“Um caderno de desenho e uma caixa de lápis”: idosos de asilo no Paraná emocionam com pedidos de Natal

Caderno e lápis, um pacote de bala, rádios a pilha e chocolate branco. Estes são alguns dos pedidos de presentes de Natal de idosos do Asilo São Vicente de Paulo, na Lapa.

Voluntários do asilo compartilharam nessa quarta-feira (9) a lista nas redes sociais de uma forma diferente e emocionante, para incentivar as doações.

As fotos dos idosos foram tiradas na segunda-feira (7), por iniciativa dos próprios voluntários da instituição.

Segundo Andrei de Souza Vidal, esta é a primeira vez que uma campanha de arrecadação para o Natal é realizada na instituição.

“É bom, porque tem muitos senhores que não têm família. Então, não pode passar em branco. Nem que fosse uma lembrancinha pequena, acho que a gente deveria ajudar”, conta.

Segundo Andrei, a ideia foi inspirada em uma publicação semelhante de um asilo em Minas Gerais. “Nós fomos até a loja Marechal, aqui da Lapa, onde a gente já começou ganhando o quadrinho. Fomos até o lar e perguntamos para cada idoso o que eles gostariam de ganhar. Com as respostas deles, nós fizemos as fotos”, explica.

A reação dos moradores foi positiva. “Eles ficaram muito felizes. A gente ficou muito emocionado. Porque teve cada pedido… Foi bem chocante”, lembra.

Os pedidos emocionaram os voluntários e as pessoas que compartilharam a publicação nas redes sociais.

Como ajudar

Neste domingo (13), o grupo estará recebendo as doações de presentes e outros itens no Memorial de Curitiba, onde foi cedido um espaço para a iniciativa. O Memorial fica no Largo da Ordem, no Centro. As doações serão recolhidas entre 9h e 19h.

Além dos presentes, a instituição também aceita a doação de alimentos e produtos de higiene (confira a lista no fim da matéria), além de roupas.

Também é possível fazer doações em dinheiro, depositando a quantia diretamente na conta do asilo – basta entrar em contato pelo telefone (41) 3622-3362, através do qual também é possível obter mais informações sobre as doações.

Os presentes e doações também podem ser enviados pelo correio. O endereço é Rua Barão do Rio Branco, número 440, na Lapa, Paraná. O CEP é 83750-000.

A entrega dos presentes aos idosos será feita no dia 18 de dezembro.

Confira as votos tiradas pelos voluntários:

O asilo

O São Vicente da Paulo da Lapa abriga, hoje, 47 idosos que têm idades entre 70 e 98 anos. São dois lares e os pedidos de doação foram feitos, a principio, apenas para um deles. De acordo com Andrei, dependendo do sucesso dessa primeira etapa, o segundo lar também deve receber doações.

Outras entidades em Curitiba

O Asilo São Vicente de Paulo de Curitiba atua há 90 anos e tem capacidade para 160 idosas. O atendimento de longa permanência atende apenas mulheres. As formas de doação estão disponíveis no site da instituição. Entre as principais necessidades no momento estão fraldas geriátricas M e G, roupas íntimas, sandálias, vestidos e lenços umedecidos.

Para o Natal, o Asilo São Vicente de Paulo também está organizando uma campanha de arrecadação de presentes. As doações podem ser depositadas nas Árvores de Natal na instituição e em vários locais de Curitiba – na Fabrica Mili; Assembleia Legislativa do Paraná; Faculdade Tuiuti; Ministério Público; e panificado Piegel.

Já o Lar de Idosos Recanto Tarumã atende cerca de 120 homens e também aceita doações em dinheiro ou de itens de higiene, alimentos e roupas no local. Entre os itens em falta estão fraudas tamanho G, sabão em pó, detergente e alimentos como feijão e leite. As informações sobre a campanha para arrecadação de presentes para o Natal serão divulgadas em breve.

Você encontra uma lista completa das entidades assistenciais voltadas para idosos, com ou sem fins lucrativos, no site da Fundação de Ação Social (FAS) de Curitiba.

Lista de demandas do Asilo São Vicente de Paulo da Lapa

Alimentos: achocolatado, adoçante, bolachas, coco ralado, café, chá, creme de leite, extrato de tomate, farinha de milho, leite condensado, canjica, maionese, quirera, sagu, suco e trigo.

