sarampo casos paraná doença sesa

Mais de 1300 casos de sarampo estão sob investigação no Paraná

1.338 pessoas estão sob observação para a presença de sarampo no estado do Paraná, segundo novo boletim epidemiológico divulgado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) nesta quinta-feira (23).

Além disso, foram confirmados novos 34 casos, totalizando 787 ocorrências da doença no estado. Somente as regionais de saúde de Guarapuava, Francisco Beltrão, Foz do Iguaçu, Cascavel, Umuarama, Cianorte, Paranavaí, Apucarana, Telêmaco Borba e Ivaiporã não confirmaram casos de sarampo.

Paranaguá se juntou a lista dos municípios com ocorrências da doença, registrando dois casos confirmados na última semana. Confira abaixo o número de casos por cidades no estado:

  • Curitiba: 476
  • Almirante Tamandaré: 20
  • Antonina: 1
  • Araucária: 10
  • Balsa Nova: 2
  • Campina Grande do Sul: 6
  • Campo do Tenente: 3
  • Campo Largo: 25
  • Campo Magro: 9
  • Carlópolis: 6
  • Castro: 2
  • Cruz Machado: 3
  • Colombo: 56
  • Fazenda Rio Grande: 10
  • General Carneiro: 1
  • Irati: 5
  • Itaperuçu: 1
  • Jacarezinho: 6
  • Lapa: 2
  • Londrina: 8
  • Mallet: 4
  • Mandirituba: 1
  • Marechal Cândido Rondon: 1
  • Maringá: 3
  • Matinhos: 1
  • Paranaguá: 2
  • Pinhais: 30
  • Piraquara: 15
  • Quatro Barras: 3
  • Quintandinha: 1
  • Paranaguá: 1
  • Paulo Freitas: 5
  • Ponta Grossa: 1
  • Rio Branco do Sul: 8
  • Rio Azul: 1
  • Rio Negro: 1
  • Rolândia: 1
  • São José dos Pinhais: 29
  • São Mateus do Sul: 1
  • Sarandi: 3
  • Toledo: 3
  • União da Vitória: 18

SARAMPO

sarampo é uma infecção viral, altamente contagiosa, de fácil transmissão e que pode levar à morte.

Os sintomas mais comuns da doença são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema – manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo. Também podem ocorrer dores de cabeça, indisposição e diarreia.

VACINA

A vacina do Sarampo é feita com o vírus vivo, só que enfraquecido. Ela estimula o sistema imunológico a desenvolver anticorpos para combater os vírus causadores de doenças. A aplicação é por injeção subcutânea.

Geralmente, o medicamente faz efeito em aproximadamente 15 dias. Ela está disponível, de maneira gratuita, e, 1.852 salas de vacinação em unidades básicas de saúde de todo o estado.

O Ministério da Saúde recomenda que pessoas entre um e 29 anos devam receber duas doses da vacina tríplice viral, enquanto as de 30 a 49 anos, uma dose. Crianças com idade entre seis e 11 meses também devem ser imunizadas.

Casos de sarampo crescem 16,2% em dezembro no Paraná

O sarampo segue crescendo no Paraná. Desde 19 de dezembro, os casos da doença no estado subiram 16,2%, chegando a 753 ocorrências totais, segundo o primeiro boletim epidemiológico emitido pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) em 2020.

Contando as incidências entre as faixas de idade, o maior número de ocorrências se situa entre 20 e 29 anos. Confira abaixo esses números:

  • 0 a seis meses: 12
  • seis meses a um ano: 15
  • um a quatro anos: 8
  • cinco a nove anos: 3
  • dez a 19 anos: 199
  • 20 a 29 anos: 395
  • 30 a 39 anos: 82
  • 40 a 49 anos: 28
  • 50 a 59 anos: 11

Dentro dos municípios, Paranaguá, Rio Azul e Sarandi entraram na lista de cidades com registro de ao menos um caso de sarampo confirmado. Confira abaixo o número de casos por municípios:

  • Curitiba: 459
  • Almirante Tamandaré: 20
  • Antonina: 1
  • Araucária: 7
  • Balsa Nova: 2
  • Campina Grande do Sul: 6
  • Campo do Tenente: 3
  • Campo Largo: 24
  • Campo Magro: 9
  • Carlópolis: 6
  • Castro: 2
  • Cruz Machado: 3
  • Colombo: 52
  • Fazenda Rio Grande: 10
  • General Carneiro: 1
  • Irati: 5
  • Itaperuçu: 1
  • Jacarezinho: 6
  • Lapa: 2
  • Londrina: 8
  • Mallet: 4
  • Mandirituba: 1
  • Marechal Cândido Rondon: 1
  • Maringá: 3
  • Matinhos: 1
  • Pinhais: 30
  • Piraquara: 15
  • Quatro Barras: 3
  • Quintandinha: 1
  • Paranaguá: 1
  • Paulo Freitas: 5
  • Ponta Grossa: 1
  • Rio Branco do Sul: 8
  • Rio Azul: 1
  • Rio Negro: 1
  • Rolândia: 1
  • São José dos Pinhais: 27
  • São Mateus do Sul: 1
  • Sarandi: 1
  • Toledo: 3
  • União da Vitória: 17

SARAMPO

sarampo é uma infecção viral, altamente contagiosa, de fácil transmissão e que pode levar à morte.

Os sintomas mais comuns da doença são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema – manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo. Também podem ocorrer dores de cabeça, indisposição e diarreia.

VACINA

A vacina do Sarampo é feita com o vírus vivo, só que enfraquecido. Ela estimula o sistema imunológico a desenvolver anticorpos para combater os vírus causadores de doenças. A aplicação é por injeção subcutânea.

Geralmente, o medicamente faz efeito em aproximadamente 15 dias. Ela está disponível, de maneira gratuita, em todo o ano nas unidades de saúde de todo o país.

vacina, vacina pentavalente, estoque, demanda, paraná, doses, lotes, abastecimento, falta, paraná, saúde, anvisa, incqs, sesa

Paraná recebe doses da vacina pentavalente e espera normalizar estoque até fevereiro

O Paraná recebeu 44 mil doses da vacina pentavalente nesta sexta-feira (10). O abastecimento estava suspenso desde julho. Para suprir a demanda em todos os municípios, a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) espera receber mais 45 mil doses do Ministério da Saúde na semana que vem. A expectativa é que o estoque seja normalizado até fevereiro.

A vacina pentavalente teve o abastecimento suspenso há quase seis meses porque foi reprovada em testes de qualidade. Assim, a imunização foi suspensa até um novo lote passar pelo crivo do INCQS (Instituto Nacional de Controle de Qualidade de Saúde) e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“A falta de uma vacina prevista em calendário nacional causou uma comoção geral. Recebendo essas novas doses, imediatamente enviaremos às regionais para distribuição”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.

A vacina pentavalente protege contra múltiplas doenças ao mesmo tempo (difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e contra a bactéria haemophilus influenza tipo b, responsável por infecções no nariz, meninge e na garganta). Ela deve ser tomada em três doses: aos dois meses, aos quatro meses, e aos seis meses de vida.

Essa imunização está prevista no Calendário Nacional de Vacinação desde 2012.

vacina, vacina pentavalente, estoque, demanda, paraná, doses, lotes, abastecimento, falta, paraná, saúde, anvisa, incqs, sesa
Estoque da vacina pentavalente deve ser regularizado no Paraná até fevereiro. (Ilustração/Pixabay)

VACINA PENTAVALENTE EM FALTA

Para suprir a demanda nas 22 regionais, o Paraná precisa, em média, de 60 mil doses por mês. São as regionais que distribuem as vacinas pentavalente e organizam a oferta em todos os municípios. Assim, com as remessas previstas pelo Ministério da Saúde, a expectativa da Sesa é normalizar a situação até o final do mês.

A última vez que o Paraná recebeu as vacinas pentavalente do governo federal foi em outubro de 2019. Com três meses de desabastecimento, a quantidade em estoque não foi mais suficiente para regularizar a fila de espera nas salas de vacina.

“Considerando que nos meses anteriores não recebemos a vacina, esse envio total de 89 mil doses programado para os próximos dias ainda é insuficiente para atender a demanda do estado“, explicou a técnica do Programa de Imunização da Sesa, Fernanda Crosewski.

