Operação da polícia investiga tráfico de drogas na capital

Os bairros do Parolim e Novo Mundo, em Curitiba, são alvos de uma operação da Polícia Civil do Paraná, que foi deflagrada na manhã desta sexta-feira (20).

Durante a operação, quatro mulheres foram presas em flagrante e com elas a polícia apreendeu dinheiro e uma grande quantidade de drogas.

Os endereços, que foram alvo de busca e apreensão,  funcionavam como centro de distribuição de drogas e também de outras práticas criminosas.

As mulheres, com idades entre 19 e 31 anos, foram presas nesta manhã. O líder do grupo criminoso, um jovem, de 19 anos, também foi preso em cumprimento a um mandado de prisão preventiva por posse ilegal de armas de calibre restrito e permitido.

Durante as buscas, a PCPR apreendeu aproximadamente R$ 53 mil em dinheiro e diversas munições de calibre .40, em um apartamento localizado no bairro Novo Mundo.

Em outro endereço, no bairro Parolin, os policiais civis descobriram um centro de distribuição de drogas mantido pelo bando. As quatro mulheres presas na ação, estariam embalando pedras de crack, que seriam destinadas para a venda. No momento, as mulheres produziam mais de três mil buchas. Todas foram autuadas por tráfico de drogas.

O líder do bando não foi encontrado em nenhum dos outros endereços de busca, entretanto, a ação se estendeu por todo o dia, com o objetivo de localizá-lo. No curso das diligências, a PCPR descobriu que o homem estaria variando sua estadia entre motéis, situados no bairro Santa Felicidade, e após intensas buscas foi localizado e preso.

As investigações continuam, com o objetivo de identificar demais indivíduos envolvidos com o bando.

DESDOBRAMENTO

A ação foi desencadeada após a prisão da companheira do líder do bando, ocorrida no dia 9 de setembro deste ano, no Xaxim. Na ocasião, a PCPR apreendeu um fuzil, uma metralhadora e uma pistola, dinheiro, entre outros apetrechos utilizados para prática de crimes.

Operação “Clínica Geral” mira o tráfico de drogas no noroeste do Estado

A 1ª Promotoria de Justiça de Paranavaí, no Nororeste paranaense, e o 8º Batalhão de Polícia Militar de Paranavaí cumpriram nesta terça-feira (10) 18 mandados de prisão e 15 mandados de busca e apreensão em Paranavaí, Terra Rica e Alto Paraná.

A ação faz parte da Operação Clínica Geral, que investiga organização criminosa com atuação na região, em diversos crimes, especialmente o tráfico de drogas.

De acordo com as investigações do Ministério Público do Paraná, que duraram cerca de seis meses, o grupo praticou diversos delitos patrimonais e providenciou o repasse de expressivas quantidades de drogas para venda na região, contando, inclusive, com o auxílio de integrantes presos ligados à facção criminosa.

A operação Clínica Geral se deve às diversas espécies de delitos a que se dedicava a organização criminosa, como tráfico de drogas, roubos, furtos, receptação, posse e porte de armas, posse de explosivos, crimes ambientais, estelionato e fraudes a seguros, entre outros.

 

mulher suspeita de tráfico de drogas presa colombo R$ 47 mil foto pcpr

Mulher suspeita de tráfico de drogas é presa com R$ 47 mil

Uma mulher suspeita de tráfico de drogas foi presa em flagrante, nesta terça-feira (22), em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. Com ela, a PCPR (Polícia Civil do Paraná) encontrou R$ 47 mil em dinheiro e 90 gramas de crack.

A prisão aconteceu no Jardim Abgail, durante o cumprimento de um mandado de busca e apreensão. Segundo a Polícia Civil, a mulher de 36 anos distribuía drogas para outros traficantes menores da região.

As investigações estão relacionadas às ações contra uma quadrilha especializada em ataques a bancos. O grupo foi desarticulado em julho. A mulher presa em flagrante hoje seria a companheira de um dos integrantes desta quadrilha. Ele foi preso no mês passado portando explosivos, fuzis, pistolas e 12 quilos de crack.

De acordo com a PCPR, a suspeita teria assumido as funções do companheiro após a prisão do homem. Ao gerenciar o tráfico de drogas na região, ela atuava no abastecimento dos pontos de drogas de Colombo. Os R$ 47 mil apreendidos seriam provenientes destes crimes.

A mulher suspeita de  tráfico de drogas tem antecedentes criminais pelo mesmo crime. Presa, ela segue à disposição da Justiça.

Quadrilha envolvida em homicídios e tráfico de drogas é alvo de operação

Uma quadrilha envolvida em tráfico de drogas, tráfico de armas e homicídios é alvo da operação “Adsumus”, nesta quarta-feira (21), deflagrada em várias cidades do Paraná. Ao todo, a Polícia Civil cumpre 54 mandados judiciais, sendo 28 mandados de busca e apreensão e 26 mandados de prisão.