Produtos de limpeza: água sanitária, amaciante, detergente, desinfetante, sabão em pó, sacos de lixo de 40 e 100 litros e fraudas geriátricas tamanho G.

Parte do IRPF pode ser encaminhada para o Fundo da Pessoa Idosa até dezembro

Com informações da BandNews FM

Empresas e pessoas físicas podem doar até o dia 30 de dezembro deste ano parte do Imposto de Renda devido para o Fundo Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa (Fipar). Todo valor arrecadado deve ser usado para financiar ações e programas voltados à proteção e defesa dos direitos dos idosos em todo o Paraná.

A aplicação dos recursos do fundo é fiscalizada pelo Conselho Estadual dos Direitos do Idoso, que analisa, seleciona e aprova os projetos a serem financiados. A Secretaria Estadual da Família e Desenvolvimento Social é responsável pela administração dos recursos, formalização de convênios e acompanhamento dos projetos.

De acordo com o superintendente das Políticas de Garantias de Direitos da Secretaria estadual da Família e Desenvolvimento Social, Leandro Meller, a doação incentivada é uma maneira de fortalecer o desenvolvimento de políticas específicas para a população idosa. “Esse recurso fica no Estado fortalecendo todas as ações que são desenvolvidas no atendimento desse público”, diz.

No ano passado, o governador Beto Richa assinou decreto determinando a todas as empresas estatais do Paraná que destinem 1% do valor devido do Imposto de Renda ao Fipar e ao Fundo Estadual para a Infância e Adolescência. O fundo do idoso, que contava com aproximadamente R$ 3,6 milhões, em 2015, chegou a ter R$ 8,4 milhões, no ano passado.

Saiba mais sobre a doação:

  • O contribuinte precisa fazer a declaração pelo modelo completo na declaração do Imposto de Renda.
  • O limite total de 8% para doação de pessoas físicas é dividido conforme os projetos: até 6% são para Fundos da Infância e Adolescência, Fundos do Idoso coordenados pela União, Estados, Municípios e Distrito Federal, bem como projetos aprovados pelos ministérios da Cultura e do Esporte; até 1% para projetos do Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas); até 1% para o Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) –esse último se refere a pessoas com câncer.
  • É possível doar para mais de uma instituição ou projeto, mas a soma das doações não pode ultrapassar os 8% do Imposto de Renda devido. Se isso acontecer, o contribuinte não será restituído do valor pago a mais.
  • O fundo ou projeto que recebe a doação deve emitir um recibo com nome e CPF do contribuinte e nome e CNPJ da instituição, além de data e quantia da doação. Este recibo deve ser guardado por 5 anos.

Créditos e prêmios do Nota Paraná ajudam a manter entidades sociais

Os créditos e prêmios concedidos pelo programa Nota Paraná estão ajudando a manter o trabalho de entidades de assistência social em todo o estado que, por causa da crise econômica, foram afetadas com a queda nas doações voluntárias. Desde que o programa passou a beneficiar instituições sem fins lucrativos em março, entidades sociais de diversos segmentos já receberam R$ 1,32 milhão.

Pouco mais da metade desse valor foi destinada a organizações não governamentais da área de assistência social. São instituições que atendem idosos, crianças, adolescentes, pessoas com deficiência e que integram a rede de atendimento a famílias e pessoas em situação de risco e vulnerabilidade social.

Para a secretária de Estado da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa, a inclusão das entidades sociais como beneficiárias no programa garante a elas oportunidade de uma nova fonte de recurso, para ajudar na manutenção de serviços prestados à população. “Esta é mais uma medida do Governo do Estado para fortalecer e assegurar a continuidade do trabalho social desenvolvido pelas organizações não governamentais, nossas grandes parceiras no atendimento às famílias e pessoas em situação de risco e vulnerabilidade social”, destaca.

A queda nas contribuições voluntárias fez com que os gestores da Fundação Isis Bruder, que fica em Maringá, Região Noroeste, buscassem novas alternativas para manter seus projetos. A entidade possui três unidades, que fazem mais de 600 atendimentos por mês, em atividades de contraturno escolar e programas de aprendizagem. “Esse não tem sido um ano fácil para nós. Na hora de cortar despesas, as doações, consideradas como gasto supérfluo, são as primeiras eliminadas”, diz a gestora da fundação, Luciana Faria.