“No entanto, estes lotes vão permitir a cobertura vacinal de boa parcela da população até a situação se normalizar com o envio de mais vacinas pelo Ministério da Saúde”, completou.

ONDE VACINAR

A vacina pentavalente, quando o estado dispõe do estoque regular, pode ser encontrada gratuitamente em todas as 1.852 salas de vacinação das UBS (Unidades Básicas de Saúde).

Durante o período de desabastecimento, a dose regular chegou a ser substituída temporariamente pela DTP, que previne difteria, tétano e pertússis (coqueluche), por exemplo. No entanto, a vacina DTP é considerada um reforço à pentavalente, e deve ser aplicada em duas doses: aos 15 meses e aos quatro anos de idade.

Como a expectativa é normalizar a situação até fevereiro, a substituição da vacina pentavalente pela DTP não é mais recomendada.

“Orientamos que os pais aguardem a chegada da pentavalente. Essa é a vacina indicada para a criança e as remessas da vacina estão sendo regularizadas. Não se faz necessário mais necessário, nesse momento, a substituição”, finalizou Crosewski.

sarampo - curitiba - paraná

Sarampo chega a 32 municípios do Paraná com 479 casos confirmados

O novo boletim epidemiológico da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) mostrou que o sarampo continua a avançar no Paraná. De acordo com os dados divulgados nesta quinta-feira (28), a doença chegou em mais três municípios (totalizando 32 cidades) e registra 479 casos em todo o estado.

Em comparação com o levantamento da última semana, 50 novos casos foram registrados. A maior zona de infecção segue sendo Curitiba e sua região metropolitana com 435 casos.

Com o objetivo de prevenir a contaminação entre jovens de 20 e 29 anos, neste sábado (30) será realizado o Dia D de vacinação contra o sarampo. A iniciativa do Ministério da Saúde irá colocar as unidades de saúde abertas em dia especial para aumentar a imunização.

“O sarampo é bastante perigoso e potencialmente evitável. A vacina é a forma de prevenir e é gratuita. Vá no sábado até a unidade de saúde e se vacine, isso beneficia toda a população”, frisou o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

CASOS DE SARAMPO NO PARANÁ

  • Curitiba: 306
  • Almirante Tamandaré: 10
  • Araucária: 3
  • Balsa Nova: 2
  • Campina Grande do Sul: 2
  • Campo do Tenente: 3
  • Campo Largo: 12
  • Campo Magro: 1
  • Colombo: 32
  • Fazenda Rio Grande: 3
  • Itaperuçu: 1
  • Lapa: 1
  • Mandirituba: 1
  • Pinhais: 21
  • Piraquara: 13
  • Quatro Barras: 1
  • Rio Branco do Sul: 6
  • São José dos Pinhais: 17
  • Castro: 2
  • Ponta Grossa: 1
  • Irati: 3
  • Cruz Machado: 1
  • General Carneiro: 1
  • Paulo Freitas: 3
  • União da Vitória: 8
  • Maringá: 3
  • Londrina: 8
  • Rolândia: 1
  • Carlópolis: 6
  • Jacarezinho: 5
  • Toledo: 1
  • Matinhos: 1

O sarampo é uma infecção viral, altamente contagiosa e de fácil transmissão. Os sintomas mais comuns da doença são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema – manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo. Também podem ocorrer dores de cabeça, indisposição e diarreia.

Curitiba - Vacinação - Sarampo - Crianças - Paraná

Sarampo avança 16,5% nos casos e chega em 29 municípios no Paraná

O sarampo continua como um problema para a saúde pública no Paraná. De acordo com dados da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), 429 casos confirmados da doença foram registrados no estado, número 16,5% superior do que na última semana.

Além disso, três novos municípios tiveram casos confirmados da doença. General Carneiro, Paula Freitas e Toledo fazem com que a lista some 29 cidades paranaenses com registros de sarampo.

“Nosso levantamento aponta que 227, dos 429 casos confirmados, são de pessoas na faixa etária entre 20 e 29 anos. São os nossos jovens, que não sabem se tomaram a vacina ou acreditam que não ficam doentes. A vacina é uma forma de bloqueio do vírus. Se todos forem imunizados não teremos sarampo, podemos chegar novamente ao patamar que estávamos anteriormente”, afirmou o secretário estadual da saúde, Beto Preto.

