motorista ônibus, briga, curitiba, ponto de ônibus, motorista agride

VÍDEO: homem estaciona carro em ponto de ônibus e agride motorista

Uma briga de trânsito assustou moradores do bairro Jardim Botânico, em Curitiba. Tudo aconteceu porque um homem que estacionou o carro em um ponto de ônibus brigou com o motorista do transporte coletivo. O desentendimento foi gravado por populares.

O rapaz ficou revoltado após o motorista do coletivo pedir para ele tirar o carro para que o ônibus pudesse passar. As imagens mostram os dois trocando socos e pontapés no meio da rua.

De acordo com o Sindimoc (Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana), o motorista apenas se defendeu das agressões físicas. A entidade também informou que o homem já foi identificado e um boletim de ocorrência foi registrado.

O caso aconteceu na última sexta-feira (22), na Rua Maurício Nunes Garcia. Segundo o Sindimoc, o local é o ponto final da linha Alcides Munhoz/Jardim Botânico. O sindicato disse ainda que é comum motoristas estacionarem veículos em pontos de ônibus pela cidade.

CONFIRA AS IMAGENS

Vestibular UFPR: Prefeitura reforça linhas de ônibus neste domingo (27)

Urbs (Urbanização de Curitiba) vai reforçar as linhas de ônibus que levam aos locais das provas da primeira fase do vestibular da UFPR (Universidade Federal do Paraná), que acontece no próximo domingo (27/10).

A linha 829-Universidade Positivo, que não opera aos domingos, terá programação especial para o dia.

Também vai circular a linha especial Campina do Siqueira/Colégio Paranaense (via itinerário da linha Camp.Siqueira/Batel – entre o Terminal Campina do Siqueira e Colégio Paranaense).

Essas duas linhas funcionarão até o término do vestibular.

As provas ocorrem entre 14h e 19h30. Os portões fecham às 13h30.

De acordo com a universidade, 38 mil candidatos farão as provas no domingo. Os maiores locais de prova do vestibular em Curitiba são o campus principal de PUCPR, Unicuritiba, o campus do Jardim Botânico da UFPR e a Unicesumar

Confira a relação de linhas do transporte coletivo.

 

Importunação Sexual - Curitiba - Guarda Municipal

Curitiba registrou 57 casos de importunação sexual em 2019

Desde outubro de 2018, a importunação sexual foi considerada crime em todo Brasil. Em Curitiba, o transporte coletivo tem sido um foco dessas ocorrências e a Guarda Municipal registrou 57 casos somente em 2019.

Nesta terça-feira (1), dois casos desse crime ocorreram na linha Inter-2. Os ônibus foram parados no Terminal do Hauer e no Terminal do Campina do Siqueira, com a Guarda Municipal realizando a prisão nos locais.

No primeiro caso, o suspeito de 55 anos foi encaminhado à Central de Flagrantes da Polícia Civil, após a vítima e testemunhas confirmarem o crime.

Já na segunda ocorrência, a vítima de 22 anos comunicou a ocorrência e o suspeito de 34 anos foi levado para a Delegacia da Mulher para os encaminhamentos necessários.

Para o secretário de Defesa Social e Trânsito, Guilherme Rangel, é importante que a vítima busque comunicar o crime rapidamente às autoridades, para que a abordagem seja feita com o suspeito ainda dentro do ônibus. “A viatura que estiver mais próxima será deslocada imediatamente para fazer o atendimento”, explica.

Legislação mais dura

Para tipificar a importunação sexual, foi elaborada a Lei n. 13.718/18 em outubro do ano passado, que determinou que essa ocorrência seja tipificada como crime e não mais como contravenção penal, o que não impactava em detenção aos suspeitos.

Esse crime consiste na prática de ato libidinoso não consensual, mas diferente do estupro, não é praticado com violência ou grave ameaça. Segundo a nova legislação, a importunação sexual tem pena de um a cinco anos de detenção.