Depois de participar de uma reunião de orientação, a entidade foi cadastrada e começou a arrecadar os documentos fiscais. No primeiro mês, a coleta rendeu pouco mais de R$ 200, mas, com a divulgação, o total recebido até agosto já somava R$ 2,26 mil. Segundo Luciana, o valor é uma ajuda valiosa no pagamento das despesas mensais, como o lanche das crianças e adolescentes, conta de água, luz e compra de materiais. “Espero que continue melhorando, a nossa expectativa é que essa arrecadação cresça. Dá trabalho, pois precisamos mostrar para as pessoas que a doação não custa nada para elas, e para nós faz uma grande diferença”, ressalta a gestora.

As crianças atendidas pela entidade também participam ativamente da arrecadação das notas e ajudam a conscientizar familiares e conhecidos. “Nós ensinamos a elas a importância de pedir a nota, que é para o seu próprio bem”, diz Luciana.

A assessora técnica da Secretaria estadual da Família e Desenvolvimento Social, Juliany Santos, explica que o empenho em divulgar o programa junto à população ajuda a aumentar os valores recebidos pelas entidades, seja por restituição ou por sorteio. “Elas podem fazer parcerias com comércios e empresas, para a colocação de urnas onde serão depositadas as notas fiscais emitidas sem CPF. Quanto maior o valor total de notas arrecadadas, maiores são as chances no sorteio”, diz Juliany.

Segundo a assessora, de abril a junho deste ano, a secretaria promoveu uma série de reuniões em todo o Estado, em parceria coma a coordenação do Nota Paraná, para orientar representantes de entidades sociais sobre como fazer o cadastro e também como divulgar o programa e aumentar a arrecadação de notas. Foram 20 encontros, com mil participações, que representaram cerca de 450 entidades de 200 municípios.

Entidades beneficiadas

Das 530 entidades de assistência social cadastradas no Nota Paraná, 459 já foram beneficiadas. Ao todo, elas já receberam R$ 577 mil em créditos e R$ 83 mil em premiações dos sorteios.

Desse montante, R$ 290 mil foram repassados a Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes) de diversos municípios do Estado. Entre as beneficiadas, está a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Cascavel (R$ 57,5 mil), que lidera o ranking das entidades de assistência social com mais créditos e premiações recebidas até agosto.

Também foram beneficiadas diversas entidades de acolhimento a idosos, como as unidades do Asilo São Vicente de Paulo dos municípios de Prudentópolis, Imbituva, Jacarezinho, Jandaia do Sul, Mandaguaçu, Mandaguari, Maringá e Paranaguá, que receberam, juntas, R$ 8,36 mil.

A relação completadas entidades de assistência social cadastradas e respectivos valores dos créditos gerados até agora estão disponíveis no site.

Cadastro

A Secretaria é responsável por cadastrar e habilitar as entidades de assistência social do estado. O registro é obrigatório para participação no programa Nota Paraná. As instituições interessadas podem acessar os requisitos necessários aqui.

Para facilitar o registro dos documentos fiscais, as entidades também podem baixar o aplicativo do Nota Paraná, que no momento da doação faz a leitura do seu QR Code da nota fiscal – um código de barras que pode ser facilmente escaneado pela maioria dos celulares equipados com câmera. O aplicativo foi atualizado com essa função, tornando prático e simples o registro das notas fiscais doadas.

Como doar

Quem deseja doar notas para as instituições cadastradas no programa deve pedir o documento fiscal no ato da compra ou aquisição do serviço, sem informar o CPF. Em seguida, a nota pode ser depositada diretamente nas urnas disponibilizadas pelas entidades nas empresas ou doadas pelo site do programa, onde deverão ser registradas manualmente.

Após resgates, IAP coloca animais silvestres para adoção

Interessados em cuidar de um animal silvestre nativo podem adotar os que são apreendidos em fiscalizações ambientais e resgatados de situação de risco no Paraná. O objetivo é apoiar os Centros de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), clínicas e hospitais veterinários.

De acordo com o presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Luiz Tarcísio Mossato Pinto, muitos animais que nasceram ou cresceram em cativeiro têm grande risco de morrer se forem soltos na natureza, pois não sabem mais conviver em ambiente natural. Um exemplo são os papagaios que já estão há muito tempo em cativeiro doméstico e desenvolveram uma interação e apego a seus donos.