Sobre as vacinas, a segunda fase da campanha nacional ocorre até o dia 30 de novembro (próximo sábado), data em que será realizada o dia D para a vacinação, com os postos de saúde abertos em horário especial para atender o máximo de pessoas possíveis.

“O Ministério da Saúde estimou que há quase 800 mil jovens sem vacina. Esta segunda etapa de vacinação é voltada a este público, jovens entre 20 e 29 anos. Precisamos aumentar a cobertura especialmente nessa faixa de idade porque eles representam mais do que a metade dos casos no Paraná”, finalizou Preto.

CASOS DE SARAMPO NO PARANÁ

  • Curitiba: 278
  • Almirante Tamandaré: 7
  • Araucária: 3
  • Balsa Nova: 2
  • Campina Grande do Sul: 2
  • Campo do Tenente: 3
  • Campo Largo: 10
  • Colombo: 26
  • Fazenda Rio Grande: 3
  • Itaperuçu: 1
  • Lapa: 1
  • Mandirituba: 1
  • Pinhais: 19
  • Piraquara: 12
  • Quatro Barras: 1
  • Rio Branco do Sul: 6
  • São José dos Pinhais: 15
  • Castro: 2
  • Ponta Grossa: 1
  • Irati: 2
  • General Carneiro: 1
  • Paulo Freitas: 3
  • União da Vitória: 8
  • Maringá: 2
  • Londrina: 8
  • Rolândia: 1
  • Carlópolis: 6
  • Jacarezinho: 4
  • Toledo: 1

O sarampo é uma infecção viral, altamente contagiosa e de fácil transmissão. Os sintomas mais comuns da doença são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema – manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo. Também podem ocorrer dores de cabeça, indisposição e diarreia.

fake news, fakenews, vacina, mentiras, brasileiros, pesquisa

67% dos brasileiros acreditam em fake news sobre vacinas

Dez afirmações falsas (fake news) recorrentes sobre vacinas foram apresentadas a mais de 2 mil entrevistados brasileiros nas cinco regiões do País, e o resultado da pesquisa preocupa a Sociedade Brasileira de Imunizações: mais de dois terços (67%) disseram que ao menos uma das informações era verdadeira.

A pesquisa foi feita pela sociedade médica em parceria com a organização não governamental Avaaz. Os questionários foram aplicados pelo Ibope entre 19 e 22 de setembro deste ano.

Entre os entrevistados, apenas 22% conseguiram identificar que as dez afirmações eram falsas (fake news). Mais 11% não souberam ou não responderam.

Para 24% dos entrevistados, “há boa possibilidade de as vacinas causarem efeitos colaterais graves”, quando, na verdade, os efeitos adversos graves são raríssimos. A segunda afirmação falsa mais recorrente foi “há boa possibilidade de as vacinas causarem a doença que dizem prevenir”, com 20% de concordância – uma em cada cinco entrevistas.

Apesar de as gestantes terem um calendário específico de vacinação formulado pelo Ministério da Saúde, 19% dos entrevistados concordaram com a afirmação falsa (fake news) de que “mulheres grávidas não podem se vacinar”.

O presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações, Juarez Cunha, chama a atenção que mesmo afirmações absurdas, características das fake news, tiveram concordância de parcelas consideráveis dos entrevistados. Para 14%, é correto afirmar que “O governo usa vacinas como método de esterilização forçada da população pobre”, e 12% disseram que “contrair a doença é, na verdade, uma proteção mais eficaz do que se vacinar contra ela”.

Entre os entrevistados desta pesquisa, 13% assumiram que deixaram de se vacinar ou deixaram de vacinar uma criança sob seus cuidados. Os motivos para essa ausência incluem falta de planejamento (38%) e difícil acesso aos postos de vacinação (20%), mas também foram citados o medo de ter um efeito colateral grave (24%), o medo de contrair a doença através da vacina (18%) e alertas e notícias vistos na internet (9%). Cada entrevistado citou até três motivos.