São exemplos dessa prática toques não consentidos, beijos “roubados” ou qualquer ato que fira a dignidade por meio de ato libidinoso outra pessoa.

tarifa reduzida R$ 3,50 linhas horário diferenciado transporte público coletivo curitiba ArquivoSMCS

Tarifa reduzida a R$ 3,50 começará a ser implantada em 17 linhas; veja a lista

A tarifa reduzida para horários alternativos no transporte coletivo de Curitiba começará a ser aplicada a partir de 16 de outubro, em 17 linhas da rede, ao preço de R$ 3,50. O valor é R$ 1,00 mais barato do que a tarifa convencional.

Na prática, a lei permite que sejam cobrados valores mais baixos fora dos horários de pico, como forma de estimular o uso do transporte público. Os valores com desconto serão aplicados em dois intervalos do dia: das 9h às 11h e das 14h às 16h.

A medida foi sancionada nesta quinta-feira (26) pelo prefeito Rafael Greca (DEM). Ele explicou que a iniciativa é uma experiência para ver se a cobrança diferenciada não afeta do equilíbrio financeiro do sistema.

“Temos que fazer isso com muita cautela porque vivemos num país onde o petróleo sobe e os preços também. A ideia é buscar o melhor dentro das limitações contratuais”, pontuou.

A tarifa reduzida será implantada em 17 linhas, sendo 14 convencionais e três alimentadoras. Juntas, elas transportam, segundo a prefeitura, 80 mil pessoas por dia.

Confira as linhas com tarifa reduzida a R$ 3,50 em horários alternativos:

– Linhas convencionais:

  • Ahú/Los Angeles
  • Juvevê/Água Verde
  • Detran/Vicente Machado
  • Lindóia
  • Dom Ático
  • Novo Mundo
  • Vila Sandra
  • São Braz
  • São Bernardo

– Linhas alimentadoras:

  • Solar
  • São João
  • Tingui
tarifa reduzida horário diferenciado transporte público coletivo curitiba Foto Daniel CastellanoSMCS
Novidades foram anunciada nesta quinta-feira e as mudanças começam a partir do dia 16. (Daniel Castellano/SMCS)

Conforme o prefeito, o critério escolhido levou em consideração as linhas que melhor atendem a ligação dos bairros com o Centro.

“Escolhemos as linhas tradicionais e antigas. Se a população passar a usar o serviço, isso será estendido a outras linhas. E também aos centros das 10 regionais de Curitiba. A ideia é fazer linhas alimentadoras de vizinhança para todas as regionais”, explicou Greca.

O presidente da Urbs (Urbanização de Curitiba) Ogeny Pedro Maia Neto, destacou que a aplicação da tarifa reduzida será gradativa a partir do dia 16 de outubro.

“Não dá pra fazer todas de uma vez. Precisamos conversar com as empresas e criar a estrutura para isso [ampliação da tarifa diferenciada]”, argumentou.

De acordo com Maia Neto, a tarifa diferenciada só será válida para o pagamento com cartão transporte, e nos pontos convencionais fora dos terminais.

Além da tarifa reduzida, também foi anunciada a criação de uma linha de vizinhança, que liga Santa Rita, Carbomafra, Vitória Régia, Vila Verde ao Terminal da Cidade Industrial. A ideia é que, no futuro, ela seja ampliada ao Terminal do Tatuquara e Rio Bonito.

No início do mês, a Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba) anunciou um projeto piloto para aplicação de tarifa diferenciada de R$ 3,90 na linha Pinhais/Guadalupe. O desconto vale nos intervalos entre 9h e 11h; 14h e 16h; e 20h e 00h.

tarifa mais baixa projeto-piloto horários alternativos menor demanda ônibus sistema metropolitano R$ 3,60 R$ 4,50 comec R$ 3,90 Pinhais/Guadalupe

R$ 3,90: Comec testará tarifa mais barata em horários alternativos a partir da próxima semana

Um projeto-piloto vai baixar a tarifa do transporte público metropolitano em R$ 0,60 e reduzir a frota nas ruas durante os horários de menor movimento. A medida foi anunciada nesta quarta-feira (04) pela Comec (Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba) e será válida a partir da semana que vem, apenas nos ônibus da linha C03 – Pinhais/Guadalupe.

