Motoristas envolvidos em suposto racha que matou estudante vão a júri popular

A estudante Caroline Beatriz Olímpio tinha 19 anos quando foi morta em um suposto racha na Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, na Cidade Industrial de Curitiba

Fernanda Scholze - BandNews FM - 15 de fevereiro de 2022, 08:30

Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Depois da justiça excluir a qualificadora do perigo em comum, o MPPR (Ministério Público do Paraná) apresentou um recurso com o pedido de inclusão dessa qualificadora para que possa acontecer o júri popular do suposto racha que matou a estudante Caroline Beatriz Olímpio, em Curitiba, em março de 2020. A informação é da BandNews Curitiba.

A justiça paranaense enviou a decisão dos dois suspeitos ao tribunal do júri na última sexta-feira (11). A vítima tinha 19 anos e estudava arquitetura na UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná). No dia, ela foi até uma outra universidade tirar xerox e foi atropelada quando atravessava a Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, na Cidade Industrial de Curitiba.

De acordo com a denúncia, o motorista que atropelou a estudante se chama Fernando Rocha Fabiani. Segundo as investigações, ele disputava um racha com Nicholas Henrique Castro. Os acusados vão responder por homicídio simples. A Justiça negou o pedido do MPPR para que fosse incluída uma qualificadora de perigo comum.

Foi determinado ainda que os acusados entreguem as habilitações para dirigir e os passaportes em cartório. Ambos foram autorizados a recorrer em liberdade.

Por meio de nota, a defesa de Fernando Rocha Fabiani informou que a decisão de pronúncia foi acertada em absolver brevemente o acusado de todos os delitos de trânsito inicialmente imputados e em afastar a qualificadora do homicídio. Com relação a pronúncia pelo homicídio simples, a defesa disse que vai recorrer ao Tribunal de Justiça do Estado do Paraná para demonstrar que não houve culpa na conduta de Fernando.

Já a defesa de Nicholas Henrique Castro afirmou que a decisão foi correta e ameniza os excessos de acusações feitas ao cliente anteriormente. Além disso, a defesa comentou que ele é uma testemunha e não o causador do acidente.

A defesa da família de Caroline Beatriz Olímpio relatou que o importante agora é que o povo, o tribunal do júri, seja justo ao decidir o futuro deste processo. A defesa falou ainda que aguarda ansiosamente para que a justiça pela vida da jovem seja feita.