“Se retirados das residências e levados para os Cetas, existe o risco de adoecerem e morrerem. Nesses casos, a garantia de bem-estar do animal é que ele permaneça em cativeiro doméstico, sendo monitorado e tratado como um animal silvestre, respeitando ao máximo suas características naturais”, Tarcísio.

 Em 2016, o IAP recebeu cerca de 500 animais silvestres – a maioria pássaros vindos de apreensão em fiscalizações do IAP e demais órgãos ambientais ou de entrega voluntária.

Animais silvestres apreendidos e resgatados podem ser adotados. Curitiba, 09/08/2016. Foto: Divulgação IAP
Animais silvestres apreendidos e resgatados podem ser adotados.
Curitiba, 09/08/2016.
Foto: Divulgação IAP

Cadastro para interessados

Quem quiser cuidar de animais silvestres nessa situação precisa se cadastrar no site do IAP, fornecer dados pessoais, indicar o local e o espaço disponíveis para manutenção doméstica do animal, assim como o responsável técnico – veterinário ou biólogo. Após a inscrição, os cadastros dos interessados e os locais indicados serão vistoriados pelo IAP para posterior homologação e emissão do Termo de Depósito ou de Guarda Provisória.

Por meio do cadastro será possível reunir, controlar e monitorar todas as informações de apreensões e destinações dos animais silvestres apreendidos, resgatados pela fiscalização ambiental ou entregues voluntariamente.

Não serão aceitos cadastros de pessoas com condenação por crimes contra a fauna nos últimos cinco anos ou de posse de animais silvestres nativos sem autorização legal. Somente poderá ser emitido um termo de guarda ou depósito de fauna nativa para um CPF por residência. Os termos poderão ser suspensos em qualquer momento, caso sejam constados maus-tratos aos animais sob posse do guardião.

Quem receber o termo de depósito ou guarda dos deverão fazer a marcação (identificação) do animal através de chipagem, anilhamento ou transponder, em conformidade com lei, além de informar ao órgão qualquer movimentação do animal (salvo em casos de emergência) a condição de saúde dele, mudanças de endereços, entre outros.

UEM recebe doação de 82 hectares para pesquisa científica

Mariana Kateivas, PontoCom News

A Universidade Estadual de Maringá (UEM) recebeu nessa quarta-feira (22) uma área com 82 hectares de terra, localizados em Diamante do Norte (PR). O objetivo é de que as terras sejam utilizadas para a pesquisa científica.

A doação foi feita pela empresa Duke Energy, uma empresa estrangeira que administra a Usina Hidrelétrica Rosana, no Paraná. Além das transferências de terras para a UEM, a organização também doou 132 hectares para o Instituto Ambiental do Paraná (IAP). As áreas equivalem a aproximadamente 214 campos de futebol.

Até os anos de 1980 e 1990, essas áreas eram utilizadas como canteiro de obras para a hidrelétrica. Depois disso, o local ficou sob gestão da UEM e passou a funcionar como Campus Regional do Noroeste e Colégio Estadual Agrícola do Noroeste, mas a doação só foi oficializada nesta semana.

Nas localidades do IAP, o espaço funciona como sede da Estação Ecológica do Caiuá.

Requião aparece em lista de Sérgio Machado

Repórter Tabata Viapiana

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) foi citado na delação premiada do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado. O nome do parlamentar aparece uma vez, em meio a uma lista de senadores do PMDB que supostamente teriam recebido vantagens indevidas.

Roberto Requião aparece em um dos depoimentos da colaboração do ex-presidente da Transpetro. O paranaense foi citado uma única vez, em meio a uma lista de senadores do PMDB que supostamente teriam recebido vantagens indevidas.

De acordo com Sérgio Machado, a pedido do PT, a empresa JBS teria feito doações de aproximadamente R$ 40 milhões para a bancada do PMDB no Senado, nas eleições de 2014.

Entre os parlamentares que teriam sido beneficiados pelos recursos, Sérgio Machado citou Requião, além de outros políticos já investigados na operação Lava Jato, como Renan Calheiros, Romero Jucá e Edison Lobão. O delator não soube dizer se o grupo JBS, controlador de várias empresas, como o frigorífico Friboi, recebeu algum favorecimento em troca da doação.

