Pesquisa Eleitoral: Rafael Greca lidera disputa pela prefeitura de Curitiba em 2020

O Instituto Paraná Pesquisas realizou um levantamento sobre intenções de voto para as eleições municipais que ocorrem em 2020.

O Instituto ouviu 904 eleitores de Curitiba, entre os dias 16 e 20 de março. A margem de erro é de 3,5%. Foram três possíveis cenários apresentados aos entrevistados.

No primeiro, Rafael Greca, do PMN, tem 19,4%, seguido pelo ex-prefeito Gustavo Fruet, do PDT, que tem 15,7%. Ney Leprevost, do PSD, é o terceiro com 14,8%. Delegado Fernando Francischini, do PSL, tem 13,7%.

Depois vem o ex-prefeito Luciano Ducci, do PSB com 7,2%, Maria Victoria, do PP, tem 4,4%, João Arruda, do MDB, aparece com 3,8%, Miriam Gonçalves, do PT, tem 2,1%, o jornalista Paulo Martins, do PSC, aparece em penúltimo com 1,7%, seguido pelo também jornalista e advogado Ogier Bucchi, do PSL, que tem 0,7%.

Neste cenário, 10% dos entrevistados disseram que não votarão em ninguém. Não souberam responder 6,1%. No segundo cenário, aparece o deputado estadual Goura, do PDT, no lugar de Gustavo Fruet. Miriam Gonçalves sai de cena e entra o deputado estadual Tadeu Veneri, do PT.

Rafael Greca lidera com 21%, Ney Leprevost tem 16,7%, Fernando Francischini tem 16,4%. Na quarta posição aparece Luciano Ducci, com 9%, depois Maria Victoria, com 5%.

Na sequência: Tadeu Veneri tem 4,8%, João Arruda, 4,0%, Goura tem 3,3%, Paulo Martins, 1,9% e Ogier Bucchi tem 0,8%. Neste cenário, 11% disseram que não vão votar em nenhum dos possíveis candidatos. Não souberam ou não opinaram 6,3% dos eleitores abordados.

A terceira hipótese traz uma lista mais enxuta, com apenas 6 possíveis candidatos. Rafael Greca permanece liderando com 23,3%, Ney Leprevost tem 22,7%, Fernando Francischini tem 20,5%, João Arruda tem 5,8%, Goura tem 4,1% e Miriam Gonçalves fecha a lista com 3,8%. O Instituto Paraná Pesquisas também questionou os entrevistados sobre a avaliação da gestão de Rafael Greca. O índice de aprovação foi de 57,6%. Por outro lado, não aprovam a gestão do atual prefeito 39,2% dos eleitores curitibanos.

Manifestantes pedem congelamento da tarifa em R$ 4,25

O reajuste das tarifas de ônibus de Curitiba e região levou cerca de 300 pessoas às ruas do Centro da cidade. Os manifestantes saíram da Praça Rui Barbosa e marcharam até o Terminal do Guadalupe.

Encabeçado pelo Movimento de Luta do Transporte Coletivo (MLTC), o ato complicou o trânsito por onde passou. Bloqueios temporários foram montados por agentes da Setran.

A tarifa será reajustada a partir da zero hora desta quinta-feira (28). É o primeiro aumento desde fevereiro de 2017. O reajuste vale para Curitiba e para mais nove municípios metropolitanos: Colombo, São José dos Pinhais, Pinhais, Almirante Tamandaré, Quatro Barras, Campo Largo, Araucária, Fazenda Rio Grande e Campina Grande do Sul.

A passagem de ônibus passará de R$ 4,25 para R$ 4,50, um reajuste de 6% definido pela Urbanização de Curitiba S/A (URBS). Segundo a prefeitura, o valor ficou abaixo da inflação, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (IPCA). Foi 5,8% contra 6,7%, considerando o período de fevereiro de 2017 (último reajuste) a janeiro de 2019.

Os manifestantes pediram o congelamento da tarifa de ônibus em R$ 4,25 e uma revisão da licitação das empresas responsáveis pelo transporte da capital.

Quase metade não paga passagem

O sistema transporta por dia 1,3 milhão de passageiros. 600 mil são pagantes. Os demais usufruem de isenções asseguradas em lei. Fazem parte deste grupo idosos, pessoas com deficiência, estudantes (meia passagem) e ainda os passageiros da Região Metropolitana que entram no sistema urbano pelas integrações.