Desta forma, a partir de segunda-feira (09), a passagem custará R$ 3,90 nos seguintes intervalos: 9h às 11h; 14h às 16h; 20h às 00h. Nos demais horários (00h às 9h; 12h às 14h; 16h às 20h), o valor da passagem será mantido em R$ 4,50.

O desconto em horários de menor movimento não valerá para os embarques no Terminal de Pinhais. Como, neste caso, o pagamento é feito na entrada do terminal, não haveria como garantir que o passageiro embarcaria, de fato, em ônibus da linha Pinhais/Guadalupe. Portanto, o valor de R$ 3,90 valerá nos intervalos citados acima, desde que o embarque aconteça nos demais pontos, ou no Terminal do Guadalupe (onde a cobrança é feita individualmente em cada veículo).

Os resultados obtidos com o projeto-piloto nos ônibus da linha Pinhais/Guadalupe irão indicar se o desconto pode, ou não, ser estendido às demais linhas da rede metropolitana do transporte público coletivo. A primeira etapa do teste com tarifas a R$ 3,90 vai até o dia 29 de novembro.

“Servirá como um piloto para todo o sistema, com o objetivo de atrair novos usuários. Se a experiência com a tarifa se mostrar viável, causará uma grande mudança social, algo que não vemos em Curitiba há muitos anos”, explicou o presidente da Comec, Gilson Santos.

R$ 3,90: projeto-piloto

Os testes com tarifa a R$ 3,90 acontecerão nos ônibus da linha Pinhais/Guadalupe, utilizada por cerca de 9 mil usuários todos os dias. Os coletivos fazem o trajeto entre o Terminal de Pinhais e o Terminal do Guadalupe, no centro de Curitiba.

Segundo a Comec, esta linha foi a escolhida para o projeto-piloto por contar com ônibus articulados, capazes de transportar um número maior de passageiros.

“Estamos muito otimistas que esta experiência dê certo e, a partir dela, possamos ampliar o preço diferenciado da tarifa para novas regiões e novas linhas de transporte metropolitano”, afirmou Gilson Santos.

Atualmente, o sistema metropolitano de transporte atende 460 mil passageiros por meio de 195 linhas, a uma tarifa de R$ 4,50.

Empréstimo para agilizar Inter 2 deve ser votado no plenário da Câmara

Os dois empréstimos voltados à mobilidade urbana protocoladas pela Prefeitura de Curitiba na Câmara Municipal já podem ir para votação em Plenário. As operações de crédito, no valor de R$ 420 milhões, dependem da avaliação do legislativo para serem contratadas junto aos financiadores. As propostas, que tramitam em regime de urgência, já passaram por todas as comissões competentes da casa de leis municipal e agora seguem a plenário.

A maior parte dos investimentos será utilizado para melhorias na linha Inter 2, que transporta diariamente cerca de 91 mil passageiros. A Prefeitura pretende conseguir junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o montante de US$ 106 milhões, que equivale a cerca de R$ 405 milhões.

O Inter 2 conecta os cinco eixos estruturais da capital, por meio de seis terminais e 13 estações-tubo, sem passar pelo Centro. Ele foi implantado em 1992, com uma velocidade média operacional de 32 km/h, que hoje caiu para 22 km/h.

Segundo Olga Prestes, coordenadora de transporte e mobilidade do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) o projeto prevê a ampliação da velocidade e capacidade do Inter 2. “A ideia é revitalizar todo itinerário da Linha Inter 2. Os ônibus compartilham espaço com os carros e a linha está deixando de ser eficaz. Então a proposta é criar faixas exclusivas, canaletas exclusivas, dando prioridade para o transporte coletivo”, afirmou.