Na prestação de contas da campanha de Requião ao Governo do Paraná em 2014, aparecem três doações feitas pela JBS, totalizando R$ 2,4 milhões. A primeira, de R$ 500 mil, foi realizada através da direção nacional do PMDB; a segunda, de R$ 400 mil, por meio da campanha de Michel Temer à vice-presidência; e a última, de R$ 1,5 milhão, foi repassada diretamente pela JBS.

Essa é a primeira vez que o nome do senador é citado em uma delação premiada da Lava Jato. O advogado dele, Luiz Fernando Delazari, negou que a campanha de 2014 tenha recebido recursos de origem ilícita.

“Não há nada de ilegal. Essa específica com relação ao JBS foi um encaminhamento feito pelo Diretório Nacional do PMDB. Nós não tivemos sequer contato com ninguém da empresa, não houve nenhuma conversa da campanha com a empresa. O que foi é uma doação feita, uma espécie de ‘doação guarda-chuva’ que foi feita por essa empresa para o PMDB Nacional que distribuiu esses recursos licitamente para as campanhas dos candidatos a governador do PMDB. Totalmente declarado, sem nenhuma ilegalidade”, afirmou em entrevista à CBN Curitiba.

O advogado disse ainda que Requião não tinha proximidade e não é amigo de Sérgio Machado. Segundo Delazari, o próprio delator não afirmou que o dinheiro doado pela JBS se tratava de propina.

A delação traz nomes de mais de 20 políticos, entre deputados e senadores, de pelo menos seis partidos, que teriam procurado Sérgio Machado para pedir propina. Os principais nomes são: o presidente do Senado, Renan Calheiros, um dos principais líderes do PSDB, Aécio Neves, e até do presidente em exercício, Michel Temer.

Hospital recebe uma tonelada de agasalhos em apenas um dia

Em apenas um dia de campanha, o Hospital Pequeno Príncipe de Curitiba, especializado no atendimento de crianças, recebeu cerca de uma tonelada de agasalhos e cobertores. O pedido foi divulgado na imprensa e nas redes sociais com o objetivo de ajudar, principalmente, os acompanhantes dos pacientes do hospital a enfrentarem o frio. Na capital, os termômetros chegaram a registrar -2ºC neste final de semana.

Foram arrecadas cerca de duas mil peças de roupas e 300 cobertores no final de semana e foi preciso montar um plantão especial para receber as doações.

No Facebook, a instituição agradeceu as doações e informou que o excedente será doado a outras instituições:

O Hospital Pequeno Príncipe fica na Rua Desembargador Motta, 1070.

Quem tiver agasalhos para doar, pode procurar diretamente os postos de coleta da campanha Doe Calor, em Curitiba. Eles podem ser encontrados em prédios da prefeitura, estabelecimentos comerciais, escolas, academias, entre outros locais em diversos bairros na capital. Também é possível fazer doações online.

Campanha Doe Calor agora tem arrecadação online

A Doe Calor, campanha do agasalho da Prefeitura de Curitiba realizada pela Fundação de Ação Social (FAS) e Instituto Pró-Cidadania, tem uma novidade neste ano. Agora, além dos tradicionais pontos de coleta espalhados pela cidade, a Doe Calor conta com uma ferramenta de doações online, por meio do aplicativo Groovin. Além da doação, quem contribui também recebe benefícios para utilizar em estabelecimentos comerciais da cidade.

Para contribuir é fácil. Basta acessar www.groovin.com.br/doecalor. Depois, o doador precisa escolher com quanto deseja contribuir (R$10, R$20, R$30 e R$50) e o benefício que irá ganhar. Tudo o que for arrecadado pelo site será revertido em cobertores novos para a população em situação de risco e vulnerabilidade social da cidade.

“O Groovin surgiu há quase um ano como um guia de gastronomia, lazer e entretenimento e já estamos em cinco cidades diferentes. Mas queremos mais. Acreditamos que investir em ações sociais e nas pessoas sempre vale a pena. Por isso, resolvemos levar para frente essa ideia e convidar empresários e a população de Curitiba para contribuir com a gente e com a Doe Calor. Todo mundo sai ganhando”, explica o relações públicas do aplicativo, Leandro Couto.