Tarifa com valor atual

Os usuários do transporte coletivo têm até esta quarta-feira (27) para carregar o cartão com créditos no valor atual, de R$ 4,25. O limite é de 220 passagens, que ficaria em R$ 935,00.

Se o cartão foi carregado com o preço atual, cada vez que passar na catraca, será descontada uma passagem no valor de R$ 4,25. Somente nos carregamentos posteriores ao reajuste da passagem é que serão descontados os R$ 4,50 a cada uso.

O prazo de validade dos créditos do cartão-transporte é de um ano.

Como comprar

Dá para carregar o cartão diretamente na URBS, nos postos de venda autorizados e pelo site da empresa – na aba compra de crédito.

Há postos de atendimento da Urbs na Rodoferroviária de Curitiba e nas Ruas da Cidadania, exceto a da CIC. O horário de funcionamento é de segunda a sexta-feira, das 12h30 às 18h30. O pagamento deve ser feito em dinheiro e o carregamento do cartão é imediato. Nos postos da Urbs não é cobrada taxa de carregamento.

Em postos autorizados, como bancas de revistas, é cobrada uma taxa de R$ 1,00 para comprar créditos e o carregamento é imediato. Esses postos aceitam somente dinheiro.

Se os créditos forem comprados pelo site da Urbs também tem taxa, de R$ 2,04, devido ao custo do boleto. Caso a opção seja por pagamento por meio da Guia de Recolhimento no Banco do Brasil, não é cobrada taxa alguma.

Greca entrega 52 novos ônibus para o transporte coletivo

O prefeito de Curitiba Rafael Greca (PMN), entregou 52 novos ônibus para a frota do transporte coletivo da cidade, nesta quinta-feira (24). Contando com todos os veículos já entregues na gestão Greca, são 117 novos ônibus em circulação na capital.

Segundo o prefeito, até março serão 249 veículos. “Assim será até eu completar a minha promessa de renovação da frota. O ônibus tem acessibilidade para idosos e deficientes, câmeras de segurança e o padrão não poluente Euro5”, afirmou em coletiva de imprensa.

Greca afirmou que não tem informações sobre a nova tarifa do transporte, que deve entrar em vigor neste ano. “Está sendo construída pela Urbs, a Comec e a Secretaria da Fazenda do estado, do município e a Secretaria de Desenvolvimento Urbano. Temos uma parceria para buscar qualidade e o menor reajuste possível”.

O prefeito se reuniu nesta semana com o governador Ratinho Junior (PSD). Entre os assuntos em discussão está a integração do transporte coletivo que, segundo Greca, será mantida. “As relações são múltiplas, 600 mil pessoas vão e voltam entre as fronteiras [de Curitiba e Região Metropolitana] todos os dias entre os passageiros que andam no sistema. Nossa função é dar a essa grande cidade uma mobilização funcional. Graças a Deus o governador pensa como eu”.

 

Prefeito de Curitiba, Rafael Greca, deixa o hospital

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN) deixou, no início da tarde desta segunda-feira, o hospital Marcelino Champagnat. Ele recebeu alta médica após 11 dias internado por conta de uma hérnia intestinal. Agora, o prefeito, passará mais uma semana em casa, para concluir o processo de recuperação da cirurgia a que foi submetido na madrugada do dia 29 de dezembro.

Internado às pressas na noite de 28 de dezembro com queixas de indisposição alimentar, Rafael Greca foi diagnosticado com uma hérnia intestinal que causou a perfuração do intestino delgado. Diante deste quadro, o prefeito foi submetido a uma cirurgia de emergência em que foi retirada a parte ferida de seu intestino (aproximadamente 30 cm).

Desde então, Greca passou seis dias na Unidade de Terapia Intensiva do hospital, e mais cinco (contando com a manhã desta segunda-feira) em um apartamento. De acordo com a equipe médica, Greca apresentou boa evolução pós-operatória durante toda a internação.

Agora, a recomendação dos médicos é de repouso domiciliar por mais sete dias, com alimentação leve e curativos na área do corte. Segundo eles, a volta às atividades na Prefeitura pode ocorrer a partir do dia 14/01.

“Neste momento, completamente recuperado, deixo o Hospital Marcelino Champagnat onde fui internado desde dia 28. Agradeço à brilhante equipe médica integrada pelos doutores Marco De George, Anna Flávia, Marlon Rangel e Carlos Eduardo Henze”, postou Greca, nas redes sociais, em legenda de fotos que fez com todos vários funcionários do hospital.