Segundo a Prefeitura, a linha, com exceção do sistema de BRT, possui o maior número de passageiros da cidade e atualmente compartilha as vias públicas com os automóveis.

Conforme Olga Pretes, o investimento na Linha Inter 2 atende uma demanda identificada numa pesquisa de origem e destino do transporte coletivo, realizada pelo Ippuc no último biênio. Ao todo, serão recuperados 70 km viários na cidade.
“Todo este 70 km envolve o itinerário da linha e algumas vias de acesso. Porque ao se implantar as faixas exclusivas, algumas vias terão que virar mão única. O pedestre também sairá ganhando, porque no entorno disso haverá revitalização das vias, das calçadas, da acessibilidade, então todos saem ganhando”, ressaltou.

A expectativa é que as melhorias resultem no aumento de 30% no uso do transporte coletivo pelos curitibanos, o que diminuiria o número de veículos na cidade e, consequentemente, o trânsito fluiria melhor. “Você deixa seu carro em casa, quando tem algum ganho, principalmente o ganho de tempo. Então o que move as pessoas é isso o ganho de tempo e a economia, e os passageiros terão isso. Com as melhorias a ideia é isso, as pessoas despertarem para o nosso sistema de transporte”, destacou.

O outro empréstimo seria para elaboração de diversos projetos executivos para futuras obras, como a construção do novo Terminal do Capão da Imbuia. A ideia é conseguir, por meio do programa “Avançar Cidades – Mobilidade Urbana Grupo 2”, do governo federal, o montante de R$ 15 milhões junto à Caixa Econômica Federal.

Os estudos e projetos contemplariam obras de infraestrutura viária no eixo Conectora 3; melhorias na infraestrutura da Rede Integrada de Transporte (RIT); requalificação da rua Francisco Mota Machado; construção do novo Terminal Capão da Imbuia; criação de uma interseção em desnível no cruzamento das vias Prefeito Lothário Meissner, Alberto Twardowski e Engenheiro Ostoja Roguski; e implantação de três estações-tubo na Linha Verde.

As dotações necessárias às amortizações e aos encargos anuais, relativos aos dois contratos de financiamento, deverão ser consignados em orçamentos do Município ou créditos adicionais. Ambos os projetos autorizam o prefeito a abrir créditos adicionais destinados aos pagamentos das obrigações decorrentes das operações de crédito.

As mensagens foram protocoladas no dia 15 de julho em regime de urgência pelo Executivo com prazo de 45 dias para aprovação. Porém, como a Câmara estava em recesso parlamentar, a contagem começou em 1º de agosto. Com isso, o prazo para deliberação do plenário é 16 de setembro.

arrastões assaltos transporte público de curitiba violência geraldoAGB

Em média, dois arrastões a ônibus são registrados por dia na capital

O número de arrastões no transporte coletivo em Curitiba caiu 38% no primeiro semestre deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Desde janeiro até junho, foram registrados 373 arrastões, contra 606 em 2018. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP).

Mesmo com a redução, são registrados, em média, dois casos de arrastão por dia nos ônibus de Curitiba e Região Metropolitana, segundo a Sesp.

O diretor do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), Ari Dario Pereira, frisa que esse número é maior, mas muitas vítimas, por medo, acabam não registrando o boletim de ocorrência. “Esses 373 oficiais que a SESP passou, a gente sabe que muitos não viram boletim de ocorrência, então os números podem ser maiores”, disse.

Segundo o Sindimoc, o trecho com mais arrastões é entre o Sítio Cercado e o Boqueirão.

O diretor do Sindimoc ressalta que a preocupação é sempre com agressões contra motoristas, cobradores e passageiros do coletivo. “Alguns eventos de agressão sim. Mas as vezes o próprio operador agredido tem medo de levar para frente por receio de represálias. A gente percebe que a Polícia Militar tem conseguido prender esses criminosos, mas o problema é continuaram presos”, explica.