De acordo com a polícia, o grupo atua a partir de Quedas do Iguaçu, na região centro-sul do Estado, sendo chefiado por dois irmãos, homem e mulher. As ações, que contam com o apoio da Polícia Militar, acontecem simultaneamente em Quedas do Iguaçu e Guarapuava, na região centro-sul do Estado, em Três Barras do Paraná e Cascavel, na região oeste, e em Dois Vizinhos, na região sudoeste.

Mais 90 policiais civis participam da operação, incluindo equipes táticas de elite da Polícia Civil, que atuarão em solo e no ar a bordo de helicóptero da corporação. Cães farejadores são utilizados para auxiliar na busca de drogas, armas e munições.

Os irmãos líderes do bando estão presos, ele em Guarapuava e ela em Cascavel. Mesmo assim, continuam a comandar as ações de dentro do cárcere.

HOMICÍDIOS DE AGENTES PÚBLICOS 

Conforme a polícia, a organização criminosa atua fortemente no tráfico de drogas e armas, tendo como padrão assassinar pessoas que de alguma forma atrapalhassem seus objetivos. Isso inclui agentes públicos.

Um policial civil, morto em Cascavel no ano de 1999, e um policial militar, assassinado em Guarapuava no ano passado, estão entre as vítimas da quadrilha. O secretário de obras de Quedas do Iguaçu, assassinado em 2017 no município, também foi morto por integrantes do bando.

A quadrilha atuava também em outros estados. Em novembro de 2017, um membro do grupo foi preso no estado do Rio de Janeiro transportando um arsenal, com 62 pistolas e um fuzil.

OPERAÇÃO ADSUMUS

A operação foi denominada “Adsumus”, que em latim significa “estamos presentes”. A ideia da Polícia Civil é demonstrar que está atenta aos acontecimentos e atua cumprindo sua missão de combater a criminalidade em todas as regiões do Paraná.

*Com informações da Polícia Civil*

Mais de 40 pessoas são presas em operação contra tráfico de drogas no Paraná

Até o fim da manhã desta quinta-feira (30), 41 pessoas haviam sido presas em uma operação contra associação criminosa envolvida com o tráfico de drogas nas cidades de Ubiratã, Juranda e Campina da Lagoa, no noroeste do Paraná. A ação foi deflagrada pela Polícia Civil, em conjunto com a Polícia Militar.

Dos detidos, foram 27 presos nas ruas, sendo sete em flagrante, e 14 mandados cumpridos dentro do sistema prisional. Além disso, dois adolescentes foram apreendidos.

Cerca de 150 policiais civis e militares cumprem simultaneamente 42 mandados de prisão preventiva e 39 de busca e apreensão em endereços relacionados aos alvos, que já estão sendo investigados há aproximadamente cinco meses. O objetivo da ação é reprimir o tráfico de drogas em Ubiratã e região.

Ônibus escolar falso transportava uma tonelada de maconha no Paraná

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 936,8 kg de maconha na tarde desta terça-feira (23) em Alto Paraíso, na região noroeste do Paraná. A droga estava em um ônibus escolar falso.

Segundo a PRF, os agentes abordaram o veículo por volta de 13h, em frente à Unidade Operacional Porto Camargo, na BR-487. Além da maconha, também foram encontrados no veículo 14,6 quilos de skunk, droga derivada da planta Cannabis sativa. O skunk tem uma concentração do princípio ativo THC até sete vezes maior do que a maconha.

O motorista, de 31 anos, foi preso em flagrante e disse aos policiais que pegou o ônibus em Naviraí (MS) e que pretendia levá-lo até Maringá (PR).

A PRF encaminhou a ocorrência para a Delegacia da Polícia Civil em Xambrê.

O crime de tráfico de drogas tem pena prevista de cinco a 15 anos de prisão.

Mais 730 kg de cocaína são apreendidos no Litoral

Mais 730 kg de cocaína foram apreendidos no Litoral do Paraná nesta segunda-feira (22), durante a Operação Seguimento, da Polícia Federal (PF).

As pistas que levaram à droga foram colhidas em investigação decorrente da apreensão de mais de 3 toneladas de cocaína em Guaratuba, na semana passada, pela Polícia Militar do Paraná. A PF identificou três endereços relacionados a um dos presos em flagrante, na ocasião.

Foram cumpridos dois mandados de buscas em Guratuba, sendo um em um barracão e outro em uma casa, local onde a droga foi localizada. Uma casa em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, também foi alvo de buscas.

Os mandados foram expedidos pela 14ª Vara Federal de Curitiba.