“Fica constatado que as pessoas estão recebendo muita informação inadequada, e que essa informação inadequada (fake news) tem circulado com cada vez maior frequência. Com certeza, é mais um dos motivos que tem impactado as nossas coberturas vacinais”, afirma Cunha.

sarampo, paraná, curitiba, surto, casos confirmados, confirmações, vacina, prevenção, vacinação

Casos de sarampo no Paraná crescem 16% na última semana

O Paraná continua sem registrar queda nos casos de sarampo. Segundo o boletim epidemiológico publicado pela Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) nesta quinta-feira (14), houve aumento de 16% nas ocorrências (52 confirmações ao todo) da doença na última semana, totalizando 368 contaminações no estado.

Dois municípios do Paraná registraram seus primeiros casos de sarampo. Itaperuçu, na região metropolitana de Curitiba, e União da Vitória, no sudoeste paranaense, tiveram os primeiros casos confirmados nesta última semana.

De acordo como o Ministério da Saúde, o Paraná é o segundo colocado em número de casos confirmados no país. Apenas São Paulo com 5.123 ocorrências fica na frente do estado. Ao todo, 10.429 aparições da doença foram registradas em 19 dos 27 estados do Brasil.

CASOS DE SARAMPO NO PARANÁ

  • Curitiba: 250
  • Almirante Tamandaré: 5
  • Araucária: 1
  • Balsa Nova: 1
  • Campina Grande do Sul: 2
  • Campo do Tenente: 3
  • Campo Largo: 10
  • Colombo: 24
  • Fazenda Rio Grande: 2
  • Itaperuçu: 1
  • Lapa: 1
  • Mandirituba: 1
  • Pinhais: 10
  • Piraquara: 10
  • Quatro Barras: 1
  • Rio Branco do Sul: 6
  • São José dos Pinhais: 13
  • Castro: 3
  • Ponta Grossa: 1
  • Irati: 1
  • União da Vitória: 2
  • Maringá: 2
  • Londrina: 8
  • Rolândia: 1
  • Carlópolis: 6
  • Jacarezinho: 4

O sarampo é uma infecção viral, altamente contagiosa e de fácil transmissão. Os sintomas mais comuns da doença são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema – manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo. Também podem ocorrer dores de cabeça, indisposição e diarreia.

sarampo, curitiba, casos, casos suspeitos, casos confirmados, ufpr, universidade federal do paraná, politécnico, jardim botânico, secretaria municipal da saúde

Segunda fase de vacinação contra sarampo começa segunda-feira (18)

Começa na próxima segunda-feira (18) a segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo. Nesta fase o público-alvo são jovens de 20 a 29 anos. De acordo com o Ministério da Saúde esta faixa etária está entre os grupos de maior vulnerabilidade à doença. Quem tem até 29 anos precisa ter duas doses da vacina para estar imunizado.

A vacina é a forma mais eficaz de proteção contra o sarampo, já que a doença que é transmitida pelo ar (respiração, tosse, fala, espirro) e que pode ser contraída em qualquer idade. Para reforçar a campanha, a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) vai fazer o Dia D de vacinação no sábado dia 30/11.

Dados parciais do Ministério da Saúde, do início da campanha até agora, apontam que cobertura vacinal no Paraná está entre 95% e 100% para a faixa de menores de um até dois anos incompletos.A vacinação seletiva, de seis meses a 11 meses aponta cobertura de 76,5%.

O estado confirmou 316 casos de sarampo, segundo o último boletim epidemiológico divulgado na semana passada pela Sesa. Das 22 regionais de saúde, 20 têm casos confirmados ou em investigação. Apenas as regionais de Campo Mourão e Cornélio Procópio não registram notificações de sarampo. A cidade com maior número de casos é Curitiba com 217 registros da doença.

sarampo paraná

Casos de sarampo no Paraná crescem 30% e chegam a 316 ocorrências

Os casos de sarampo seguem em alta no Paraná. De acordo com o Boletim Epidemiológico da Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), houve crescimento de 30% nas ocorrências dessa doença nessa última semana, com 43 novos registos e 316 pessoas infectadas no estado.

O alcance da doença também tem crescido. Apenas duas das 22 regionais do estado – Campo Mourão e Cornélio Procópio, não registraram casos de sarampo.