Ao chegar em casa, o prefeito gravou uma mensagem em vídeo. Confira:

Novo boletim médico indica que Greca se recupera bem

Sem grandes novidades, boletim médico divulgado nesta quarta-feira pelo Hospital Marcelino Champagnat aponta que o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN) continua com boa recuperação da cirurgia realizada na noite do dia 28 de dezembro.

De acordo com a equipe médica, o quadro de Greca nesta quarta-feira (2/1) segue estável e com boa evolução do procedimento cirúrgico; os exames de controle apresentaram bons resultados.

O prefeito segue internado, sem previsão de alta.

Na terça-feira, o prefeito chegou a gravar um vídeo desejando sorte ao governador Ratinho Junior (PSD), por ocasião de sua posse. Nesta quarta-feira, o prefeito publicou, nas redes sociais, uma foto de seu almoço no hospital e outra ao lado dos médicos do Marcelino Champagnat. “Satisfação na comemoração da plena recuperação, infeção debelada. Após almoço com creme de milho , suco de laranjas e gelatina de uvas e de morangos sinto a Vida em plenitude.Comigo os médicos Doutor Marlon Rangel (cirurgião) e Felipe Bueno da Silva (clínico)”, escreveu.

Do hospital, Greca acompanha posse de Ratinho Junior pela televisão

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN), segue internado no hospital Marcelinho Champagnat. Segundo a assessoria, na manhã desta terça-feira (1º) ele acompanhou a posse do governador Ratinho Junior, juntamente com a primeira-dama Margarita Sansone, pela televisão.

Ainda conforme nota, Greca esperou o evento acabar para ligar para Ratinho. No caminho do aeroporto até o embarque do governador para Brasília, o prefeito parabenizou pela posse e ouviu de Ratinho que ambos trabalharão juntos por Curitiba, com políticas inovadoras.

De acordo com o último boletim médico, divulgado no fim da manhã, o quadro de saúde segue com boa evolução e sem intercorrências. Segundo a equipe médica, todos os exames das últimas 24 horas demonstram melhoras.

Greca passou por uma cirurgia de emergência na sexta-feira (28) após se sentir mal. Ele foi até o hospital acreditando estar com um quadro de indisposição alimentar, mas exames indicaram uma hérnia umbilical estrangulada, que causou perfuração no intestino delgado.

Greca tem parte do intestino retirada, recupera-se bem, mas deve virar o ano no hospital

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN) passou por um procedimento cirúrgico delicado, mas a operação foi bem-sucedida e ele recupere-se bem. O cirurgião do aparelho digestivo Marlon Rangel, que faz parte da equipe que atendeu Greca no Hospital Marcelino Champagnat, detalhou, na tarde deste sábado, o quadro clínico do prefeito e informou que ele deverá passar a virada de ano no hospital.

“Após a cirurgia, o prefeito segue internado na UTI do hospital, como é de praxe após procedimentos desta natureza. Após o período de UTI, ele ainda precisará ficar internado no hospital por mais alguns dias, até sua completa recuperação”, explicou o Médico. Segundo o cirurgião, a previsão de alta em casos semelhantes é de 10 a 12 dias.

Segundo Rangel, após chegar ao hospital queixando-se de indisposição alimentar, Greca foi submetido a exames que constataram a existência de uma hérnia umbilical recidivada (que já foi operada no passado, mas voltou a manifestar-se). “Os exames revelaram, também, que a hérnia encontrava-se estrangulada, com uma pequena porção do intestino delgado presa”, disse o médico. “Os exames que realizamos mostraram um quadro de abdômen agudo cirúrgico, por isso, resolvemos realizar o procedimento na noite de sexta-feira mesmo”, acrescentou.

De acordo com o cirurgião, durante o procedimento foi constatada uma perfuração no intestino delgado, causada pelo estrangulamento da hérnia. Durante o procedimento, foi feita a retirada de 30 centímetros do intestino delgado e corrigida a hérnia umbilical. “A cirurgia correu bem, dentro do esperado. A infecção foi controlada e a hérnia foi tratada. Logo após a cirurgia, o prefeito acordou. Está bem e falante”, relatou o médico.

Greca é internado às pressas e passa por cirurgia

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN) está internado desde a noite de sexta-feira, no Hospital Marcelino Champagnat, em Curitiba, após ter apresentado sintomas de febre e indisposição alimentar. De acordo com boletim médico divulgado por sua assessoria na manhã deste sábado, o prefeito foi submetido a uma cirurgia de emergência para a restauração do intestino delgado e a retirada de uma hérnia.