Além da cocaína, foram apreendidos um relógio de luxo, um caminhão, duas camionetes, bloqueadores de rastreador de caminhão, além de material para embalagem de drogas.

Polícia faz operação contra o tráfico de drogas em Londrina

A Polícia Militar está nas ruas de Londrina, no norte do Paraná, na manhã desta quinta-feira (18), para cumprir 28 mandados de busca e apreensão em uma ação contra o tráfico de drogas. Ao todo, 150 policiais militares atuam na operação.

A Operação Amparo é deflagrada nos bairros da região norte:  Novo Amparo, Santa Luzia e Jardim Felicidade. O objetivo da ação é apreender drogas e armas, além de capturar foragidos.

Porto de Paranaguá amplia cerco contra o tráfico e quer fiscalizar baía

A apreensão de 798 kg de cocaína escondida em carros transportados por um navio saído de Paranaguá no 1º dia desse mês em Dacar, no Senegal, teve resposta rápida das autoridades de segurança no porto paranaense.

Na última terça foi realizada a primeira megaoperação conjunta contra o tráfico de drogas, com 20 homens da Guarda Portuária, policiais militares e agentes federais (da Polícia e Receita), além de cães farejadores. Ao todo foram vistoriados 109 veículos que saíram com destino à África. Nada foi encontrado, mas a intenção é que as operações se tornem frequentes.

“Em tese, a impressão é que a droga teria embarcado junto com os veículos no porto. A ideia é intensificar a fiscalização todas as vezes de acordo com o embarque dessas mercadorias ao exterior,
principalmente com destinos a África e Europa, para no caso de alguma coisa ser encontrada futuramente no exterior a gente possa dizer 100% que não passou pelo porto”, explica o chefe da
UASP (Unidade Administrativa de Segurança Portuária), major César Kamakawa.

O major explica que os veículos exportados passam por um amplo processo de fiscalização. “Eles são devidamente vistoriados quando chegam, todos os seus componentes obrigatórios como
estepe, chave de roda, pintura e estofamento são vistos um a um. Depois são colocados em uma área estratégica com câmera de segurança e vigilância 24h”, conta. Agora será intensificada essa vitoria no embarque.

O porto ainda não descarta nenhuma hipótese, mas a suspeita é que os navios estejam recebendo drogas já no mar, fora do alcance da fiscalização. “Pode ser que embarcações menores emparelhem com os navios já no deslocamento externo, longe do alcance visual e nossa atuação, por enquanto”, declara Kamakawa.

O “por enquanto”, é porque está em processo de compra uma embarcação para a Guarda fazer essa fiscalização na região da Baía de Paranaguá. “É um projeto da nova gestão do porto para ampliação do raio de atuação, um meio a mais. Qualquer coisa que chame atenção, comportamento suspeito, será verificado”, revela. O major diz que em eventualidades essa fiscalização poderá acontecer além da baía, com apoio de barcos maiores, como da Polícia Ambiental.

Contêineres

O uso de veículos no tráfico internacional de drogas pode ser uma alternativa ao “tradicional” envio via contêineres, já que as apreensões têm crescido neste ano. Com dois scanners, a Polícia
e Receita Federal verificam os contêineres duas vezes: quando ele chega no terminal e antes do embarque.

Porto de Paranaguá tem megaoperação para coibir tráfico de drogas

A Administração dos Portos do Paraná, a Polícia Militar e Polícia Federal realizaram uma megaoperação contra o tráfico de drogas no Porto de Paranaguá.

Na noite desta terça-feira (9), um grupo de 20 homens, formado por integrantes da Guarda Portuária, militares e agentes federais, junto de cães farejadores, vistoriaram cerca de 109 veículos que saíram do terminal com destino à África.

Segundo o chefe da Unidade Administrativa de Segurança Portuária (UASP), major César Kamakawa, a ação é uma resposta ao aumento das apreensões nos embarques no Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP). Segundo ele, as apreensões aumentaram 13 vezes neste ano.

A ação desta terça-feira teve início com a reunião estratégica dos grupos, às 18h30. Em seguida, por volta das 19h, os oficiais se deslocaram para dois pontos diferentes. Parte da equipe foi para o pátio em frente ao prédio Dom Pedro II, no cais, onde os 109 veículos para exportação estavam estacionados.

O restante do efetivo já se dirigiu ao berço 215, no TCP, onde o navio Grande Francia estava atracado. Das 19h30 às 20h30, conforme os 167 veículos importados, vindos da Alemanha, eram desembarcados, já passavam por vistoria.

Enquanto isso, os veículos de exportação eram deslocados para este mesmo local, para começar o embarque. Das 20h40 às 22h10, como todos os veículos com destinos ao Uruguai e África vistoriados, a operação foi concluída. A reunião de encerramento e relatório foi realizada às 22h30.