Patrocinadores pressionam e Minas afasta e multa Maurício Souza por mensagens homofóbicas

Redação e Folhapress


A diretoria do Minas Tênis Clube anunciou, na noite desta terça-feira (26), o afastamento do central Maurício Souza da equipe por tempo indeterminado. O jogador de vôlei também foi multado pelas publicações homofóbicas que fez em suas redes sociais.

“O presidente do Minas Tênis Clube, Ricardo Vieira Santiago, se reuniu com o atleta Maurício Souza esta tarde e lhe informou sobre o seu afastamento por tempo indeterminado do Fiat/Gerdau/Minas. O atleta também recebeu uma multa e foi orientado a fazer uma retratação pública imediata. O Minas Tênis Clube reforça que não aceita e não aceitará manifestações intolerantes de qualquer forma e que intensificará campanhas internas em prol da diversidade, respeito e união, por serem causas importantes e alinhadas com os valores institucionais”, disse o clube, em comunicado publicado no site do MTC.

Mais cedo, os patrocinadores do clube mineiro haviam pressionado a direção da equipe a tomar atitudes mais firmes contra o atleta, que recebeu uma repreensão pública do time, mas essa censura foi considerada branda e tardia.

Há duas semanas, o jogador de 33 anos manifestou seu descontentamento com o anúncio da DC Comics de que o novo Super-Homem, filho do Super-Homem original, vai se descobrir bissexual nas próximas edições dos quadrinhos. “Ah, é só um desenho, não é nada demais. Vai nessa que vai ver onde vamos parar”, escreveu.

Houve, então, uma discussão virtual com Douglas, companheiro de Maurício na seleção brasileira e membro da comunidade LGBTQIA+. “Engraçado que eu não virei heterossexual vendo super-heróis homens beijando mulheres”, respondeu o ponteiro, compartilhando o desenho do beijo gay do novo Super-Homem. “Se uma imagem como essa te preocupa, sinto muito, mas eu tenho uma novidade para tua sexualidade frágil: vai ter beijo, sim.”

Criticado – e também aplaudido por muitos no ambiente das redes-, Maurício fez questão de manter sua posição. “Hoje em dia, o certo é errado, e o errado é certo… Não se depender de mim. Se tem que escolher um lado, eu fico do lado que eu acho certo! Fico com minhas crenças, valores e ideias”, insistiu.

A repercussão foi grande, mas o Minas levou duas semanas para se posicionar. O clube de alto padrão de Belo Horizonte publicou uma nota na última segunda (25), dizendo-se contra a homofobia, mas defendendo que “todos os atletas federados à agremiação têm liberdade para se expressar livremente em suas redes sociais”.

“O clube é apartidário, apolítico e preocupa-se com inclusão, diversidade e demais causas sociais. Não aceitamos manifestações homofóbicas, racistas ou qualquer manifestação que fira a lei. A agremiação salienta que as opiniões do jogador não representam as crenças da instituição sociodesportiva”, afirmava a nota.

Pressão dos patrocinadores e associados

O Minas dizia ainda que havia conversado “internamente” com o jogador, mas não satisfez boa parte do público e de seus torcedores. Os patrocinadores do time de vôlei, que vinham pressionando por um posicionamento, soltaram nesta terça (26) notas em tom de cobrança, bem mais firmes do que a apresentada pelo clube.

“A Fiat declara repúdio a toda e qualquer expressão de cunho homofóbico, considerando inaceitáveis as manifestações movidas por preconceito”, afirmou a montadora. “A Fiat repudia qualquer tipo de declaração que promova ódio, exclusão ou diminuição da pessoa humana e espera que a instituição tome as medidas cabíveis e necessárias no espaço mais curto de tempo possível.”

Em seguida, foi a vez de a outra apoiadora do time de vôlei, chamado de Fiat/Gerdau/Minas, exibir posição semelhante. “A Gerdau reforça o seu compromisso com a diversidade e a inclusão, um valor inegociável para a companhia. A empresa ressalta que decidiu patrocinar os times masculino e feminino do Minas também pelo poder de inclusão da modalidade”, disse a produtora de aço.

Carol Gattaz, capitã da equipe feminina do Minas, já teve relações públicas com mulheres. Na formação masculina, Maique é abertamente gay. Ele contou ter conversado algumas vezes sobre homofobia com Maurício Souza, procurando alertá-lo. Maique o chama de amigo e diz ter com ele uma boa relação, apesar do que chamou de “burrice”.

Apoiador do presidente Jair Bolsonaro, com quem se encontrou recentemente em Brasília, Souza tem um histórico de declarações e publicações consideradas homofóbicas. A mais recente, pela repercussão, causou um incômodo maior nos patrocinadores, cuja pressão sobre o Minas não tem sido meramente protocolar.

A direção do clube agora se vê em uma situação desconfortável. Parte considerável de seus associados é tida como conservadora, mas são as empresas apoiadoras que bancam os altos salários das equipes de vôlei, que estão entre as melhores do Brasil.

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="799364" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]