Obras da Linha Verde devem ser concluídas em 2024, aponta novo cronograma

Pelo contrato original, o projeto deveria ter ficado pronto em dezembro de 2020; enquanto isso, as obras intermináveis provocam transtornos a motoristas, moradores e empresários da região.

Leonardo Gomes - BandNews FM Curitiba - 18 de fevereiro de 2022, 15:55

Foto: Luiz Costa/SMCS
Foto: Luiz Costa/SMCS

As obras da Linha Verde, entre os bairros Bacacheri e Atuba, devem ser concluídas somente em 2024. É o que prevê o novo cronograma dos trabalhos estabelecido pela Prefeitura de Curitiba após o rompimento de contrato com a empreiteira responsável pelas obras.

Um novo edital de licitação é prometido para o próximo mês e o prazo para conhecer a empresa vencedora do processo é, em média, de 60 a 120 dias. Se não houver nenhum contratempo, a previsão para a conclusão da obra é de 18 meses após a emissão da nova ordem de serviço. As informações são da BandNews Curitiba.

Enquanto isso, as obras intermináveis provocam transtornos a motoristas, moradores e empresários da região. O engenheiro de dados Marcelo Otta e o comerciante Reginaldo Teixeira usam o trecho diariamente no deslocamento do trabalho. Ter um dia de trânsito tranquilo é raro.

"Nos dias de semana não temos um dia de paz, não. Talvez aos sábados e domingos, dependendo do horário, e olhe lá. Agora com o retorno das aulas piorou mais ainda, o trânsito de toda a região fica caótico, por que como a Linha Verde não dá vazão, com obras fica tudo muito pior, uma confusão. Não adianta tentar desviar e ir para outra rua, também está toda travada", aponta Marcelo.

"A gente tenta buscar caminhos alternativos. Eu moro no Atuba e tento sair por dentro do bairro pra tentar fugir um pouco do trânsito, pelo menos do Trevo do Atuba", disse Reginaldo.

Pelo contrato original, firmado em 2018, a obra deveria ter ficado pronta em dezembro de 2020. Após a primeira rescisão de contrato, a nova previsão de conclusão ficou para dezembro de 2021. Agora o término está previsto para meados de janeiro de 2024.

O trecho em questão tem 2,8 km e prevê intervenções como trincheiras, viadutos, além de pavimentação, execução de calçada, ciclovia, paisagismo, sinalização e a ativação de estações-tubo. Mas segundo a prefeitura, nada será mexido até julho quando está prevista a conclusão do edital e escolha da empresa, o que deve ser feito em meados de julho. Com isso, o motorista que já tem que ter paciência para circular pelo trecho terá que aguentar um pouco mais o convívio com o campo de obras na região.

O motorista Orley Batista e o engenheiro florestal Daros Silva passam pela Linha Verde Norte algumas vezes por dia e já se cansaram de enfrentar congestionamentos em trajetos cheios de desvios.

"Sempre tem filas por ali e geralmente eu levo em torno de 15 a 20 minutos só para atravessar um pequeno trecho de 500 metros. Já estamos em 2022, agora jogaram o prazo para 2024. Sempre entra uma empresa nova e a obra nunca é concluída", lamenta Orley.

"No horário de pico, onde a gente precisa buscar as crianças na escola, por conta do fluxo alto de veículos ele começa a acumular bem naquele ponto de uma pista só. E todos os outros desvios que tem ao redor também ficam muito carregados", avalia Daros.

O que diz a prefeitura

Em nota, a prefeitura informou que até a conclusão do novo processo licitatório serão executados apenas serviços essenciais ou emergenciais para garantir a fluidez do trânsito pesado da região e a segurança dos usuários. Além disso, a Secretaria Municipal de Obras disse que está realizando um estudo do saldo remanescente da obra. A previsão de conclusão do estudo é a primeira quinzena de março.

De acordo com a prefeitura, o orçamento do trecho será atualizado no edital de março. No total, a prefeitura já teria pago pouco mais de R$ 16,6 milhões nas obras do trecho.

A reportagem da BandNews FM pediu uma entrevista com representante da prefeitura para falar sobre o andamento dos trabalhos, mas a administração preferiu enviar uma nota.

Ao ser questionada se vai tomar precauções para evitar novas quebras contratuais, a Prefeitura informou que usou e usará todas as providências previstas em contrato e na legislação vigente, quando e se necessário. A administração disse ainda que não tem interesse nenhum em rescisões contratuais, sendo que essa medida só é tomada quando realmente há descumprimento contratual grave que leve à essa tomada de decisão.