Dário Pereira ainda lembrou que é importante que todo caso de furto ou roubo dentro do ônibus seja formalizado, por meio de boletim de ocorrência para as forças policiais, para que a informação chegue às instituições envolvidas e as devidas providências possam ser tomadas.

Aumento na passagem do ônibus em Maringá passa a valer a partir da meia-noite

O valor da passagem do ônibus em Maringá passa a ser de R$ 4,30 a partir da meia-noite desta sexta-feira (14). A tarifa do transporte coletivo na cidade da região norte do Paraná era de R$ 3,90, mas a empresa Transporte Coletivo Cidade Canção (TCCC) acabou pedindo um aumento de 30%.

A Prefeitura não aceitou a proposta, que resultaria em um valor de R$ 5,10 para o usuário. Entretanto, a administração municipal acabou aprovando o reajuste de 10,2%.

Vale ressaltar que 30 mil pessoas utilizam, diariamente, as 73 linhas de ônibus disponíveis na cidade.

A última vez que o preço da passagem tinha subido foi há quase um ano, em julho no ano passado. Na ocasião, a tarifa saiu de R$ 3,60 para R$ 3,90, um aumento de 8,9%.

MANUTENÇÃO 

O valor do cartão avulso, R$ 4,50, não sofre reajuste e permanece o mesmo.

LEIA TAMBÉM:

transporte coletivo ônibus curitiba

Curitiba terá cobrador de ônibus ao menos até 2023

Um acordo coletivo de trabalho formalizado pelo Sindimoc (Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e região) com a Procuradoria Regional do Trabalho da 9ª Região, Urbs e Sindicato da Empresas de Ônibus de Curitiba e região garante o posto de trabalho dos cobradores na capital por mais quatro anos.

Na reunião com a presença do Ministério Público do Trabalho, foi definido que até o dia 13 de maio do ano que vem só serão demitidos da função os cobradores que se aposentarem, ou que assumirem a função de motorista. A partir desta data, a cada ano 500 cobradores passarão por requalificação profissional com cursos oferecidos pelo SEST/Senat para serem encaixados em outros postos de trabalho.

Só a partir de 14 de maio de 2023 passa a ser mantida apenas a “quantidade necessária de cobradores”, segundo o Sindimoc. “Esse é o resultado da intensa mobilização da categoria. O compromisso foi fundamental para sensibilizarmos o patronal, a sociedade, os vereadores e atingirmos o objetivo de garantir a manutenção dos postos de trabalho”, disse o presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira.

Na Câmara, o projeto do executivo sobre a instalação de equipamentos de bilhetagem eletrônica – e que permitia o fim da função de cobrador – foi modificado. Foi acordado um substitutivo geral com a assinatura de 37 dos 38 vereadores retirando a palavra “exclusividade”.

transporte coletivo ônibus curitiba

Ladrões levaram R$ 1 milhão do transporte de Curitiba desde 2016

Dados da prefeitura de Curitiba mostram que o sistema de transporte público perdeu quase R$ 1 milhão com assaltos no entre os anos de 2016 até março de 2019. Os dados são de um pedido de informação feito pelo vereador Cristiano Santos (PV). Durante o período, foram registrados uma média de 4,5 assaltos/dia contra cobradores da cidade, totalizando mais de 6 mil ocorrências.

Em 2019, apenas nos 3 primeiros meses já foram registrados 185 assaltos, uma média de 2,05 por dia, gerando prejuízo de R$ 27.446,50. O ano de 2016 foi ano mais violento, com mais de 3000 assaltos, totalizando R$ 490.769,00.

“Os números apresentam um decréscimo ao longo dos anos, mas continuam preocupantes. Esse prejuízo registrado impacta diretamente no valor da tarifa, que já é extremamente cara”, comenta o vereador.

Ele ainda destacou a necessidade de se ampliar o número de pontos de venda do cartão transporte. Hoje eles estão em apenas 21 endereços. “O cartão transporte é uma boa iniciativa para reduzir o dinheiro circulante no sistema