“O vírus se espalha rapidamente e o sarampo pode ter consequências muito graves. É uma doença que pode comprometer seriamente a saúde. As complicações que uma pessoa que teve sarampo pode desenvolver são otites, infecções respiratórias e doenças neurológicas, a redução da capacidade mental, surdez, cegueira e retardo do crescimento”, alertou Beto Preto, secretário da Saúde.

CASOS DE SARAMPO NO PARANÁ

  • Curitiba: 217
  • Almirante Tamandaré: 4
  • Araucária: 1
  • Balsa Nova: 1
  • Campina Grande do Sul: 2
  • Campo do Tenente: 3
  • Campo Largo: 8
  • Colombo: 20
  • Fazenda Rio Grande: 1
  • Lapa: 1
  • Mandirituba: 1
  • Pinhais: 10
  • Piraquara: 10
  • Quatro Barras: 1
  • Rio Branco do Sul: 5
  • São José dos Pinhais: 11
  • Castro: 2
  • Ponta Grossa: 1
  • Irati: 1
  • Maringá: 2
  • Londrina: 7
  • Rolândia: 1
  • Carlópolis: 3
  • Jacarezinho: 3

CURITIBA LIDERA CASOS

Dos 217 casos de sarampo na capital paranaense, 58% estão lotados entre pessoas de 20 a 29 anos. Outros 271 indivíduos estão sendo monitorados pela SMS (Secretaria Municipal da Saúde), em parceria com a Sesa. Nessas ocorrências, grande parte das confirmações é obtidas apenas com o exame de sangue, sete dias após o surgimento das manchas vermelhas na pele.

Ainda de acordo com a SMS, 29 casos foram importados de outras localidades. A Secretaria acredita que São Paulo tenha sido a fonte dessas infecções. Ao todo apenas 12 pessoas precisaram sem internadas, mas todas já receberam alta hospitalar.

O sarampo é uma infecção viral, altamente contagiosa e de fácil transmissão. Os sintomas mais comuns da doença são febre alta, tosse, coriza, conjuntivite, exantema – manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo. Também podem ocorrer dores de cabeça, indisposição e diarreia.

sarampo, paraná, curitiba, surto, casos confirmados, confirmações, vacina, prevenção, vacinação

Sarampo avança mais 18% em uma semana e casos confirmados chegam a 273 no Paraná

A escalada do sarampo continua e o Paraná já registra 273 casos confirmados, de acordo com a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde). Foram 42 doentes novos em uma semana, o que representa uma avanço de 18% em sete dias.

Quase 73% dos casos estão concentrados em Curitiba. Considerando os municípios do entorno, a região metropolitana da capital registra 95,5% de todos os registros do sarampo no Paraná.

CASOS DE SARAMPO NO PARANÁ

  • Curitiba: 199
  • Almirante Tamandaré: 3
  • Araucária: 1
  • Balsa Nova: 1
  • Campina Grande do Sul: 2
  • Campo do Tenente: 2
  • Campo Largo: 7
  • Colombo: 18
  • Fazenda Rio Grande: 1
  • Mandirituba: 1
  • Pinhais: 6
  • Piraquara: 4
  • Rio Branco do Sul: 2
  • São José dos Pinhais: 11
  • Ponta Grossa: 1
  • Irati: 1
  • Maringá: 2
  • Londrina: 5
  • Rolândia: 1
  • Carlópolis: 3
  • Jacarezinho: 2

PARANÁ REFORÇA NECESSIDADE DA VACINA

De acordo com a Sesa, a maior incidência do sarampo ocorre entre os adultos jovens, na faixa etária entre 20 e 29 anos, com 151 casos. Outras 69 confirmações foram registradas na população com idades entre 10 e 19 anos.

“Precisamos que todas as pessoas não-vacinadas compareçam nas unidades de saúde e tomem as doses necessárias gratuitamente. Para acabar com as cadeias de transmissão, é essencial que todos estejam prevenidos”, reforçou o secretário de Saúde Beto Preto.

A segunda fase da Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo está prevista para acontecer entre os dias 18 e 30 de novembro. Neste período, o foco estará juntamente na faixa etária mais afetada no Paraná (20 a 29 anos).