Segundo o boletim, parte do intestino delgado do prefeito havia sido perfurada e um hérnia estava inflamada. A cirurgia, que durou 3 horas, foi bem sucedida, mas não há previsão de alta.

É a segunda vez, em dois anos de mandato, que Greca precisa ser internado. Em 2017, logo após tomar posse, o prefeito precisou ficar hospitalizado por uma semana por conta de uma tromboembolia pulmonar.

Greca diz que 2018 foi a ano da completa recuperação da Prefeitura de Curitiba

Contas em dia e máquina pública funcionando. Para o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN), em 2018, a prefeitura teve um saldo positivo principalmente porque o município conseguiu honrar com todos os seus compromissos financeiros.

“Foi o ano da completa recuperação da prefeitura de Curitiba. Conseguimos pagar quase todos os credores, 600 credores. Economizamos quase R$ 10 milhões em nossas licitações. Pagamos o 13º em dia, demos reajuste de 3% ao funcionalismo, de modo que a Prefeitura está completamente em ordem”, disse, em entrevista ao Paraná Portal.

Na entrevista, o prefeito também comentou algumas polêmicas que enfrentou durante o ano, como a transferência da administração da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Cidade Industrial de Curitiba (CIC) para uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip), iniciativa que disse que pode expandir para outros aparelhos do município, porque, na sua visão gera economia e facilita a gestão; e o projeto de implantação da bilhetagem eletrônica exclusiva no transporte coletivo da capital.

“Obrigação de ter gavetinha de dinheiro e cobrador é coisa do século XIX. O mundo mudou”, disse. Para ele, “gavetinha do cobrador não combina com a ambição de Curitiba de se destacar como cidade inteligente”.

Para 2019, o prefeito promete investimentos em pavimentação sobre saibro, zeladoria, na despoluição do Rio Belém, no programa de macrodrenagem. “E avanços significativos na inovação”.

Confira a íntegra da entrevista, gravada no dia 7 de dezembro.

Após protestos, prefeitura desiste de fechar UPA do Pinheirinho

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN) anunciou, nesta quarta-feira que a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Pinheirinho será reformada e permanecerá prestando atendimento de urgência e emergência. “O verdadeiro líder vai atrás do seu povo. A UPA Pinheirinho fecha por um mês para limpeza, pintura, revisão das instalações, requalificar mobiliário e depois volta a ser UPA”, declarou o prefeito. A unidade será fechada em 4 de novembro para o início das obras de melhorias e a previsão de reabertura é 1º de dezembro.

A reforma foi uma alternativa ao plano inicial divulgado pela Prefeitura na última sexta-feira (19/10) para o local, que era de readequá-lo para abrigar uma unidade especializada em emergências psiquiátricas. Porém, o prefeito levou em conta os pedidos da população da região, que vêm fazendo uma série de manifestações desde então, e de vereadores da Comissão de Saúde, Bem-Estar Social e Esporte da Câmara Municipal de Curitiba para não alterar o tipo de serviço prestado atualmente na UPA.

“Sou o Rafael que abre UPAs e jamais o que fecha serviços”, declarou. “Vamos continuar precisando de um espaço para receber pacientes da Saúde Mental e dependentes químicos e de álcool em situação de surto. Confio que todos que trabalharam para que a UPA Pinheirinho não fechasse nos sugiram novas soluções”, destacou Greca.

O prefeito disse já ter um projeto no papel para a criação de um local específico retomar o projeto da unidade de emergências psiquiátricas, visto que é uma demanda imediata do município. “Com o fechamento do Hospital Psiquiátrico Helio Rotenberg pode acontecer de não termos leitos em Curitiba e haver uma situação de desumanidade”, alertou.

A secretária municipal da Saúde, Marcia Huçulak lembrou que 60% dos usuários da UPA Pinheirinho são moradores de outras regiões da cidade ou da Região Metropolitana de Curitiba. A redução no volume de atendimentos da unidade nos últimos meses após a abertura de outras duas UPAS – a do Tatuquara e da CIC – também haviam sido norteadores da escolha do local para o projeto inédito da unidade especializada em emergências psiquiátricas.

A unidade especializada está, agora, sem sede definida e sem prazo para sair do papel. “A Prefeitura hoje não tem terrenos públicos e comprar um novo local é muito demorado e oneroso. Vamos pensar em alternativas, como a locação de um imóvel ou procurar alguma outra área da Prefeitura que possa ser cedida para isso”, avaliou Marcia.