Para o superintendente do Pró-Cidadania, Gerson Guelmann, é mais uma forma de se solidarizar com a causa. “O Groovin deu ainda mais praticidade para quem quer contribuir. Agora, dá para doar sem sair de casa, em poucos cliques. Ganhamos mais um parceiro, o Groovin, estamos muito felizes e esperamos bons resultados”, disse.

Estabelecimentos de Curitiba que desejem contribuir com a campanha e oferecer benefícios para seus clientes devem entrar em contato pelo email contato@groovin.com.br.

Outros canais

Interessados em se tornar um ponto de coleta da Doe Calor devem entrar em contato com o Instituto Pró-Cidadania pelo telefone (41) 3040-1500. O Pró-Cidadania se responsabiliza pelo encaminhamento do material e também pela coleta das doações.

Empresas também podem participar por meio da aquisição de cotas corporativas, que são revertidas em vales-cobertores. Pessoas físicas podem adquirir os vales-cobertores, no valor de R$ 10, nas lojas Leve Curitiba. Endereços: Parque Tanguá, Ópera de Arame, Jardim Botânico, Centro (próximo à Praça Tiradentes, na Rua Monsenhor Celso, 31), Rodoferroviária, Aeroporto Internacional Afonso Pena, Mercado Municipal, Zoológico, Torre Panorâmica e Largo da Ordem.

Doações de quantidades maiores de roupas e cobertores, assim como de móveis e eletrodomésticos em bom estado de uso, podem ser feitas ao longo de todo o ano pelo Disque Solidariedade, serviço gratuito da Prefeitura de Curitiba solicitado pela Central 156.

Campanha “Doe Calor” começa nesta segunda-feira em Curitiba

A campanha do agasalho da Prefeitura de Curitiba, “Doe Calor”, realizada pela Fundação de Ação Social (FAS), em parceria com o Instituto Pró-Cidadania, começa oficialmente nesta segunda-feira (16). O objetivo é estimular a doação de roupas, calçados e cobertores em centenas de pontos de coleta espalhados pela cidade para destinação a famílias em situação de risco ou vulnerabilidade social, unidades de acolhimento da assistência social e entidades sociais.

Em 2015, a Doe Calor fez o repasse de mais de 380 mil peças de roupas, um número 20% maior do que no ano anterior. Ao todo, foram 178 mil pessoas beneficiadas pela campanha. “A meta da Doe Calor não é numérica, mas humana: não vamos perder ninguém para o frio. Este ano o inverno promete ser rigoroso, por isso contamos com a solidariedade do curitibano para que participem da campanha”, afirma a presidente da FAS, Marcia Oleskovicz Fruet.

Os beneficiários da campanha são as famílias acompanhadas pelos Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), unidades oficiais de acolhimento da Prefeitura de Curitiba e entidades ligadas à FAS. Neste ano, o instituto Pró-Cidadania adquiriu e repassou 40.337 cobertores e 10 mil agasalhos ao público beneficiado.

Como ajudar

Interessados em se tornar um ponto de coleta da Doe Calor devem entrar em contato com o Instituto Pró-Cidadania pelo telefone (41) 3040-1500. O Pró-Cidadania se responsabiliza pelo encaminhamento do material e também pela coleta das doações.

Empresas também podem participar por meio da aquisição de cotas corporativas, que são revertidas em vales-cobertores. Pessoas físicas podem adquirir os vales-cobertores, no valor de R$ 10, nas lojas Leve Curitiba. Endereços: Parque Tanguá, Ópera de Arame, Jardim Botânico, Centro (próximo à Praça Tiradentes, na Rua Monsenhor Celso, 31), Rodoferroviária, Aeroporto Internacional Afonso Pena, Mercado Municipal, Zoológico, Torre Panorâmica e Largo da Ordem.

Doações de quantidades maiores de roupas e cobertores, assim como de móveis e eletrodomésticos em bom estado de uso, podem ser feitas ao longo de todo o ano pelo Disque Solidariedade, serviço gratuito da Prefeitura de Curitiba solicitado pela Central 156.

Com informações da Prefeitura de Curitiba

UFC movimenta comércio de turismo em Curitiba

As 15 mil latas de leite em pó que foram arrecadadas durante a pesagem oficial dos lutadores do UFC, em Curitiba. O produto deve atender mais de 10 mil pessoas.

Segundo o prefeito Gustavo Fruet, os hotéis estão com lotação plena e o evento movimenta o comércio de turismo da capital.

Veja a entrevista: