná.

O flagrante foi realizado no quilômetro 672 da rodovia, em um trecho da Serra do Mar.

O proprietário do carro, não identificado pela PRF, receberá em casa uma multa de R$ 880. O motorista também deve responder a um processo administrativo que poderá cassar a carteira nacional de habilitação (CNH).

Neste caso, o motorista está sujeito a uma suspensão de dois a oito meses – podendo chegar a um ano e meio, caso seja reincidente.

+ LEIA TAMBÉMOperação Corpus Christi vai fiscalizar presença de cadeirinhas no Paraná

Dobro da velocidade

A PRF fez uma alerta para os motoristas que dirigem acima do limite máximo permitido. Segundo a instituição, “velocidade incompatível” é a terceira principal causa das mortes em rodovias no Paraná.

A uma velocidade de 156 km/h – praticamente o dobro da velocidade máxima estabelecida naquele trecho de serra –, um carro percorre 43 metros em apenas um segundo.

De janeiro a março deste ano, 13% das 116 pessoas que morreram nas rodovias paranaenses foram vítimas de acidentes causados pelo excesso de velocidade.

Denúncias podem ser feitas à Polícia Rodoviária Federal pelo telefone 191.

A história da Estrada da Graciosa na Serra do Mar

 

A Estrada da Graciosa foi a ligação inicial mais importante da história do Paraná. O primeiro registro sobre este antigo caminho é de 1721. Este vídeo conta a história da trilha que virou uma estrada fundamental para a economia do Paraná até os anos 1960.

E clique aqui para conhecer o grupo “Memória Paranaense” no Facebook, criado por esta coluna. Ao abrir a página, clique em “participar do grupo”.

A fota acima é da década de 1930.

 

.

 

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui  para abrir a nossa outra coluna, “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille.

 

 

jose.wille

 

Carro de luxo é flagrado a 193 km/h pela PRF na BR-376

Um automóvel esportivo de luxo foi flagrado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) transitando a 193 km/h na BR-376 na região de Guaratuba, litoral do Paraná.

O registro foi feito no último sábado (25), em um trecho onde a velocidade máxima permitida é de 80 km/h.

O proprietário do automóvel, um modelo importado Dodge Challenger, foi autuado por infração gravíssima, no valor de R$ 880. Além disso, vai responder a um processo administrativo de suspensão da carteira de habilitação.

De acordo com a PRF, a uma velocidade de 193 km/h, um carro percorre, em apenas um segundo, uma distância superior a 53 metros.

Velocidade incompatível foi a terceira principal causa de mortes em rodovias federais ao longo do primeiro trimestre deste ano no Paraná. Cerca de 13% das 116 pessoas que morreram no período foram vítimas de acidentes provocados por excesso de velocidade.

*Com informações PRF

A construção da Ferrovia da Serra do Mar no século dezenove

 

.

Vídeo da TV Band Curitiba sobre a construção da ferrovia.

 

Uma das maiores realizações da engenharia brasileira foi a construção da ferrovia entre Curitiba e o Litoral do Paraná, no século dezenove. Esta ferrovia era uma grande necessidade para a região.   Em grande parte dos estados brasileiros, a capital ficava a beira mar.  E isso facilitava o acesso por navios , quando as estradas ainda não existiam. Mas em Curitiba a situação era muito diferente. A cidade ficava distante dos portos, separada por uma grande serra, e ainda a cerca de 930 metros de altitude. Tudo isso isolava Curitiba do resto do brasil.

Os produtos importados, ou a produção paranaense que iria ser exportada, tinham que percorrer trechos muito difíceis e perigosos através da serra. Por muito tempo só  caravanas, com o uso de animais, passavam pelo caminho da serra, com muita lentidão. O início do ciclo de produção do mate no Paraná impulsionou a ideia de construir a ferrovia, ligando a capital ao porto, e facilitando o comércio.

Finalmente o trabalho começou em um projeto muito avançado para a época, que  foi apresentado pelos irmãos André Rebouças, Antônio Pereira Rebouças Filho e José Rebouças. Até  hoje esta construção é admirada pelo grande desafio para a engenharia, e a dificuldade da execução , em uma época de trabalho braçal.

As doenças, animais selvagens e os riscos do trabalho na serra, foram os maiores obstáculos.  A inauguração foi no ano de 1885. E até hoje a ferrovia é o principal meio de transporte da produção do Paraná para a exportação.  A nova estrada deu um grande impulso ao desenvolvimento do estado. Curitiba, que era apenas uma vila isolada, passou a ter contato com o resto do Brasil . E o Paraná ganhou expressão e riqueza com as exportações, primeiro do mate, depois a madeira, o café, e hoje com a grande produção agrícola, e com os produtos industrializados. O esforço dos engenheiros e trabalhadores, tornou possível fazer a mais importante obra da história, para Curitiba e o Paraná.

Hoje não há mais trens de passageiros no trecho entre Curitiba e o Litoral. Agora são apenas trens de carga. Mas um dos maiores trens de turismo do Brasil ainda utiliza a antiga ferrovia. O serviço e mantido pela concessionaria Serra Verde Express. E é uma das maiores opções de turismo do Paraná..

.

Clique aqui  para encontrar outras publicações desta coluna.

 

Clique aqui  para abrir a nossa outra coluna, “Sua Comunicação”  neste portal.

 

Contato com José Wille

 

 

 

jose.wille